No passado dia 14 de Outubro cumpriu-se em Castro Daire o anunciado Primeiro Capítulo da Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro. Além da confraria madrinha (Confraria do Queijo Serra da Estrela), estiveram presentes representações de outras agremiações, designadamente as confrarias Sardinhas Doces de Trancoso, Saberes e Sabores da Beira, Grão Vasco, Chanfana, Gastronómica de Santarém. A Confraria do Bucho Raiano, do Sabugal, marcou presença com dois representantes: os confrades Natalina Baptista Martins e José Leitão Baptista. Da lavra deste último editamos um texto que nos informa como aconteceu a entronização da nova confraria gastronómica.

A novel confraria apresenta-se com um traje de surrobeco (à primeira vista parece burel, mas as duas cores desmentem essa impressão) constituído por capa castanha comprida, lisa, de uma só peça, com tecido acinzentado no colarinho e justaposto no peitilho, em zona de abotoamento, e de corte ziguezagueado. Desse mesmo tecido surge nas costas da capa uma espiga de trigo estilizada. O chapéu é um modelo borsalino fedora, condizente com as cores do traje. A capa, no lado esquerdo do confrade, exibe o símbolo da confraria, também presente no medalhão metálico do colar suspenso de larga fita dourada.
O dia acordou com chuva, mas à hora prevista o programa iniciou-se com as boas-vindas no Centro Municipal de Cultura, onde pontuavam elementos da confraria anfitriã, designadamente o grão-mestre Adérito Pereira Ferreira, que dirigia pessoalmente palavras de apreço e agradecimento aos convidados. Um trio de acordeonistas brindou os visitantes com trechos de música regional.
Iniciada no Auditório Municipal a sessão do I Capítulo da Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro, a mestre de cerimónias Lúcia Simões convidou para a mesa o confrade presidente e juiz da confraria Hélio Augusto Almeida Pinto e o presidente do município José Fernando Carneiro Pereira. No uso da palavra, o presidente e juiz fez uma breve saudação à assistência e agradeceu a todos a sua presença, o mesmo sucedendo com o orador seguinte, o presidente da Câmara Municipal.
Seguiu-se um intervalo para possibilitar a todas as pessoas presentes a primeira prova de produtos gastronómicos regionais, colocados em abundância numa mesa comprida situada no amplo recinto que servira já para recepção e boas-vindas. O bolo podre surgia como ícone de dimensões gigantescas, posando ao lado de um ramo de alecrim em lugar de honra. Na lauta mesa de iguarias, além do bolo podre tradicional, o leque de escolhas era variado: bolas de carne e de outros ingredientes, moiras, chouriças de carne e de bofes, entrecosto, chispe, iscas, presunto de cura tradicional, salpicão, torresmos, trutas de escabeche, arroz de forno com hortelã, feijão com couve galega, queijo fresco e curado, arroz-doce, compota de amoras silvestres, ananás, sortido de doçarias em miniatura, broa de milho, pão de padeira, rabanadas, folar e o típico bolo escangalhado. Para acompanhar esta miscelânea de sabores, foram servidas diversas bebidas, com destaque para o vinho rosé de Vila Franca das Naves, galardoado recentemente, e os vinhos regionais Aromática e Dois Lagares de pisa a pé.
De estômago aconchegado, a comitiva dirigiu-se de novo para o auditório, para assistir à sessão principal.
A mestre de cerimónias anunciou a constituição da mesa, desta vez formada pelo representante da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, Manuel Leal Freire, pelo presidente e juiz da Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro e por um representante da confraria madrinha do Queijo Serra da Estrela.
Num discurso sugestivo, o orador Adérito Pereira Ferreira, grão-mestre da nova confraria, fez uma introdução relacionada com o concelho de Castro Daire e suas 22 freguesias, repartidas pelo vale e pela serra. Fez depois o enquadramento do bolo podre como tradição que tem origem no folar de produção caseira oferecido aos afilhados em época pascal e que era acompanhado com presunto e queijo de cabra, procedimento que se manteve praticamente até ao início dos anos de 1990, época em que começou a sua comercialização como produto industrial. Os ingredientes não variaram, mantendo-se a farinha de trigo, os ovos, o azeite, a banha, a manteiga, o fermento e o sal. Recentemente surgiram algumas variações que incorporam aromas de canela, laranja ou limão, mas que a confraria recusa para manter e defender a divulgação do produto genuíno.
A diferença entre o bolo caseiro e o bolo industrial ficou patente nos dois vídeos exibidos, suficientemente elucidativos para prescindirem de quaisquer esclarecimentos complementares.
Finalizado o discurso do grão-mestre, passou-se à cerimónia da entronização com o chamamento dos confrades – primazia dada aos fundadores – e colocação das insígnias, incumbência atribuída ao representante da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas e ao presidente da nova confraria.
O juramento foi feito de forma coletiva, com as palavras proferidas em voz alta.
Seguiu-se a distinção dos confrades de honra, personalidades que de alguma forma contribuíram para o engrandecimento do concelho nas mais variadas vertentes.
A cerimónia prosseguiu com discurso do representante da confraria madrinha, estabelecendo uma ligação que vem de tempos antigos entre os naturais de Castro Daire e as gentes da Beira-Serra, designadamente em trabalhos nos lagares de azeite.
O discurso de encerramento coube a Manuel Leal Freire, em representação da Federação, que dissertou sobre a formação das primeiras confrarias, remontando às catacumbas, para afirmar que as colectividades com origem no passado se projectam no futuro. Como é seu timbre, e recorrendo a uma memória prodigiosa, o orador entremeou no seu discurso de improviso quadras que evidenciam a sabedoria popular.
Após a troca de prendas entre as confrarias presentes, ocorreu no auditório a sessão de fotografias de grupo, pois a chuva impossibilitou o cortejo que estava previsto para o centro da localidade, com fotografia defronte da capela dos Carrancas, a que se seguiria o almoço no piso superior do Museu Municipal.
Novamente a mesa de repasto surgiu com a abundância costumada, possibilitando um excelente almoço volante e momentos de convívio, com a animação de quatro acordeonistas.
Quando as pessoas se sentiam já satisfeitas, embora o cansaço convidasse ao descanso em lugares sentados, a confraria anfitriã anunciou então o verdadeiro almoço para um recinto contíguo onde todos foram distribuídos por várias mesas preparadas para o efeito.
Na gastronomia regional não podia faltar o cabritinho de Montemuro com batatas assadas, as trutas do rio Paiva, o vinho tinto da vizinha região do Douro, o espumante Murganheira, a aletria, o arroz-doce, o bolo podre de maçã e as célebres fritas de abóbora e de chila, imprescindíveis em momentos de festa, designadamente no Natal.
Na ponta final, enquanto se saboreava o café, a água da alquitarra e o licor de hortelã, dois fadistas acompanhados por um acordeonista cantaram de mesa em mesa, à desgarrada, improvisando versos de circunstância que perpetuam a tradição do fadinho serrano.
Na despedida, o grão-mestre obsequiou cada um dos presentes com um saco de pano com o símbolo da confraria bordado a cores e contendo dentro do mesmo o bolo podre que dá nome a esta nova confraria gastronómica.
José Leitão Baptista

Advertisements