Terminaram as férias querido leitor(a), é portanto altura de mergulhar não nas belas águas do Mar, de uma frondosa praia fluvial ou de uma bonita piscina, mas nas águas da realidade, águas bem geladas…

António EmídioMÁRIO DRAGHI – O presidente do BCE aproveitou o fim das férias para começar, ou recomeçar a falar «da inevitável redução dos custos laborais que têm que ser levados a cabo nos países em crise para melhorar a sua competitividade». Diz que em Portugal, Grécia e Espanha a «moderação salarial» está muito atrasada. Afirma Draghi que «os estados com elevado nível de desemprego têm de baixar os custos laborais com cortes adicionais». Traduzindo: redução nos salários com o correspondente aumento da jornada laboral e, seis dias de trabalho por semana. O Sábado vai passar a ser dia laboral, o que significa mais redução nos salários, porque esse dia não será remunerado. Porquê tanta admiração nas medidas tomadas por Passos Coelho a nível laboral? Ele limita-se a obedecer aos tecnocratas empregados de Angela Merkel.

MERCADO LABORAL – Queda dos salários em termos reais entre 2003 e 2007: Grécia 14%, Portugal 11%, Alemanha 3%.
O Mercado Laboral querido leitor(a) é similar a todos os outros mercados, lei da oferta e da procura, se há uma grande oferta de um produto, os preços baixam, se escasseia o produto, se escasseia a sua oferta, a tendência dos preços é subir, com a mão de obra a lei é a mesma. Há muito por onde escolher? Há muito trabalhador desempregado? Salários descem. Esta é a razão pela qual Merkel e os seus MerKados querem tanto desemprego na União Europeia. Vejamos: se milhões de trabalhadores são lançados no desemprego, se lhes retiram o subsídio de desemprego, ajudas sociais e a casa onde habitam, aterrorizam-nos de tal maneira que um qualquer empresário passa a ter à sua disposição uma oferta de mão de obra a vender-se por qualquer preço.

JOÃO PROENÇA – Secretário Geral da UGT, criticou as últimas medidas de austeridade do governo dizendo que «…medidas para beneficiar a SONAE, Jerónimo Martins e a Banca» . O senhor João Proença sabe, como qualquer português que trabalha deveria saber, que nos regimes Neoliberais, como o nosso, todo o dinheiro que é tirado aos trabalhadores em forma de impostos ou de redução de salários é para entregar nas mãos dos grandes empresários. Aí está a prova!

MANUEL ALEGRE – Devido a estas últimas medidas de austeridade acusou o primeiro-ministro de revelar «traços de autoritarismo» ao protagonizar um «desafio de desobediência» ao Tribunal Constitucional e de fazer também um desafio ao próprio Presidente da República. Olhe que não Manuel Alegre! O primeiro-ministro não desobedeceu a nada nem a ninguém, e muito menos revelou traços de autoritarismo. Ele obedeceu a quem nele manda, Merkel e os seus Merkados, demonstrou ser um aluno aplicado. Para Merkel, a Constituição Portuguesa é um bocado de papel, e o Povo Português um povo de segunda. Há quem diga, eu também o digo, que o senhor primeiro-ministro é um ultraliberal que consegue ultrapassar pela direita os mais conservadores Neoliberais da União Europeia, mas mesmo assim tem de obedecer…

BOLSA DE LISBOA – A quase totalidade das vinte maior empresas da Bolsa de Lisboa, para fugirem aos impostos que são obrigadas a pagar, têm o seu domicílio fiscal na Holanda! Depois dizem os governantes que todo o que foge ao fisco comete um crime, mas estou a ver que só é crime se forem os cidadãos comuns a fazê-lo…

TROIKA –A TROIKA querido leitor(a), é a inspecção das finanças coloniais alemãs.

«A disponibilidade dos portugueses para fazerem esforços e sacrifícios é muito grande» (Vitor Gaspar). Só não lhe respondo à antiga portuguesa porque não tenho dinheiro para pagar a um bom advogado, nem a um reles, desses de porta de cadeia.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Advertisements