You are currently browsing the daily archive for Domingo, 21 Outubro, 2012.

Recebemos do nosso colaborador José Carlos Mendes esta pequena nota com o título em epígrafe, colhida de um jornal de hoje, em homenagem a Manuel António Pina no dia do funeral deste ilustre sabugalense. Publicamo-la, associando-nos à saudade de um homem bom e amigo da cultura.

Para lá de D. Januário Torgal, que presidiu às cerimónias desta manhã (domingo), estiveram na igreja de Nossa Senhora da Boavista, no Porto, e no funeral «várias gerações de jornalistas, a maior parte deles do Jornal de Notícias (a “casa” jornalística de Pina), políticos, como Miguel Cadilhe (PSD), Braga da Cruz e Manuel Pizarro (PS) e Honório Novo (PCP), e personalidades da vida pública portuguesa marcaram presença no funeral».
A nota é do ‘Público’ e a foto também / Luísa Ferreira.
Ou seja: o nosso conterrâneo, afinal, juntou na despedida mais apoios do que o Governo.
José Carlos Mendes

No passado dia 14 de Outubro cumpriu-se em Castro Daire o anunciado Primeiro Capítulo da Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro. Além da confraria madrinha (Confraria do Queijo Serra da Estrela), estiveram presentes representações de outras agremiações, designadamente as confrarias Sardinhas Doces de Trancoso, Saberes e Sabores da Beira, Grão Vasco, Chanfana, Gastronómica de Santarém. A Confraria do Bucho Raiano, do Sabugal, marcou presença com dois representantes: os confrades Natalina Baptista Martins e José Leitão Baptista. Da lavra deste último editamos um texto que nos informa como aconteceu a entronização da nova confraria gastronómica.

A novel confraria apresenta-se com um traje de surrobeco (à primeira vista parece burel, mas as duas cores desmentem essa impressão) constituído por capa castanha comprida, lisa, de uma só peça, com tecido acinzentado no colarinho e justaposto no peitilho, em zona de abotoamento, e de corte ziguezagueado. Desse mesmo tecido surge nas costas da capa uma espiga de trigo estilizada. O chapéu é um modelo borsalino fedora, condizente com as cores do traje. A capa, no lado esquerdo do confrade, exibe o símbolo da confraria, também presente no medalhão metálico do colar suspenso de larga fita dourada.
O dia acordou com chuva, mas à hora prevista o programa iniciou-se com as boas-vindas no Centro Municipal de Cultura, onde pontuavam elementos da confraria anfitriã, designadamente o grão-mestre Adérito Pereira Ferreira, que dirigia pessoalmente palavras de apreço e agradecimento aos convidados. Um trio de acordeonistas brindou os visitantes com trechos de música regional.
Iniciada no Auditório Municipal a sessão do I Capítulo da Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro, a mestre de cerimónias Lúcia Simões convidou para a mesa o confrade presidente e juiz da confraria Hélio Augusto Almeida Pinto e o presidente do município José Fernando Carneiro Pereira. No uso da palavra, o presidente e juiz fez uma breve saudação à assistência e agradeceu a todos a sua presença, o mesmo sucedendo com o orador seguinte, o presidente da Câmara Municipal.
Seguiu-se um intervalo para possibilitar a todas as pessoas presentes a primeira prova de produtos gastronómicos regionais, colocados em abundância numa mesa comprida situada no amplo recinto que servira já para recepção e boas-vindas. O bolo podre surgia como ícone de dimensões gigantescas, posando ao lado de um ramo de alecrim em lugar de honra. Na lauta mesa de iguarias, além do bolo podre tradicional, o leque de escolhas era variado: bolas de carne e de outros ingredientes, moiras, chouriças de carne e de bofes, entrecosto, chispe, iscas, presunto de cura tradicional, salpicão, torresmos, trutas de escabeche, arroz de forno com hortelã, feijão com couve galega, queijo fresco e curado, arroz-doce, compota de amoras silvestres, ananás, sortido de doçarias em miniatura, broa de milho, pão de padeira, rabanadas, folar e o típico bolo escangalhado. Para acompanhar esta miscelânea de sabores, foram servidas diversas bebidas, com destaque para o vinho rosé de Vila Franca das Naves, galardoado recentemente, e os vinhos regionais Aromática e Dois Lagares de pisa a pé.
De estômago aconchegado, a comitiva dirigiu-se de novo para o auditório, para assistir à sessão principal.
A mestre de cerimónias anunciou a constituição da mesa, desta vez formada pelo representante da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas, Manuel Leal Freire, pelo presidente e juiz da Confraria do Bolo Podre e Gastronomia do Montemuro e por um representante da confraria madrinha do Queijo Serra da Estrela.
Num discurso sugestivo, o orador Adérito Pereira Ferreira, grão-mestre da nova confraria, fez uma introdução relacionada com o concelho de Castro Daire e suas 22 freguesias, repartidas pelo vale e pela serra. Fez depois o enquadramento do bolo podre como tradição que tem origem no folar de produção caseira oferecido aos afilhados em época pascal e que era acompanhado com presunto e queijo de cabra, procedimento que se manteve praticamente até ao início dos anos de 1990, época em que começou a sua comercialização como produto industrial. Os ingredientes não variaram, mantendo-se a farinha de trigo, os ovos, o azeite, a banha, a manteiga, o fermento e o sal. Recentemente surgiram algumas variações que incorporam aromas de canela, laranja ou limão, mas que a confraria recusa para manter e defender a divulgação do produto genuíno.
A diferença entre o bolo caseiro e o bolo industrial ficou patente nos dois vídeos exibidos, suficientemente elucidativos para prescindirem de quaisquer esclarecimentos complementares.
Finalizado o discurso do grão-mestre, passou-se à cerimónia da entronização com o chamamento dos confrades – primazia dada aos fundadores – e colocação das insígnias, incumbência atribuída ao representante da Federação Portuguesa das Confrarias Gastronómicas e ao presidente da nova confraria.
O juramento foi feito de forma coletiva, com as palavras proferidas em voz alta.
Seguiu-se a distinção dos confrades de honra, personalidades que de alguma forma contribuíram para o engrandecimento do concelho nas mais variadas vertentes.
A cerimónia prosseguiu com discurso do representante da confraria madrinha, estabelecendo uma ligação que vem de tempos antigos entre os naturais de Castro Daire e as gentes da Beira-Serra, designadamente em trabalhos nos lagares de azeite.
O discurso de encerramento coube a Manuel Leal Freire, em representação da Federação, que dissertou sobre a formação das primeiras confrarias, remontando às catacumbas, para afirmar que as colectividades com origem no passado se projectam no futuro. Como é seu timbre, e recorrendo a uma memória prodigiosa, o orador entremeou no seu discurso de improviso quadras que evidenciam a sabedoria popular.
Após a troca de prendas entre as confrarias presentes, ocorreu no auditório a sessão de fotografias de grupo, pois a chuva impossibilitou o cortejo que estava previsto para o centro da localidade, com fotografia defronte da capela dos Carrancas, a que se seguiria o almoço no piso superior do Museu Municipal.
Novamente a mesa de repasto surgiu com a abundância costumada, possibilitando um excelente almoço volante e momentos de convívio, com a animação de quatro acordeonistas.
Quando as pessoas se sentiam já satisfeitas, embora o cansaço convidasse ao descanso em lugares sentados, a confraria anfitriã anunciou então o verdadeiro almoço para um recinto contíguo onde todos foram distribuídos por várias mesas preparadas para o efeito.
Na gastronomia regional não podia faltar o cabritinho de Montemuro com batatas assadas, as trutas do rio Paiva, o vinho tinto da vizinha região do Douro, o espumante Murganheira, a aletria, o arroz-doce, o bolo podre de maçã e as célebres fritas de abóbora e de chila, imprescindíveis em momentos de festa, designadamente no Natal.
Na ponta final, enquanto se saboreava o café, a água da alquitarra e o licor de hortelã, dois fadistas acompanhados por um acordeonista cantaram de mesa em mesa, à desgarrada, improvisando versos de circunstância que perpetuam a tradição do fadinho serrano.
Na despedida, o grão-mestre obsequiou cada um dos presentes com um saco de pano com o símbolo da confraria bordado a cores e contendo dentro do mesmo o bolo podre que dá nome a esta nova confraria gastronómica.
José Leitão Baptista

Manuel Leal Freire - Capeia Arraiana«Poetando» é a coluna de Manuel Leal Freire no Capeia Arraiana, na qual a cada domingo vai publicando poemas inéditos, cada um dedicado a uma aldeia do concelho do Sabugal. Este Município raiano, um dos maiores do País em termos de extensão territorial, tem 40 freguesias, algumas delas com anexas, sendo no total exactamente 100 (cem) o número das localidades do concelho do Sabugal. Nesta edição o escritor e poeta bismulense dedica um soneto a Covadas, lugar anexo à freguesia do Baraçal. No próximo domingo será editado o poema relativo a outra freguesia: Bendada.

COVADAS

O côvado foi vara de medir
Tal como o era o braço da braçada
São usos que se não devem impedir
Que o corpo nunca dá a taxa errada

É certo que a estatura variada
Pode em certos casos desmedir
A régua sabiamente mensurada
Os exageros há-de comedir

Qual seja deste nome a vera origem
É coisa que se perde na caligem
De lendas entre si desencontradas

Ou vara de medir ou cova funda
Incertas a primeira e a segunda
Que certo só o nome de Covadas

«Poetando», Manuel Leal Freire

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.158.475 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES