Ainda estarei em idade de sonhar e acreditar?
O Concelho do Sabugal não precisa de planear o seu futuro?

Ramiro Matos – «Sabugal Melhor»Caro José Fonseca Nabais
O seu comentário a uma crónica anterior, que muito lhe agradeço, levou-me, pela sua pertinência, a escrever-lhe esta resposta, permitindo-me torná-la pública.
Começa o seu comentário por me colocar a questão «Com essa idade á procura do futuro?».
Respondo-lhe, muito simplesmente, com o poema de António Gedeão, que eu sei «que o sonho comanda a vida e que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança…»
Ou ainda com outro poema de Natália Correia «Cá dentro inquietação, inquietação
É só inquietação, inquietação. Porquê, não sei. Porquê, não sei ainda. Há sempre qualquer coisa que está para acontecer. Qualquer coisa que eu devia perceber. Porquê, não sei. Porquê, não sei ainda
».
E é este sonho e esta inquietação que me movem e, penso, me moverão até morrer, procurando e participando com os meus conterrâneos nesta luta permanente por um Concelho do Sabugal melhor!
Mas diz outras coisas que para mim são mais importantes do que os meus sonhos.
Logo a segunda pergunta «Se passarem o tempo a discutir planos, quando fazem alguma coisa?».
Ao contrário do que parece transparecer desta pergunta, discutir e fazer planos não são atividades contraditórias com fazer alguma coisa…
E reafirmo-lhe o que tantas vezes tenho vindo a dizer. O Concelho chegou onde está, porque sucessivos responsáveis autárquicos preferiram acreditar nos seus instintos e nas suas ideias em vez de definir de forma tecnicamente sustentável um projeto de Concelho com futuro.
Estamos onde estamos porque nunca se quis abdicar do «poder de decidir» ao sabor dos ventos mais fortes, numa gestão que em qualquer empresa seria uma gestão suicida.
Dizia um general que me comandou que um chefe não vê, prevê.
É o que eu entendo por planear, e esta é uma das maiores limitações ao desenvolvimento do nosso Concelho.
E isto prende-se com o final do seu comentário «Quem vive no Concelho sabe qual é a estratégia, é criar empregos, facilitar a vida aos empresários. É esse o plano estratégico. Procurar empresários, procurar empresários e procurar empresários, procurar empresários, procurar empresários e procurar empresários».
Concordo que quem vive no Concelho e quem não vivendo continua a ele ligado, tem a perceção correta do que falta ao Concelho: procurar empresários, criar emprego.
Mas discordo totalmente de que os sabugalenses (vivendo ou não no Concelho) saibam qual é a estratégia para tornar o Concelho mais atrativo e mais competitivo, isto é mais capaz de atrair empresários.
Por isso continuo a afirmar que a elaboração de um Plano Estratégico de Desenvolvimento do Concelho do Sabugal é uma urgência que tem, pelo menos, vinte anos.
Aliás, se as estratégias são tão claras para si e, nas suas palavras, pelo menos, para os que aí vivem, então não se perceberia porque é que o Concelho do Sabugal assiste a um processo de desertificação e de envelhecimento tão acelerados.
Se temos tantas certezas quanto ao que se deve fazer, então porque não se faz?
E se essas certezas são tão claras, porque não se veem os resultados?
Caro José Fonseca Nabais.
Tenho a certeza que nos une o amor por estas terras que nos viram nascer e crescer e que o sonho e a inquietação que tenho são também seus, tornar o Concelho melhor.
E tenho a certeza que colocará as suas ideias ao serviço da comunidade sabugalense quando esta for chamada a participar na elaboração do Plano Estratégico.
Um abraço sabugalense,

PS: A realização da Assembleia Municipal prevista para o dia 24, a minha actividade profissional e, também, os custos associados a uma deslocação ao Sabugal, levam-me a não estar presente no sábado em mais um Capítulo da Confraria do Bucho Raiano.
Às minhas confreiras e aos meus confrades um pedido de desculpa por esta ausência.
Não desejo uma boa jornada pois tenho a certeza que vai ser mesmo assim. Uma jornada gloriosa!

«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

rmlmatos@gmail.com

Anúncios