Damos continuidade à apresentação do léxico com as palavras e expressões populares usadas na raia ribacudana.

ARRÃ – rã (Duardo Neves).
ARRABANAR – cortar pequenas quantias de pão, queijo ou chouriça (Júlio António Borges).
ARRAIAL – festa ao ar livre; baile. Nas Terras do Campo (Monsanto) usa-se também para designar um agrupamento de construções pertencentes ao mesmo dono e anexos à habitação (Maria Leonor Buescu).
ARRAIOLA – raiola, jogo em que se atira uma moeda para um risco (ou raia) traçada no chão ou numa tábua. Este termo tem muitas vaiantes, consoante as terras, se não vejamos: José Pinto Peixoto, da Miuzela do Côa, chama-lhe raioila; Júlio Silva Marques, de Vilar Maior, escreve arraioila (e explica que o vocábulo vem do Castelhano – rayuela); Maria José Ricárdio Costa, de Aldeia do Bispo, refere raoula. Franklim Costa Braga, de Quadrazais, chama-lhe raibile. Leopoldo Lourenço, do Freixo, chama jogo do cão ao jogo da raiola.
ARRALÁRIO – relativo; sem sentido absoluto. «É tudo arralário» (José Pinto Peixoto).
ARRAMAR – espalhar as nuvens; deixar de chover. Júlio António Borges acrescenta: entornar; verter. «Já arramou, e já aí vem o sol» (Joaquim Manuel Correia).
ARRANAR – estender-se; pôr-se à larga.
ARRANHADELA – ferida superficial que resultou de arranhar. Arranhadela de um gato ou de uma silva.
ARRANHADOURO – pau de remexer o forno; o m. q. ranhadouro.
ARRANHÃO – o m. q. arranhadela. Também se diz ranhão.
ARRANJO – remedeio; governo da casa.
ARRÁTEL – antiga medida de peso, correspondente a 459 gramas.
ARRE – interjeição, pela qual se incitam as bestas a andar.
ARREAR – bater; zupar – arreou-lhe com força. Ir-se abaixo; ceder – arreou a carga. Colocar os arreios às cavalgaduras. «O Mateus, arreado a preceito, lá foi para a Guarda» (Abel Saraiva).
ARREAR AS CALÇAS – fazer as necessidades; defecar.
ARREATA – corda que segura os animais; prisão; rédea.
ARREATAR – atar; prender.
ARREBANHAR – raspar a barranha para aproveitar tudo. Meter ao bolso; roubar. Limpar o lameiro com o ancinho após o recolher do feno.
ARREBULHAR – embrulhar; envolver; engelhar. «Tudo se me arrebulha no estômago» (Joaquim Manuel Correia).
ARREBULHAR-SE – deitar-se (Clarinda Azevedo Maia – Aldeia da Ponte).
ARRECADAR – guardar, pôr a salvo; receber.
ARRECADAS – grandes argolas de pôr nas orelhas, muito usadas pelas mulheres ciganas. Também se diz arcádias e arrecádias.
ARRECENDER – recender, exalar cheiro activo (José Pinto Peixoto) – cheira tão bem que arrecende.
ARREDELHAR – diz-se do movimento em círculo feito pela faísca ao cair (Clarinda Azevedo Maia – Vale de Espinho).
ARREDULHAR – deitar a baixo; fazer encolher alguém à pancada.
ARREFENA – zanga, desentendimento, discussão. «Não havemos de ter mais arrefenas, seja feita a tua vontade» (Joaquim Manuel Correia).
ARREFENTAR – arrefecer; refrescar. Não me aquenta nem me arrefenta.
ARREFERTAR – lançar na cara o que se ofereceu (José Pinto Peixoto). Leopoldo Lourenço regista arfertar, traduzindo por: pedir o que se ofereceu. Mais a Sul (Monsanto) diz-se refertar (Maria Leonor Buescu).
ARREGANHADO – cheio de frio, enregelado. «Queres morrer arreganhado?» (Joaquim Manuel Correia).
ARREGANHAR – sentir frio; arrefecer; gelar. Mostrar os dentes.
ARREGOLAR – rebolar (Clarinda Azevedo Maia – Aldeia da Ponte).
ARREGUNHADELA – arranhão; o m. q. arranhadela.
ARREGUNHAR – ferir com as unhas; arranhar. O gato arregunha.
ARREGUNHO – arranhadela; arranhão.
ARREIO – apresto das bestas de carga.
ARRELAMPADO – aturdido; desorientado; surpreso. «Arrelampado como se tivesse visto bruxa numa encruzilhada» (Abel Saraiva).
ARRELIADO – zangado; amigo de arrelias e de brigas.
ARRELICADO – pessoa que está inutilizada, sem poder mover-se (Clarinda Azevedo Maia – Vale de Espinho).
ARREMANGAR – arregaçar as mangas. Júlio António Borges acrescenta: tropeçar.
ARREMATAR – compor um rego (Francisco Vaz); dar o nó; concluir.
ARREMEDAR – imitar com escárnio; maquear.
ARREMICAS – talvez (Júlio António Borges). Também se diz arrenicas.
ARRENDA – a primeira sacha (Júlio António Borges).
ARRENEGADO – zangado; descontente com alguém. «Fiquei mais arrenegado que se tivesse recebido bofetada» (Abel Saraiva).
ARRENEGAR – zangar; ralhar com alguém (Joaquim Manuel Correia). Arrenegado: zangado.
ARRENHAR – redemoinhar; andar em volta; o m. q. remunhar (Clarinda Azevedo Maia – Vale de Espinho).
ARREPESO – arrependido; cheio de pena (José Pinto Peixoto).
ARREQUALHO – girino; peixe cabeçudo (Júlio António Borges).
ARRESINADO – zangado; encolerizado. «Quem o ousasse desafiar, tinha de se haver com o seu génio arresinado» (Carlos Guerra Vicente).
ARRETO – cada um dos cordões de videiras da vinha, geralmente presas a um arame (Pínzio).
ARRIBAR – melhorar de saúde; arrebitar; erguer.
ARRIÇAR – lavrar o centeio com arado apropriado, quando tem apenas meio palmo (Júlio Silva Marques). O m. q. aricar.
ARRIFEIRO – brigão; grosseiro; mal educado.
ARRIFENA – zanga; briga. «Uma pessoa não pode andar com arrifenas com a sua mulher» (Joaquim Manuel Correia).
ARRIGAR – arrancar o linho da terra (Júlio António Borges).
ARRIMADEIRO – tronco de madeira que se coloca em primeiro lugar na lareira e sobre o qual se apoiam os troncos mais pequenos (Clarinda Azevedo Maia – Vale de Espinho).
ARRIMADOIRO – o m. q. arrimadeiro (Clarinda Azevedo Maia).
ARRIMAR – bater; castigar – arrima-lhe forte. Encostar; segurar; apoiar – arrimar o lume. Arrumar; colocar num lugar – arrima-o no canto.
ARRIMO – encosto; apoio; amparo.
ARROBA – medida de peso, equivalente a quinze quilos. Clarinda Azevedo Maia registou a arroba espanhola, equivalente a 11,5 quilos.
ARROCHADA – paulada; pancada com arrocho.
ARROCHAR – apertar a carga com a corda, recorrendo ao arrocho. Júlio António Borges acrescenta: espantar; oprimir.
ARROCHE – moca; cacete (Adérito Tavares) – de arrocho.
ARROCHINADO – apertado (Vítor Pereira Neves). Joaquim Manuel Correia escreve arrechinado.
ARROCHINAR – apertar. Júlio António Borges acrescenta: vestir muita roupa.
ARROCHO – pedaço de pau a que se recorre para apertar a carga aos burros, entalando-o na corda e volteando. Pau que serve de bengala ou de arma: deu-lhe com um arrocho. Pessoa teimosa e mal comportada: é torto como um arrocho.
ARRODEAR – andar à volta. Colocar o gado junto, a uma sombra. Também se diz arrodiar.
ARROLAR – embalar uma criança (José Pinto Peixoto). Para arrolar os meninos era uso entoar canções.
ARROMBOSO – rico; grande; extraordinário (Clarinda Azevedo Maia – Lageosa da Raia). Boda arrombosa: casamento rico, de arromba.
ARROZ GORDO – arroz de coelho ou de pombo que é uso comer no dia de Entrudo, precedendo o bucho (Manuel Leal Freire).
ARRUADO – disposto em fileira, em ordem (Francisco Vaz). Seguido (José Prata).
ARRUPAR – subir; ajudar a montar; erguer; arribar. José Pinto Peixoto refere arripar.
(Continua…)
Paulo Leitão Batista, «O falar de Riba Côa»

leitaobatista@gmail.com

Advertisements