You are currently browsing the category archive for the ‘Ruivós’ category.

Os grupos parlamentares do PSD e do CDS apresentaram um projecto de lei com a reorganização administrativa do território cuja discussão em plenário está agendada para a próxima quinta-feira, dia 6 de Dezembro. A iniciativa reproduz a proposta da Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa Territorial.

Concelho do Sabugal - Reforma das Freguesias - 2012 - Mapa Blogue Capeia Arraiana

(clique na imagem para ampliar.)

A proposta dos partidos que suportam o governo aponta para que as freguesias a agregar mantenham a sua existência até às eleições gerais para os órgãos das autarquias locais de 2013, momento em que será eficaz a sua cessação jurídica.
A aprovação do projecto de lei e a sua entrada em vigor implicará que a preparação das listas às eleições autárquicas tenha já em conta as agregações decididas.
Segundo a proposta conjunta PSD/CDS, o concelho do Sabugal ficará com 30 freguesias, menos 10 do que aquelas que actualmente possui, o que resultará da criação de sete novas freguesias por agregação:
– União das Freguesias de Sabugal e Aldeia de Santo António;
– União das freguesias de Santo Estêvão e Moita;
– União das Freguesias de Pousafoles do Bispo, Penalobo e Lomba;
– União das Freguesias de Ruvina, Ruivós e Vale das Éguas.
– União das Freguesias de Seixo de Côa e Valongo;
– União das Freguesias de Aldeia da Ribeira, Vilar Maior e Badamalos;
– União das Freguesias de Lageosa e Forcalhos.
No prazo de 90 dias após a instalação dos órgãos que resultem das eleições, a assembleia de freguesia delibera a localização da sede. Porém, na ausência de deliberação, a localização das sedes das freguesias a agregar no concelho do Sabugal será: Aldeia de Santo António, Santo Estêvão, Pousafoles, Ruvina, Seixo do Côa, Vilar Maior e Lageosa.
Os dois partidos que suportam o governo afirmam que a reforma é um antigo e histórico anseio e que no concreto resulta do memorando de entendimento assinado com a Troika, que determina a redução significativa das autarquias locais. Aumentar a eficiência e reduzir custos são outro dos motivos avançados pelos dois partidos para a reforma.
plb

A proposta formulada pela Unidade Técnica para a Reorganização Administrativa do Território (UTRAT) aponta para várias agregações de freguesias no concelho do Sabugal, passando o mesmo das actuais 40 para apenas 30 freguesias.

Concelho do Sabugal - Reforma das Freguesias - 2012 - Mapa Blogue Capeia Arraiana

(clique na imagem para ampliar.)

O Sabugal junta-se a Aldeia de Santo António, passando a constituir uma única freguesia.
O mesmo acontece-se com Santo Estêvão e Moita.
Outra união é entre as freguesias de Pousafoles, Penalobo e Lomba, que se reúnem numa só.
Também Ruvina, Ruivós e Vale das Éguas passam a uma só freguesia.
Seixo de Côa e Valongo juntam-se igualmente, agregando neste caso as duas margens do rio Côa.
Na raia, Aldeia da Ribeira, Vilar Maior e Badamalos também se juntam numa só freguesia.
Lageosa e Forcalhos são as outras duas freguesias da raia que se agregam.
A proposta mexe em todas as 11 freguesias com mesmos de 150 habitantes e ainda na do Sabugal e de Aldeia de Santo António, cuja junção a UTRAT justifica com o facto de serem contíguas, partilharem a albufeira do Sabugal e passarem a, juntas, perfazerem 2741 habitantes, reforçando assim demograficamente a sede do concelho.
Nas restantes agregações a UTRAT justifica-se com a homogeneidade do território, com a existência de legações rodoviárias directas, a pouca distância entre os agregados populacionais e a criação de um maior equilíbrio demográfico.
Recorda-se que a Assembleia Municipal do Sabugal se pronunciou contra a reorganização administrativa do território do concelho.
plb

Os presidentes das juntas de freguesia a agregar, nos termos da legislação aprovada pelo governo, pretendem pronunciar-se contra qualquer solução integradora das respectivas juntas, posição que tomarão na Assembleia Municipal do Sabugal, que se vai realizar no dia 28 de Setembro.

A Comissão Permanente da Assembleia Municipal reuniu na passada sexta-feira, dia 7 de Setembro, no Sabugal, a fim de preparar a próxima sessão, na qual os eleitos locais se pronunciarão quanto ao projecto de redução de juntas de freguesia.
Na reunião, orientada pelo presidente da Assembleia Municipal, Ramiro Matos, estiveram presentes os representantes dos diferentes grupos políticos que têm assento na Assembleia, bem como os presidentes das juntas de freguesias do concelho que, nos termos dos critérios legalmente definidos, terão que ser agregadas.
O Capeia Arraiana apurou que no decurso da reunião apenas três presidentes de junta declaram, peremptoriamente, não aceitar qualquer agregação, sendo frontalmente contra o processo político e legislativo em curso, que visa diminuir o número de freguesias. Tratou-se dos presidentes das juntas da Moita, Valongo do Côa e Penalobo.
Outros presidentes de junta afirmaram que se forem obrigados a agregar-se, aceitarão essa situação. Assim, o presidente da Junta de Freguesia da Lomba, disse aceitar reunir-se a Pousafoles. Outra agregação possível, defendida pelos respectivos presidentes, é a de Aldeia da Ribeira, Badamalos e Vilar Maior, ficando a sede da junta agregada nesta última. Por sua vez também estão dispostos a aceitar associar-se as juntas de Ruivós, Vale das Éguas e Ruvina, ficando a respectiva sede nesta última localidade.
A discussão levou porém a uma tomada conjunta de posição que aponta para a não pronuncia da Assembleia nesta fase, alegando que não aceitar qualquer integração. Na ausência de pronúncia, caberá à comissão criada pelo governo elaborar uma proposta de agregação, a qual terá depois que ser discutida e votada na Assembleia Municipal, altura em que os eleitos locais se pronunciarão sobre o projecto, podendo alterá-lo em função dos interesses das freguesias, desde que se cumpram os critérios legalmente estabelecidos.
A Assembleia Municipal do Sabugal reunirá em 28 de Setembro, sendo expectável que opte pela não pronúncia, manifestando oposição a qualquer agregação das freguesias do concelho.
plb

A Direcção da AAR-Associação dos Amigos de Ruivós organizou pelo segundo ano consecutivo o Passeio das Motorizadas pelo concelho do Sabugal. As velhinhas Famel, Sachs, Zundapp, Lebres e outras roncaram e esfumaçaram pelas estradas de Águas Belas, Pousafoles do Bispo, Sortelha e Sabugal durante a manhã e do Soito, Alfaiates, Vilar Maior, Carvalhal do Côa e Nave após um almoço bem merecido dos motards.

(Clique nas imagens para ampliar.)

jcl

A Direcção da AAR-Associação dos Amigos de Ruivós organizou pelo segundo ano consecutivo o Passeio das Motorizadas pelo concelho do Sabugal. As velhinhas Famel, Sachs, Zundapp, Lebres e outras roncaram e esfumaçaram pelas estradas de Águas Belas, Pousafoles do Bispo, Sortelha e Sabugal durante a manhã e do Soito, Alfaiates, Vilar Maior, Carvalhal do Côa e Nave após um almoço bem merecido dos motards.

(Clique nas imagens para ampliar.)

jcl

A AAR-Associação dos Amigos de Ruivós tem programado para o período entre 4 e 6 de Agosto diversas actividades desportivas, culturais e associativas. O convívio entre sócios e amigos da freguesia de Ruivós inclui a Festa da Cerveja (entre 4 e 6 de Agosto), mais uma edição da concentração de motos antigas (no sábado) e na segunda-feira, 6 de Agosto, a Assembleia Geral Ordinária e a Garraiada Nocturna com Forcão.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Gonçalo Pires (Presidente da Direcção da AAR)

O mês de Agosto carrega sempre o secreto apelo do regresso às origens para os que estão longe. No concelho do Sabugal faz povoar as aldeias, abrir as persianas, lotar os bancos das igrejas e encher os lugares públicos com um estranho mas familiar linguajar mesclado aqui e ali de expressões e palavras de origem francesa. Mas, para muitos dos sabugalenses é o tempo da mãe de todas as touradas – a capeia arraiana – espectáculo único que andou escondido esotericamente nas praças das nossas aldeias e que, agora, de há uns anos para cá parece ter perdido a vergonha e tudo faz para se dar a conhecer ao mundo. A tradição manda que as touradas com forcão, precedidas de encerro, se iniciem na Lageosa no dia 6 de Agosto e terminem em Aldeia Velha no dia 25. E que se oiça bem alto o grito: «Agarráááio»

DIA FREGUESIA EVENTO
3 e 4 Soito Garraiadas/Largadas
6 Lageosa da Raia Encerro e Capeia Arraiana
6 Ruivós Garraiada Nocturna com forcão
7 Soito Encerro e Capeia Arraiana
8 Rebolosa Encerro e Capeia Arraiana
10 Soito Tourada à portuguesa nocturna
12 Aldeia da Ponte Tourada à portuguesa
13 Aldeia do Bispo Encerro e Capeia Arraiana
13 Seixo do Côa Garraiada
14 Nave Capeia Arraiana
15 Aldeia da Ponte Encerro e Capeia Arraiana
15 Ozendo Encerro e Capeia Arraiana
16 Vale de Espinho Garraiada
16 Vale das Éguas Garraiada nocturna com forcão
17 Alfaiates Encerro e Capeia Arraiana
17 Fóios Capeia Arraiana Nocturna
18 Soito Festival «Ó Forcão Rapazes»
20 Forcalhos Encerro e Capeia Arraiana
21 Fóios Encerro e Capeia Arraiana
25 Aldeia Velha Encerro e Capeia Arraiana
Fonte: Rota das Capeias da Câmara Municipal do Sabugal

«A Capeia Arraiana não é uma tauromaquia qualquer. Como uma espécie de religião em que se acredita, não basta assistir, é preciso participar, ir ao encerro, comer a bucha, beber uns goles da borratcha e voltar com os touros, subir para as calampeiras, ser mordomo, ser crítico tauromáquico, discutir a qualidade dos bitchos da lide ou, simplesmente, ser fotógrafo da corrida que não deixa ninguém indiferente, corre na massa do sangue, provoca um nervoso miudinho, levanta os pêlos do peito, atarracha a garganta e perturba o sono. É um desassossego colectivo que comove.» António Cabanas in «Forcão – Capeia Arraiana».
jcl

A Câmara Municipal aprovou o plano anual de mercados e feiras a decorrer no concelho do Sabugal durante o presente ano de 2012. Muitas terras de pequena dimensão, em termos de moradores permanentes, conseguem manter o seu mercado mensal e a sua feira de ano, demonstrando por essa via a sua vitalidade.

Feiras (chamadas feiras de ano), por terem data de realização todos os anos e não mensalmente, como sucede com os mercados:
Badamalos: 24 de Agosto.
Casteleiro: 10 de Fevereiro, 10 de Maio e 10 de Novembro.
Quadrazais: segundo domingo de Agosto.
Rebolosa: 25 de Novembro.
Ruivós: segundo fim-de-semana de Março.
Ruvina: segunda-feira de Pascoela.
Sabugal: 29 de Junho.
Santo Estêvão: 15 de Março e 25 de Setembro.
Soito: primeiro domingo de Agosto.
Vilar Maior: 17 de Agosto.

Mercados, de realização mensal:
Aldeia do Bispo: primeira terça-feira.
Aldeia da Ponte: primeira segunda-feira.
Alfaiates: segunda quinta-feira.
Bendada: dia 12 de cada mês e às quartas-feiras entre os dias 22 e 29.
Bismula: último dia do mês.
Casteleiro: dia 10 de cada mês.
Fóios: último sábado.
Pousafoles do Bispo: segundo domingo.
Sabugal: primeira quinta-feira e terceira terça-feira.
Santo Estêvão: última quinta-feira.
Soito: quarta terça-feira.
Vale de Espinho: segundo sábado.
Vila do Touro: terceira quinta-feira

Os mercados e as feiras são sinais de vitalidade para a sede de concelho e para as freguesias que ainda os conseguem manter. Para além disso são geralmente de grande utilidade para as pessoas, que assim têm à porta um conjunto de bens essenciais que doutra forma teriam que ir comprar longe.
plb

Os habitantes de Ruivós recriaram a Paixão e Morte de Jesus, na Sexta-feira Santa, pelas ruas da paróquia. Às nove e meia da noite reuniram-se, junto ao Cemitério de Ruivós, largas dezenas de pessoas para assistir à recriação do momento mais significativo da fé dos cristãos.

(Clique nas imagens para ampliar.)

O cenário era verdadeiramente bucólico. A noite tornou-se amena, deixando brilhar a lua cheia. Nas ruas havia apenas luz de candeias, tochas e fogueiras. Os personagens estavam vestidos a rigor, com roupas da época. Dos 5 aos 80 anos, todos os actores deram um fulgor especial à vivência das últimas horas da vida terrena de Jesus.
No papel de Jesus Cristo esteve João Reis, do Grupo de Teatro «Guardiões da Lua», que arrancou os mais sinceros elogios por parte dos espectadores. Os restantes 81 personagens eram maioritariamente habitantes de Ruivós, contando-se também alguns paroquianos de Ruvina, Vale das Éguas e Badamalos.
O texto da peça de teatro, com 5 actos e 10 cenas, foi uma adaptação da paixão de São João, com algumas aportações de outros evangelistas.
O primeiro acto começou no Largo do Cemitério, com Jesus a enviar dois dos seus discípulos a preparar a Ceia Pascal. Já dentro da Capela de São Paulo, os presentes assistiram a duas ceias pascais: a primeira de uma família moderna, a segunda a evocar a última Ceia de Jesus.
No segundo acto, no Horto das Oliveiras, assistiu-se à oração de Jesus e à sua prisão, levada a cabo pelos príncipes dos Sacerdotes, pelos anciãos do Templo e pelos soldados judaicos e romanos.
O terceiro acto teve lugar no Largo da Fonte, junto das casas de Anás e Caifás, onde Pedro negou conhecer o seu mestre.
Já no Largo da Igreja estava instalado o Sinédrio e a Casa de Pilatos. O quarto acto foi muito participativo, tendo a multidão acusado veementemente Jesus e pedido a Pilatos a sua morte.
A caminho do Calvário, apareceu Verónica, Simão de Cirene, Maria de Nazaré e as mulheres de Jerusalém.
No quinto acto atingiu-se o clímax da peça. Jesus foi despido das suas vestes e cruxificado. Já na cruz, ouviram-se as célebres últimas “sete palavras” de Jesus antes de morrer. No momento em que Jesus morreu brilhou no céu um relâmpago e ouviu-se um forte trovão.
Todo o percurso foi feito em silêncio religioso. No final o sentimento comum era de emoção e preenchimento espiritual.
O pároco, responsável pela encenação, fez um agradecimento a todos os que colaboraram e contribuíram para que esta actividade fosse possível, agradeceu a presença de tão numerosa assembleia e desejou a todos uma boa Páscoa.
Organizaram esta peça de teatro a paróquia e a junta de freguesia de Ruivós. Apoiaram esta actividade as «Confecções Torre», a Câmara Municipal do Sabugal, a Sabugal+ E.M. e a paróquia de Aldeia da Ponte. Colaboraram na organização uma dezena de costureiras e mais de uma dezena de pessoas na montagem e apoio técnico.
Padre Hélder Lopes

Excelente iniciativa e excelente direcção de «actores». Os nossos parabéns ao Padre Hélder pelo dinamismo que tem colocado na sua pastoral.
jcl

Na noite de Sexta-feira Santa, pelas 21h30, mais de 70 personagens bíblicas vão dar corpo à narração da Paixão do Senhor ao vivo, pelas ruas da povoação de Ruivós, no concelho do Sabugal.

Haverá discípulos, soldados romanos, sumo-sacerdotes, chefes judaicos, escribas, doutores da lei, governadores, criminosos, agricultores, criadas, jovens, adultos e idosos. Haverá Cenáculo, oliveiras, fogueiras, galo, Pretório e Calvário. Haverá amor e traição, testemunho e abandono, acusação e negação, insultos e lágrimas, injúrias e ajudas, morte e perdão.
Será, certamente, uma forma diferente de viver a Paixão de Jesus.
O trabalho foi cuidadosamente elaborado. Uma dezena de costureiras fabricou roupas à época, os textos foram decorados e ensaiados, os espaços preparados, para que os espectadores possam recuar 2000 anos, e viver os momentos mais importantes da paixão de Jesus.
Esta actividade religiosa, que é mais que uma simples peça de teatro, conta com a participação especial de João Reis, actor e encenador do grupo de teatro da Quarta-feira – «Guardiões da Lua» – que encarnará a pele de Jesus.
O primeiro acto da paixão começará no largo junto do cemitério de Ruivós. Passará pelas principais ruas e praças da aldeia, terminando no Lagedo – Gólgota – lugar da crucifixão e morte de Jesus.
A entrada é livre.
Pe Hélder Lopes

A festa de São Paulo decorreu em Ruivós entre os dias 24 e 28 de Janeiro. Foram cinco dias de intenso programa festivo entre terça-feira e sábado em pleno mês de Janeiro. Nas contas dos festejos que já foram entregues pelos mordomos Paulo Rebelo (Ruivós), Paulo Lages (Lisboa) e Filipe Esteves (França) e apresentadas ao povo durante a missa de domingo destaque para o resultado positivo de cerca de 2400 euros após o pagamento de todos os encargos. Na lista das despesas destaque para a entrega de 150 euros para o Salão de Festas e de 100 euros para a Associação dos Amigos de Ruivós. Falta apenas dizer que foi batido um novo record de consumo de cerveja Sagres. Nada mais nada menos do que 164 grades de minis em pleno Inverno. É obra! A fotoreportagem é da autoria de Marlene Leitão.

GALERIA DE IMAGENS – FESTA SÃO PAULO – RUIVÓS – 25-1-2012
Fotos Marlene Leitão – Clique nas imagens para ampliar

jcl

A festa de São Paulo comemora-se, todos os anos, no dia 25 de Janeiro. A freguesia de Ruivós teima em manter a tradição da sua veneração em data certa no gelado e frio mês de Janeiro. Chegados de Lisboa, de França ou da Suíça todos se juntam para contar os minutos efémeros da alvorada que repete todos os anos os foguetes de estoiro, resposta ou repetição e tenta manter o ribombar de outros tempos. Mas… até as canas deram lugar a finas ripas de madeira.

Cartaz Festa São Paulo - Ruivós - Sabugal
(clique nas imagem para ampliar)

José Carlos LagesDizem os nossos pais que os antigos já tentaram mudar a data da festa de São Paulo e que nesse ano os marranos da aldeia foram todos vítimas de misteriosa peste que a todos «vindimou». É uma lenda e vale o que vale. Mas por isso, ou também por isso, todos os anos os mordomos recomendam aos que vêm a seguir que melhor seria mudar a data para o Verão, ou pelo menos, para o fim-de-semana a seguir ao dia 25 de Janeiro. E todos dizem que sim, todos dizem «que seria muito melhor». E a proposta vai passando religiosamente de ano para ano. Sem efeitos práticos já se percebeu. Até porque enquanto houver ruivosenses residentes ou na migração deverá haver festividade da conversão de Saulo na Estrada de Damasco. Assim seja!
A festa de São Paulo tem sempre três mordomos. Os deste ano (2012) são o Paulo Rebelo (por Ruivós), o Paulo Lages (por Lisboa) e o Filipe Esteves (pela França e Suíça). A sua função é organizar e contratar a banda, os foguetes, os artistas, etc. e pedir a esmola aos ruivosenses do seu «círculo eleitoral». O mordomo francês «dá a volta» pelos seus conterrâneos no princípio de Novembro e o de Lisboa nos feriados de Dezembro enquanto o de Ruivós é quando lhe der mais jeito. Resta dizer que é com muita satisfação que são recebidos em todas as casas onde levam uma lembrança e aproveitam para fazer o convite para que todos estejam presentes nos dias da festa. Em troca receberem a «esmola» que todos dão com devoção para ajudar à festa. «É pouco mas é de boa vontade», dizem uns. «Que São Paulo vos receba esta esmola com as suas bençãos», respondem os mordomos para ouvirem de seguida «e que São Paulo vos ajude nos vossos passos». Não é um ritual de uma sociedade secreta (como está agora na moda) mas simboliza o orgulho de um povo que está na emigração mas que tudo faz para não esquecer as suas origens. Assim mereçam os que ficaram na aldeia este orgulho e esta contribuição descomprometida dos que, por vezes, nem à festa podem ir.
Nos meus tempos de meninice a emoção fazia com que «saltássemos» da cama antes das oito horas da manhã. Isto dito assim não tem nada de especial. Mas se acrescentarmos que os aquecimentos e os recuperadores são relativamente recentes e que estamos no dia 25 de Janeiro numa terra que, no Inverno, acorda quase todos os dias em tons de «branco geada» esta emoção de «saltar da cama muito cedo» passa a ter mais valor. – E porquê antes das oito horas da manhã? – Porque era por volta dessa hora que chegava a carreira com a banda da música e começava a alvorada. O fazer subir e estoirar foguetes é (era) um dos maiores orgulhos da festa de São Paulo em Ruivós. Era reconhecidamente uma das festas do concelho do Sabugal onde a alvorada durava mais tempo e transformou-se numa das imagens de marca de Ruivós. Chegou a prolongar-se por mais de uma hora sem interrupção.
A inconsciência da juventude leváva-nos a percorrer as tapadas em redor à procura das «bombas» que não tinham rebentado para as recolher e guardar num local secreto. Nas férias grandes do Verão quando íamos guardar as vacas ou as cabras levávamos nos bolsos as pequenas bombas com pólvora para despejar aos poucos numa pedra lisa. O pó cinzento era depois coberto com um pequeno seixo de forma a que nos permitisse fazê-lo rebentar com uma pedra maior arremessada do cimo da parede por um de nós. Brincadeiras muito perigosas de crianças inocentes. Mas vamos voltar ao presente…
Um dos momentos maiores da festa está programado para a noite de 24 de Janeiro com uma procissão de velas que percorre o caminho até à capela do cemitério que dista cerca de um quilómetro da aldeia para «ir buscar a imagem do santo para a igreja matriz».
No dia 25 a festa mete música (de banda) e claro a procissão que leva de volta à sua capela a imagem de São Paulo. Antes é fundamental recuperar forças num prolongado almoço onde as famílias convivem e recordam os presentes e os ausentes. Uma curiosa particularidade da festa de Ruivós consiste em dividir os músicos da banda pelas casas com chaminé fumegante, ou seja, os homens esperam no final da missa e levam com eles um, dois ou mais músicos para partilharem o almoço festivo.
O programa da festa de São Paulo em Ruivós é o seguinte:
Dia 24: 19:00, procissão das velas; 20:00, fogo de Artifício.
25 de Janeiro: 8:00, chegada da Banda Filarmónica de Silvares e Alvorada; 11:30, missa em Honra de São Paulo na Igreja Matriz seguida da procissão; 17:00, ressalva, despedida dos mordomos velhos e recepção dos novos; 21:30, baile no salão de festas abrilhantado pelo tocador Rui Alves.
Dia 26: 12:00, missa do Emigrante na capela de São Paulo; 14:00, volta das Adegas e degustação do Borrego; 21:30, baile no salão de festas abrilhantado pelo tocador Filipe Nunes.
Dia 27: 11:00, actuação dos «Bombos de Badamalos»; 16:00, convívio (Jogos); 21:30, baile no salão de festas abrilhantado pelo tocador Miguel Agostinho.
Dia 28 (sábado): 10:00, animação de Rua com a «Xaranga da Rebolosa»; 12:00, convívio com porco no espeto; 15:00, actuação do acordeonista Micael; 16:00, actuação do Rancho Folclórico da Enxabarda; e continuação do convívio com o acompanhamento do tocador Filipe Nunes; 21:30, baile no salão de festas abrilhantado pelo tocador Filipe Nunes.
É obra! Cinco dias de festa em Janeiro! Vivam os Mordomos! Viva Ruivós! Viva São Paulo!

As insígnias, os andores dos santos e do Senhor dos Passos e os guiões da procissão são os mesmos da nossa juventude. Os rostos são todos familiares. Mas, como sempre, dou comigo a desenhar as imagens daqueles que já partiram. Um beijo Pai.
«A Cidade e as Terras», opinião de José Carlos Lages

jcglages@gmail.com

Munidos de motosserras os ladrões de cobre cortaram os 20 postes que suportavam os 2.100 metros de linha telefónica entre as aldeias de Bismula e Ruivós, no concelho do Sabugal, deixando as populações sem comunicações.

Vodpod videos no longer available.

O furto aconteceu durante a noite de quarta para quinta-feira passada, e o caso apenas foi descoberto na sequência da falta de comunicações por telefone fixo e Internet, altura em que se verificou o desaparecimento do fio e o caso foi comunicado à GNR.
Os assaltantes cortaram os 20 postes de madeira a cerca de um metro de altura do solo e recolheram seguidamente o fio de cobre em bobinas que terão carregado numa carrinha. O destino é a venda do cobre a sucateiros, negócio que tem motivado o furto constante de metais nas aldeias do interior.
Em Ruivós vivem cerca de 50 pessoas e na Bismula 150, que agora focaram mais isoladas do mundo, pois a rede móvel de telefones funciona com grandes limitações, face à constante falta de rede. O presidente da Junta de Freguesia da Bismula, José Vaz, teme que a reparação da linha demore várias semanas. «Sei que têm o assunto em mãos mas provavelmente a reposição das comunicações vai levar muito tempo, porque são muitos postes a recolocar e uma grande extensão de linha», disse o autarca ao Capeia Arraiana, acrescentando que a falta de telefones de estende a outras aldeias ao redor, nomeadamente a Aldeia da Dona e Carvalhal.
A GNR está em campo a investigar o crime, que poderá ter ligação com outros de igual natureza que têm acontecido na região. O modus operandi (furto com recurso ao corte de uma elevada extensão de postes) já é conhecido e tem acontecido noutros pontos do país, embora neste caso tal tenha sucedido numa grande extensão – mais de dois quilómetros.
O insólito despertou a curiosidade de diversos meios de comunicação social, que foram ao local para observarem in loco os vestígios do furto do fio. «Ontem estiveram aqui televisões, rádios e vários jornais nacionais, querendo inteirar-se da situação, acompanhei-os e prestei-lhes declarações. É bom que se divulgue o que aqui se passou para que as autoridades e as populações do interior se acautelem de modo a evitarem outros casos semelhantes», disse o presidente da junta de Freguesia da Bismula.
plb

A AAR-Associação dos Amigos de Ruivós organizou pelo quarto ano consecutivo o Magusto de São Martinho para os seus Sócios e Amigos. O convívio das castanhas e das caras farruscas teve lugar no Salão de Festas da aldeia no sábado, 12 de Novembro, e incluiu pela primeira vez torneios de sueca e de matraquilhos.

(Clique nas imagens para ampliar.)

O sábado foi um dia (e uma noite) com muita animação que começou com o 1.º Torneio de Sueca da AAR e o igualmente 1º Torneio de Matraquilhos da AAR.
As competições desenrolaram-se num prolongado convívio pela noite dentro e fria que, contudo, não conseguiu fazer com que os convivas arredassem pé.
A noite dedicada a São Martinho (onde se comem castanhas e se prova o vinho) foi animada, além das castanhas serem mais uma vez feitas assadas com a tradicional caruma, que com tanto frio teimava em não acender, não faltou quem pudesse partilhar as também tradicionais brincadeiras de sujar as caras.
Terminado o magusto e os torneios, foi o momento da merecida entrega dos prémios aos vencedores que tanto se esforçaram para chegarem ao fim.
Como não podia deixar de ser a direção da AAR fica bastante satisfeita por realizar atividades que contribuem para o convívio e a alegria dos seus Sócios e Amigos na freguesia de Ruivós.
Bem-haja a todos e para o ano há mais.
Gonçalo Pires
Presidente da AAR

A direcção da AAR-Associação dos Amigos de Ruivós organiza, mais uma vez, o tradicional Magusto de São Martinho no sábado, 12 de Novembro. Este ano a iniciativa conta com uma tarde desportiva com torneios de matraquilhos e sueca no Salão de Festas da da freguesia.

1.º Torneio de Matraquilhos e 1.º Torneio de Sueca - AAR-Associação dos Amigos de Ruivós

Magusto de São Martinho - AAR-Associação dos Amigos de Ruivós

(Clique nos cartazes para ampliar.)

jcl

As autarquias locais são, nos termos da Constituição, «pessoas colectivas territoriais dotadas de órgãos representativos que visam a prossecução de interesses próprios das populações respectivas». E será que todos os eleitos sabem isto?

José Carlos LagesNuma aldeia da Beira Alta foram substituídos durante o mês de Agosto os postes de transporte de electricidade e iluminação pública. As novas estruturas, mais robustas e altas, tomaram o lugar, também, de alguns pilaretes que estavam (ao que parece) ilegalmente encrustados nas paredes das casas privadas.
Numa ruela estreita quase exclusivamente pedonal que dá acesso a duas ou três habitações e a uma adega foi marcado, inicialmente, no pavimento o lugar de abertura da sapata para a colocação do poste da EDP.
Após alguns alertas dos moradores e utilizadores da dita ruela a localização do novo poste foi desviado cerca de cinco metros para o outro lado da ruela. Tudo isto com a supervisão dos técnicos da eléctrica portuguesa. Mas… eis que chega o autarca presidente e logo ali considera que a melhor localização é em frente à porta de uma adega.
A proprietária entendeu chamar à atenção para a gravidade da nova localização que, evidentemente, prejudicava claramente a serventia da dita adega que, além de ter feito parte da Rota das Adegas, tem vindo a sofrer alguns melhoramentos no sentido de manter a traça original que vem dos antepassados dos actuais proprietários.
O presidente da Junta de Freguesia aceitou rever a localização e encontrar uma solução que fosse do agrado de todos os proprietários da ruela. Após uma longa espera pela resposta do presidente da Junta de Freguesia e depois de uma conversa telefónica com o responsável pelas reclamações da EDP percebeu-se que apenas necessitavam do pedido da Junta de Freguesia e que, sem qualquer problema, deslocariam o poste para outra localização.
Há, assim, algumas conclusões a tirar:
– Alguns autarcas parecem apenas conhecer metade da cartilha e «visam a prossecução dos interesses próprios» esquecendo «os das populações respectivas».
– Alguns autarcas acham que quando são eleitos acabaram de adquirir uma quinta ou uma empresa.
– Alguns autarcas acham que podem utilizar o poder que lhes é investido pelo voto popular para ressabiamentos e ajustes de contas pessoais por iniciativa própria ou para satisfazerem alguém.
– Alguns autarcas nem sempre estão à altura dos lugares que ocupam.
Tudo isto seria um episódio sem importância se a aldeia não pertencesse ao concelho do Sabugal e não ostentasse no seu nome Ruivós.
De facto há quem tudo faça para convencer os outros, os que vivem «longe», que não percebem nada de certas realidades locais. Estranha e patética certeza.
«A Cidade e as Terras», opinião de José Carlos Lages

jcglages@gmail.com

Os mordomos da Capeia Arraiana 2011 de Ruivós entenderam, e bem, homenagear o Rogério um dos filhos da terra que mais recordações e saudades continua a fazer sentir em todos nós.

Rogério Caramelo Madeira (foto tirada na montanha de Davos) - autoria: José Carlos Lages

José Carlos LagesPerdoem-me os mais académicos destas coisas da comunicação mas hoje vou escrever com a emoção na ponta dos cliques sobre uma personalidade que apenas precisou de 22 anos para se afirmar como uma referência para todos os que o conheceram e que tiveram o privilégio de com ele conviver. Vou recordar o meu primo Rogério.

Há pessoas assim. Nascem. Crescem. E em poucos anos vivem uma vida eterna. A Igreja diz que para se ser santo é preciso fazer milagres. E se isso fosse suficiente o Rogério já me fez um milagre. Conheci em vida o Rogério.
Deixou-nos cedo, demasiado cedo, com 22 anos, em 2001, num trágico acidente de viação na Suíça na carrinha da empresa. A notícia chegou ao final do dia feriado, 1 de Novembro, dia de todos os santos. Fui jantar a casa dos meus pais e, quando abriram a porta, percebi logo que alguma coisa não estava a correr bem. O meu irmão Paulo lá arranjou coragem para me dizer – «Morreu o Rogério» – Sentei-me, peguei em «A Bola» que trazia comigo e comecei a folhear as páginas como alibi para conseguir ficar em silêncio e desenhar os frames de um filme onde recordei os momentos que com ele partilhei.
As imagens tinham sempre um denominador comum. O seu eterno sorriso.
Recordo o seu sorriso, envergonhado, que desenhava um suave agradecimento a quem o recebia.
Recordo as visitas que lhe fazia, de passagem, nos Seminários do Fundão e da Guarda naquele eterno vaivém que mantenho há muitos anos entre Lisboa e o Sabugal.
Recordo o tempo que passou em minha casa quando esteve, cerca de oito meses, na tropa na Academia Militar na Amadora. Para ele tudo estava bem. As estórias que contava da sua «guerra» eram sempre sobre animadas aventuras que vivia durante a semana. Mas poucos fins-de-semana o consegui segurar em Lisboa. «Fugia» sempre que podia para Ruivós, para junto da Tia Ilda e da Maria Cerdeira. Muitas das vezes nem precisava de entrar na casa de família, há muito vazia.
Recordo a alegria com que me disse no dia em que terminou a tropa que, finalmente, ia juntar-se à sua família na Suíça (pai, mãe e irmão) de quem sempre tinha vivido separado.
Primeiro o pai, empreiteiro, que deixou o concelho do Sabugal e procurou melhor qualidade de vida nas terras helvéticas. Depois a mãe e o Miguel (o irmão mais novo) foram de abalada para Zurique e o Rogério de abalada para o Seminário do Fundão na companhia do Geraldo do Osíris do Sabugal.
Sportinguista «doente» viveu comigo uma eterna picardia. Se as coisas não corriam bem lá para os lados da Luz já sabia o que me esperava. O telefone tocava e o leão gozava com a águia. Sempre que possível claro que me desforrava.
Um dia, por alturas da festa de São Paulo, telefonou-me por um motivo diferente. Já não sei se me pediu ou apenas me deu conhecimento. Em Junho precisava de mim em Zurique. Sem mais apenas lhe disse que sim. Na Portela encontrei-me com José Fernando, o padre motard, seu grande amigo desde os tempos do Seminário do Fundão. Também ele ia a Zurique participar na cerimónia do crisma do Rogério. Eu, com ar importante estampado no rosto, aproveitei para lhe dar a notícia que ia ser o seu padrinho. Orgulhosamente.
Foi uma semana bem passada. O Rogério estava de férias e fizemos grandes viagens no seu orgulho – o Seat Cupra2 – que terminavam, inevitavelmente, à noite, numa passagem pelas Casas do Sporting e do Benfica em Zurique. E como ele ficou contente por lhe ter levado uma camisola do Sporting assinada por todos os jogadores do plantel.
Depois veio o mês de Agosto. Depois veio o primeiro dia de Novembro. E depois veio aquela viagem solitária que fiz até ao Porto para receber o seu corpo no aeroporto de Pedras Rubras e para o acompanhar em conjunto com os pais e o irmão até Ruivós. E depois vieram os gritos lancinantes que a carreta ouviu quando entrou no largo da fonte. E… E… E muito fica por contar.
No ano passado a tragédia abateu-se de novo sobre esta família. A Mariana, mãe do Rogério e do Miguel, e mulher do Fernando faleceu com cerca de 50 anos vitimada por um cancro.
Este ano, os mordomos da Capeia Arraiana de Ruivós, entenderem homenagear os dez anos do desaparecimento do Rogério. Justa e merecida homenagem. O meu bem-haja pela iniciativa destes mordomos.
Aproveito para acrescentar a este memorial a mãe Mariana, o pai Fernando e o irmão Miguel.
O Rogério (e a Mariana) estarão para sempre na memória daqueles que os conheceram.

Aqui deixo publicamente o desafio para a atribuição de o nome de uma das ruas de Ruivós ao Rogério Caramelo Madeira. Não será difícil substituir uma «rua do saco», «rua do meio», «rua de cima», «rua de baixo», «rua do chafariz», «rua da fonte» ou «rua sem nome» por um sentimento com valor.
«A Cidade e as Terras», opinião de José Carlos Lages

jcglages@gmail.com

Mais uma vez a AAR-Associação dos Amigos de Ruivós apoiou os mordomos da Capeia Arraiana de Ruivós que decorreu no passado dia 6 de Agosto de 2011, no recinto de touros de Ruivós. Para sempre ficará na memória de todos os presentes o minuto de silêncio em memória de Rogério Caramelo Madeira que até os pássaros respeitaram.

Rogério Madeira - Capeia Ruivós 2011

A Capeia Arraiana 2011, em Ruivós, foi mais uma vez um sucesso e felizmente sem qualquer incidente e contou, também, com a presença do pároco da aldeia, Padre Hélder, a pegar ao Forcão em Ruivós.
Este ano os mordomos (Ricardo Leitão, Rui Moura, Miguel Caramelo e Marlene Leitão) e a AAR quiseram homenagear um amigo querido e nunca esquecido – Rogério Caramelo Madeira – que nos deixou à 10 anos e que estivesse ainda entre nós, teria concerteza lugar garantido no Forcão de Ruivós, pois como se sabe, o seu desejo era que Ruivós tivesse uma Capeia Arraiana, sonho que foi realizado depois da sua partida por um grupo de Amigos.
«A saudade é a prova que não te esquecemos!» foi a frase que representou o nosso sentimento na homenagem ao Rogério Madeira na Capeia de Ruivós de 2011.
Gonçalo Pires
(Presidente da Associação dos Amigos de Ruivós)

Mês de Agosto é sinónimo de Festas no concelho do Sabugal. E logo na primeira semana tiveram lugar em Ruivós noites de intenso convívio organizadas pelos mordomos da Capeia Arraiana e pela Associação dos Amigos de Ruivós.

Festa Associação Amigos Ruivós Agosto 2011

A semana em movimento, organizada pelos Mordomos da Capeia de 2011, revelou-se um importante marco para prender as nossas gentes na aldeia.
Desde o dia 1 até ao 6, a animação não parou e o Salão de Festas foi o local escolhido para os festejos. Em cada dia o tema festivo era diferente, desde os Anos 80, à caipirinha, à noite branca, à noite da mulher e à festa da cerveja e do shot.
O último dia – 6 de Agosto, foi dedicado ao Dia do Sócio da Associação dos Amigos de Ruivós (AAR), em que tiveram lugar: uma missa, um almoço convívio, a assembleia geral da AAR, a anual capeia nocturna e para o encerrar das festividades uma festa temática em que se comemorava o início do verão.
De facto, o principal motivo destas festas – a capeia – foi bem sucedido e, com grande agrado por parte dos mordomos, com grande assistência.
Sem dúvida, Ruivós esteve em movimento durante essa semana, pois todos os dias marcaram grande agitação desde a ginástica ritmica, jogos tradicionais e ainda um passeio de motas velhas pelo concelho do Sabugal que reuniu cerca de 25 motards.
No final, é grande a satisfação dos mordomos que desde o primeiro momento aceitaram o convite, para que a aldeia de Ruivós fosse espaço de festejos e animação neste mês onde o que não falta por aí são festas mas que nesta aldeia não exitem (existiam).
Os Mordomos da Capeia de 2011 agradecem a todos os que participaram e colaboraram nestes belos dias vividos em Ruivós.
Marlene Leitão
(Mordoma da Capeia Arraiana de 2011)

O forcão para a Capeia Arraiana nocturna de 6 de Agosto é novinho em folha. A sua construção serviu de «desculpa» para mais uma jornada de convívio da malta de Ruivós.

(Clique nas imagens para ampliar.)

No passado dia 9 de Julho em Ruivós construiu-se um novo forcão para a Capeia Arraiana nocturna, que se realizará no próximo dia 6 de Agosto a partir das 21 horas.
O dia começou bem cedo, os artistas reuniram-se junto da amoreira secular da Freguesia, para aí pegar os paus que iriam fazer parte do novo Forcão.
Foi junto ao Salão de Festas e da Sede da Associação dos Amigos de Ruivós que todo o processo se desenvolveu. O dia foi longo, o calor apertou, mas foi com grande alegria, entusiasmo e diversão que no final, todos os participantes festejaram e deram por concluída a sua missão.
A Associação doa Amigos de Ruivós e os mordomos da Capeia 2011, não quizeram deixar este dia em branco e organizaram o almoço e o jantar convidaram toda a população a participar e a conviver.
De facto, foi um dia desgastante mas também muito participativo por parte de todos os presentes, demonstrando mais uma vez a união do povo de Ruivós.
Gonçalo Pires

O PSD alcançou um resultado histórico no distrito da Guarda elegendo três dos quatro deputados e alterando o tradição equilíbrio (2 e 2) entre os PSD e o PS. O PSD venceu em todos os concelhos do distrito da Guarda tendo alcançado no concelho do Sabugal 3472 votos (48,20%) contra 2004 (27,82%) do PS.

No círculo eleitoral da Guarda o Partido Social Democrata elegeu três deputados – Manuel Meirinho, Carlos Peixoto e Ângela Guerra – e o Partido Socialista apenas um deputado – Paulo Campos – ficando de fora, como grande derrotado da noite, José Albano que se posicionava em segundo lugar. O distrito da Guarda elege quatro deputados e tradicionalmente têm sido divididos entre os sociais-democratas e os socialistas.
Manuel Meirinho em declarações à agência Lusa considerou que a candidatura do PSD alcançou «um resultado histórico». O Partido Social Democrata, liderado pelo politólogo independente, alcançou 46,32 por cento dos votos, elegendo três deputados. Já o PS conseguiu 28,31 por cento dos votos e elegeu apenas um deputado, o que já não ocorria desde 1995, altura em que os dois partidos passaram a eleger dois deputados cada.
«É um resultado histórico para o distrito, que expressa o esforço feito numa campanha de proximidade junto das pessoas, séria e serena, muito transparente e muito sóbria», afirmou à Lusa Manuel Meirinho, eleito deputado pelo distrito da Guarda, tal como Carlos Peixoto e Ângela Guerra. Segundo Manuel Meirinho, os eleitores do distrito «preferiram a seriedade a uma campanha feita de forma agressiva e com algum vazio do ponto de vista das ideias» e garantiu que o partido trabalhou para obter «uma grande vitória».
Quanto ao facto de a lista distrital ter sido liderada por um independente, disse que a «mistura» de militantes e de independentes «mostra aos eleitores que os partidos são estruturas abertas».

ELEIÇÕES LEGISLATIVAS  –  5-6-2011
DISTRITO DA GUARDA

CONCELHO DO SABUGAL  –  FREGUESIA A FREGUESIA
Águas Belas Aldeia da Ponte Aldeia da Ribeira Aldeia S.António Aldeia do Bispo
Aldeia Velha Alfaiates Badamalos Baraçal Bendada
Bismula Casteleiro Cerdeira Fóios Forcalhos
Lageosa da Raia Lomba Malcata Moita Nave
Penalobo Pousafoles Quadrazais Quintas S. B. Rapoula do Côa
Rebolosa Rendo Ruivós Ruvina Sabugal
Santo Estêvão Seixo do Côa Sortelha Soito Vale das Éguas
Vale de Espinho Valongo do Côa Vila Boa Vila do Touro Vilar Maior

(Clique nas imagens para ampliar.)

jcl

«Imagem da Semana» do Capeia Arraiana. Envie-nos a sua escolha para a caixa de correio electrónico: capeiaarraiana@gmail.com

Madeiro de Natal em Ruivós - Sabugal
Clique na imagem para ampliar

Data: 20 de Dezembro de 2010.
Local: Largo da Igreja, Ruivós, Sabugal.
Autoria: Capeia Arraiana.
Legenda: Antigamente o brio de acarranjar a lenha para a fogueira do Natal pertencia aos rapazes solteiros. Agora a responsabilidade de apresentar as giestas e os tocos pertence a todos. Em Ruivós está tudo a ser preparado para aquecer o menino na noite de consoada.
jcl

A Câmara Municipal do Sabugal e a CôaCaça organizam, com o apoio da Junta de Freguesia de Ruivós, uma batida à raposa e aos saca-rabos na Zona de Caça Municipal do Médio Côa. A concentração, para caçadores inscritos nas zonas de caça municipal, está marcada para as 8.00 horas de sábado, 11 de Dezembro, no Salão de Festas e Sede da Associação dos Amigos de Ruivós.

Batida Raposa Saca-Rabos Ruivós - Sabugal

O pequeno-almoço e almoço são oferecidos pela Junta de Freguesia de Ruivós.
jcl

A adega particular é um espaço de convivência que se vai mantendo desde épocas remotas na generalidade das aldeias, ainda que os tempos a isso já não sejam propícios. A situação prevalece muito especialmente nos povoados que se inserem em regiões vinícolas, onde a vinha se mantém como cultura de apreciado rendimento.

Ao invés, há terras em que a vinha feneceu, transformando-se em matagal. Isso mesmo aconteceu nas terras raianas do concelho do Sabugal, onde antigamente todo o proprietário zeloso tinha a sua vinha, que tratava com o devido primor. Sem subsídios de ajuda à reconversão, nas zonas quedadas fora da orla de terrenos demarcados para a produção de vinho, deixaram apodrecer os pipos, dornas, prensas e demais instrumentos da feitura da pinga, ficando os lagares ao abandono ou transformados em arrecadações. Mas ainda há quem resista à pressão dos novos tempos.
Na adega, junto aos pipos e cubas pejados de vinho, o anfitrião recebia os convidados de sorriso rasgado, enxaguava numa tina o pichorro de barro ou de latão, volteava a torneira de madeira e enchia o recipiente, que depois cada um bebia de golpe e devolvia ao adegueiro que repetia o ritual até que a pinga chegasse a todos.
Se a carava era para durar, os amigos apenas sairiam após enjorcarem meia dúzia de canecos, arrancando depois dali para as demais adegas, porque todos, sucessivamente, queriam mostrar franqueza. Era ocasião para se contarem proezas e facécias, largar-se veredicto sobre a qualidade dos vinhos ou até para aprazar lautas patuscadas.
Os bebedores deambulavam pela aldeia, às noites ou nas tardes dos dias de guarda, numa roda-viva animada. Maior demora era onde o anfitrião decidia complementar a pinga com a oferta de uma mastiga. Podiam ser nozes e amêndoas que se escarcham a martelo. Outras vezes apresentavam-se azeitonas e tremoços (os chochos). Os mais francos traziam chouriças, que partiam às rodelas, ou um naco de presunto, que uma navalha afiada ia cortando em lascas finas.
Contudo, um dos mais apreciados petiscos das adegas era o pimento curtido. O dono da casa lançava a mão a uma malga e mergulhava uma gadanha na tina ou pote de barro onde os pimentos estavam envolvidos em vinagre. A tigela, encimada de pimentos carnudos, era abrangida aos convivas que, num credo, os rasgavam em pedaços e comiam com gosto. Ao lado estava sempre o corcho do sal, de onde alguns retiravam umas pedrinhas que esborralhavam sobre a tira de pimento, para lhe conferir melhor paladar. E ali se passavam momentos especiais, saboreando o precioso néctar que saía da cuba ou da barrica.
Este tipo de convívio já é raro nas nossas aldeias, que, progressivamente, vão ficando carentes de gente e dos bons produtos da lavoura de outrora.

Sabemos que a iniciativa «Rota das Adegas», realizada no sábado, dia 4 de Dezembro, em Ruivós, foi um sucesso. Isso demonstra bem que há tradições que merece a pena preservar, como a de produzir em cada ano alguns almudes de bom vinho «graminês», nem que seja para beber com os amigos nos dias de festa.
Paulo Leitão Batista

No sábado, 4 de Dezembro de 2010, recordaram-se em Ruivós todos os antigos agricultores da aldeia retomando a Rota das Adegas para provar o vinho novo. Há memórias que nunca devem acabar num concelho conhecido pelo contrabando e pela excelência dos seus produtos agrícolas. A solução para o futuro do concelho do Sabugal pode estar na aposta numa agricultura de qualidade com produtos «de contrabando» directamente do produtor para o consumidor. Reportagem de Sara Castro com imagem de Sérgio Caetano da Redacção da LocalVisãoTv (Guarda).

Local Visão Tv - Guarda
Vodpod videos no longer available.

jcl

No sábado, 4 de Dezembro de 2010, recordaram-se em Ruivós todos os antigos agricultores da aldeia retomando a Rota das Adegas para provar o vinho novo. Há memórias que nunca devem acabar num concelho conhecido pelo contrabando e pela excelência dos seus produtos agrícolas. A solução para o futuro do concelho do Sabugal pode estar na aposta numa agricultura de qualidade com produtos «de contrabando» directamente do produtor para o consumidor.

Rota das Adegas 2010 - Ruivós

Há momentos da nossa vida que ficam registados para sempre. A Rota das Adegas 2010 agendada para sábado, 4 de Dezembro, reuniu em Ruivós cerca de uma centena de amigos que quiseram passar um dia diferente.
Tudo começou no Sabugal no bar do Tó de Ruivós com uma conversa sobre chocalhos que derivou para uma contagem de quantas adegas tinham aberto a porta na última vindima. «Humm! Ora conta-as lá. Foram cerca de 20», afirmou com aquele ar de certeza absoluta. Ideia puxa ideia e tudo fica logo ali decidido. «Vamos fazer a rota das adegas e proporcionar uma alegria aos velhotes que andam sempre a dizer que agora a malta nova já não bebe vinho», acrescentou o Tó.
A ideia foi apresentada ao Manuel Leitão, alcalde de Ruivós, que desde logo a «apadrinhou» e acrescentou mais alguns pormenores para engrandecer o encontro.
O tempo pregou uma partida aos organizadores. O forte nevão da noite de quinta e madrugada de sexta-feira cobriu com um imenso manto branco a freguesia e invalidou a concentração de cavaleiros preocupados com o gelo que apareceu um pouco por todo o lado. Igualmente o desfile do mundo rural foi remarcado para a segunda edição em 2011.
Ao salão de festas e sede da Associação dos Amigos de Ruivós foram chegando, pouco a pouco, os participantes. Por volta do meio-dia, junto aos assadores, foi içado o marrano preso pelo chambaril e logo ali foi desmanchado com mestria pelo Amândio do Talho do Mini Preço.
Após o almoço teve início a primeira edição da Rota das Adegas de Ruivós ao som da concertina e dos bombos de Badamalos. Com as canecas baloiçando penduradas no pescoço os rotistas visitaram as adegas de Manuel Leitão, Mário Martins, José Caramelo, Amadeu Filipe, Joaquim Pires, Manuel Leitão Caramelo, Joaquim Neves, José Carlos Lages, Joaquim (Quim da Zézinha), José Aurélio Caramelo, Francisco da Rapoula, Lourenço Caramelo, Francisco Vasco, Porfírio Leitão e finalmente Maximino Leitão. A meio do percurso um telefonema de Paris de Gabriel Martins convidava todos os participantes a passarem, também, pela sua adega entretanto aberta por um familiar.
Ao longo do percurso muitos foram os momentos de animação e de camaradagem entre todos numa salutar e bem-disposta atitude de desprendimento e união.
«Pertencemos a uma região de contrabandistas, no entanto, não temos nenhuma região demarcada. É chegado o tempo de fazer contrabando com o nosso vinho e promovê-lo directamente no consumidor», defendeu António Robalo, presidente da Câmara Municipal do Sabugal, na adega de Mário Martins, a segunda do mapa da rota.
O anterior presidente do município sabugalense, Manuel Rito, congratulou-se com a iniciativa e defendeu «a realização em 2011 da segunda edição».
António Morgado que foi, igualmente, presidente da autarquia raiana considerou que «há ideias simples que se transformam em momentos bem passados» acrescentando que deu «o tempo passado em Ruivós por bem empregue».
Registe-se ainda a presença de mais de uma dezena de presidentes de junta de freguesia do concelho do Sabugal e a participação especialíssima de Santinho Pacheco, Governador Civil da Guarda, que correspondeu com muita simpatia ao convite que lhe foi feito durante o Encontro de Tractoristas que decorreu em Pinhel.
A Rota das Adegas tinha um grande objectivo que foi alcançado: recordar e homenagear os que já partiram e que tantas vezes passaram as umbreiras das portas das adegas que agora voltaram a abrir para cumprir um ritual tantas vezes repetido na aldeia. A Rota das Adegas servia em tempos que já lá vão como desculpa para tardes (e noites) de boa disposição, amizade e união em Ruivós.
E agora resta esperar pela segunda edição. Com ou sem neve.

1 – Um bem-haja muito grande a todos os produtores de vinho caseiro de Ruivós que «alinharam» na Rota das Adegas recebendo todos os participantes com muita simpatia.
2 – Um bem-haja a todas as senhoras que colaboraram na cozinha na feitura das refeições.
3 – É tempo de apostar neste vinho caseiro e transformá-lo numa oportunidade. Considero até que a melhor forma de inverter esta desgraçada desertificação do nosso concelho é investir numa agricultura de qualidade. O futuro e a saída da crise passam pela aposta honesta e corajosa na produção agrícola adaptada ao século XXI.

jcl

No sábado, 4 de Dezembro de 2010, recordaram-se em Ruivós todos os antigos agricultores da aldeia retomando a Rota das Adegas para provar o vinho novo. Há memórias que nunca devem acabar num concelho conhecido pelo contrabando e pela excelência dos seus produtos agrícolas. A solução para o futuro do concelho do Sabugal pode estar na aposta numa agricultura de qualidade com produtos «de contrabando» directamente do produtor para o consumidor.

GALERIA DE IMAGENS  – ROTA DAS ADEGAS  –  4-12-2010
Fotos Capeia Arraiana –  Clique nas imagens para ampliar

jcl

No sábado, 4 de Dezembro de 2010, recordaram-se em Ruivós todos os antigos agricultores da aldeia retomando a Rota das Adegas para provar o vinho novo. Há memórias que nunca devem acabar num concelho conhecido pelo contrabando e pela excelência dos seus produtos agrícolas. A solução para o futuro do concelho do Sabugal pode estar na aposta numa agricultura de qualidade com produtos «de contrabando» directamente do produtor para o consumidor.

GALERIA DE IMAGENS  – ROTA DAS ADEGAS  –  4-12-2010
Fotos Capeia Arraiana –  Clique nas imagens para ampliar

jcl

No sábado, 4 de Dezembro de 2010, recordaram-se em Ruivós todos os antigos agricultores da aldeia retomando a Rota das Adegas para provar o vinho novo. Há memórias que nunca devem acabar num concelho conhecido pelo contrabando e pela excelência dos seus produtos agrícolas. A solução para o futuro do concelho do Sabugal pode estar na aposta numa agricultura de qualidade com produtos «de contrabando» directamente do produtor para o consumidor.

GALERIA DE IMAGENS  – ROTA DAS ADEGAS  –  4-12-2010
Fotos Capeia Arraiana –  Clique nas imagens para ampliar

jcl

No sábado, 4 de Dezembro de 2010, recordaram-se em Ruivós todos os antigos agricultores da aldeia retomando a Rota das Adegas para provar o vinho novo. Há memórias que nunca devem acabar num concelho conhecido pelo contrabando e pela excelência dos seus produtos agrícolas. A solução para o futuro do concelho do Sabugal pode estar na aposta numa agricultura de qualidade com produtos «de contrabando» directamente do produtor para o consumidor.

Vodpod videos no longer available.

jcl

Uma fada passou por cima de Ruivós e desenhou com um lápis branco as ruas, os telhados e as graníticas paredes da antiquíssima aldeia. Durante a noite de quinta para sexta-feira silenciosas plumas de neve construíram um mundo mágico, branco, puro e cristalino que brilhou ao sol até sábado, 4 de Dezembro.

GALERIA DE IMAGENS  –  NEVÃO EM RUIVÓS  –  3-12-2010
Fotos Capeia Arraiana –  Clique nas imagens para ampliar

jcl

Uma fada passou por cima de Ruivós e desenhou com um lápis branco as ruas, os telhados e as graníticas paredes da antiquíssima aldeia. Durante a noite de quinta para sexta-feira silenciosas plumas de neve construíram um mundo mágico, branco, puro e cristalino que brilhou ao sol até sábado, 4 de Dezembro.

GALERIA DE IMAGENS  – NEVÃO EM RUIVÓS  –  3-12-2010
Fotos Capeia Arraiana  –  Clique nas imagens para ampliar

jcl

O povo da raia sabugalense designava por «graminês» o vinho de produção local, ou seja, o chamado vinho do lavrador, colhido na vinha, fermentado no lagar e guardado na adega.

«No fim de cada eirada tinham direito a um copo de graminês», escreveu Manuel Leal Freire, no livro Ribacoa em Contraluz, quando descrevia as malhas que antigamente juntavam dezenas de homens de manguais em punho, sovando o cereal sob o calor tórrido de Julho.
O termo não é porém exclusivo do concelho do Sabugal, sendo antes uma expressão do léxico regional, pois já em 1912 o recolhera A. Gomes Ferreira, colocando-o no seu Vocabulário da Guarda com a significação: «vinho fresco para uso da casa».
Ora tem-se falado por aí do vinho graminês, que aliás na semana passada foi rei na Rebolosa, onde regou a goela dos que foram feirar à Santa Catarina e tirar a licença para matar o marrano.
No próximo sábado, dia 4 de Dezembro, o vinho graminês voltará a ser rei em Ruivós, onde restam vários produtores locais que mantêm viva a tradição do trato das vinhas e da consequente produção de vinho. A «Rota das Adegas» levará os convivas, de cacharro de alumínio ao pescoço, a correr as lojas da aldeia onde o graminês jorrará dos pipos e das cubas.
Nos dias de hoje tratar uma vinha é já coisa rara, própria de quem não desiste de defender a tradição. Mas noutro tempo todos cuidavam as videiras com esmero, e vindimavam-nas nos primeiros dias de Outubro, numa jornada de trabalho comunal. Os «gachos» eram transportados em cestos de vime para a dorna assente no chedeiro do carro das vacas. Dali iam para o lagar, onde eram pisados e depois sucessivamente remexidos até fermentar. Já bem fervido o vinho era separado do engaço e transferido para as pipas, onde continuava a fermentação. O engaço era ainda espremido pela prensa, numa operação chamada o «pé», pela qual se aproveitava todo o néctar.
Em dia de são Martinho ia-se à adega de «pichel», ou «pichorro», em punho para se retirar o primeiro briol da pipa. Era a prova, para a qual era uso convidar os amigos. «Tomas uma pinga?», perguntava-se aos que passavam, mostrando-se a devida franqueza.
Depois de «desbobrar» (assentar e aclarar), o vinho estava pronto a ser consumido em barda. Porém, chegada a primavera, submetia-se a uma operação delicada, que era obra de quem sabia: a «estrafega». Tratava-se de transferir o vinho de uma pipa para outra, livrando-o da «borra», ou «sarro».
Com os calores do verão o vinho «desvanecia», perdendo o vigor e avinagrando. Mas o ciclo estava prestes a recomeçar pois as uvas já «pintavam» e a nova vindima era próxima.
O vinho dessedentava e dava força, mas também tinha, se consumido em excesso, consequências nefastas para a saúde individual e para a vida social.
Era também usado na produção alimentícia, desde logo na confecção da «migada», que era uma sopa de pão centeio amolecido com vinho. No verão era a alegria do lavrador e do cavador e até as mulheres se consolavam com o famoso gaspacho, onde se misturava com pão e água fresca para matar a sede. No tempo das malhas era uso começar o dia bebendo uma «gemada», que era um batido feito com vinho, água, ovos e açúcar, tido por bebida revigorante.
O jovem apenas saia à rua da sua aldeia quando pagasse o vinho à confraria dos solteiros, numa espécie de provação ou ritual iniciático a que tinha que se sujeitar. Só aí adquiria o estatuto de «solteiro», o que levava a família dizer com orgulho: «O nosso Zé já é rapaz solteiro». Então, sim, pago o graminês aos amigos, o novo rapaz solteiro já podia circular pelas ruas até altas horas da noite, entrar nos serões, participar nas rusgas e nas romagens nocturnas às aldeias vizinhas.
Quando se fazia um negócio, lá vinha o «albroque», em que os protagonistas e as testemunhas molhavam a goela na adega mais próxima. O mesmo sucedia na «molhadura», que era o acto de beber graminês à conta de quem exibia fato novo. E ainda havia a «patenta», que era o tributo em graminês daquele que ia namorar em terra alheia.
O graminês era pois o vinho bom que se produzia no lagar e que contrastava com o que vinho da taberna, vindo muitas vezes de longe. Ao vinho reles davam-se por sua vez outros nomes, como zurpa, zurrapa ou morraça, querendo contrapô-lo com o bom graminês que estava em cada adega.
Paulo Leitão Batista

As Comunidades da Unidade Pastoral do Planalto do Côa reuniram-se na Ruvina, no Domingo, dia 14 de Novembro, para participarem no magusto inter-paroquial.

(Clique nas imagens para ampliar.)

Padre Hélder LopesDepois de Ruivós (2008) e de Vale das Éguas (2009) terem organizado esta actividade, este ano a Ruvina foi a terra anfitriã do Magusto Inter-Paroquial das Comunidades da Unidade Pastoral do Planalto do Côa.
O Domingo foi preparado com muito cuidado. Ao longo de vários dias muitas pessoas se empenharam nos preparativos para que tudo corresse bem. As previsões atmosféricas ameaçavam estragar os planos, mas até o sol quis participar neste encontro, brindando-nos com a sua presença e alegria ao longo do dia.
Logo cedo, depois das Celebrações Dominicais de cada paróquia, muitos paroquianos das diversas comunidades (Badamalos, Bismula, Rapoula do Côa, Ruivós, Ruvina, Vale das Éguas e Vilar Maior) começaram a chegar ao largo da igreja da Ruvina, uns de transporte próprio, outros nos transportes disponibilizados para o efeito. Às 11.00 horas já a pequena igreja estava repleta. Fizeram-se os ensaios e às 11.30 horas começou o momento mais importante do dia. A Eucaristia foi celebrada com muito encanto. Na assembleia ocuparam lugar de destaque as crianças, adolescentes e jovens das diversas comunidades paroquiais. Os cânticos entoaram-se com beleza. Os altares foram enfeitados com muito esmero. Os acólitos emolduraram o presbitério rodeando o pároco, o Diácono Lucas Fernandes e o jovem André Barros. Rezou-se de forma especial pelos nossos Seminários.
Depois da Celebração Eucarística, passou-se da mesa do altar para a mesa do convívio e da refeição fraterna. No pavilhão das festas, junto ao ringue, foi servido o almoço preparado por um pequeno grupo de pessoas muito diligente. Depois das entradas, foi servida a canja de galinha, carnes assadas acompanhadas de arroz e fruta da época. Dias antes, os paroquianos das diversas paróquias foram convidados a partilhar as sobremesas. As mesas que lhes estavam destinadas rapidamente ficaram repletas de iguarias que saltavam aos olhos e faziam água na boca. Ninguém contou as pessoas presentes, mas os 170 pratos de cerâmica que estavam preparados não chegaram para todos. Foi necessário recorrer a pratos de plástico guardados para as eventualidades. Tudo foi preparado com muita perfeição.
Já com a barriga acomodada foi tempo de desfazer as calorias do almoço. Rapidamente se organizaram os jogos que estavam preparados e muitos se puderam divertir. Houve jogos tradicionais para todos os gostos, idades e feitios, desde os jogos de cartas, aos mini-torneios de «futebol de 5», até aos jogos de cordas. Organizaram-se corridas de sacas, corridas de pares, jogo do balão, jogo do ovo, jogo da maçã, jogo da malha, jogo do prego, jogo da testa entre outros… Foi uma tarde muito bem passada que ajudou pequenos e graúdos a celebrar o Domingo de forma diferente.
Como um dos motivos do encontro era o magusto, o dia não poderia ter terminado sem as castanhas assadas e a jeropiga. Também aqui houve castanhas para todos os gostos, desde as assadas no tradicional monte de caruma, até às assadas em modernos recipientes que permitem um melhor aproveitamento do fruto do castanheiro. Como é natural, alguns chegaram a suas casas irreconhecíveis!
Este dia só foi possível graças à organização feita pela Paróquia da Ruvina com o apoio da Junta de Freguesia local, do Centro Social e Cultural da Ruvina e da Casa de Cristo Rei.
Pe. Hélder Lopes

A sessão ordinária do executivo da Câmara Municipal do Sabugal do dia 10 de Novembro de 2010 aprovou as candidaturas para a rede de saneamento básico para as localidades de Quarta-feira, Rebelhos, Batocas, Badamalos, Lomba, Monte Novo, Ruivós, Vale das Éguas e Ozendo e para as Etar’s de Penalobo e do Cró. O prazo de execução é de 12 meses.

Reunião Executivo Câmara Municipal Sabugal

Sessão ordinária pública de 10 de Novembro de 2010
A sessão ordinária pública do dia 10 de Novembro de 2010 no Salão Nobre dos Paços do Concelho foi presidida por António Robalo e contou com a presença dos vereadores Delfina Leal, Ernesto Cunha, Francisco Vaz, Joaquim Ricardo e Luís Nunes Sanches. Em cima da mesa estavam documentos e votações importantíssimas e fundamentais para a governação do município em 2011.
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Robalo, declarou aberta a reunião às 10.30 horas e solicitou de imediato uma alteração à ordem de trabalhos. «Proponho que sejam discutidos, em primeiro lugar, os projectos de saneamento básico eternamente adiados para as pequenas freguesias do concelho. É importante votar este ponto para que os serviços camarários possam agilizar o processo ainda durante a manhã», pediu o presidente.

Presidência propõe ao executivo debate participativo sobre o Orçamento
Mas havia ainda mais duas propostas consideradas fundamentais para a presidência: «Proponho uma reunião extraordinária para a próxima quarta-feira para discutir o Orçamento para 2011. Considero fundamental que o executivo tenha a noção clara das receitas e despesas e possíveis folgas que muito possivelmente não vão existir. Até aqui o Orçamento sempre foi apresentado pela presidência. Este ano pretendo fazer, com todos, um debate participativo. Apesar de sofrermos um corte de mais de um milhão de euros e de termos margem para endividamento o nosso município é tratado em pé de igualdade com aqueles que já não se podem endividar. É mais uma penalização injusta. Por outro lado necessitamos de iniciar a discussão pública de alteração ao PDM da nova zona de implemental empresarial do Alto do Espinhal. Para que o documento possa ser levado à próxima Assembleia Municipal é fundamental a sua aprovação nesta sessão porque o documento tem de estar em discussão pública durante 30 dias.»
O vereador socialista Francisco Vaz aproveitou para recordar que «apesar de termos passado a reunir quinzenalmente sempre defendemos encontros semanais à quarta-feira até porque temo-nos apercebido do avolumar de assuntos fora da ordem de trabalhos».

Governador Civil da Guarda quer discutir o PROT-Centro
O executivo tomou conhecimento do convite do Governador Civil da Guarda, Santinho Pacheco, para discutir o PROT-Centro numa reunião que vai ter lugar na terça-feira, 16 de Novembro, no Governo Civil e «permitir uma posição concertada da região e do distrito e evitar pontos de vista personalizados para cada concelho».

Obras do IGESPAR metem água em Sortelha
O vereador Francisco Vaz perguntou o que pensa fazer a Câmara relativamente à igreja de Sortelha que, apesar de obras recentes, tem infiltrações problemáticas no telhado. O presidente esclareceu que «os serviços camarários iam intervir mas já não vão» porque «assumi, sob pena de perder o mandato, mandar lá uma equipa da Câmara». «Chove lá dentro mas o IGESPAR não deixa mexer no telhado. Possivelmente temos ali um caso de Ministério Público», acrescentando ainda que no dia da inauguração do Museu do Côa falou com os responsáveis do IGESPAR para que «nos dissessem que materiais utilizar que nós assumíamos os custos». O director regional do IGESPAR marcou uma reunião para o dia 24 de Agosto em Sortelha. Desmarcou e nunca compareceu. O projecto passou, então, para delegação de Castelo Branco. «O projectista escolheu mal a telha e agora quer cinco mil euros para alterar o seu próprio projecto que tem direitos de autor. Fez um erro e agora quer dinheiro para alterar», acrescentou com ironia. Francisco Vaz confessou a sua preocupação com «o dinheiro dos contribuintes que foi mal gasto na igreja de Sortelha» concordando também que «é um caso de Ministério Público».
A vice-presidente, Delfina Leal, bem documentada, informou que «os técnicos municipais elaboram um parecer onde sugeriram um tipo de telha diferente e que está mais de acordo com os rigores do nosso clima». O vereador Joaquim Ricardo defendeu «a urgência de uma reparação e, depois, da participação para o Ministério Público».

Orçamento da Sabugal+ adaptado para plano de austeridade
Joaquim Ricardo informou que «já depois de ter elaborado o orçamento da Sabugal+ foi aprovado o Orçamento de Estado que altera as regras para as empresas municipais. O conselho de administração entendeu rever o orçamento e adoptar as medidas restritivas que estão em curso em todo o País. Entendo que devo comunicar ao Conselho Geral todas as alterações e propunha que este assunto seja transferido para a próxima reunião. O orçamento está feito e tenho-o comigo para distribuir pelo executivo». Na sequência desta informação o presidente propôs «retirar da ordem de trabalhos o orçamento da Sabugal+ e alertar para o facto de que também a Câmara deverá adoptar e aprovar um plano de austeridade no Orçamento de 2011».

Saneamento em nove aldeias do concelho do Sabugal
Após as intervenções iniciais António Robalo colocou à discussão a candidatura das obras de saneamento básico para algumas das mais pequenas freguesias do concelho do Sabugal. No seu entendimento «as Águas de Zêzere e Côa só muito remotamente fariam estas obras em virtude do baixo aglomerado populacional» no entanto «a concretização destes serviços em pequenas aldeias são muito importantes para a minha presidência».

A Câmara Municipal do Sabugal vai candidatar cinco projectos para execução das redes de saneamento básico:
1 – Rede de águas e esgotos de Quarta-feira e Rebelhos. (729.870,19 euros);
2 – Batocas e Badamalos (672.898,68 euros);
3 – Lomba e Monte Novo (885.958,71 euros);
4 – Ruivós e Vale das Éguas (808.620,78 euros);
5 – Ozendo (587,349,87 euros).

Estão, igualmente, em fase de candidatura a ETAR de Penalobo, o saneamento das Lameiras e a ETAR do Cró. O prazo de execução da obra é de 12 meses. Relativamente a Ruivós o projecto inicial prevê a construção de uma pequena necrófita. No entanto o parecer dos serviços técnicos aconselham uma ligação à Ruvina por elevatória e depois por conduta para a ETAR de Vale de Éguas. O processo irá sofrer posteriormente um ajustamento que se fosse feito agora já não permitiria a sua candidatura. As propostas foram aprovadas por unanimidade e foi, de imediato, solicitado aos serviços camarários para acelerarem o processo. Assim apenas ficam de fora o Cardeal e o bairro periférico de Alfaiates que ainda não têm os respectivos projectos concluídos.

Alteração ao PDM na zona de implantação empresarial do Alto do Espinhal
O presidente inforrmou, de seguida, o executivo sobre «a necessidade de alterar de zona rural para zona empresarial o PDM do Alto do Espinhal na freguesia das Quintas de São Bartolomeu. Temos o parecer favorável da conferência de serviços da Autorida Florestal Nacional em Coimbra mas foi-nos exigida em redor uma faixa de 100 metros contra incêndios que já foi delimitada pela Comissão municipal florestal de defesa contra incêndios do Sabugal». António Robalo propôs que «seja votada a discussão pública durante 30 dias num local que esteja aberto todos os dias» e deixou a sugestão para que o documento fosse colocado no Museu que está aberto todos os dias cumprindo o prazo de forma a permitir a sua votação na Assembleia Municipal». A proposta foi votada por unanimidade.

Irregularidades graves na APEES
Após a leitura, rectificação e aprovação da acta da reunião anterior pelos membros do executivo presentes foi tempo de discutir uma carta da APEES-Associação de Pais e Encarregados de Educação do Sabugal dando conta de um total de cerca de 88 mil euros de dívidas encontradas pela auditoria mandada realizar pela actual direcção.
O vereador Francisco Vaz entendeu pedir uma clarificação das datas da declaração de não dívida da Segurança Social quando a auditoria registou cerca de 25 mil euros que não foram pagos ao organismo estatal e cerca de 37 mil euros a uma instituição bancária.
Com o objectivo de tentar solucionar o grave problema o presidente António Robalo propôs «uma transferência por adiantamento ao protocolo de 15 mil euros e o pagamento do empréstimo bancário para a aquisição de equipamentos de cozinha no valor de 37 mil euros» defendendo que «os equipamentos devem ficar propriedade da autarquia num edifício camarário» porque «não podemos esquecer que a APEES está a substituir a Câmara no fornecimento de refeições aos alunos». Delfina Leal aproveitou para informar que «a APEES parou o transporte de alunos e há quatro crianças com necessidades especiais que já solicitaram apoio camarário». A vice-presidente disse ainda que «a actual direcção já se transferiu os escritórios para as instalações do Bairro Social para reduzir custos de arrendamento».
O vereador Luís Sanches considerou que «o crime compensa e devemos solicitar à Caixa de Crédito Agrícola os motivos do empréstimo, por quem e para quê» e o vereador Joaquim Ricardo acrescentou que «devemos resolver o problema da APEES mas os números da auditoria são demasiados redondos para serem rigorosos e por isso devemos solicitar uma certidão actual à Segurança Social e tentar resolver o problema com muita seriedade».
O presidente informou que vai ser pedido aos serviços camarários para fazer um inventário dos equipamentos e conferir com o empréstimo e as amortizações e aproveitou para sugerir uma visita às instalações para que o executivo tomasse conhecimento com a realidade.

Socialistas votam contra obras na A23. Joaquim Ricardo absteve-se.
A reunião continuou com a votação para aprovação de verbas para as obras da A23 que teve os votos contra dos dois vereadores socialistas e a abstenção do vereador Joaquim Ricardo. A votação dos pagamentos na ligação Cardeal-Soito teve, igualmente, os votos contra dos dois vereadores socialistas presentes.

Novo concurso para requalificação das margens do Côa
A finalizar o presidente informou que no concurso público para requalificação das margens entre pontes do Rio Côa no Sabugal foi anulado por incomprimento processual dos quatro candidatos. Os erros detectados levam à abertura de um novo concurso público.

Adesão à Associação dos Municípios com actividade taurina
O concelho do Sabugal aderiu (sem custos) à Associação Portuguesa dos Municípios com actividade taurina. A adesão à associação para promoção e manutenção de roteiros taurinos na Península Ibérica aguarda o envio dos estatutos e o valor da quota e depois será votada em Assembleia Municipal.

Reunião intensa e onde foram discutidos assuntos importantíssimos para a governação do concelho do Sabugal.
jcl

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 835 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Junho 2017
S T Q Q S S D
« Fev    
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3,000,908 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES