You are currently browsing the tag archive for the ‘teclado’ tag.

«Discoteca O Poço – 30 anos». Quem passa na estrada Nave-Vila Boa avista junto às pedreiras um placard com fundo negro onde se pode ler que «O Poço» está a comemorar três décadas de existência. Numa destas quentes tardes do mês de Agosto estivemos à conversa com o seu fundador e gerente de sempre: o soitense Carlos Carvalho também conhecido como o Carlos das Cestas (a alcunha do pai) ou mais popularmente como o Carlos do Poço.

(Clique nas imagens para ampliar.)

A primeira foi o «Teclado». Imaginada pelo visionário António Fernandes (Tó Chuco) nasceu no Verão de 1979 e gerou, desde logo, opiniões extremadas nas conversas aldeãs. Por um lado a «boîte» era acusada de ser um antro de perdição e por outro um local de desejo (quase proibido) para os jovens de gerações culturalmente revolucionárias nascidas com o 25 de Abril.
«Com 11 ou 12 anos iniciei-me a levar pessoal para atravessar a fronteira» recorda o Carlos do Poço. «Então foi passador…», acrescentamos. «Não. Ainda era muito novo e não tinha capacidade para isso. Trabalhava para um passador. Cheguei a atravessar a Espanha até à fronteira com França». Optou por uma vida com menos riscos e fez-se estafeta dos CTT. Antigamente, no Sabugal, o correio chegava no «Beira Baixa» à estação da CP do Barracão e era recolhido e entregue pela «Viúva Monteiro» nos comércios das aldeias por onde passava a «carreira». Depois os estafetas locais, a pé ou de bicicleta, encarregavam-se de levar o saco protegido com um cadeado até às aldeias vizinhas.
O jovem Carlos Carvalho foi mobilizado para Angola e colocado durante dois anos em Gago Coutinho. No regresso ao Soito comprou um camião e começou a trabalhar no ramo dos materiais de construção. No sítio do Prado Telhal, junto ao cruzamento do Soito, iniciou a construção de uma casa de habitação aproveitando os terrenos que já serviam para estaleiro dos materiais de construção.
E foi nessa altura que «influenciados pelo sucesso do Teclado a funcionar há cerca de um ano surgiu o desafio de dois rapazes da Nave para abrir uma discoteca». «Mesmo sem licença abrimos O Poço no dia 20 de Dezembro de 1979 para fazer o Natal e a passagem de ano», desvenda o empresário.
– Nunca tinha pensado em ser «empresário da noite»?
– Não. A região não tinha tradição deste tipo de negócio. Um ano antes um emigrante que voltou de França (Tó Chuco) abriu o «Teclado» mas eu nunca me tinha imaginado neste ramo. Passando algum tempo os meus sócios saíram mas eu mantive a porta aberta até hoje.
– Como eram os clientes dos primeiros tempos? Ainda se sentia a revolução no ar?
– Nesse tempo havia muita malta nova nas aldeias. A música que passávamos no início era muito à base do slow, das espanholadas, do rumba, do pasodoble e da música de baile. Era o tempo das calças à boca de sino mas ainda não tinha sido inventada a música pimba. Os discos eram todos em vinil e implicavam um grande investimento porque tínhamos que renovar mensalmente. Actualmente com os formatos digitais os custos são mínimos e estamos sempre actualizados.
– Como foram as reacções?
– No princípio os mais velhos nem sequer vinham. Depois, pouco a pouco, tornou-se normal ir à discoteca. Mas com uma diferença. Actualmente na nossa zona ir à discoteca é como ir ao café. Antigamente convidava-se a miúda mais jeitosa e vestia-se o melhor fato. Nesse tempo trabalhávamos nas noites de sexta-feira e sábado e ao domingo com matinée e soirée. O horário de fecho era à uma hora da manhã. Agora abrimos às três e fechamos às seis.
– Ao longo destes anos houve poucas modificações no «Poço»?
– Na altura abrimos sem licença porque precisavamos saber o que a fiscalização nos exigia para depois fazer. Foi um pouco ao contrário porque não havia legislação própria. O «Poço» foi legalizado em 1980 apesar de ter pouco pé-direito. O que acontece agora é que não podemos fazer obras de fundo que obriguem a uma fiscalização porque depois não nos aprovam.
– Mas as coisas nem sempre corriam bem…
– O pessoal estava habituado ao bailarico no largo da aldeia e quando vinham para a discoteca sentiam-se acanhados para dançar. Depois com as luzes, a música alta e o álcool aconteciam pequenas escaramuças e confusões. As discussões e as bofetadas não levavam a nada. Era aquele momento e acabou. Normalmente saiam para fora e depois havia sempre um ou outro que os agarrava e terminavam todos no bar a beber mais um copo. Aliás, deixei de ter porteiro há oito anos. Na nossa zona é difícil um porteiro dizer a um cliente habitual que não pode entrar. Actualmente a porta está encostada com uma mola e aberta a todos.
– Recordo-me que nesse tempo se escolhia a discoteca que tivesse mais carros no parque…
– É verdade. As pessoas juntavam-se onde havia mais carros. Não tinha a ver com a música, com as mulheres ou com o espaço. Passavam na estrada e onde havia mais carros paravam e entravam. Antigamente cinco carros já faziam um bom ambiente no «Poço». Chegavam a vir oito e dez no mesmo carro. Agora são precisos 50 carros porque vêm apenas uma ou duas pessoas em cada. Havia uma equipa de doze rapazes da Rapoula que chegavam todas as noites num carrito. (sorrisos).
– Em tempos houve a moda das petisqueiras associadas às discotecas?
– Foi uma exigência dos clientes para não passarem a noite só a beber. O «Teclado» foi, mais uma vez, pioneiro com uma cozinha e sala interior junto à pista de dança. Nesse tempo ainda não havia micro-ondas e o cheiro trouxe alguns problemas. Aqui, no «Poço», a primeira petisqueira foi ao ar livre. Mas como as noites na nossa zona são frias tivemos que melhorar o espaço com paredes, lareira e ecrã gigante.
– Agora a afluência às discotecas é menor…
– O «Poço» chegou a abrir todos os dias das férias escolares e todos os dias do mês do Agosto. Mas há nove, dez anos que tudo está diferente. Chegaram a estar abertas cerca de uma dezena de discotecas no nosso concelho. Com as novas leis do código da estrada houve grandes alterações nos hábitos dos sabugalenses mas haverá sempre espaço para uma discoteca na zona e o «Poço» só irá fecha se ninguém quiser continuar quando eu me reformar.
– Quem está por detrás do balcão houve muitas «estórias»…
– Ao fim de 30 anos nesta vida devo conhecer pelo nome cerca de um terço da população do Sabugal. Os que cá estão e os emigrados. O pessoal do concelho do Sabugal queixa-se que ainda nada foi feito para parar a desertificação. É uma desgraça para nós e para o País. A nossa qualidade de vida é muito superior até à cidade da Guarda no entanto o Sabugal está a transformar-se numa colónia de férias. Mas deixo um pedido a todos: visitem-nos porque o concelho do Sabugal vale a pena.

O «Teclado», o «Poço», o «Upita» e o «Templo» marcaram gerações de sabugalenses. Era o tempo das Famel Zundapp e dos carros onde cabia sempre mais um à boleia. Na raia as tardes e noites dos sábados e domingos do mês de Agosto eram nas discotecas e apenas tinham um ligeiro intervalo para ir jantar ao Pelicano de Alfaiates. Foram Agostos memoráveis.
A discoteca «Teclado» após alguns anos de agonia fechou em 2009 e poderá reabrir com outro «ramo». A discoteca «O Poço», do Carlos, comemora 30 anos de existência no próximo dia 20 de Dezembro.
jcl

A discoteca Teclado, da Nave, gerida por Domingos Brigas Leitão, organizou no dia 5, terça-feira, uma concentração «motard» que percorreu muitas das aldeias do concelho do Sabugal.

Discoteca TecladoA partida das 35 motos e moto-quatro participantes foi dada, às 10 horas da manhã, no parque de estacionamento da discoteca. O almoço decorreu na praia fluvial de Vale das Éguas, o descanso do final de tarde na estação de serviço do Vicente no cruzamento da Nave e a sardinhada final nas instalações da discoteca «Teclado». A iniciativa decorreu sem percalços e Domingos Brigas Leitão aproveitou para convidar os participantes (e todos os motards interessados) a estar presentes na edição do próximo ano que contará com o apoio da Associação dos Amigos de Ruivós.
jcl

António Fernandes («Tó Chuco» para os amigos) é natural da freguesia da Nave, concelho do Sabugal. Reside na Aldeia de Santo António num chalet decorado com um relvado banhado pelo Rio Côa e onde se nota já a futura pista para o giroscópio que deverá chegar em Setembro. Mas quem é António Fernandes? Se dissermos que foi o inventor da Discoteca Teclado fica mais do que apresentado. Mas há novos investimentos no horizonte solar do perturbante visionário «engenheiro-pássaro» que tem o dom de antecipar o futuro…

À fala com... António Fernandes«Gosto de desafios, sou e sempre fui um homem de arriscar. Desde sempre sonhei que poderia voar. Fechava os olhos e imaginava-me a voar. É um sonho.» Assim o apresentava recentemente o nosso ilustre opinador José Robalo na sua excelente crónica sobre António Fernandes.
Fomos visitar o investimento de António Fernandes no projectado parque industrial do Sabugal junto à estreita e curvolenta estrada que liga o Sabugal à Guarda. O edifício com traço arquitectónico vanguardista faz lembrar quando o avistamos ao longe uma nave espacial preparada para levantar voo.
O empresário chegou ao volante de uma máquina cor de prata, último modelo, da marca da estrela de Estugarda.
«Tenho 57 anos já com IVA incluído e sou curioso como os gatos», diz-nos naquele seu jeito brincalhão enquanto nos cumprimenta e acende uma cigarrilha «para fazer ver porque já deixei de fumar e para dar um ar mais sério à reportagem».
«Vivi cerca de 40 anos em França para onde emigrei em 1968 com apenas 17 anos. Durante muito tempo vendi material para hotelaria e actualmente sou proprietário de uma empresa francesa de fabrico de inox», acrescenta à sua apresentação.
Pelo meio era inevitável a referência à sua discoteca. «Inaugurei o Teclado em 28 de Agosto de 1977. Houve noites nos meses de Agosto que no final da sessão vinha pela estrada abaixo com um brouette (carrinho de mão das obras) carregadinho de dinheiro tapado por cima com um plástico», recorda-nos com um brilhozinho nos olhos.
É (foi) uma discoteca emblemática. Se não tivesse existido o «Teclado» a juventude de muitos de nós (a minha incluída) não teria sido nem melhor nem pior… Apenas diferente.
A conversa decorria agora dentro do edifício num enorme e amplo hangar. Na área virada ao Sol do final da tarde estão em fase de acabamento os escritórios e as salas de reuniões e de formação profissional servidos por uma escadaria com início no hall da entrada principal.
– Como surgiu a ideia de investir numa fábrica de painéis solares?
– Somos dois sócios: eu e o engenheiro José Luís Manso, meu vizinho e dono da ENAT, uma empresa que se dedica à venda e instalação de energias alternativas. Falamos vezes sem conta sobre projectos num grupo que se reúne para almoçar às sextas-feiras. A tecnologia avança a passo de cavalo e quando o petróleo começou a subir surgiu a ideia de apostar na construção de painéis solares. Esta fábrica é um investimento de cerca de meio milhão de euros sem recurso a créditos porque não gosto de estar dependente dos bancos. No arranque contamos criar 12 postos de trabalho com a possibilidade de chegar até 40 colaboradores. Tivemos o apoio da Câmara Municipal do Sabugal e em especial da doutora Glória a quem aproveito para agradecer toda a colaboração. Esperamos iniciar a produção depois do Verão, talvez em Outubro próximo.
À fala com... António FernandesAntónio Fernandes foi desde sempre um inventor autodidacta. «Ainda tenho na recordação a carrinha da biblioteca itinerante da Gulbenkian guiada pelo senhor Silva. Devorava todos os livros de engenharia que ele trazia. Se tivesse estudado tinha sido piloto da Força Aérea. Há uns tempos tive que arrumar uma casa que tenho na Nave e fui lá encontrar livros de aeronáutica e de construção de painéis solares com mais de 20 anos. Nesse tempo ainda pouca gente sabia o que isso significava.»
Colocámos de seguida, em jeito de brincadeira, uma questão que provocou largos sorrisos em António Fernandes.
– Sabemos que adquiriu uma espécie de helicóptero para uso pessoal. É para fugir ao trânsito do Sabugal?
– Em muitos momentos da minha vida acho que voo em lugar de andar. Sempre desejei e sonhei voar. Quando era miúdo roubei o motor de rega lá de casa para tentar inventar um aparelho que voasse. Não o consegui concretizar… mas concretizou-se uma valente malha que a minha mãe me deu. (mais alguns sorrisos.) Mais tarde construi um helicóptero com o motor de um Renault Alpine. Ainda está na Nave mas nunca chegou a levantar. O projecto do parque industrial prevê a possibilidade de construir aqui perto um aeródromo com 120 metros. Na minha propriedade já estou a preparar uma pista relvada. Curta, porque o aparelho que comprei, um girocóptero, necessita de apenas 30 metros para levantar e de 10 para aterrar. Estamos a equacionar a oportunidade de construir hangares para arrendar a privados que queiram estacionar ou mesmo construir o seu próprio aparelho com recurso a um kit de montagem.
O autogiro ou girocóptero é uma aeronave sustentada em voo por asas rotativas. Mas, ao contrário dos helicópteros a propulsão é fornecida por um motopropulsor convencional. O primeiro autogiro foi desenvolvido e construído pelo engenheiro espanhol Juan de La Cierva em 1923 mas o projecto parou com a Guerra Civil no país vizinho.
Mas Portugal é para o empresário um país de dificuldades desmotivadoras por comparação com outros estados europeus. «Em Portugal, para dirigir um girocóptero é preciso uma licença de piloto. Na Europa apenas é necessário um brevet com 15 horas de instrução. Eu tirei o VFL (voo à vista) em França», diz-nos contrariado com as dificuldades legais portuguesas.
António Fernandes, o «engenheiro-pássaro», é um empresário visionário que está a investir e a criar postos de trabalho no concelho do Sabugal. Merece ser escutado com atenção mesmo quando as suas ideias e projectos parecem chegar com alguns anos de antecipação.
jcl

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Dezembro 2019
S T Q Q S S D
« Fev    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.166.116 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES