A Câmara Municipal do Sabugal aprovou por unanimidade, na reunião de 14 de Março, uma moção apresentada pela vereadora socialista Sandra Fortuna, pela qual se manifesta o «total repúdio face ao encerramento do troço da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda».

A moção apresentada pela vereadora do Casteleiro aos seus pares surgiu na sequência de um ofício que a CP endereçou ao Município do Sabugal dando conta da supressão do serviço rodoviário entre a Covilhã e a Guarda, que se mantinha devido às obras de modernização do troço ferroviário que une essas duas cidades beiroas.
O Governo retirou a reactivação do troço do Plano Estratégico de Transportes, ainda que se tenham gasto nos últimos anos mais de 10 milhões de euros em obras de modernização daquela via ferroviária, especialmente no túnel do Barracão, em pontes e plataformas.
O fim da ligação ferroviária acaba também com a estação do Barracão, oficialmente designada por «Estação do Sabugal».
A moção aprovada pelo executivo sabugalense critica a decisão do governo, considerando que ela é «mais um passo para o isolamento e a desertificação do nosso Concelho», pois priva as pessoas que viajam do e para o sul do país da utilização do comboio, restando-lhe apenas o meio de transporte rodoviário.
O encarecimento das deslocações rodoviárias, em razão dos aumentos sucessivos dos preços dos combustíveis e da introdução de portagens nas auto-estradas, faz com que as pessoas procurem naturalmente outras alternativas de transporte, sendo que o encerramento do troço da linha da Beira Baixa põe cobro a uma alternativa válida e economicamente vantajosa.
Transcrevemos a moção aprovada pela Câmara Municipal do Sabugal:
«O abandono do processo de modernização do troço da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda é mais um passo para o isolamento e a desertificação do nosso Concelho, obrigando quem aqui mora e os sabugalenses que, vivendo a sul do País, ou em regiões servidas por aquela linha férrea, a utilizar apenas o meio de transporte rodoviário.
A lógica é sempre a mesma, a de confundir qualidade de serviço público com poupanças financeiras, como se o direito de cada português ao acesso em situação de igualdade daqueles serviços se medisse em mais ou menos euro!
Somos poucos, mas somos iguais em direitos ao de qualquer outro português.
Não aceitamos que, pouco a pouco, nos vão empurrando para a decisão de encerrar o Concelho, mudando-nos todos para o litoral!
Não aceitamos que nos coloquem perante situações de factos consumados, numa atitude que mais não é que a da condenação sumária à asfixia social e económica.
Obrigar quem queira deslocar-se às nossas terras por comboio a percorrer meio país, é de quem prefere encerrar de forma cega o serviço ferroviário, independentemente de questões de equidade social e territorial, ou de princípios de maior valia ambiental.
Num momento em que as deslocações rodoviárias custam cada vez mais, fruto dos preços exorbitantes dos combustíveis e da introdução de portagens nos principais acessos, o Governo da República encerra uma alternativa válida e economicamente mais vantajosa.
Assim, o Executivo do Município do Sabugal, reunido em 14 de Março de 2012:
Manifesta o seu total repúdio face ao encerramento do troço da Linha da Beira Baixa entre a Covilhã e a Guarda

plb

Anúncios