Que temos de reagir querido leitor(a), não podemos ficar indiferentes, não podemos permitir que nos roubem aquilo que custou tanto a tanta gente, aquilo porque tantos lutaram e até morreram, a Liberdade, a Democracia e a Justiça Social. Chegou a altura de mudarmos tudo isto, temos que mudar a história, o tempo urge.

António EmidioO grito de um revolucionário? Não propriamente, o grito de um cidadão português debaixo do governo de Passos Coelho e de uma Europa alemã.
Talvez não saiba querido leitor(a), que os políticos que defendem os interesses das classes médias e baixas da sociedade, quando governam, afirmam que lançar impostos aos mais ricos é um incentivo à evasão desses mesmos impostos, dizem que passam o tempo e gastam energias inventando mil maneiras de fugir ao fisco.
A fuga ao fisco em Portugal atinge quase os 60.000 milhões de euros, na Itália fica-se pelos 150.000 milhões!
Os vencedores da Globalização Neoliberal dizem aos perdedores da mesma: «Lamentamos sinceramente o vosso destino, mas as leis da economia são desapiedadas e é preciso que vos adapteis a elas, reduzindo a protecção social que ainda tendes. Se quereis enriquecer deveis aceitar previamente uma maior precariedade laboral e mais desemprego. Este é o contrato social do futuro, ele é que vos fará encontrar o caminho do dinamismo».
Apenas 10 milhões de pessoas no Mundo, controlam 43 biliões de dólares, o equivalente a dois terços do PIB Mundial.
Existe um grande receio por parte das autoridades políticas chinesas, do férreo Partido Comunista Chinês, que o poder económico, os novos empresários multimilionários chineses, suplantem o Estado, como acontece no Ocidente. Primeiro enchem o galinheiro de raposas, depois têm medo que estas comam as galinhas!!!
Deixo-vos agora com um dos maiores Nabos que Portugal já exportou: Durão Barroso! É conhecido em Bruxelas pelo Camaleão, dizem e, com razão, que foi um Maoista, agora reciclado em Neoliberal, «Quando fala com os socialistas, é socialista, quando fala com os liberais é liberal, quando fala com os verdes passa por ecologista», é conhecido também pela sua passividade e pelo seu seguidismo acrítico, principalmente com as decisões de Berlim e Paris, «A Europa necessita alguém que dirija e não de alguém que chame a França e a Alemanha para saber o que fazer», quem assim falou foi o antigo líder parlamentar socialista em Strasbourg.
É a Goldman Saches, e não as urnas quem decide a margem de Liberdade, a qualidade de vida, a longevidade e a dignidade dos seres humanos.

Está confirmado querido leitor(a), Angela Merkel permite que haja Carnaval em Portugal, portanto um bom Carnaval a todos. Nenhum economista, sacrossanto doutor da lei, nem politicamente correcto me proíbe de escrever que a nossa divida aos bancos alemães deveria ser paga, entregue em mão a Angela Merkel, com louça das caldas…
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Anúncios