You are currently browsing the tag archive for the ‘camões’ tag.

Vede os alemães, soberbo gado.

Manuel Leal Freire - Capeia ArraianaAo caracterizar os diversos povos que habitam esta velha manta de civilizações que é a Europa, Camões usou aquela expressão: Soberbo gado.
A causa próxima e decisiva ratio da fúria camoniana está na adesão às teses de Martinho Lutero, que acabava de lançar as bases para o positivismo religioso que é o Protestantismo.
A estrofe evoca-o de forma directa e expressa:
Do sucessor de Pedro rebelada
Novo pastor e nova seita inventa.

A irrupção do luteranismo rasgou a túnica inconcussa de Cristo, facto que não terá deixado de alarmar um católico tão integrista como era Camões e de chocar a mentalidade portuguesa tão sintonizada com a unidade e universalidsde da fé cuja expressão final era Dom Sebastião.
Este novo temor da maura lança, maravilha fatal da nossa idade fora, na lógica da epopeia dado ao Mundo por Deus, para que em tudo mande e do mundo dar a Deus a parte grande.
Esta certissima esperança do aumento da Cristandade na lógica da sequência da genealogia sebastiana não tolerava actos anticatólicos.
Dom Sebastião tinha de honrar a memória de Dom Joao III, o Piedoso, e Carlos Quinto, ainda mais Católico de que Isabel.
Camões concita-o mais uma vez:
Em vós se vêem na olímpica morada
Dos dois avós as almas cá famosas
Um na paz angelica dourada
Outro nas batalhas sanguinosas
Em vós esperam ver-se renovada
Sua memória e obras valerosas
E lá vos tem lugar no fim da idade
No templo da suprema eternidade

Ora, enquanto Portugal lutava por uma Igreja Católica, Apostólica e Romana, os alemães empenhavam-se em crudelíssimas guerras religiosas, não contra o inimigo comum a todos os cristãos, o superbíssimo otomano, mas para sair do jugo soberano.
Daí a acusação:
Mas enquanto cegos e sedentos
Andais do vosso sangue, ó gente insana

E:
Ó míseros cristãos pela ventura
Sois os dentes de Cadmo desparzidos
Que uns aos outros se dão a morte escura
Sendo todos de um só ventre produzidos

E prevenia:
Não vedes a divina sepultura
Possuída dos cães que sempre unidos
Vos vem tomar a vossa antiga terra
Tornando-se famosos pela guerra

A Cristandade vai viver a Guerra dos Trinta Anos devido à soberba dos alemães.
No Luteranismo se vai ainda filiar a soberba austeridade que a luterana estadista que agora rege a Europa está a impor aos católicos, romanos ou bizantinos, do Sul.
«Caso da Semana», opinião de Manuel Leal Freire

O mês de Junho é por excelência o mês do mais insigne e genial vate português, Camões e dos três mais populares santos, St.º António, S. João e S. Pedro, assim: 10 de Junho (Camões); 13 de Junho (St.º António); 24 de Junho (S. João); 29 de Junho (S. Pedro).

É sobre o 10 de Junho e Camões que iremos tecer algumas considerações, lembrando que até ao dia 24 de Abril de 1974, o 10 de Junho era «Dia de Camões, de Portugal e da Raça», passando depois a ser considerado o «Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas» espalhadas por todo o mundo.
De Camões, pena é que grande parte da sua biografia ande envolta em sombras e cuja verdade histórica esteja longe de se conhecer em definitivo. E se algo de muito e bom chegou até nós, inverosímil, porém, é que a sua data de nascimento, de naturalidade e de outros acontecimentos não sejam ao certo conhecidos, já que o imortal épico português tal não merecia. Assim, diz-se que, numa breve biografia que até nós chegou, “Camões, de nome Luís Vaz de Camões, filho de Simão Vaz de Camões e de Ana de Sá e Macedo, terá nascido em 1524 ou 1525 e Lisboa e Coimbra disputam entre si o berço do seu nascimento.
De 1531 a 1541 terá ido a estudar Humanidades para Coimbra, cuja licenciatura não concluiu por se ter envolvido em vários desacatos, o que provocou a sua ida para Lisboa. Em Lisboa, trocando os estudos pelo ambiente da Corte de D. João III, foi afastado da Corte, onde permaneceu de 1542 a 1545 e desterrado para o Ribatejo, por, diz-se, morrer de amores pela formosa Dona Catarina de Ataíde, a quem ele imortalizou sob o anagrama de Natércia. Continuando com uma vida leviana e os planos amorosos terem ido por água abaixo, ao ver-se desiludido com tudo isto, solicita ao Rei para ir para a guerra no Norte de África. Aceite o pedido, em 1547 vai para o Norte de África, onde na batalha não morre, mas tem a infelicidade de ficar sem o olho direito.
Finda a missão em África, três anos mais tarde, regressa a Lisboa, onde não tarda em voltar à vida de boémio e envolvendo-se novamente em desacatos, em 16 de Junho de 1552 fere, numa rixa, Gonçalo Borges, funcionário da Corte, o que lhe valeu um ano de prisão, onde diz-se ter composto o primeiro Canto de «Os Lusíadas».
Libertado, em 7 de Março de 1553, por carta régia de perdão, assinada por D. João III, no mesmo ano é enviado para a India com o resto da Armada. No caminho marítimo para a India conhece diversas civilizações e culturas, adquirindo assim muita experiência para escrever os poemas.
Em Goa participa em várias expedições, continua a escrever Os Lusíadas e parte depois para Macau, onde numa gruta, vivendo em condições horríveis, escreveu a maior parte de Os Lusíadas.
Em Macau ainda, foi Provedor dos Defuntos e Ausentes. Acusado de irregularidades, prenderam-no e sob prisão volta para Goa. Nesta viagem teve um trágico naufrágio de que saiu são e salvo, bem como Os Lusíadas.
Chegado a Goa, posto em liberdade, graças à influência do Conde de Redondo, teve logo de sair e voltar para Portugal, mas como não havia barcos para Portugal, parte de Goa para Moçambique, para depois seguir para Lisboa.
Em Moçambique, continuando a viver na miséria, encontrou lá um velho amigo de nome Diogo do Couto que o traz de volta a Lisboa (1569).
Já em Lisboa goza os seus últimos anos de vida com dificuldade e, já doente e a viver de esmolas, em 1572 consegue publicar Os Lusíadas, graças á influência de vários amigos, junto do rei D. Sebastião.
Como recompensa régia é-lhe concedida uma tença anual de 15.000 réis, uma mísera esmola que não o impediu de viver na miséria durante os restantes anos de vida e, na miséria, viria a morrer de doença cardíaca, no dia 10 de Junho de 1580, em Lisboa, cujo enterro foi pago por uma Instituição de Caridade, a Companhia dos Cortesãos.
Com Os Lusíadas publicados, personificando primorosamente a Raça Lusa e tão magistralmente neles narrados e cantados os grandes e heroicos feitos dos Portugueses, Camões, ilustre vate português, após privações e conturbada vida, incompreensivelmente, não tendo sido lembrado em vida, na morte, só em 10 de Junho de 1933 se comemorou pela primeira vez, a nível nacional, o 10 de Junho, como «Dia de camões», para depois passar a ser «Dia de Camões, de Portugal e da Raça».
E como, em todos os anos, esta celebração vem sendo habitual, Lisboa, designada pelo Sr. Presidente da República, foi a sede das comemorações do dia 10 de Junho de 2012, o então «Dia de Portugal, de Camões e das Comunidades Portuguesas», ano em que decorridos são 432 anos sobre a sua morte, Camões, militar valoroso, poeta insigne, bem mereceu tão honrosa distinção, pecando por tardia, porque foi e é, sem dúvida, o Príncipe dos poetas, jamais igualado e frustradamente imitado, a não ser nos transes da ventura, como atesta a poesia dum outro grande poeta que foi Bocage, abaixo transcrita:

A Camões
Camões, grande Camões, quão semelhante
Acho teu fado igual ao meu, quando os cotejo!
Igual causa nos fez, perdendo o Tejo
Arrostar c’o sacrílego gigante;

Como tu, junto ao Ganges sussurrante,
Da penúria cruel no horror me vejo;
Como tu, gostos vãos, que em vão desejo,
Também carpindo estou, saudoso amante.

Ludíbrio, como tu, da sorte dura,
Meu fim demando o Céu, pela certeza
De que só terei paz na sepultura.

Modelo meu tu és… mas – oh, tristeza!…
Se te imito nos transes de ventura,
Não te imito nos dons da natureza!
Se bem que este soneto traduz a claro o valor e enaltecimento do autor de Os Lusíadas – Epopeia Nacional – que, numa antevisão maravilhosa, cantou e esculpiu com letras de ouro toda a glória da «Ocidental Praia Lusitana», não nos poderemos furtar a dizer que, se Os Lusíadas, com a tessitura do condigno poema épico que é, o imortalizaram e o tornaram sobejamente bem conhecido em todo o mundo, não é menos digno de imortalidade como lírico. Nesta qualidade foi também exímio no emprego da métrica tradicional de redondilha e aperfeiçoou genialmente as suas formas que Sá de Miranda importara.
Para corroborar esta nossa afirmação, eis, ao acaso, um dos muitos sonetos que nos legou:

Alma Minha…
Alma minha gentil, que te partiste
Tão cedo desta vida descontente,
Repousa lá no Céu eternamente
E viva eu cá na terra sempre triste!

Se lá no assento etéreo, onde subiste,
Memória desta vida se consente,
Não te esqueças daquele amor ardente,
Que já nos olhos meus tão puro viste.

E, se vires que pode merecer-te
Algũa cousa a dor que me ficou
Da mágoa sem remédio de perder-te,

Roga a Deus, que teus anos encurtou,
Que tão cedo de cá me leve a ver-te
Quão cedo de meus olhos te levou!

Daniel Machado

Bandarra, o poeta de sibilino estro, ou, se o acento mudar o profeta de lírica inspiração, anteviu nas suas congeminações, a traição ao espírito europeu perpetrada no seio até da instituicão que mais forte e impressivamente modelara, ou seja a madre que nos Céus está em essência.

Manuel Leal Freire - Capeia ArraianaMuito forte bate o vento
Nas paredes da Igreja
Alguém caída a desja
No levantar vai o tento.

Premonitoriamente, apenas, já que Trancoso, a Raia da Guarda e mesmo todo o Portugal, incluindo Lisboa, se situaavam muito para além das fronteiras onde Calvino, João Huss ou Erasmo haviam lançado as suas teorias, Gonçalo Enes dera-se conta de que o Ocidente Cristão entrara em cissiparidade.
A quadra que acima se transcreve repercute, em linguagem mais chã o grito de Camões:
Ó Míseros cristãos, pela ventura
Sois os dentes de Cdamo desparzidos
Que uns aos outros se dão a morte escura
Sendo todos de um só ventre produzidos.

A invectiva camoneana que tão veementemente abre o Canto VII de Os Lusiadas ficou depois a servir de tema para os poetas de todas as gerações subsequentes:
Terrível, bem terrível bate o vento,
Já tremem as paredes da Igreja
De a derrubar fizeram juramento
Contra Ela e contra a Europa se peleja…

É que o combate contra o espirito europeu, desencadeado adentro da propria Igreja e atiçado até por alguns dos seus hierarcas, altos dignitários, mesmo, não mais parou.
Os inimigos da Igreja e da Europa obviamente que se lhes aliam.
Todos os pretextos servem: a autoridade pontifícia, o celibato ecelesiástico, a falta de democracia nas cúrias diocesanas, a selecção dos prelados, a detenção de bens materiais por comissões fabriqueiras, sés episcopais ou o papado, ligações ao poder político.
Mas não a todo, que o inimigo se situa apenas nas trincheiras do Orbs.
Os poetas, sempre prescrutadores da realidade, frisaram-no:
A César; o de César, disse Cristo,
Agora, os fariseus, dolo previsto,
Repetem de má fé o episódio
Cesareos só serão, eles o entendem
Aqueles que a lei de Deus defendem,
Tamanhos desatinos gera o ódio…

João Paulo VII, exactamente porque veio do Leste, o que lhe permitiu um mais perfeito conhecimento do que têm sido para a Igreja e a Europa, certos católicos e os que se lhes juntaram em movimentos pretensamente ecuménicos ou 1hes servem apenas de compagnons de route, não se deixa impressionar.
A Igreja não é nem pode ser uma sociedade democrática, mas sim uma sociedade estruturada. Nas primeiras, regem as maiorias; nas segundas, há outros criterios de direcção.
As arremetidas dos que pretendem esfarrapada a inconcussa túnica do Cristo vêm de longe.
Das que ocorreram para além da Europa ou no seu limite não vale a pena falar, pois transcendem as naturais contingencias deste artigo. O mesmo se diga quanto à Reforrna Protestante.
Na Europa propriamente dita, que se manteve fiel ao Catolicismo Romano, a primeira questão grave surgiu em França, por volta de 1831, com o caso L’Avenir e que terrninou corn a condenação de Lamennais. Nos fins do século passado foi o problema Sillon e em 1914 o movimento modernista, um e outro terminados igualmente pela condenação papal.
Por volta de 1960, foram os casos do jornal Témoignage Chrétien e da Jeunesse Étudiante Chretienne.
Prendia-se então impor ao Episcopado Francês, que condenara o jornal e o movimento, a tese de que, mesmo no seio da Igreja, são as maiorias que comandam, pelo que a Acção Católica se deveria determinar, não pelas recomendações da hierarquia, ou as directivas papais, mas sim pelo voto da maioria dos militantes de base.
Sociedade estruturada, isso não significa contudo, que deve furtar-se ao diálogo.
De resto, até pelo Evangelho, que considera irmãos todos os homens, o cristão tem o dever de se encontrar aberto ao intercâmbio permanente de ideias.
Mais, a única intransigência que lhe é imposta versa sobre a matéria da Fé.
Aqui é que não pode admitir-se o império das maioriaa ou aquilo que os progressistas chamam de ventos da História.
Aliás, a divisa ÓDIO AO PECADO, MAS PERDÃO AO PECADOR, parece ser a melho fórmula para a resolução de diferenças.
Mas não se pode ceder ao erro. O Papa como guardião da Fé foi instituído pelo próprio Cristo e a sua decisão tem de prevalecer sobre a vontade de quaisquer grupos, ainda que fortemente maioritários, de cristãos.
E, se o alarido vem de sectores clara e abertamente hostis à Igreja que surgem desarvoradamente em defesa da democracia para ela, o que os cristãos têm de fazer é pôr-se de remissa a indagar das razões por que os inimigos da Fé se dizem preocupados com uma matéria que lhes não respeita.
«Politique d’ Abbord – Reflexões de um Politólogo», opinião de Manuel Leal Freire

Ao iniciar, perante a corte de Melinde, a narração da Gesta Dei per Lusitanos, Vasco da Gama, em obediência ao princípio da interdependência entre as duas disciplinas ou de que a história se assume como a geografia em movimento e esta como as gerações estáticas, começa por declarar:

Manuel Leal Freire - Capeia Arraiana
Mas, porque que nisto a ordem leve e siga
Segundo o que desejas de saber;
Primeiro tratarei da larga terra,
Depois, direi da sanguinosa guerra…

E, porque Portugal aparece descrito exactamente como a mais nobre das parcelas desta velha mater de civilizações, neste passo:
Eis aqui quase cume da cabeça
Da Europa toda o Reino Lusitano.
Onde a terra se acaba e o mar começa
E onde Febo reposa no Oceano.

Atrás vimos os limites sul, ocidente e oriente.
Acrescentemos um especial ao nordeste, terra gélida:
Lá onde mais debaixo está do pólo
Os Montes Hiperbóreos aparecem
E aqueles onde sempre sopra Eolo
E com o nome dos sopros se enobrecem
Aqui tão pouca força têm de Apolo
Os raios que no mundo resplandecem
Que a neve está contino pelos montes,
Gelado o mar, geladas sempre as fontes.

A perífrase camoneana encontra-se ainda hoje consagrada em qualquer vulgar compêndio de geografia.
Concisamente, reza-se, ali:
Norte e Ocidente, Oceano Atlântico,
Sul, Mediterrâneo,
Orientes, Montes Urales…

Saber se a tradição geográfica corresponde à cultural ou se, bem pelo contrário lhe é frontalmente oposta, dá matéria para mais intricadas lucubrações.
O poeta anteviu a dificuldade. De tal forma que leva onze estâncias a enumerar e referirr, apenas sintéticamente, a mescla de povos, crenças e ideias que cabem no mais pequeno, territorialmente falando, dos continentes: citas, lapões, rutenos, moscos, livónios, sarmatas, marcomanos ou polónios, saxões, boémios, panónios, traces, macedónios, gregos (e este simples nome encerra já toda uma enorme diversidade de sub ramos), dálmatas, os mil e um povos da Península Itálica, galos, britânicos, espanhóis…
E quanta a estes, há também uma larga diversificação:
O arragonês que se fez claro
Sujeitando Penelope inquieta
O navarro, os astures, que reparo,
Já foram contra a gente maometa:
Tem o galego cauto e o grande e raro
Castelhano a quem fez o seu planeta
Restituidor da Espanha e senhor dela:
Bétis, Leão, Granada, com Castela…

A União Europeia enfrenta assim uma dupla dificuldade: até onde vão os Iimites geográficos do Continente e quais os povos que autenticarnente se podem reclamar de portadores de uma cultura e tradições verdadeiramente europeias…
«Politique d’ Abbord – Reflexões de um Politólogo», opinião de Manuel Leal Freire

Em Portugal, o dia da «raça» era a 10 de Junho, dia de Camões, enquanto em Espanha era a 12 de Outubro, dia em que Colombo descobriu a América. Isto resume a diferença de identidade entre os dois países. Têm histórias paralelas (reconquista e descobrimentos), mas nunca concordantes. Como escreveu Eugénio Pontes «Portugal e Espanha são noções paralelas e as paralelas só se encontram no infinito».

Península Ibérica

João ValenteUma coisa é a cooperação transfronteiriça, outra a integração cultural, ou política, que são impossíveis, quando a própria Espanha, maugrado o poder centrípeto de Castela, não conseguiu sequer extinguir o carácter das nacionalidades Galega, Catalã e Basca. A nação Espanhola nem sequer existe!
Como dizia Mendez Pelayo, «um povo novo pode improvisar tudo, até a cultura intelectual. Um povo velho não pode renunciar à sua sem extinguir a parte mais nobre da sua vida e cair numa segunda infância muito próxima da imbecilidade senil».
Neste sentido era mais fácil a Galiza integrar-se em Portugal com o qual tem afinidades culturais, históricas e linguísticas, do que Portugal unir-se com a Espanha.
É certo que o Iberismo de que agora se fala já não é o primário da «Castela Una» de Filipe II, do Conde Duque de Olivares, ou de Franco, mas ainda é o intelectual e romântico de Gasset, Unamuno, Pascoais, Junqueiro e Oliveira Martins, que embora sendo espiritual, ainda vê Castela como referência geográfica da alma da consciência ibérica (leia-se a este propósito, Espanha Invertebrada de Ortega Y Gasset).
É certo que personalidades portuguesas como Antero de Quental, Fernando Pessoa, Ana de Castro Osório, Latino Coelho, Sampaio Bruno, Teófilo Braga, e mais recentemente Miguel Torga, Fernando Lopes-Graça, António Lobo Antunes, Eduardo Lourenço, José Saramago, manifestaram simpatia pela união ibérica. E em Espanha, o filósofo e poeta madrileno OrtegaY Gasset, o filósofo Basco Miguel de Unamuno, o poeta e filósofo catalão Joan Maragall, o lusófilo Ignasi Ribera i Rovira e Francesc Pi i Margall, presidente da Primeira República Espanhola, em 1873 defenderam a união ibérica.
Unamuno, Ribera i Rovira, Maragall e Antero viam essa união a três – Catalunha, Castela e Portugal, esquecendo o País basco e a Galiza.
Fernando Pessoa chegou a delinear uma confederação de nações ibéricas em que a Galiza embora autónoma de Castela se integraria em Portugal; Teófilo Braga planificou as bases de uma Federação Ibérica, dentro da qual a Espanha teria de aceitar ser uma República e dividir-se em estados autónomos aos quais Portugal se juntaria. Lisboa seria a capital dessa Federação Ibérica. Coisa que nem Felipe II, tendo oportunidade histórica, fez.
O sistema político geralmente aceite era o de uma Federação de estados autónomos, com centros de decisão comuns – a política externa, por exemplo.
Na década de sessenta do século passado, o escritor catalão Agustì Calvet i Pasqual, defendia que «poucas vezes a insensatez humana terá estabelecido uma divisão mais falsa» (do que a das fronteiras peninsulares) «nem a geografia, nem a etnografia nem a economia justificam esta brutal mutilação de um território único».
A língua, o saudosismo, a indolência, são características psicossomáticas próprias da alma portuguesa. Falsa seria a união; não a divisão que existe.
Mais recentemente ainda, o escritor espanhol Arturo Pérez-Reverte, defendeu a existência de uma Ibéria, um país único, porque, na sua opinião, é «um absurdo» que Portugal e Espanha vivam «tão desconhecidos um do outro», devendo a Espanha a absorver Portugal.
Em entrevista concedida ao Diário de Notícias em Julho de 2007, José Saramago defendia a união dos dois países numa Ibéria: «Não vale a pena armar-me em profeta, mas acho que acabaremos por integrar-nos.»
O Iberismo Espanhol tem a mesma força centrípeta e castradora que Castela vem exercendo desde o século XIII, absorvendo e aniquilando paulatinamente as várias nacionalidades do território Espanhol. Continua expansionista, como no século XVI e XVII e é fruto do romanismo e das tentações de grandeza de vários intelectuais, quer de um lado, quer do outro da fronteira.
Os exemplos da Galiza, da Catalunha e do País Basco são reveladores, porque ainda são nações submetidas e aculturadas, lutando pela afirmação das respectivas autonomias face à hegemonia de Castela.
Tudo aquilo que nós, os Portugueses que amam o seu país, não queremos que nos aconteça.
Este Iberismo é por isso contrário à ideia de Portugal.
Gosto de Espanha. Gosto mais ainda das espanholas; mas nunca me passaria pela cabeça ser espanhol!
Confraternizemos, sejamos bons vizinhos, cooperemos sem preconceito em tudo o que for do interesse comum; mas que cada um com a sua casa.
Arriba Espanha! Portugal sempre!
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

«Verdes são os campos» é a denominação escolhida para o espaço lisboeta pelo agrupamento de associações de promoção regional de que faz parte a Pró-Raia. A loja com dois pisos e pátio interior, está situada na rua da Casa de Fernando Pessoa e na montra, em lugar de destaque, está o poema de Luís de Camões que dá nome ao projecto de desenvolvimento associativo.

Loja da Pró-Raia em LisboaO projecto «Verdes são os campos» resulta de uma parceria entre a Pró-Raia (Associação de Desenvolvimento Integrado da Raia Centro-Norte) e a chefe-de-fila ADIRN (Associação para o Desenvolvimento Integrado do Ribatejo Norte), Tagus (Associação para o Desenvolvimento do Ribatejo Interior), Beira Douro (Associação de Desenvolvimento do Vale do Douro), Leader Sor (Associação para o Desenvolvimento Rural Integrado do Sôr), a ADL (Associação de Desenvolvimento do Litoral Alentejano), Raia Histórica (Trancoso) e Acaporama (Associação de Casas do Povo da Região Autónoma da Madeira).
O investimento total da Pró-Raia atinge os 53.750 euros comparticipados pelo FEOGA com 30.825 euros e pelo MADRP (Ministério da Agricultura, Desenvolvimento Rural e das Pescas) com 16.597 euros e pela componente privada da própria associação com cerca de seis mil euros.
As associações que integram o projecto pretendem promover e representar os produtos turísticos das zonas parceiras no projecto «Animação e Comercialização de Produtos Turísticos em Meio Urbano». No acto oficial esteve presente uma delegação da Pró-Raia composta pela presidente Lurdes Saavedra, o vice-presidente António Robalo e o colaborador Paulo Marques.
A escritura pública da loja com dois pisos e pátio interior foi oficializada a 28 de Maio de 2008 num cartório notarial em Lisboa. O espaço situa-se em Campo de Ourique, um bairro lisboeta no coração da cidade, onde o comércio tradicional se mistura com as lojas de marcas internacionais. A loja, situada muito perto da Casa Fernando Pessoa, servirá como estrutura de suporte técnico e logístico de apoio à animação e dinamização da comercialização de produtos turísticos em ambiente urbano, junto dos potenciais consumidores citadinos.
Loja da Pró-Raia em LisboaA Pró-Raia – Associação de Desenvolvimento Integrado da Raia Centro Norte, nasceu em 1994, com o objectivo de promover os espaços naturais e valores patrimoniais, a preservação do ambiente, o reforço da identidade local e o apoio à transformação e comercialização dos produtos locais dos concelhos do Sabugal e da Guarda.
A Pró-Raia conta com os seguintes associados públicos: AAPIM, ACRIGUARDA, ACRISABUGAL, ADES, Associação Comercial da Guarda, Associação Cultural e Recreativa de Fernão Joanes, Associação da Juventude Activa da Castanheira, Associação de Jogos Tradicionais da Guarda, Caixa de Crédito Agrícola Mutúo da Região do Fundão e Sabugal, Caixa de Crédito Agrícola Mutúo da Serra da Estrela, Câmara Municipal da Guarda, Câmara Municipal do Sabugal, Casa do Concelho do Sabugal, Centro Cultural de Famalicão da Serra, Centro Social e Paroquial de Maçaínhas, CERCIG, Coopcôa, Empresa Municipal do Sabugal +, Externato Secundário do Soito, Fundação Frei Pedro, Matadouro da Beira Alta, SA, NERGA, NDS – Núcleo Desportivo e Social, Santa Casa da Misericórdia da Guarda, Santa Casa da Misericórdia do Sabugal e Trepadeira Azul.

Em breve será inaugurada no Sabugal a delegação da Pró-Raia que irá utilizar as remodeladas instalações do antigo matadouro junto ao Museu Municipal.
Com a abertura da delegação da Pró-Raia a ADES-Associação Desenvolvimento Sabugal terá a sua área de acção ocupada e as suas competências descapitalizadas tendo, obrigatoriamente, de repensar o seu posicionamento e a sua real importância (e necessidade) na nova realidade do concelho do Sabugal. Quando se pode pedir directamente a Deus…
jcl

Há 2076 anos nasceu, perto de Mântua, um dos grandes poetas da Antiguidade, aquele que Paul Claudel chamou o maior génio produzido pela Humanidade e que mais do que um poeta, foi um profeta de Roma, um «vate», um poeta-profeta.

João ValenteChamava-se Virgílio e foi um profundo conhecedor da terra que ele exaltava, pois sendo filho de um pequeno proprietário rural, conhecia o Outono com a maturação das uvas; o odor da terra fendida pelos ganchos da charrua; o forte hálito dos animais; os tosões aquecidos durante o dia todo pelo calor do sol; o aroma do vinho doce e do mel destilado durante os quentes verões.
A sua obra mais conhecida foi a Eneida, mas a sua primeira obra, que publicou aos 29 anos, chama-se Eclogae, género literário que designava as poesias pastorais, as bucólicas, que tinham origem num passado longínquo, quando o homem ainda praticava a vida pastoril.
Daí o bucolismo traduzir a esperança de uma época de paz, um canto de saudade. O culto ao campo fazia parte desta vida pastoril greco-romana e tinha sido muito bem retratado, já antes de Virgílio, nos Idílios de Teócrito, onde pastores e camponeses figuravam com suas canções, amores e sentimentos.
Com a difusão do Cristianismo pelo mundo civilizado, a maior parte da poesia pagã foi esquecida ou perdeu-se.
Virgílio, conservou, porém, a sua posição de destaque, continuando a ser lido e estudado ao longo de dois mil anos, sendo modelo de importantes autores como Dante, servindo-lhe inclusive de guia através do Inferno e do Purgatório, bem como dos nossos Camões e João de Barros.
Tal deveu-se ao caso curioso de na IV Bucólica, o poeta falar de uma Idade de Ouro ligada ao nascimento de um menino, durante cuja vida a humanidade viveria uma nova época áurea e que os cristãos da época interpretaram como uma profecia do nascimento de Cristo, semelhante à profecia de Isaías:

…«magnus ab integro saeclorum nascitur ordo.
Iam redit et Virgo, redeunt Saturnia regna;
iam noua progenies caelo demittitur alto.
Tu modo nascenti puero, quo ferrea primum
desinet ac toto surget gens aurea mundo,
casta, faue, Lucina: tuus iam regnat Apollo.
Teque adeo decus hoc aeui ,te consule, inibit,
Pollio, et incipient magni procedere menses
te duce.»
Buc. IV, 5-12.

…«a grande série de séculos recomeça.
Já também retorna a Virgem, voltam os reinos de Saturno;
do alto céu já é enviada uma nova geração.
Tu somente, casta Lucina, favorece ao menino que nasce,
sob o qual primeiramente desaparecerá a raça de ferro
e surgirá no mundo inteiro a raça de ouro, já reina o teu Apolo.
E esta honra do tempo começará e os grandes meses começarão
a suceder-se primeiramente sob o teu consulado, ó Polião,
sob o teu comando».

A partir deste texto, os primeiros cristãos decidiram que Virgílio era um dos poetas pagãos virtuosos, que fora recompensado com uma antevisão da época messiânica.
Desde então, a poesia de Virgílio ganhou um ar de santidade religiosa e foi reverenciada quase em pé de igualdade com a bíblia e outros textos cristãos, sendo enaltecido como o maior dos poetas e modelo para os novos autores.
Dante, diz na sua Divina Comédia que Virgílio foi o mestre onde buscou toda a técnica e arte.
Chaucer considerou-o como o «mestre perfeito, um escritor que todos os poetas deveriam respeitar e igualar».
Mas eu, que o li na minha juventude, penso que a sua maior obra, porque revela a sua verdadeira natureza e relação com o universo, foi aquele epitáfio em hexâmetro dactílico e pentâmetro dactílico que ele próprio redigiu para o seu túmulo junto à estrada que ligava Nápoles a Puzzuoli, e que nos chegou por transmissão indirecta.
Este epitáfio revela bem a simplicidade vocabular e modéstia de Virgílio; omite qualquer juízo de valor e tem, além disso, uma alusão mitológica que era muito ao seu gosto:

«Mantua me genuit; Calabri rapuere, tenet nunc
Parthenope: cecini pascua, rura, duces.»

«Mântua gerou-me; a Calábria arrebatou-me; agora possui-me
Partenope (Nápoles): cantei as pastagens, os campos, os heróis.»

Virgílio é de facto, como diz Chaucer, um mestre perfeito; um poeta cuja simplicidade e modéstia, os poetas de hoje nem de longe conseguem imitar!
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

A acção de reflexão sob o lema «Batalha: Pensar o Turismo Cultural com os escritores» e a sua ligação à vida e obra de Miguel Torga reuniu no dia 15 de Março, na Batalha, mais de uma centena de participantes. A aldeia histórica de Sortelha foi o ponto de partida para esta peregrinação, coordenada por José Cymbron, pelos concelhos eminentemente torguianos propondo o «Turismo Cultural» e o «Dia de Torga».

«Hoje sei apenas gostar duma nesga de terra debruada de mar» (Torga)

Miguel Torga (Batalha)Sob a coordenação do professor universitário José Cymbron, ausente por doença, decorreu no sábado, 15 de Março, no Mosteiro da Batalha e no Auditório Municipal uma acção de reflexão alusiva à temática do Património Cultural Português, a sua ligação à Educação e ao Turismo e à passagem de Miguel Torga pelo concelho.
O director do Mosteiro de Santa Maria da Vitória, Júlio Ribeiro Órfão, serviu de guia aos mais de cem participantes no percurso pela grandiosidade arquitectónica do monumento que foi reconhecido em 1983 como Património Mundial.
Logo depois da entrada, à direita, a Capela do Fundador, onde repousam no mesmo túmulo os restos mortais do rei D. João I e de sua esposa D. Filipa de Lencastre e as Capelas Imperfeitas (que os estrangeiros preferem chamar Capelas Inacabadas) foram o cenário ideal para escutar textos literários de Miguel Torga, Camões, Pessoa, Alexandre Herculano, Oliveira Martins, Lopes Vieira, Jaime Cortesão, José Travaços, Jorge Dias e Carlos Queirós entre outros.
Nos jardins exteriores os convidados de honra, general Ramalho Eanes (antigo Presidente da República) e esposa (Manuela Eanes), descerraram uma lápide com o texto do Diário de Miguel Torga, de 15 de Março de 1983, alusivo à sua passagem pela Batalha: «As Capelas Imperfeitas. Vim contemplá-las novamente com a imaginação, como devia competir a todos os portugueses pelo menos uma vez na vida.»
Os participantes deslocaram-se de seguida para o Auditório Municipal onde foram recebidos pelos alunos da Sociedade Artística e Musical dos Pousos (SAMP) que sob a batuta do maestro Alberto Roque interpretaram, afinadíssimos, algumas músicas clássicas.
As comunicações estiveram a cargo do general Ramalho Eanes, de Carlos Henriques (vereador da cultura da Câmara da Batalha) e de Carlos Vieira (administrador do INP-Instituto das Novas Profissões).
A intervenção do coordenador científico do projecto, José Cymbron, impossibilitado de estar presente fisicamente, com o título «O que fazer com a obra de Miguel Torga?», foi lida por Mafalda Patuleia e continha oito propostas. O Capeia Arraiana disponibiliza para cópia o documento na íntegra mas aproveitamos para destacar a segunda proposta:
«Avançar com um projecto da Junta de Freguesia de Sortelha, que visa criar um Centro de Divulgação da Obra de Miguel Torga, e que se propõe dar início já em 2008 a quatro eventos torguianos, um em cada uma das estações do ano. É com muita satisfação que vos digo que estão hoje, connosco, o presidente da Junta de Sortelha (autor do projecto), o vereador da cultura do Sabugal e o sabugalense Dr. Bernardino Henriques, que no passado ano publicou um livro fruto de uma investigação desenvolvida ao longo de dez anos: Miguel Torga – (Quase) na Primeira Pessoa.»
A comitiva sabugalense com António Robalo, vereador da cultura do município, Luís Paulo, presidente da Junta de Freguesia de Sortelha e Bernardino Henriques, investigador torguiano natural dos Fóios, aproveitou para convidar o general Ramalho Eanes a estar presente em Sortelha no Encontro de Maio sobre Torga.

Propostas de José Cymbron: O que fazer com a obra de Miguel Torga?
jcl

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Julho 2017
S T Q Q S S D
« Fev    
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3,002,998 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES