You are currently browsing the tag archive for the ‘picota’ tag.

Continuando a nossa deambulação pelos vestígios da arte popular e o património que daí se poderá encontrar nas nossas terras, vamos agora ao encontro dos instrumentos erigidos para a recolha de água para uso na rega dos campos agrícolas: as noras e as burras d’ógar.

Aquilino Ribeiro, porventura o maior dos escritores beirões, divulgador incansável da cultura do povo, descreveu, em páginas de sangue, os constantes conflitos entre a gente rude das aldeias, na sua maior parte motivados pela busca e divisória da água de rega, que era escassa: «Comunal em essência e direito é a água de rega, artigo de primeira nestas terrinhas altas e vãs, atormentadas pela seca, onde a maior percentagem de mortes e barulhos tem seu teatro à beira da poça ou dos talhadoiros de regar».
De facto, sem água a correr de maneira frequente, era impossível produzir bom renovo na horta. E, assim sendo, vinham tempos de muita provação, porque os povos viviam em quase total isolamento, sustentados por si próprios. Produtos alimentícios vindos de longe apenas o bacalhau e a sardinha, que chegavam à aldeia apilhando a sal. O resto era produto da terra, fruto do esmero que o íncola punha no trato dos agros. Assim se compreende que a falta de água pusesse transtornados os homens e motivasse ferozes disputas, quantas vezes de gravosas consequências.
Com o seu saber e à custa de muito suor, o campónio ergueu, a pouco e pouco, o sistema hidráulico que permitiu levar água às leiras de cultivo. Construiu açudes para domar e aproveitar a água que corria brava pelas ribeiras. Fossando a terra abriu poços e minas que foram de encontro aos veios subterrâneos. Nas encostas ergueu pequenos diques, que aprisonaram a água que se escapulia das nascentes à flor da terra.
Onde houvesse desnível era simples fazer chegar a água ao tornadoiro e enchupaçar a terra, mas o problema era alçá-la do fundo de um poço ou por desníveis sucessivos. Aqui o aldeão foi também prático e, à custa de algum engenho e muito esforço, levou a linfa às leiras.
Foram inventadas as burras d’ógar, que tiravam águas de poços ou rios, à custa da força braçal. O engenho, feito em madeira, tem outros nomes, variando conforme a terra: burra d’ ógar (augar ou ugar), ogadoiro, picota, picanço, cegonha, esteio, cambo (nos dois últimos casos tomando-se a parte pelo todo). São seus componentes: o esteio, gacha ou galhada (pau bifurcado com a base enterrada no solo); o cambo ou travessal (pau móvel); o eixo do esteio (ferro que atravessa a bifurcação para segurar o cambo); o contra-peso (pedra que é presa a uma das extremidades do cambo); a vara, cambão ou vareiro (pau que se suspende da extremidade do cambo e onde se dependura o balde).
O aparelho invadiu literalmente os campos. Onde houvesse horta regadia, lá estava o cambo na vertical, esperando que braços musculosos o fizessem girar e ir à busca da água. Pegando na vara o manobrador fazia-a descer ao fundo do poço, onde o balde era mergulhado, sendo depois alçado, aqui em tarefa facilitada, dado o papel da pedra que na outra extremidade do cambo fazia de contrapeso. Porém para o seu funcionamento contínuo era necessário muito esforço, ou seja, sendo útil para uma pequena rega, era manifestamente insuficiente para encharcar batatais e milharais de grande extensão.
A nora, ou roda, é outro dos dispositivos ancestrais, vindo dos tempos da ocupação árabe, segundo os estudiosos da matéria. Trata-se de um rodízio com copos de latão, também chamados alcatruzes, que descem ao fundo do poço, subindo cheios de água, que despejam para uma masseira. O engenho é puxado por animal de tiro, vulgarmente vaca ou burro, que é ligado pelo cachaço à engrenagem através de um cambão de madeira. Andando à volta, em movimento contínuo, quase sempre com uma venda nos olhos para se não espantar ou entontecer, o animal faz girar a engrenagem e esta, através de um veio de ferro, faz tocar o rodízio com os alcatruzes suspensos sobre o poço. Da masseira a água passa para uma calha e desta à regadeira, que por sua vez a transportará às leiras do renovo.
Para se instalar uma nora era necessário proceder-se a obras de vulto, desde o empedrar do poço, até à construção de um muro circular, na forma de batorel, que visava dar altura, para que dali a água escorre-se em declive.
Fazia parte do bucolismo de antigamente o suave chiadouro das noras rodando nos dias quentes de verão. Os animais giravam em caminhada sem fim, sob o olhar atento de um petiz, a quem cabia garantir que o engenho não parasse.
Milhares de noras e de burras d’ógar foram instaladas nos baixios, com as quais, durante séculos, o povo regou as courelas e delas tirou o sustento. Com o evoluir dos tempos e das tecnologias, foram, a espaços, substituídas pelos também já caducos motores de rega, movidos a petróleo. Depois, os campos foram votados ao abandono, em resultado da grande abalada das gentes para França e Aragança e da derrota que teve a nossa lavoura face à de outros países, que para nós passaram a produzir e a vender. Das picotas já pouco resta, dado o perecimento da madeira. Das noras, quedaram apenas, como raro vestígio, rodas e alcatruzes oxidados, esperando que o tempo os leve de vez da nossa paisagem.
Paulo Leitão Batista

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Novembro 2019
S T Q Q S S D
« Fev    
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.157.934 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES