Folheei algumas páginas de alguns exemplares do jornal concelhio – Amigo da Verdade – do ano de 1961. Li notícias que vieram corroborar esta máxima: não há como conhecer o passado, para compreender o presente e preparar o futuro. Vejamos algumas dessas notícias.

António Emidio«O último censo da população revelou que actualmente o Concelho tem 40.440 habitantes dos quais à data do recenseamento 37.153 estavam presentes e 3.287 ausentes. Em relação a 1950 houve decréscimo de 4.107 habitantes pois naquela data o censo deu para o nosso Concelho 43.513 habitantes, dos quais 1.034 estavam ausentes.
O decrescimento geral, porém é mais acentuado, pois se não tivesse sido a excepcional emigração dos últimos anos, o Concelho devia ter agora uma população de cerca de 50.000 habitantes. E que no período de 10 anos houve no Concelho 10.000 nascimentos e 4.000 óbitos. Donde se conclui que a população devia ter crescido 6.000 habitantes.»
Partiram, e continuarão a partir, os habitantes do Concelho, principalmente os mais jovens. A falta de perspectivas para o futuro a isso obriga. A missão principal dos actuais e futuros eleitos é a criação de condições para a fixação destes jovens.

«A juntar a tantas outras, mais duas casas se fecharam, pois partiram para França a juntarem-se aos seus maridos as sras (…) e seus filhos.»
Esta notícia é de Aldeia Velha, complementa a anterior. Os pontos e parênteses são meus, evitei pôr nomes.

«O ano presente vai ser de franco progresso para o nosso Concelho. Vai ser construído no Sabugal o Palácio da Justiça, para o qual o governo já deu 2.000 contos. A Câmara já comprou o terreno junto ao Largo da Fonte por 150 contos. A obra total deve ficar em cerca de 4.000 contos.»
O Estado Novo o deu, O Estado Neoliberal o levará.

«No dia 17 às 16.30 da tarde, celebrou-se na igreja paroquial Missa por alma do 3º. piloto do “Santa Maria”, barbaramente assassinado quando do assalto àquele barco. Muita gente assistiu ao acto ao qual não faltaram as autoridades civis e militares, testemunhando assim a sua repulsa pelo criminoso atentado.»
(O dia 17 corresponde ao dia 17 de Fevereiro de 1961)
O ano de 1961 foi o ano maldito para Salazar e o seu Estado Novo. Vejamos: o fim dos territórios na India, o começo da Guerra em Angola, a tentativa de golpe de Botelho Moniz, o assalto ao quartel de Beja, o desvio de um avião da TAP que sobrevoou Lisboa lançando panfletos anti-regime, o assalto e ocupação do paquete Santa Maria. É a partir deste ano que cresce a emigração como jamais se tinha visto em Portugal, um milhão e meio de portugueses partirão até 1974.
Reportando-nos agora à notícia do Amigo da verdade, a missa foi uma manifestação de repúdio pelo acto do assalto e desvio do Santa Maria, que ao fim e ao cabo foi um desaire para o Estado Novo e um desprestígio tanto a nível nacional como internacional para o seu chefe, Salazar.

Notícias do começo da Guerra em Angola? Algumas, principalmente de pessoas regressadas às suas terras fugindo aos massacres perpetrados por ambos os lados. No cinema do «Ti Pires», houve uma sessão – cinematográfica – cujo produto de bilheteira foi inteiramente para as vítimas do terrorismo em Angola.

«No Concelho foram estas as percentagens das eleições para Deputados do último domingo: Águas-Belas, 97.6% – Aldeia do Bispo, 90% – Aldeia da Ponte, 99.9% – Aldeia da Ribeira, 100% – Aldeia de Stº.António, 80.7% – Aldeia Velha, 99.3% – Alfaiates, 91.8% – Badamalos, 87.2% – Baraçal, 99% – Bendada, 98.6% – Bismula, 94.3% – Casteleiro, 64.7% – Cerdeira,90.2% – Fóios, 84% – Forcalhos, 89% – Lageosa, 100% – Lomba, 99.9% – Malcata, 75.3% – Moita, 99.9% – Nave, 99% – Penalobo, 100% – Quadrazais, 100% – Quintas, 100% – Rapoula, 100% – Rebolosa, 95% – Rendo, 88.3% – Ruivoz, 90.5% – Ruvina, 100% – Sabugal, 90.1% – S. Estêvão, 99.9% – Seixo do Côa, 90.2% – Sortelha, 100% – Souto, 70.3% – Vale das Éguas, 100% – Vale de Espinho, 73.7% – Valongo do Côa, 90.3% – Vila Bôa, 79.3% – Vila do Touro, 100% – Vilar maior, 94.6%. A percentagem geral do Concelho foi de 92.2%. Muitos dos que não votaram, não o fizeram por estarem ausentes e alguns por já terem morrido. »
As eleições tiveram lugar em Novembro de 1961.
Para aqueles que não conheceram, nem conhecem ainda, qual era o procedimento dos actos eleitorais do Estado Novo, digo-lhes que as percentagens que acabaram de ler são as do Partido do Regime, a oposição teve que desistir por não existirem as condições mínimas de democraticidade que permitissem uma disputa justa. Isto vê-se logo pelas percentagens! Onde estavam alguns líderes oposicionistas? Uns no Aljube, outros no Tarrafal.

Querido leitor(a), por mais imperfeita que seja uma Democracia, é preferível à ditadura mais perfeita.
Adeus e boas férias.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Anúncios