You are currently browsing the tag archive for the ‘pêga’ tag.

«Na rota das pedras em busca do país que somos» é a mais recente publicação do escritor Célio Rolinho Pires. É um livro de roteiros, uma via que nos transporta pela história lusitana e pela cultura popular numa interligação entre a região raiana e muitas localidades da região centro. Reportagem e edição da jornalista Paula Pinto com imagem de Miguel Almeida da Redacção da LocalVisãoTv (Guarda).

Local Visão Tv - Guarda
Vodpod videos no longer available.

Célio Rolinho Pires é um ilustre beirão natural de Pêga (já no concelho da Guarda), escritor e homem de cultura. Foi o orador convidado para a oração de sapiência do I Capítulo da Confraria do Bucho Raiano que decorreu em Abril de 2010 no Sabugal. Mais uma personalidade ímpar (e desconhecida da maior parte da massa crítica sabugalense residente) que foi dada a conhecer a uma população adormecida do concelho do Sabugal. Agora foi, possivelmente, acrescentado à lista de potenciais merecedores da medalha de mérito cultural do concelho do Sabugal.
jcl

Anúncios

As nossas aldeias enchem-se no mês de Agosto, o tempo das capeias… Mas os dias outonais são deslumbrantes.

(Clique nas imagens para ampliar)

Adérito Tavares - Na Raia da MemóriaNos finais de Outubro e começos de Novembro parece que Malhoa e Silva Porto andaram por ali a pincelar a paisagem em tons de amarelo, ocre, laranja, vermelho…
As vinhas, os castanheiros, os choupos, os plátanos, as árvores-do-âmbar, sobretudo em dias de sol, lavam-nos os olhos e limpam-nos a alma. E, quando chegamos a casa, temos ainda outros regalos à nossa espera: o caldo escoado, as castanhas assadas no borralho, a aguardente feita no alambique, uma febra assada nas brasas da lareira, uma generosa talhada de queijo mole pousada numa fatia de pão espanhol…

As fotos foram feitas no Sabugal, Vale de Espinho, Vila Boa e Pêga.

«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares
ad.tavares@netcabo.pt

Carlos Santos Caria nasceu em Pêga e estudou no Sabugal, onde frequentou o Externato Secundário, já vindo do Seminário do Fundão. A vida atirou-o para Lisboa, onde estudou e se licenciou em Direito, tornando-se depois advogado. É candidato ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados, na lista afecta ao actual bastonário, Marinho Pinto, razão que nos levou a manter uma conversa com este advogado de causas, que nunca vira a cara à luta.

Carlos Santos Caria– O que o motivou a ser candidato ao Conselho Distrital de Lisboa da Ordem dos Advogados?
– Fui convidado pelo doutor Jerónimo Martins, que é o actual vice-presidente do Conselho Geral, portanto a segunda figura da Ordem dos Advogados, para integrar a lista. Aceitei o convite, porque muito me honra estar numa lista encabeçada por esse ilustre causídico. Revejo-me plenamente nos valores inerentes a essa candidatura, que são os que têm vindo a ser defendidos pelo actual bastonário, o doutor Marinho Pinto.
– Está então satisfeito com o desempenho do actual bastonário, mau grado as criticas acirradas que lhe têm sido publicamente feitas por inúmeras figuras da Justiça, como advogados de renome e magistrados?
– A Ordem dos Advogados, na minha opinião – e repare que eu sou um advogado ainda com poucos anos de prática – teve no doutor Marinho Pinto o bastonário que mais lutou pela dignificação dos advogados. E digo isto tendo em conta a opinião de inúmeros colegas com quem contacto frequentemente. A Ordem dos Advogados estava entregue a algumas famílias de advogados, os chamados advogados de elite. Ora o actual bastonário lutou para pôr termo a isso, fazendo com que a Ordem seja de todos e não penas de alguns. Revejo-me completamente nas medidas tomadas pelo doutor Marinho Pinto, na medida em que acho que a Ordem deve ser a casa de todos os advogados e não para servir de protecção e de álibi para se arranjarem avenças vergonhosas com o Estado para os escritórios dos ditos advogados de elite.
– Mas não são apenas advogados que criticam duramente o actual bastonário, há também muitos magistrados que consideram as suas intervenções públicas inapropriadas por não contribuírem para a dignificação da justiça.
– Essa apreciação que os magistrados fazem ao doutor Marinho Pinto é uma crítica que, de facto, não provém de verdadeiros magistrados, mas de sindicalistas. Vergonhosamente, foram criados sindicatos nas magistraturas, para os magistrados do Ministério Público e para os magistrados judiciais. E são esses magistrados/sindicalistas que vêm tecendo essas críticas, visando unicamente defender os interesses absolutos dos magistrados. Uma verdade tem de ser dita: nunca houve um bastonário que afrontasse as magistraturas como o actual tem feito, e isso tinha de ser feito, porque as magistraturas tiveram, e continuam a ter, como máxima o «quero, posso e mando». As coisas não podem continuar a funcionar assim, pois não pode haver sindicalismo nas magistraturas. Essas críticas dos senhores magistrados valem o que valem, ou seja, não valem nada, porque vêm de magistrados que olham apenas para os seus interesses corporativos, tentando atirar areia para os olhos dos cidadãos.
– Falando agora das nossas terras, que recordações guarda desses tempos idos da juventude passada à beira do Côa?
– Guardo muito gratas recordações desses belos tempos. Vou, de resto, com muita assiduidade a Pêga, onde felizmente ainda tenho os meus pais. Sinto-me muito bem ali e até digo que cada vez sinto mais a necessidade de regressar à minha terra natal. Estou saturado desta urbe que é Lisboa, de andar no desconhecido, porque aqui ninguém conhece ninguém.
– Mas lá criticam-se muito os que vão e não retornam. A profissão de advogado pode ser exercida no Sabugal, Guarda ou Covilhã, por exemplo, ou isso é difícil?
– Há muitos advogados na Guarda e no Sabugal também há alguns e eu próprio poderia lá estar de igual forma. Simplesmente a minha vida não me permitiu, por enquanto, essa experiência de ser advogado na minha própria terra. Embora seja uma ideia que nunca pus de lado. Pondero até abrir um escritório no Sabugal, porque isso pode ser uma razão acrescida para que vá mais vezes à minha terra.
– E acha que há espaço para isso, tendo em conta o número de advogados que já ali estão instalados?
– O espaço é de facto cada vez mais diminuto. Os advogados novos sentem crescentes dificuldades de afirmação, mas acho que os que sabem defender as causas e os interesses dos clientes continuam a ser procurados em qualquer lugar.
– É leitor assíduo do blogue Capeia Arraiana?
– Sou sim um leitor assíduo do blogue Capeia Arraiana. Foi o meu amigo doutor José Robalo que aí escreve, ou escreveu, artigos muito interessantes, que me motivou para a importância desse blogue e até para escrever alguns comentários, nomeadamente na altura das últimas eleições autárquicas. É um meio de comunicação que faz muita falta e que eu espero que se mantenha activo, porque é necessário.
plb

O escritor Célio Rolinho Pires, natural da freguesia de Pêga, no concelho da Guarda, proferiu a «Oração de Sapiência» durante as cerimónias do 1.º Capítulo da Confraria do Bucho Raiano que decorreram no Sabugal no dia 17 de Abril de 2010. O Capeia Arraiana publica o valioso escrito – dividido em duas partes – no domingo, 25 de Abril, e este domingo, 2 de Maio. (Parte 2).

Oração de Sapiência - Célio Rolinho Pires - 1.º Capítulo da Confraria do Bucho Raiano - Sabugal

«O BUCHO» – Oração de Sapiência de Célio Rolinho Pires

(continuação.)
«O Bucho, em termos sociais e gastronómicos, é, assim, espécie de bandeira ou estandarte que antecede a procissão das gentes lavradeiras, simples, humildes mas fartas que, ao longo do ano, anunciará a Festa dos Sentidos, a lembrar a matança do porco com o predomínio dos cheiros e dos vários paladares.
Tudo no porco é bom e de diferente sabor. Para lá do presunto, seja ou não seja o «pata negra», o porco lá de baixo ou alentejano, o porco de pia, para além das várias entremeadas, do próprio toucinho ou carne gorda que, curtida na salgadeira, servia para amaciar o vinho, quem não se lembra, no próprio dia da matança, ou a seguir, no dia da desmancha, os vários sabores da carne nova a rescender acabadinha de tirar da vítima sacrificada, seja ela cozida ou assada no lume, a espinhela ou esterno, o soventre ou carne da barriga, as molejas, a orelheira, os boches, o fígado, o coração, os lombinhos ou lagartos, a passarinha ou pâncreas, o osso da suã que unta a barba e deixa a barriga vã, os pesunhos, os toros e os pernis, as banhas que, derretidas em panela de ferro ao lume dão untura para todo o ano e de que sobrarão os chichorros ou torresmos que, com um copo de vinho do novo e em boa companhia até Deus perdoa?… e os «riles» ou rins, a sopa dos miolos, as espadas ou omoplatas cozidas no molho das farinheiras, a barbela por onde penetrou a faca assassina, a burgigada feita com o sangue do bicho apulado no alguidar, alho e o miolo do pão centeio, etc, etc, etc…?
Em termos históricos, sociais e religiosos, a matança do porco, enquanto mantida na sua puridade original, mais não é que a continuação de um rito sacrificial de origem indo-europeia que consistia na imolação ou sacrifício do porco, um dos animais sagrados que, juntamente com a ovelha e o touro, integravam o rito sacrificial denominado suovetaurilia, complementado, às vezes, pelo sacrifício do cavalo e do próprio homem. No caso muito concreto dos nossos antepassados, o porco era oferecido a um dos três atributos do Deus dos Lusitanos. A inscrição das Fráguas, aqui bem próxima, não pode ser mais explícita: à Ussbo sacrifiquem (Loim) um porco comaiam íccona, ou seja, com a madre e os outros elementos que fazem o aparelho reprodutivo das fêmeas e a que os espanhóis chamam «conho». De outra forma: um porco do sexo feminino mas inteiro. Nada que espante: trata-se ou tratava-se de um epiceno e ainda hoje das fêmeas estéreis se diz que têm a maia ou a madre seca. O banco da matança mais não é que a ara sacrificial à imitação das muitas que por aí existem por cerros e barrocais.
A matança circunscrita à família alargada, as rezas inerentes, o vocabulário, alguns símbolos que teimam em persistir, mais não são que a cristianização posterior desses ritos antigos, sobremaneira associados ao culto dos mortos. Vejamos.
Aos preparativos da matança, aí incluída a tripa de vaca, o vinho, o azeite, o alho, a cebola, a linha e os cadilhos para atar o enchido, o pimento de cor, o pão centeio e o trigo, a farinha, dava-se o nome de Mortalha. No caso dos humanos toda a gente sabe o que é a mortalha e para que serve!
Ao peritoneu que é, como se sabe, «a membrana serosa que reveste interiormente as paredes do abdómen e recobre os órgãos nele contidos, fixando-os às próprias paredes da cavidade abdominal», e que servia para cobrir o porco na zona das banhas, depois de aberto e dependurado pelo chambaril, dava-se o nome de véu ou sudário.
O próprio porco aberto e suspenso do chambaril da trave mestra da loja representa figurativamente a crucificação ao contrário; até os dois pauzinhos na parte superior do bucho, par além da vantagem de não deixar desfazer o nó que cispa e fecha a boca do Bucho, mais não são que uma cruz equilátera do tipo das dos alvores do cristianismo e que superabundam por esses barrocais para igualmente cristianizar as Pedras afectas a ritos antigos. O De Correctione Rusticorom de S. Martinho de Dume (século VI) e algumas Constituições dos Bispados referem-se a essas Pedras a propósito de cultos que tardaram em ser assimilados pela Nova Ordem.
De uma gente poupada e ausente se dizia: «Com uma missa e com um marrano tem para todo o ano».
E ainda: «Pelo Santo André, o tal que mata as moscas, marraninho pelo pé»!
Mas, e o mais importante, é que, da ceia da matança, com toda a família alargada reunida, fazia parte impreterivelmente a reza pelos mortos da família, orientada sempre pelo mais velho, o patriarca do clã, seguida do pedido da bênção pelos mais novos, em que a fórmula era:
– Bote-me a sua bênção!
– Que Deus te abençoes!
E assim se rezava: «Pelas almas dos nossos avós, pais e mães, padrinhos e madrinhas, e já defuntos – Padre Nosso…».
A cultura dos verrões, tão generalizada entre lusitanos e vetões, terá, assim, a sua origem neste culto zoolátrico antigo. Aliás, verraco mais não é, em termos etimológicos que verraecus, ou seja, verres+aecus: igual ou parecido a porco.
José Leite de Vasconcelos aponta o termo verraco como sendo uma divindade doméstica e associa-a a ritos de carácter funerário (Religiões da Lusitânia, Vol. III). Teófilo Braga em «O Povo Português nos seus Costumes e Tradições», Vol. I, e no tocante ao culto dos mortos, afirma também: «Ligado ao primeiro rudimento social do familismo o culto dos mortos antecedeu todas as outras formas religiosas e como observa Fustel de Coulanges antes de conhecer Indra ou Zeus o homem adorou os seus mortos».
Ainda hoje, e salvo a horrível contradição daqueles que se fazem explodir entre flores e meninos, o culto dos nossos mortos é ainda e continuará a ser, penso, a grande religião universal comum a judeus, cristãos, muçulmanos, hindus, ateus, agnósticos, eruditos, ignorantes, ricos, pobres…
Quanto aos vários modelos de berrões, e do lado de lá da fronteira, sirvam de exemplo os «toros» monumentais de Guisando (Ávila), o berrão de Salamanca na ponte romana que dá acesso à parte velha da cidade, o «toro» de Talavera de la Reina (Estremadura), etc, etc. Do lado de cá, e a título exemplificativo também, são bem conhecidos os verrões decapitados de Castelo Mendo, e até, mais a norte, a famosa porca de Murça que, segundo se diz, mudava de cor consoante o partido político que ocupava o poder. Não sei se ainda muda. Menos conhecidos, embora mais próximos, mas igualmente carregados de simbolismo, entendo dever referir os casos muito concretos do Peneducho (Vale Mourisco) mesmo junto à EN 233, sendo um deles conhecido por Barnabé, o de Vila do Touro na Maçaperra, o da Cova da Raposa (Carvalhal Meão), o da Miuzela no caminho para Porto de Ovelha, o do Cabeço de S. Cornélio junto à segunda plataforma do parque eólico, o porco-perro de Águas Belas no sítio da Sangrinheira de Baixo, etc, etc, etc. No geral trata-se de figuras intencionalmente híbridas, podendo assim sugerir touros, bezerros, ursos, porcos, bodes, cavalos – ao fim e ao cabo os vários animais que integravam o rito sacrificial indo-europeu do a que já se fez referência. Muitos destes modelos não têm cabeça, o que entendo ser intencional já que colocados à entrada da civitas, de um ópido, do acampamento, nas pontes e velhos caminhos carreteiros, dizem simbolicamente da lei da comunidade em relação aos prevaricadores que era a Decapitação.
Num mundo cada vez mais ausente e descaracterizado, não posso deixar de felicitar todos aqueles que, através de iniciativas como esta, procuram o convívio, a amizade, a solidariedade, a fraternidade, um pouco à imagem das Irmandades Medievais, em busca das suas origens para através delas afirmarem uma identidade sempre muito para lá do indivíduo enquanto tal, e também (por que não?) a divulgação e a promoção daquilo que, na verdade, nos distingue – os produtos regionais. Na circunstância, o Bucho raiano e todos os seus parentes e afins. Parabéns, pois, à Confraria do Bucho Raiano e a todas as outras aqui presentes que, pela mesma via, prosseguem objectivos idênticos.
Também, e porque aquilo que aqui vos trouxe mais não foi que um saudoso peregrinar pelas infâncias dos meninos que também fomos, deixem que eu felicite carinhosamente a Banda Filarmónica da Bendada, a música dos meus verdes anos, que nós garotos íamos esperar, todos os anos, no início de Maio, ali para as bandas das Lajas e do Picoto, no caminho do ora tão celebrado Cabeço das Fráguas. É que, eles, os músicos, ao tempo, atalhavam pela Água da Figueira, Penalobo e Pousafoles e o percurso entre a Bendada e a minha aldeia era feito a pé com uma ou outra alimária quer transportava os instrumentos nos alforges. Parabéns, longa vida e as maiores felicidades e êxitos para a Banda enquanto instituição e também para todos os seus elementos, os legítimos herdeiros e continuadores de uns tantos certamente já desaparecidos que tiveram o condão de encher de alegria e de felicidade o coração da pequenada que, em todos os tempos e lugares, há-de marchar sempre à frente de todas as Bandas Filarmónicas do mundo e há-de correr sem medo atrás das canas dos foguetes como quem corre atrás de sonhos lindos. Obrigado.
Para concluir, e no que ao bucho se refere, será de acrescentar que cozido em panela de ferro, ao lume, com batatas e grelos, é de comer e chorar por mais, quer seja em dia de Domingo Gordo, dia de Entrudo, ou Domingo de Páscoa. Se for em tempo de Quaresma, e quebrando apesar de tudo a tradição, peço encarecidamente ao Chanceler, o meu amigo Dr. Paulo Leitão Baptista, que não se esqueça de tratar do assunto sério das Bulas para que amigos e confrades, autorizados por essa via pela Santa Madre Igreja, não tenham pruridos na sua consciência no que respeita a dieta, jejum ou abstinência. No dia de hoje, e se a ementa for o bucho, como pertence, porque estamos em Abril, dia 17, esse problema não se põe – a Quaresma já lá vai! Comamos então e sem medo!
Como diria o Dr. João Governo, o médico de serviço da RTP, acerca dos enchidos da Guarda: «Comam, não tenham receios quanto à saúde e, se houver excedentes, mandem para Lisboa que a gente trata do resto.»
Muito obrigado.
Célio Rolinho Pires (oração de sapiência)

O escritor Célio Rolinho Pires, natural da freguesia de Pêga, no concelho da Guarda, proferiu a «Oração de Sapiência» durante as cerimónias do 1.º Capítulo da Confraria do Bucho Raiano que decorreram no Sabugal no dia 17 de Abril de 2010. O Capeia Arraiana publica o valioso escrito – dividido em duas partes – este domingo e o próximo. (Parte 1).

Oração de Sapiência - Célio Rolinho Pires - 1.º Capítulo da Confraria do Bucho Raiano - Sabugal

«O BUCHO» – Oração de Sapiência de Célio Rolinho Pires

«Exmo. Sr. Grão-Mestre da Confraria do Bucho Raiano, senhoras confreiras e confrades das várias confrarias aqui presentes, Sr. Presidente da Câmara do Sabugal, Sr. Governador Civil do Distrito da Guarda, ilustres convidados, minhas senhoras e meus senhores,

Caros amigos

Perante as várias alíneas do Programa relativo à Entronização dos órgãos e confrades da Confraria do Bucho Raiano, a que teremos a honra de assistir, e no que à minha pessoa respeita – oração de sapiência por Célio Rolinho Pires, escritor – confrontado, aqui e agora, com tão ilustre e insigne assistência, não posso deixar de me sentir honrado mas, e ao mesmo tempo, constrangido para não dizer embaraçado! Efectivamente, orador não sou, a não ser uma ou outra vez em que tive, por ossos do ofício, pregar algum sermão aos meus alunos… Sapiência? – Pobre de mim! Parafraseando o filósofo «só sei que nada sei»! Darei, no entanto, o benefício da dúvida a mim próprio se aquilo que nos vem da barriga da perna e que aprendemos por ser quem somos seja considerado saber… Todavia, e dada a dinâmica dos novos tempos, não me parece que o seja: as coisas da ruralidade são cada vez de menos préstimo e daí a angústia das gerações mais velhas, a que eu pertenço, que tendo recebido amorosamente dos que nos precederam esse testemunho riquíssimo denominado Tradição, vivemos e morremos agora na angústia de não termos a quem o passar. É a desertificação, o abandono, a amnésia colectiva que se instalaram ao nível da cultura da ruralidade, sobretudo no domínio do vocabulário, da linguagem, e das vivências de cada um – tudo o que, no fim de contas estigmatizou irreversivelmente as nossas infâncias e o destino de todos aqueles que, em devido tempo, tiveram a sorte (ou não?) de comer por aqui as colhadas de Maio, o Bucho, as morcelas, os grelos, as meruges, os agriões, as azedas, e tantas outras coisas simples e boas!
Quanto ao epíteto de escritor, devo dizer que conheço bem o fenómeno da náusea que acompanha o acto de escrever e também sei da aventura e do risco que é a publicação e até da inconsequência das palavras ditas pela primeira vez… Todavia, e desde que a ruralidade caiu em desuso, e desde que a escrita é cada vez mais um produto televisivo e de supermercado…penso bem que os escritores são feitos de outra massa e de outra tripa, para utilizar uma linguagem consentânea com a temática do Bucho.
A ser assim, qual é então, aqui e agora, o meu papel? Que estarei eu aqui a fazer? – pergunto-me, perguntarão!
Estou aqui, à margem a inerência da honra que é ter de falar do Bucho, Palaio, Paio ou Bexiga para tão ilustre assistência, estou aqui, desculparão a franqueza, como o réu (na circunstância o Sr. Porco) perante o colectivo já que condenado à morte ab initio e conduzido por mãos amigas ao banco do sacrifício, ainda tem que ouvir pela última vez do juiz inquisidor a consabida e fatídica pergunta:
– O Réu tem alguma coisa a alegar em sua defesa?
E a resposta só pode ser esta:
– Claro que tenho. Evidente que tenho!
Estou aqui em nome da Amizade e das relações da Boa Vizinhança que foi, é e será das gentes de uma e de outra margem do Coa, de aquém e de além Coa, esteja o sujeito pensante num ou o no outro lado.
Quanto à Amizade, à parte os muitos amigos aqui presentes, as culpas vão todas para o Dr. Paulo Leitão Baptista, o homem a quem confiaram o selo e a chancela da Confraria (estão-lhe bem entregues!), a quem e dadas as nossas cumplicidades ao nível da escrita e, ainda, da verdadeira “tinta” com que, por vezes, se dizem e escrevem as palavras, não pude dizer que não! Embora correndo o risco de enfadar e desiludir meio-mundo! Farão o favor de desculpar! A amizade tem um preço e o preço é este!
Quanto às relações de Boa Vizinhança o entendimento foi de sempre total! Excepção para o diferendo original que opôs o concelho de Sortelha ao concelho do Sabugal, sanado à nascença pela Carta da Fatela de 1315, sob o alto patrocínio do Rei D. Dinis. De referir que não se trata da Fatela de Penamacor mas sim da Fatela do Estremo, uns 20 a 30 quilómetros para lá de Valverde del Fresno, e uma das entradas no Concelho de Sortelha, segundo o testemunho dos pastores inquiridos. A falar de tudo isso aí estão ainda as casas do Ti Manuel Joaquim Nabais, o último moleiro dos Moinhos de Portugal, e o Porto de Alvasil, uma das entradas no concelho da Guarda, mesmo em frente das Bombas da Galp, na foz do Ribeiro dos Aluados ou Alvados. Afinal tudo tão perto!
As relações entre lusitanos opidanos e transcudanos, ou de outra forma, entre lusitanos e vetões, foi sempre do melhor em termos de «razia» e de luta no caminho das Terras do Sul, pela Dalmácia e pela Guinea, rumo à Estremadura, à Bética e à Andaluzia, e o Foro Velho da Cavalgada dos Costumes de Alfaiates é ainda uma reminiscência medieval, penso, do que foram esses tempos glórios e difíceis das guerras lusitano-romanas… Recentemente foram as capeias, os bailes, o futebol, um ou outro burranco no churrasco a unir a rapaziada de uma e outra margem do Coa. Tempos!
É que eu sou de Pêga, do lado de lá do Coa, portanto! Nasci à ilharga da Ribeira do Boi, um dos principais afluentes do Coa, uma ribeira, também ela, carregadinha de história! Até no tocante ao contrabando, perdão pela inconfidência, ouvi um dia dizer ao Ti Zé Saranco do Soito, provavelmente já falecido, «a fama é dos do Soito e Quadrazais mas os verdadeiros contrabandistas moram em Pêga». Mas isso já lá vai, terá sido nos tempos da Guerra em que a cavalaria arraiana em récuas de centenas de cavalos, mulas e machos, iam a Pêga, na calada da noite, carregar volfrâmio e estanho em bruto ou em lingotes ali fundidos pelos irmãos Martins, para depois introduzirem na Espanha via Carvalhal Meão, Seixo do Coa, Malhada e Poço Velho.
De tudo o que foi dito, portanto, o Tratado de Alcanizes, sob os auspícios do Rei D. Dinis em 1297, era e continua a ser uma inerência, uma inevitabilidade. Oportuna assim a quadra do rei Lavrador:
Eu, rei D. Dinis
Castelo, fonte e ponte fiz
E quem dinheiro tiver
Fará o que quiser!

E boas maneiras – acrescentaria eu!
Falar do Bucho implica necessariamente ter de falar do porco e da matança. A Confraria do Bucho Raiano foi feliz e está de parabéns pela escolha do nome e dos símbolos que fazem as respectivas armas: um bucho vermelho do sangue e do pimentão suspenso de um chambaril a fazer as vezes dos pauzinhos afiados de giesta seca, os chavelhos, que o atravessam na sua parte superior, como se do pírtigo do mangual se tratasse, e cuja função é ajustá-lo ao respectivo sedouro que, na circunstância, é a pele do palaio, paio, bexiga, bucho ou estômago do animal. Tudo isto ao centro de um pentágono regular representativo das cinco quinas do castelo do Sabugal, das cinco quinas da Bandeira de Portugal, das cinco chagas de um Cristo bem português, na circunstância, arraiano. Parabéns!
O bucho, palaio ou bexiga é e será sempre um símbolo, e como tal, é uma síntese representativa, iconográfica, cheia de conotações fisiológicas, carnais mas também históricas, sociais e religiosas.
Ele é, na verdade, o rei dos enchidos, a sobressair, pelo formato redondo ou oblongo, pelo aroma e pelos sabores, no conjunto da latada sobranceira ao lar do lavrador, no meio da parantela mais humilde das morcelas de assar e de cozer, das farinheiras de coiros e das outras, das chouriças de boches, do cu e das normais. Ele é o alfa e o ómega ao nível da geomorfologia do porco sacrificado. Feito sobretudo da parte nobre do animal – a cabeça esfolada em coiratos – pela beiça, pela língua, pelas orelhas e parte da caluva, também não foi esquecida a parte terminal do rabo e implicou mesmo, por parte das mulheres que o confeccionaram, uma viagem pelo osso de suã (a coluna vertebral) em busca de pequenos ossinhos e tudo o que seja tecidos cartilagíneos. Da cabeça sobrará apenas a queixada que há-de jazer, ano fora, no caniço do sobrado, entre as castanhas piladas para dela se fazer, se for caso disso, um qualquer unguento para tratar o trasorelho dos garotos ou a dor de dentes dos mais velhos. Tudo tinha préstimo! Depois é o resto, o molho com o segredo das donas de casa: azeite, alho, cebola, louro, salsa, vinho, pimentão, pimentos queimosos, e o necessário e prolongado curtimento em uma qualquer barranha ou barranhão de preferência feitos do barro da Malhada Sorda. Depois, tudo é ensacado e bem ensacado no palaio que é o apêndice ligado ao intestino grosso do animal, na bexiga (que é a bexiga) ou no bucho que é o estômago do dito. A seguir fumeiro com ele com chamadas de giesta repetidas sobretudo nos primeiros dias. Segundo as regras canónicas e sociais a Bexiga comia-se ao almoço do Domingo Gordo e o Palaio ao almoço do Domingo de Páscoa. De permeio a Quaresma, tempo de jejum e abstinência para os que não adquirissem a Bula no Sr. Vigário.
(continua.)
Célio Rolinho Pires (oração de sapiência)

A sabedoria popular guarda sabores antigos que tomam parte da nossa cultura e dos nossos afectos, como o fez notar o escritor Célio Rolinho Pires, grande conhecedor dos usos e costumes do povo.

Conhecido pelos seus estudos e escritos sobre o valor das pedras que povoam os horizontes da nossa região beirã, Célio Rolinho Pires, natural de Pêga, é também um revelador de afectos. É neste espírito que se enquadra o seu livro de recordações intitulado «Rosas de Santa Maria», publicado em 1997. É um livro de vivências e de saudades de um tempo que só a memória conserva. Nesse tempo o ciclo anual da vida aldeã estava perfeitamente demarcado, inclusive na gastronomia, com ementas próprias em cada época.
De todas as quadras anuais ressalta o Entrudo, tempo de excessos em toda a linha, incluindo na alimentação. A carne reinava neste época, como que a prepar o corpo para as privações e exigências da Quaresma. Dentre as iguarias deste tempo de festança pontuava o bucho servido com grelos e batata cozida:
«A ementa típica para esta quadra é guardada intencionalmente no masseirão ou salgadeira: pé de porco, orelha e quiçá o rabo, salvo seja, tão simplesmente cozidos na altura ou previamente condimentados e “enchidos” no estômago ou na bexiga do falecido bácoro de que resulta o tão falado bucho, paio ou palaio. Curtido e seco no fumeiro, cozido ao lume, em panela de ferro, com batatas e grelos de nabos, é comer e gritar por mais.»
A saborosa citação foi retirada do capítulo «o ciclo dos vivos», que nos dá conta das andanças periódicas que sujeitavam o viver colectivo nas aldeias de antanho. Ali se lamentam as tradições perdidas e a descaracterização da vida aldeã com a progressiva ausência de fenómenos gregários que o tempo cilindrou impiedosamente.
A referência à tradição alimentar torna premente a importância da recuperação de sabores antigos, onde exista uma réstia da naturalidade dos alimentos e onde se reponham as formas de cozinhar e os segredos que a cozinheira conhecia e que faziam com que produtos simples e até banais, viessem à mesa transformados em iguarias de divinal sabor e riquíssimo teor alimentício.
O livro «Rosas de Santa Maria» é pois um repositório de memórias, onde perdura o sentimento do navegador que há muito partiu para longa viagem, sulcando os mares, e a um tempo regressa ao porto de partida. Traz com ele novas experiências, outros conhecimentos e até diferentes formas de pensar a vida e o mundo. Mas ali, à vista das terras que envolvem o porto de abrigo, o viajante reencontra as paisagens e as gentes que sempre fizeram parte do seu imaginário, mas que os seus olhos não observavam há longo tempo. Perante este esplendor, o navegante abre o baú das memórias e revela a quem o ouve, as vivências marcantes do seu passado.
«Sabores Literários», crónica de Paulo Leitão Batista

leitaobatista@gmail.com

Churras são as ovelhas autóctones cobertas de lã grosseira, em contraponto às ovelhas merinas, mais recentes, que produzem lã mais fina. Ora o povo dizia «tchurras» e há na freguesia o topónimo «Panchorras» (ou Panchurras), na margem esquerda da ribeira do Boi. Portanto Pêga era terra de ovelhas e, necessariamente, terra de pastores, ou «pegureiros».

pegaEm 1758 o pároco da freguesia, face aos quesitos do inquérito promovido pelo Marquês de Pombal às paróquias do Reino, respondeu: «Nesta terra não há coisa digna de memória de que se possa fazer menção». Célio Rolinho Pires nunca se satisfez com aquela resposta. Um dia vieram parar-lhe às mãos os «Livros Velhos da Irmandade das Almas», e tornou-se-lhe aí clara a necessidade de se fixar a memória desta terra do extremo sul do concelho da Guarda.
O valor de Pêga começa na sua gente. Gente de paz e de coragem, mandada à vida, nas lutas e labutas do quotidiano. Agarrada à rabiça do arado na decrua e sementeira da terra, de foice em punho ceifando o centeio, pegada ao cabo do mangual malhando o pão para alimento de todos os dias. Gente dedicada ao trabalho árduo para garantir a sobrevivência, mas também com propensão para a comédia no tempo do Entrudo e o bailarico nas noites festivas. Também havia a tristeza, que o este povo enfrentava estoicamente: a miséria dos pedintes, o drama dos expostos, a mágoa perante a morte, aqui especialmente aliada ao percurso fúnebre da aldeia anexa, Monte Vasco, para o cemitério da freguesia.
É tudo isso que Célio Rolinho Pires nos retrata no seu livro, fazendo ainda uma incursão aos vestígios de eras remotas, bem expressos nas pedras.
Um livro que resultou de trabalho aturado, de uma investigação profunda, feita por homem escrupuloso, também ele gente que nasceu, cresceu, viveu, e vive, na aldeia de Pêga, entre os seus. «Pêga – Terra de Panchurras» não é uma monografia qualquer, feita para reunir o essencial da memória da terra. O professor Célio vê mais longe, e foi em busca das origens. Explana a forma como a terra nasceu e se manteve ao longo dos tempos, explica as suas tradições mais marcantes, elucida a forma peculiar como o povo se exprime.
Referencia-se o mais ilustre descendente de Pêga: o escritor Nuno de Montemor ou, de verdadeiro nome, Joaquim Augusto Álvares de Almeida. Embora nascido em Quadrazais, o pai era de Pêga, oriundo de uma família de gente honrada, com alguns teres e com boas casas de lavoura, além de forte propensão para o negócio.
Hoje os caminhos vicinais estão ao abandono. Já ninguém os percorre para ir às tapadas e aos chões, onde agora cresce o matagal. Por isso, a pensar em novos tempos, o autor apresenta um mapa com a Rota das Pedras, em que sugere passeios ao redor da aldeia, percorrendo os antigos caminhos carreteiros, em busca dos vestígios de antigamente.
Uma monografia essencial, que o autor justifica assim: «Para que os futuros meninos de Pêga, estejam onde estiverem, saibam que também eles tiveram avós e que há uma terra, algures, que estará sempre à sua espera».
plb

No dia 15 de Agosto, por ocasião das festas de Pêga, freguesia do distrito da Guarda, Célio Rolinho Pires fez a apresentação pública da monografia da sua terra de nascimento e de vivência. O salão da Junta de Freguesia encheu-se de gente para assistir a um momento impar para Pêga, que foi o culminar de um longo e exaustivo trabalho de investigação.

Maria Augusta, Virgilio Bento e Célio Rolinho PiresO livro, intitulado «Pêga – Terra de Panchurras», é um olhar profundo à história de uma terra antiga, cujo povo viveu durante séculos em pura comunidade. Aldeia de lavradores, pastores, padeiros e almocreves, Pêga foi sempre terra de referência no âmbito regional. Há vestígios dos povos da antiguidade em variados locais do seu termo, foi ponto de passagem de primeira importância, era local de basta produção de gado ovino e seus sucedâneos e celeiro de abastecimento aos povos em redondo. Em suma, esta terra de pastores (pegureiros) e de ovelhas (churras) teve grande relevância histórica, daí a importância deste profundo trabalho literário, que enriquece o acervo bibliográfico das terras beiroas.
Na simbólica cerimónia estiveram presentes, ladeando o escritor: Virgílio Bento, vice-presidente da Câmara da Guarda, Padre Morgado, pároco da freguesia, Crespo de Carvalho, escritor e pensador da Guarda, e Maria Augusta Carvalho Martins, veneranda mulher da terra, amiga íntima do autor, a quem coube apresentar a obra literária.
Virgílio Bento destacou a importância da salvaguarda da memória: «é a memória que nos permite construir a nossa identidade. Sem ela não teríamos capacidade de aprendizagem daí a importância da obra literária de Célio Rolinho Pires, que vai agora no seu quinto livro dedicado à salvaguarda da memória das nossas terras».
Crespo de Carvalho revelou que se apaixonou pela «teoria das pedras»: «O professor Célio tem a coragem de olhar, ver, meditar e daí tirar conclusões, sendo um verdadeiro cientista e historiador».
Por sua vez, Maria Augusta Martins falou ao coração dos conterrâneos.
«Só um homem que conhece bem a nossa terra é capaz de escrever o que ele escreve. Uma vez perguntei-lhe:
– Ó Célio. Como é que te metes-te nesta história das pedras?
E ele respondeu-me:
– Foi por acaso. Vi pedras de variados feitios que apareciam em locais diferentes e daí meditei em como é que tal podia acontecer. Descobri que isso tinha algum significado, e assim nasceu o estudo das pedras.
Estou de acordo com as teorias que ele nos tem revelado. Há coisas com verdadeiro sentido histórico que é preciso revelar ao mundo. E eu vou mais longe: é necessário que esses achados não se percam. As figuras rupestres de Foz Côa foram protegidas, e ainda bem, mas nós também aqui temos coisas que devem ser preservadas porque as pessoas, mesmo sem quererem, podem destruir o património que as nossas terras guardam.»
O autor fechou os discursos de circunstância. O seu grande objectivo é honrar a terra e todos os que nela nasceram. Um livro pressupõe um plano de longo prazo, que amadurece e fica pronto para vir a público. Mas aqui não pode haver pressas. Como um puzzle, as suas peças têm de encaixar perfeitamente.
«Atrevo-me a dizer que as palavras, as frases, os temas, os subtemas que integram o livro são como as componentes de um automóvel. Tudo funciona em interdependência e complementaridade para que o veículo se mova e nos leve, pois é essa a sua função».
Para Célio Rolinho Pires «Pêga – Terra de Panchurras» é sobretudo um livro de afectos:
«Por isso este livro não é meu nem é de ninguém em particular, é dos Pires, dos Rolinhos, dos Mateus, dos Adriões, dos Canários, dos Álvares de Almeida, dos Canhotos, dos Gregórios, dos Esteves, dos Monteiros, dos Gonçalves, dos Fernandes, de todos. Daí a necessidade de o dar a conhecer e o devolver aos verdadeiros donos».
A obra apresenta um mapa, que pretende ser um roteiro de alguns vestígios históricos que existem na freguesia, mas o autor avisa: «não se admirem se ao procurarem fazer o percurso em caminhos milenares não conseguirem passar. Não se espantem ainda se alguns dos vestígios já lá não estiverem. Há coisas que sendo de todos não são de ninguém mas há quem não pense assim!».
plb

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Setembro 2019
S T Q Q S S D
« Fev    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.147.081 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios