António Martins, natural do Soito, é um dos promotores do empreendimento turístico no espaço rural, Casas de Campo Carya Tallaya, sito em Vale das Éguas, concelho do Sabugal, recentemente inaugurado e já em pleno funcionamento. Trata-se de um projecto concebido e executado pela família de Fernando Proença, em que todos (esposa, filhos, genros e netos) desempenharam o seu papel para criar um espaço de qualidade, que alia a ruralidade e a rudeza da construção tradicional ao charme e ao conforto das casas modernas, dando lugar a um autêntico paraíso que interessa descobrir. Estivemos à conversa com António Martins acerca deste projecto arrojado e inovador, que pretende potenciar o filão turístico na região.

– Como nasceu a ideia de construir um espaço de turismo rural em Vale das Éguas, uma das mais pequenas e, porventura, menos conhecidas aldeias do concelho do Sabugal e da região?
– Tudo começou aqui há uns anos com a aquisição por parte da família de umas casas tradicionais, que estavam em ruínas, com a ideia de as recuperarmos para casas de férias, para uso familiar. Entretanto, com a construção da mimosa praia fluvial de Vale das Éguas que destacou a aldeia no mapa do concelho e com o avanço do projecto das Termas do Cró, que ficam ali ao lado, começámos a pensar em conceber um projecto de turismo rural apelativo, tirando partido daquelas e de outras potencialidades da região. Com base nas ideias que concebemos encomendámos a elaboração de um projecto arquitectónico, e avançámos depois com a construção, mantendo a traça arquitectónica das casas, mas garantindo-lhe as comodidades da vida moderna.
– E receberam apoios de outras entidades?
– Com vista a obtermos apoio financeiro, pois tratava-se de um investimento avultado e de um empreendimento com interesse para a região, submetemos uma candidatura ao Programa de Desenvolvimento Rural do Continente, o chamado PRODER, no âmbito da Medida 3.1 (Diversificação da Economia e Criação de Emprego) e da Acção 3.1.3 (Desenvolvimento de Actividades Turísticas e de Lazer), tendo esta candidatura sido aprovada para receber o financiamento correspondente.
– Por quanto tempo se porlongaram as obras?
– Depois da aprovação do projecto pelas diversas entidades e da obtenção da licença de construção, as obras prolongaram-se por dois anos. Não tínhamos pressa, mas houve necessidade de cumprir escrupulosamente as exigências por parte do PRODER, de acordo com legislação específica daquele programa. Mas o que esteve sempre em mente foi o querer construir um espaço inovador, e julgo que o conseguimos. Pelo menos tem sido este o feedback que temos recebido desde a entrada em funcionamento. Sentimos que temos clientes que vieram em função do encanto do espaço e em simultâneo descobriram um concelho com enorme potencial turístico que lhes era desconhecido.
– Foi arrojado investir na aldeia com maior taxa de envelhecimento do país, não acha?
– Essa fragilidade de Vale das Éguas pode ser vista de modo positivo, pois a aldeia oferece a tranquilidade e o sossego que muita gente procura quando opta por viajar para o espaço rural em detrimento das zonas balneares e dos espaços lúdicos no ambiente urbano. Saliente-se ainda o interesse da paisagem envolvente com a proximidade do rio, a
harmonia da rusticidade do conjunto das construções e localização geográfica privilegiada, dada a centralidade de Vale das Éguas para aqueles que querem fixar residência temporária num espaço e local, para daí partir à descoberta do vasto e diversificado património histórico–natural da região. Carya Tallaya beneficia das potencialidades da região, nomeadamente da contiguidade ao rio Côa e da magnífica praia fluvial de Vale das Éguas, das vizinhança das Termas do Cró, da proximidade e centralidade em relação às Aldeias Históricas, nomeadamente Sortelha, da Reserva Natural da Serra da Malcata, dos vários castelos e locais históricos da região e da própria Espanha que fica a dois passos.
– Apostaram, do ponto de vista comercial, em parcerias com outras entidades, de modo a aproveitarem essas potencialidades?
– O empreendimento foi inaugurado há poucas semanas, e estamos empenhados na sua divulgação, ao mesmo tempo que estabelecemos contactos com diversas entidades públicas e privadas, no sentido de juntarmos esforços e criar sinergias. Uma das principais apostas é em relação às Termas do Cró, tendo tido já contactos preliminares com a empresa municipal que gere as termas. Há ao mesmo tempo outras vias que vamos explorar, promoção/venda de artesanato ou produtos locais e regionais, colaboração com restaurantes, para divulgação da nossa gastronomia, colaboração com algumas empresas já estabelecidas no concelho na área dos desportos colectivos e/ou radicais e estamos receptivos a novos desafios para criar oportunidade de mais-valias para eventuais parcerias que possam vir a ser estabelecidas.
– Porquê Carya Tallaya?
– O nome Carya Tallaya, com ligeira adaptação, foi o topónimo adoptado por surgir em vários documentos históricos como sendo uma povoação antiga, fortificada num cabeço fronteiro ao rio Côa, do qual derivou Vale das Éguas. Ao atribuirmos este nome ao projecto pretendemos homenagear a história, uma vez que se trata de um projecto de «reconciliação» com o nosso passado, embora na ideia de valorizar o presente. O nome Carya Tallaya, estando associado, como disse, a uma antiga povoação fortificada, remete para as ideias de força, protecção, segurança e conforto. Por outro lado, adoptámos como logótipo o símbolo da flor dente-de-leão, que pela sua natureza e características consegue ser em simultâneo uma planta bela, sensível e coesa, uma das mais altruístas da natureza, cuja semente se propaga com o vento, desnudando-se para que sua beleza se estenda pela Mãe Natureza.
– Falemos agora no conceito arquitectónico das Casas, que mantêm a traça rústica exterior, mas cujo interior tem excelentes comodidades.
– Procurámos juntar o rústico ao contemporâneo para acolhermos as pessoas «em casa», garantindo-lhes um regresso às origens com o melhor conforto possível, podendo assim beneficiar de um merecido descanso e uma revigorante estadia. O projecto está voltado para quem procura paz e tranquilidade, e deseja quebrar a rotina das responsabilidades e compromissos sócio laborais, daí a importância que demos à comodidade no interior das habitações.
– Nota-se que houve ali mão sábia…
– Sim houve mão sábia, muito planeamento e criatividade em que se aliou o desejo e muito esforço de toda a família ao saber e conhecimento dos técnicos. Aproveito para enaltecer e destacar o grande empreendedor Fernando Proença, pelo facto de ser o grande promotor deste projecto, na medida em que só foi possível de concretizar, graças à sua vontade de realizar este investimento na aldeia à qual preside há mais de duas décadas, onde além de todo o significativo contributo para a causa comum, junta agora este investimento privado. Mas sim… o empreendimento teve na sua concepção e construção a colaboração de duas arquitectas, Bernadette Canelas (responsável de projecto) e Rute Póvoa Prazeres (arquitecta de interiores e decoração), ficando a execução da obra a cargo da Construções Aires & Irmão, Lda. A ideia foi inovar com uma criatividade ímpar para a região, dando uma personalidade própria aos interiores, primando pelo conforto e funcionalidade. Muito do mobiliário (roupeiros, camas, kitchenett`s) e muito do design de interiores (tectos falsos, casas de banho, iluminação, candeeiros) foram criados em exclusivo para Carya Tallaya, tendo em conta os propósitos do projecto, encantar e surpreender muito pela positiva e pela originalidade, os nossos hóspedes.
– Quantas casas ficaram disponíveis para alojamentos?
– Disponibilizamos quatro casas – três apartamentos T2 e um T1. Cada uma tem o seu encanto e a sua sedução, pelo contraste entre a traça tradicional do seu exterior e a decoração contemporânea e acolhedora do interior. Estão todas elas equipadas com lareira e aquecimento central, kitchenette em regime self-catering, apetrechada com todos os utensílios e demais equipamento, como frigorífico, micro-ondas, placa vitrocerâmica e máquina de lavar louça. Estão preparadas para uma lotação de 14 pessoas (sete quartos) com garantia de todo o conforto e comodidade. Poderá ser aumentada a lotação para mais 6 pessoas, em camas extra ou sofá cama, mantendo a comodidade. Apesar das áreas exteriores serem comuns, as casas são completamente independentes, o que garante uma privacidade absoluta. O exterior contempla uma horta biológica, jardim, piscina com tratamento de água sem recurso a químicos, ainda um espaço social, com alpendre, lareira para recepções e convívio entre os hóspedes.
– E servem refeições?
– Servimos pequenos-almoços em regime de self-catering. Os produtos regionais para esta refeição são deixados no frigorífico e o pão é colocado pela manhã à porta da casa. O espaço não dispõe de restaurante e não serve refeições, no entanto é possível encomendar com antecedência mínima de 24 horas. As refeições serão entregues nas próprias casas, sendo para isso disponibilizada uma lista de menus para escolha da ementa.
– Garantem portanto, a quem venha, um serviço de qualidade?
– Com toda a certeza. É nosso lema: Se algo não estiver do seu agrado, pedimos que nos comunique sem demora. Mas se gostou, não se incomode a dizer-nos, comente-o com um amigo. Em certos momentos, cumulativamente ao acolhimento, serão proporcionadas algumas outras actividades, como a apresentação/exposição de trabalhos artísticos das mais diversificadas áreas, que poderão variar da escultura, à pintura, ao artesanato, à musica, teatro, fotografia, etc. Actualmente e até ao final do verão está patente no espaço comum do empreendimento uma exposição de escultura do autor João José Oliveira, do Soito, digna de ser visitada. Aproveito para referir que estamos disponíveis para acolher trabalhos e realizar exposição de outros autores das mais diversas áreas artísticas.

Pode obter aqui e aqui mais e melhor informação acerca das Casas de Campo Carya Tallaya.
plb

Advertisements