You are currently browsing the daily archive for Sábado, 9 Junho, 2012.

Damos continuidade à apresentação do léxico de palavras e expressões populares usadas em Riba Côa. Para além dos termos colhidos em trabalho de campo, ouvindo as gentes falarem entre si, também se colheram frutos de alguns pomares alheios, nomeadamente de monografistas que editaram livros fazendo referência ao léxico raiano.

ACHADA – planície pouco extensa em terreno montanhoso; pequeno planalto.
ACHACADO – adoentado; que sofreu achaque.
ACHAMBOADO – mau; grosseiro; da má qualidade. Falar achamboado: falar do povo; fala simples e rude (expressão recolhida por Clarinda Azevedo Maia nos Fóios).
ACHANASCADO – mau; reles; de má qualidade. Fala achanascada: falar do povo; fala simples e rude (expressão recolhida por Clarinda Azevedo Maia nos Forcalhos).
ACHAQUE – defeito; vício; doença.
ACHICADO – abaixado; acocorado.
ACHICAR – agachar, abaixar; humilhar.
ACHINCALHAR – humilhar, fazer pouco de.
ACHUDA – batata encortiçada por ter ficado muito tempo na terra (Duardo Neves).
ACINCHO – folha de madeira ou tira metálica enrolada e perfurada, usada para fazer o queijo. Luísa Lasso Charters (de Sortelha) recolheu com o mesmo significado os termos cinho e ancinho.
ACOANHAR – limpar o pão (gão de centeio) dos resíduos que contém após a malha. Varrer a eira com a coanha (vassora feita a partir de uma planta silvestre).
ACOBARDAR-SE – ter medo, mostrar-se tímido; fazer cerimónia (Clarinda de Azevedo Maia).
ACOIMAR – tratar de forma injuriosa. Castigar; sujeitar a coima.
ACOIMADO – tratado injuriosamente; castigado; sujeito ao pagamento de coima.
ACOJINER – morrer (termo recolhido por Clarinda Azevedo Maia na Lageosa da Raia).
ACOMODO alojamento.
ACOMPANHAMENTO – cerimónia religiosa que acontece após o funeral de alguém. O povo, com o pároco na dianteira, vai em procissão à casa da família enlutada, rezar pelo defunto. Franklim Costa Braga acrescenta: «comitiva do noivo que no dia do casamento se desloca a casa da noiva».
ACONAPAR – remendar a roupa; deitar conapos (remendos).
ACONCHAVAR – costume que consiste numa aposta, ou ajuste, entre duas pessoas, normalmente crianças, feita pela ligação dos dedos mindinhos. Aquele que no dia de Páscoa primeiro mandar rezar o outro recebe um oflar (geralmente um ovo cozido). Abel Saraiva, dos Gagos (concelho da Guarda), regista a fórmula do aconchavo: «Aconchavar, aconchavar / até ao dia do oflar / nesse dia te mandarei rezar». José Pinto Peixoto, da Miuzela, refere contratar. Manuel Leal Freire, da Bismula, chama-lhe enganchar (pelo enganchar dos dedos).
ACORCEAR – arrastar pedras com a corça (plataforma de madeira, o m. q. zorra) – termo recolhido por Clarinda Azevedo Maia em Aldeia do Bispo.
ACORDAR-SE – lembrar-se (do Castelhano) – termos recolhido por Clarinda Azevedo Maia em Vale de Espinho.
ACRAPULAR – apular, apanhar, suster algo (Rapoula do Côa).
ACTIVA – faca – termo da gíria de Quadrazais (Nuno de Montemor).
ACUDADEIRA – cunha de ferro usada pelo pedreiro para talhar a pedra.
ACUDIR – retorquir; responder à chamada.
AÇUGAR – açular; assanhar; incitar o cão a morder.
ADEITO – porção de linho, correspondente a 50 estrigas (quantidade que se coloca na roca para fiar). Um adeito corresponde a dois afusais e cada afusal pesa dois arráteis (459 gramas). José Pinto Peixoto refere adeiço.
ADENTA – fase em que nascem os dentes às crianças (Júlio António Borges).
ADICAR – ver, observar – termo da gíria de Quadrazais (Nuno de Montemor).
ADIVINHA-NEVES – pássaro preto, que surge em bandos no inverno que, diz-se, antecedem os nevões.
ADJUNTO – reunião; ajuntamento.
ADMENOS – a menos que.
À DOCA – à sorte, de qualquer maneira. Provirá da expressão latina ad hoc (Júlio Silva Marques).
ADOÇANTE – açúcar – termo da gíria de Quadrazais (Franklim Costa Braga).
ADONDAR – tornar dondo; amaciar.
ADREDE – de propósito; com esse mesmo fim. Ir adrede: ir de coisa feita. «Fogueira adredemente preparada» (Joaquim Manuel Correia).
ADREGA – finório, matreiro, espertalhão. «ciganos ou adregas» (Manuel Leal Freire).
ADUA – vez; sistema comunitário que estabelece a regra da alternância no uso comum de qualquer coisa, nomeadamente as águas para rega e o forno. «Apesar de não estar o uso da adua regulado por escrito, todos o seguem» (Joaquim Manuel Correia). Em Figueira de Castelo Rodrigo usa-se a expressão à duia (Carlos Guerra Vicente).
ADUANA – alfândega (do Castelhano).
ADUAR – dividir de forma justa e equilibrada a água da rega pelos vários proprietários que dela beneficiam; seguir o sistema da adua.
ADUBAR – condimentar a sopa, temperar.
ADUBO – gordura derretida utilizada na cozinha como tempero.
ADUELA – costela; juízo (Francisco Vaz). Cada uma das tábuas que fazem o corpo de um pipo.
(Continua…)
Paulo Leitão Batista, «O falar de Riba Côa»

leitaobatista@gmail.com

Anúncios

A primeira referência histórica ao povo basco data do ano IV antes de Cristo e vem inserida na «Vida de Jugurta», do escritor latino Salustio.

Manuel Leal Freire - Capeia ArraianaAo contrário dos celtas e iberos, que não influenciaram as tribos pirináicas, os romanos modificaram-lhes fortemente os costumes, destruindo a tradição matriarcal e a língua que latinizaram.
Com a queda do Império Romano, os bascos foram forçados a organizar-se para se defenderem dos bárbaros (visigodos e francos).
No século IX, é fundado o reino de Navarra. O monarca Sancho, o Grande (999/1036), conseguiu governar todas as terras ocupadas pelos bascos, as quais se estendiam de Navarra a Castela, Aragão, Gasconha e condado de Tolouse.
Esta unidade foi efémera…
Estas pinceladas históricas extraímo-las duma entrevista concedida por um dirigente do PSAN (Partido Socialista de Libertação Nacional), e que vem integralmente publicada no livro «A Oposição em Espanha» que já noutra parte referenciámos, sendo certo que os bascos se consideram pouco espanhóis.
Esta independência caracteriza igualmente os seus irmãos de raça sediados já na zona francesa dos Pirinéus.
Socorremo-nos de Jean Lartéguy, in «Os Centuriões». O coronel Raspeguy, o super-herói da Indochina, passou um dos três meses de licença na sua aldeia natal dos Aldudes, na quinta da família, perto do desfiladeiro de Urquiaga. Era basco; filho de basco francês e de mãe basca espanhola. Mas, em sua casa, a mãe nunca falou qualquer daquelas línguas: apenas basco…
Aliás, os filhos de casamentos mistos sentiam-se diminuídos. O coronel Mestreville tinha uma voz que rolava como uma queda de água, a força dum carvalho e a teimosia duma mula; usava sempre grevas de cabedal por cima das velhas calças de montar, uma boina que nunca abandonava, e interpretava o papel de velho basco, guardião das tradições. Mas só era basco pelo lado da mãe e sofria por usar um apelido que tanto cheirava à Ilha de França ou à Norrnandia…
A independência, a guerra e o amor a seus foros eis a triplíce virtude dos bascos, para quem o patriotismo não é somente o amor da terra, mas também, e sobretudo, o culto do passado. Os séculos, escreveu Almeida Braga, como relha do arado revolvendo o chão, abrem na alma leivas fundas… A raça e a história são o fecundo humus criador. E para que a planta humana cresça fortemente e venha a ser capaz de lançar braços ainda mais robustos, é necessario deixá-la absorver ern vagaroso trabalho, quotidiano e obscuro, toda a seiva física e moral da terra, pois é uma longa sucessão de vontades que fixa no homem aquele grau de força que lhe permite desenvolver todas as suas faculdades criadoras. Conhecendo a própria terra e o esforço das gerações que a fizeram e amaram, é que cada homem se poderá conhecer a si rnesmo.
Por esta tenacidade no afinco à terra e à tradição se caracterizam os bascos e se distin-guem dos demais povos.
Basco, basconço, vasconço, bascongado ou vascongado, adquire assim um significado simultaneamente de apego ao passado e nao tergiversação na construção do futuro.
A questão não é de hoje, mas de séculos. E, de resto, não se circunscreve à Vascónia, mas tem sido levantada por todos os defensores dos tradicionais foros das várias regiões espanholas, os chamados communeros.
Recorde-se aqui o que Don Juan de Padilla, chefe daqueles, escrevia à sua cidade, horas antes de ser decapitado:
«A ti, cidade de Toledo, que és a coroa de Espanha e a luz do Mundo, que já no tempo dos godos eras livre, e que prodigalizaste o teu sangue para assegurar a tua liberdade e a das cidades tuas irmãs, Juan PadiIla, teu filho legítimo, te faz saber que, pelo sangue do seu corpo, mais uma vez vão ser renovadas as tuas antigas vitórias.»
Era o grito Ubi libertas, ibi Patria. E, em relação aos seus tradicionais foros, podia dizer qualquer basco: Le quiero más que a mi sangre…
De Gipuscoa ou de outra parte da Biscaia, como indómitos montanheses têm-se batido de conforrnidade.
A primeira verdadeira guerra civil espanhola, em reacção contra a Constituição de Cadis, foi por ali que se desenrolou. Dali irromperam os tércios de réquétés, onde muitas vezes figuravam três membros da mesma família, avô, pai e filho, representando, assim, três gerações em armas, Iutando pelo mesmo ideal.
O sentido de luta estende-se também às mulheres, nao sendo por acaso que o conhecido romance etnográfico «A donzela que vai à guerra» começa por declarar:
Pregonadas son las guerras de Francia con Aragon

Estaba un dia buen viejo
Sentado en un campo al sol.
Como las haré yo triste
Viejo, cano y pecador

É conhecida a nossa tradição:

Ai de mim que já sou velho
E as guerras me acabarão!
De sete filhos que tive
Nenhum me saíu varão
Responde a filha Elisarda,
Com muita determinação,
Venham armas e cavalo
Eu farei de capitão…

E a vasconia respondeu e no fim pode exclamar:

Sete anos andei na guerra
E fiz de filho varão
E ninguém me conheceu
Senão outro capitão;
Conheceu-me pelos olhos,
Porque por fraqueza não…

Pai, eu volto, que vencemos
Por sobre a França Aragão
E sobre a Espanha também…

É, afinal, o sentimento de superioridade e independência de que sem nada dizer se jactava a mãe de Raspeguy do romance «Os centuriões».
«Politique d’ Abbord – Reflexões de um Politólogo», opinião de Manuel Leal Freire

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 835 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.102.671 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios