Os que no Sabugal visitam o castelo das cinco quinas têm feito críticas em relação a alguns aspectos que não abonam em favor do ex-libris desta cidade raiana.

Há quem se queixe de que o castelo deveria ter actividade e dinâmica à sua volta, face à falta de animação na zona histórica. Outros apontam o horário, que parece não ser do agrado geral, sobretudo daqueles que tentam visitar o monumento a partir das 17h15, altura em que a entrada lhes é vedada, ainda que o horário afixado diga que o encerramento é às 17h30.
Nos dias do Carnaval muitos estranharam que o castelo estivesse encerrado na segunda-feira, dia 20 de Fevereiro, altura em que, fruto da época festiva e do encerramento das escolas os turistas nacionais acorreram à região serrana. Outros queixam-se do facto do castelo estar fechado à hora de almoço, das 12h15 às 14h00.
Também há quem se queixe do preço da visita, que é de 2 euros por pessoa e do facto do bilhete de grupo (com preço mais favorável) seja apenas para visitas com mais de 25 pessoas.
Mas há também outras críticas que têm a ver com o descuido em relação à imagem e ao espaço envolvente ao monumento.
Mão amiga fez-nos chegar um conjunto de situações, ilustradas com foto, que podiam e deviam ser evitadas. Uma delas, e provavelmente a mais preocupante, é a da existência de resíduos de demolição de edificações junto à muralha do castelo. O entulho está espalhado sem que ninguém se preocupe em pôr cobro a este desmazelo de péssimo efeito para quem vem de visita ao monumento.
Outra anomalia é o reiterado estacionamento de automóveis e motociclos junto à muralha. «Será que quem vem visitar o castelo, gostará de levar esses “extras” na sua memória ou nos seus registos fotográficos?», pergunta-se. Ao redor do castelo não falta espaço para estacionamento, pelo que deveria estar em vigor a proibição de estacionar ao lado da muralha.
Uma terceira situação é a insólita presença de uma gaiola com pombas junto à muralha, onde está afixada por pregos.
plb

Anúncios