You are currently browsing the tag archive for the ‘marquês pombal’ tag.

Reinava D. José I, era Primeiro-Ministro o Marquês de Pombal: Secretário dos Negócios do Reino – era esse o cargo. Foi distribuído por todo o País um conjunto de perguntas para que os párocos respondessem. O Padre Manuel Pires Leal era o cura do Casteleiro e respondeu às perguntas vindas de Lisboa.

No fundo, trata-se de um levantamento da situação de cada terra, uma espécie de censos ao País todo e em grande pormenor – eram os «curas» quem tinha de responder.
As perguntas eram muito simples.
Exemplo:
– «Quantos vizinhos tem?» (Ou seja: moradores.)
Resposta do cura Pires Leal sobre o Castelleyro:
– «Tem cento e cinquenta e dois fogos, pessoas de confissão e comunhão trezentas e quarenta e oito; só de confissão setenta e quatro, crianças que ainda não se confessam cento e três, pessoas ao todo quinhentas e vinte cinco».
Chamo a atenção para a assinatura:
«Castelleyro, 25 de Abril de 1758 / Manuel Pires Leal / Cura deste dito lugar».

E agora alguns conteúdos.

1 – O Casteleiro tinha bastante actividade virada à indústria da época: 7 moinhos (sete, note: é muito); 3 lagares de azeite; uma tinturaria («tinte», à moda espanhola); dois pisões (espécie de fabriqueta em que os panos já tecidos eram bem calcados para ficarem mais compactos, mais tapados – digamos).

2 – No Casteleiro, uma parte da própria agricultura estava nessa altura virada para alimentar estas indústrias (a cultura do linho que o Padre Leal refere, por exemplo) – actividades que acredito fossem mais de sobrevivência, ou seja, para abastecer as pessoas da terra do que para fazer comércio para fora da terra com os produtos. Isso digo eu, mas não tenho nenhum fundamento – só o conhecimento da vida na minha terra há 60 anos e o que ouvia os meus avós contar – ou seja, o meu horizonte testemunhal já atinge os anos 20 (1920). E não acredito que as coisas fossem muito diferentes 100 anos antes.

3 – A importância central da Ribeira. E (que maravilha!) o facto de sobre ela já haver naquele tempo duas pontes que ainda há: uma ao pé do cemitério (o local das «relvas» que o Padre refere também: quando eu era miúdo era ali que lavavam e estendiam a roupa a corar e a secar ao sol…) e a outra ponte, na Estrada Nacional. As duas pontes de 1758 (sei lá se não vêm já do tempo dos romanos…) ainda se mantêm – apenas lhes foi acrescentada mais uma: exactamente aquela que dá para Gralhais – um destino que muito fascinava o Padre Leal que está sempre a repetir: «Gralhais».

4 – Finalmente, uma nota mais virada à organização territorial.
O pároco que responde aos serviços do Marquês parece estar mais preocupado com a organização religiosa do que com a organização do poder civil.
Mas lá refere a «Comarca de Castelo Branco», o que é importante. Diz ele:
«Está na província da Beira, Bispado da Guarda» – ou seja, do ponto de vista da organização religiosa pertence à Guarda. Mas a organização civil-judicial não é essa: o Casteleiro, nessa data (1758) pertence à «Comarca de Castelo Branco».
Mais adiante diz o Padre Leal: «Freguesia do Salvador, anexa de Santa Maria do Castelo da Vila de Sortelha e termo da mesma Vila». Coisa que o pároco de então repete na resposta seguinte: «É anexa da igreja de Santa Maria da dita vila de Sortelha».
Não se esqueça que o Casteleiro pertenceu ao Distrito de Castelo Branco e ao então Concelho de Sortelha até á reforma administrativa de 1855.
Uma frase importante do Relatório: «Pertençe a El Rei». Suponho que significa que aqui não havia nenhum senhor feudal a dominar e que o Casteleiro dependia directamente da Coroa – o que na época é bom em termos de autonomia dos 525 residentes que ele refere.

Faço notar que em boa hora o actual Presidente da Junta de Freguesia do Casteleiro, António Marques, publicou as perguntas e as respostas no blogue «Viver Casteleiro». Aqui.
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

Anúncios

Na linguagem comum, quando uma desgraça se abate injustificadamente sobre alguém, é habitual utilizar-se a expressão «azar dos Távoras!». Quer isto dizer que a memória popular guarda a tragédia que, no período pombalino, vitimou uma das mais poderosas e ricas famílias da aristocracia portuguesa, a dos marqueses de Távora.

Adérito Tavares - Na Raia da MemóriaNa verdade, ninguém pode dizer que está a salvo de a sua vida «dar a volta como um sino», para utilizar uma nova expressão popular. A condição humana rege-se frequentemente pela sujeição àquilo que os Gregos antigos designavam por «caprichos divinos». Aliás, o teatro grego exemplifica genialmente o fatalismo a que os homens são votados, como se fossem joguetes nas mãos de deuses caprichosos e irritadiços. É o caso da tragédia «Édipo Rei», de Sófocles. Nascido em berço de ouro, Édipo fora predestinado a matar o pai e casar com a mãe. E, por muito que todos tentassem contrariar essa fatalidade, a teia foi-se urdindo de tal maneira que o oráculo acabou por se cumprir, para desgraça de Édipo, de sua mãe-esposa Jocasta e de sua filha-irmã Antígona.
Claro que isso não significa que o ser humano se acomode fatalisticamente ao seu «destino». Não existe predestinação senão a posteriori. Só estabelecemos o destino depois de os factos se consumarem. O Homem é dotado de livre arbítrio e pode construir ele próprio o seu caminho. Aos homens que tomam o destino nas suas próprias mãos, exercendo a «vontade de poder», é que Nietzsche chama super-homens. Salvo alguns casos resultantes de uma conjugação aleatória de circunstâncias desfavoráveis, a maior parte dos nossos percursos são determinados pelas nossas opções. Digamos que, quando um exame corre mal, raramente foi «má sorte»; deveu-se, mais provavelmente, à falta de estudo. A maioria dos acidentes de viação, dos acidentes domésticos ou dos acidentes de trabalho devem-se à incúria, ao excesso de confiança, ao desleixo, à falta de civismo, à irresponsabilidade, etc. E, muito poucas vezes, à «má sorte». A sorte, quase sempre, somos nós que a construímos. O acaso (ou o destino, se quiserem), tem o seu papel, como é óbvio: azar tem o condutor que vai, devagar e tranquilamente, na sua faixa de auto-estrada, quando lhe cai em cima um auto-tanque desgovernado. Azar tem a alegre e despreocupada família que passa férias no Egipto e é vítima de um atentado à bomba por parte de fundamentalistas islâmicos. Mas não se pode dizer que o Benfica (perdoem-me que meta a minha foice em seara alheia, onde habitualmente não a meto) esteja como está «por azar». Ou que a equipa nacional de futebol não tenha ganho o último Mundial por «má sorte». O seu «destino» foi construído dia-a-dia pelos dirigentes, pelos técnicos, pelos atletas, pelos jornalistas, pelos adeptos, etc., etc.
E os Távoras, tiveram mesmo azar ou «deitaram-se na cama que fizeram»?
Em 1750, quando morreu o rei D. João V, Portugal era um típico país do «Antigo Regime»: politicamente absolutista, economicamente agrícola, socialmente hierarquizado, religiosamente dominado pelo conservadorismo inquisitorial e jesuítico.
Igreja da Memória, em Lisboa. Foi mandada construir pelo marquês de Pombal, no local onde D. José sofreu o atentado, em memória de o rei se ter salvo. Nela se encontra sepultado o próprio marquês de PombalEntre os ministros (secretários de Estado, como então eram designados) escolhidos pelo novo rei, D. José, encontrava-se Sebastião José de Carvalho e Melo (1699-1782), membro da pequena nobreza, diplomata, que tinha sido embaixador em Londres e em Viena de Áustria. Carvalho e Melo era um «estrangeirado»: absorvera por lá as novas tendências culturais reformistas e era adepto do despotismo esclarecido ou iluminado. Outro estrangeirado, Francisco Xavier de Oliveira (o Cavaleiro de Oliveira) diria mais tarde que Portugal era um relógio atrasado. Ora Sebastião de Carvalho e Melo vinha animado da firme vontade de o acertar, de fazer deste País um Estado moderno.
Tendo sido nomeado Secretário de Estado dos Negócios do Reino, não tardaria a destacar-se pela sua forte personalidade, a sua preparação política e o seu dinamismo, sobretudo quando teve que encarar as consequências do grande terramoto de 1755. D. José dá-lhe cada vez mais poderes, tornando-o um verdadeiro superministro. No final da década de 50 seria feito conde de Oeiras e, já nos anos 70, perto do final do seu consulado, marquês de Pombal.
O grande objectivo de modernização do País e do Estado passava por reformas económicas, educativas e administrativas. A todas elas Pombal meteria ombros. Não é agora a altura de descrevermos exaustivamente a sua acção nesses domínios. Em qualquer livro de História, enciclopédia ou dicionário os leitores encontrarão esse estudo.
Para levar a bom termo o seu ambicioso projecto de transformação de Portugal, porém, era também necessário enfrentar os poderosos (o clero, particularmente a Companhia de Jesus, um verdadeiro «Estado dentro do Estado», e a nobreza), retirando-lhes privilégios, obrigando-os a obedecer ao poder real sem hesitações, fazendo o «nivelamento social» pela promoção da burguesia mercantil e financeira – em suma, aplicando o despotismo esclarecido.
Em 1758, Pombal teve uma ocasião soberana para levar a efeito estes propósitos: segundo a versão oficial, na noite de 3 de Setembro, vários homens, a soldo do duque de Aveiro e dos marqueses de Távora, tentaram matar D. José, no local onde hoje fica a Igreja da Memória, em Lisboa, disparando contra a carruagem real. Segundo se diz, o rei regressaria de um encontro amoroso com a marquesinha de Távora. D. José escapou, embora ferido, mas os cabecilhas da conspiração não escaparam.
Mantido inicialmente em segredo, o atentado desencadeou uma ferocíssima repressão sobre alguns sectores da alta nobreza, acusados de conspirar para matar o rei e afastar o seu poderoso ministro que, entretanto, tinha ganho muitos inimigos.
Três meses depois encontravam-se presos o duque de Aveiro e o marquês de Távora, bem como quase todos os membros das suas famílias, incluindo o marquês de Alorna e o conde de Atouguia, genros do marquês de Távora. E ainda os condes de Vila Nova, de Óbidos e da Ribeira Grande, para além de muitos outros nobres e pessoas de todas as classes.
O duque de Aveiro, sujeito a apertados interrogatórios, viria a comprometer gravemente o marquês de Távora, D. Francisco, a marquesa, D. Leonor, e os seus filhos, Luís Bernardo e José Maria. O marquês e o filho mais velho negaram sempre o seu envolvimento no atentado. José Maria de Távora e o cunhado, o conde de Atouguia, violentamente torturados, fizeram uma confissão completa.
Em 12 de Janeiro de 1759 foi publicada a sentença e no dia 13 os condenados foram conduzidos a um patíbulo erguido propositadamente em Belém, junto do mosteiro dos Jerónimos. A marquesa D. Leonor de Távora foi degolada. O marido, os dois filhos e um dos genros, o conde de Atouguia, foram supliciados (os condenados ao suplício eram sujeitos a terríveis sofrimentos, até à morte, como a quebra de ossos à marretada, o esticamento dos membros, etc.).
Padrão do Chão SalgadoO velho marquês de Távora, por exemplo, foi condenado a ser «exautorado de todas as honras, dignidades e comendas, a ter as canas das pernas e dos braços partidas, a ser depois rodado [esticado e morto numa roda] e a picarem-se as suas armas». Os bens da família foram integralmente confiscados a favor do Estado e da Coroa, o título extinto e o uso do apelido Távora proibido para todo o sempre. Luís Bernardo e José Maria de Távora foram igualmente executados através das mais horríveis torturas. A crueldade das penas impressionaria vivamente todas as cortes europeias.
O duque de Aveiro, o único cuja responsabilidade no atentado ficaria provada sem qualquer margem para dúvidas, foi igualmente condenado a ser supliciado. O ducado de Aveiro foi extinto e todos os bens da família confiscados. O seu palácio de Lisboa, situado mais ou menos onde hoje fica a Fábrica dos Pastéis de Belém, foi completamente arrasado e o próprio chão foi salgado, uma prática muito antiga (os Romanos fizeram isso à cidade de Cartago, depois de a destruírem), cujo simbolismo é óbvio: para que ali nada mais crescesse. Ainda hoje o local se chama Largo do Chão Salgado.
A esposa de Luís Bernardo de Távora, D. Teresa (a marquesinha), permaneceria em prisão conventual quase 20 anos, até à morte do rei, em 1777. Também o marquês de Alorna seria mantido preso até ao afastamento de Pombal.
Depois deste severíssimo exemplo, a nobreza não conspirou mais para afastar Pombal, embora nunca lhe perdoasse. Dominada a aristocracia, chegava a vez do clero: a Companhia de Jesus, a mais rica, influente e poderosa ordem religiosa do País, foi expulsa nesse mesmo ano de 1759 e todos os seus edifícios e propriedades passaram para a posse do Estado. A autoridade real (leia-se a do marquês de Pombal) tornava-se assim incontestada. Era agora a vez de implementar as reformas económicas e culturais. E assim se fez, como se sabe.
Padrão do Chão SalgadoEm 1777 morre o rei D. José. Com a «viradeira», chegava a vez de os inimigos de Pombal se erguerem. Sebastião José de Carvalho e Melo foi afastado por D. Maria I de todos os seus cargos, sendo-lhe instaurado um processo que o condenou ao exílio para as suas terras de Pombal, onde viria a falecer em 1782, com 83 anos de idade. O povo resumiu o seu governo numa frase lapidar: «Pombal fez muito bem e muito mal.» No entanto, anos mais tarde, era já lembrado com saudade: «Mal por mal, antes Pombal.»
Logo em 1777, D. Maria I ordenou a libertação daqueles que, relacionados com o processo de 1759, ainda se encontravam na prisão, restituiu os bens e dignidades aos Távoras, incluindo o uso do nome, mas o título de marquês nunca seria recuperado. Uma das mais poderosas famílias do País era agora uma pálida sombra daquilo que tinha sido. «Azar dos Távoras».

Padrão do Chão Salgado, em Belém, erguido no local onde tinha sido o palácio do duque de Aveiro, executado como regicida em 1759. Na base desta coluna pode ler-se a seguinte inscrição: «Aqui foram as casas arrasadas e salgadas de José de Mascarenhas, exautorado das honras de duque de Aveiro, e outras, e condenado por sentença proferida na Suprema Junta da Inconfidência, em 12 de Janeiro de 1759, justiçado como um dos chefes do bárbaro e execrando desacato que na noite de 3 de Setembro de 1758 se havia cumulado contra a real pessoa de el-rei nosso senhor D. José primeiro. Neste terreno infame se não poderá edificar em tempo algum.»
«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares

ad.tavares@netcabo.pt

O ressurgimento do racismo na Europa constitui um fenómeno deveras preocupante. Parece que a memória colectiva deveria ter ainda muito frescos os terríveis acontecimentos que o nazismo desencadeou, há pouco mais de 60 anos. Os horrores do holocausto nazi deveriam ter vacinado os europeus contra anti-semitismos e xenofobias de todo o tipo. No entanto, aquilo a que se assiste é a um despudorado negacionismo, à tentativa absurda de reinventar a História, como se o nazismo nunca tivesse existido.

Adérito Tavares - Na Raia da MemóriaAlgumas vozes bem-pensantes tentam desdramatizar o actual surto racista, atribuindo-o apenas a jovens skins exibicionistas ou a ultra-nacionalistas boçais. Porém, deixam na sombra o neo-nazismo na Alemanha e na Áustria, o neo-fascismo na Itália e o fenómeno Le Pen em França, a pátria da «liberté, egalité et fraternité», a terra de Voltaire e da tolerância. É preocupante constatar que quase um quarto dos Franceses vota num homem que considera o holocausto um fait-divers sem importância histórica, ao mesmo tempo que acirra os ânimos contra todos os estrangeiros, sobretudo os das «raças» africanas. Tudo isto sem falar do inenarrável presidente do Irão.
E, no entanto, quantos «nativos» europeus podem garantir qual é a sua «raça»? Aliás, o próprio conceito é hoje recusado pela moderna antropologia. Basta lembrarmos que toda a humanidade descende de seres que, há apenas duzentos mil anos, tiveram o seu berço na África. Mesmo sem irmos tão longe, basta termos presente a contínua miscigenação a que as sucessivas migrações submeteram a população europeia. Somos todos mais ou menos descendentes de celtas, teutões, etruscos, latinos, judeus, godos, hunos, germanos, árabes, berberes, negros, etc.
Veja-se o nosso caso particular: a partir do século XV foram trazidos para Portugal muitos milhares de escravos africanos. Em 1551, só na cidade de Lisboa existiam dez mil escravos negros. Onde estão agora? Completamente disseminados na população. Os seus descendentes podemos ser qualquer de nós: eu, o leitor, o seu vizinho ou o skinhead arrogante que espanca um caboverdiano indefeso.
E que tem tudo isto a ver com o título desta prosa? Regressemos ao fio da meada: o leitor sabia que o marquês de Pombal era descendente de um clérigo e de uma escrava negra? Exactamente. Sebastião José de Carvalho e Melo, conde de Oeiras e marquês de Pombal, ministro omnipotente de el-rei D. José!
Ora aqui temos algo que podia calar o mais aguerrido dos aprendizes de racista da nossa praça: Portugal foi governado, durante 27 anos, pelo descendente de uma escrava negra! E ninguém se atreve a negar-lhe inteligência, clarividência, cultura. Foi uma personalidade enérgica, um espírito determinado, um homem empreendedor, cuja marca sobre o nosso percurso colectivo é ainda hoje bem visível, embora polémica. Um homem que submeteu a nobreza do mais puro e ancestral «sangue azul», eliminou todas as resistências eclesiásticas ao despotismo iluminado e promoveu a ascensão da burguesia mercantil, industrial e financeira. A personalidade de Pombal foi tão vigorosa e dominadora que o povo lhe chamava «o Carvalhão» (daí o nome do Arco do Carvalhão, em Lisboa, numa zona situada em antigas terras do Marquês).
Em 1761, Pombal proibiu o tráfico esclavagista na metrópole e declarou todos os escravos existentes em Portugal livres e forros. Se algum destes libertos conhecesse a ascendência do grande ministro teria por certo abençoado o ventre da escrava que gerara o antepassado de Sebastião José de Carvalho e Melo.
Quando falamos de racismo e de racistas, convém não esquecer que Hitler teve uma bisavó judia. E, quem sabe, talvez o senhor Le Pen tenha tido uma tetravó argelina! A moderna biologia pode hoje traçar com toda a facilidade o percurso retrospectivo dos nossos genes e até provar com segurança que o mais empedernido e dogmático dos skins é afinal descendente de Gengis Cão!
«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares

ad.tavares@netcabo.pt

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Setembro 2019
S T Q Q S S D
« Fev    
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.146.737 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios