You are currently browsing the daily archive for Segunda-feira, 2 Janeiro, 2012.

O projecto de Regulamento do Conselho Municipal de Juventude do Sabugal (CMJS) vai estar submetido a apreciação pública, durante 30 dias, podendo os interessados formular, por escrito, sugestões, dirigidas ao Presidente da Câmara Municipal do Sabugal.

O Projecto do CMJS foi aprovado na reunião de Câmara de 7 de Dezembro de 2011 e o aviso da sua discussão pública foi publicado no Diário da República do dia 22 de Dezembro de 2011, 2ª série.
O Regulamento surge tendo em conta a transversalidade das políticas públicas dirigidas à juventude e as vantagens de se estabelecer um diálogo permanente com os cidadãos, fomentando mecanismos de democracia participativa e aberta, assim se criando um Fórum privilegiado de reflexão e diálogo com a juventude do Concelho do Sabugal.
O CMJS será o órgão consultivo do Município sobre matérias relacionadas com a política de juventude, que terá entre os seus por fins, colaborar na definição e execução das políticas municipais de juventude, assegurar a audição e representação das entidades que no concelho prosseguem atribuições relativas à juventude e promover iniciativas sobre a juventude, a nível local.
Segundo o projecto em discussão pública, o Conselho Municipal de Juventude será composto pelo presidente da Câmara, por um membro da Assembleia Municipal de cada partido ou grupo de cidadãos eleitores, um representante do Município no Conselho Regional de Juventude, um representante de cada Associação Juvenil com sede no Município, um representante de cada Associação de Estudantes do ensino básico e secundário com sede no Município, um representante de cada organização de juventude partidária e um representante de cada associação jovem.
O projecto do CMJS define ainda as competências do novo órgão consultivo, os direitos e deveres dos seus membros e os termos da sua organização e funcionamento. Pode ser consultado aqui.
plb

Anúncios

O Comando Territorial da Guarda da GNR divulgou os dados provisórios da operação Ano Novo, a os quais apontam para uma diminuição do numero de acidentes danas estradas do distrito da Guarda, quando comparado com o ano anterior.

No âmbito da 2ª fase da Operação Natal/Ano Novo, que decorreu entre os dias 30 de Dezembro e 2 de Janeiro, registaram-se oito acidentes rodoviários, que provocaram dois feridos leves.
Comparativamente ao ano anterior e em igual período, verificou-se uma diminuição do número de acidentes (menos seis), tendo como consequências também uma diminuição no número de feridos leves (menos cinco).
O Comando Territorial da Guarda, durante a Operação e até esta data, exerceu um esforço em matéria de segurança rodoviária, tendo efectuado 99 patrulhamentos, empenhando um total de 215 efectivos. Também a acção fiscalizadora foi tida em conta, nomeadamente, no tocante às manobras perigosas e condução sob o efeito do álcool.
Em matéria de álcool foram fiscalizados 852 condutores, tendo sido detidos 10 por apresentarem uma TAS (Taxa de Álcool no Sangue) igual ou superior a 1,20 g/l e verificados mais 22 excessos, uma vez que os respectivos condutores apresentavam uma TAS superior à legalmente permitida (0,49 g/l).
Em matéria de excesso de velocidade foram controlados 1856 veículos, tendo sido registados 153 excessos. Foram ainda elaborados 134 autos de contra-ordenação por outras infracções rodoviárias.
Na noite de 30 de Dezembro, o Comando Territorial levou a efeito uma Operação de prevenção da criminalidade, com particular incidência na fiscalização de estabelecimentos de diversão nocturna, bem como na abordagem de suspeitos da prática de crimes, da qual resultou a detenção 11 indivíduos.
Foram detidos 3 indivíduos, residentes em Celorico da Beira, por crime de furto num armazém de materiais de construção civil, em Moimentinha – Trancoso, onde se introduziram por arrombamento da porta de entrada.
Os suspeitos, já com antecedentes criminais, tinham carregado no veículo «forgon» em que se faziam transportar, diversas ferramentas e materiais de construção, que haviam furtado do dito armazém, quando foram surpreendidos por militares do Posto Territorial de Vila Franca das Naves.
Presentes ao Tribunal Judicial de Trancoso, foi a cada um aplicada pena de prisão de 2 anos e 4 meses, ficando esta suspensa por igual período.
Foram também detidos 3 indivíduos por crime de posse ilegal de armas. Destes, um tinha na sua posse uma pistola de calibre 6,35mm e 32 munições do mesmo calibre e os outros dois detinham uma pistola de ar comprimido e três armas brancas.
No âmbito da fiscalização dos estabelecimentos, foram inspeccionados 11 bares e controladas 27 cidadãs estrangeiras. Destas 5 encontravam-se em situação ilegal em Território Nacional.
Assim, 2 foram detidas por permanência ilegal no país e outras 3 foram notificadas para comparecerem no Serviço de Estrangeiros e Fronteiras a fim de regularizarem a situação em Portugal. Foram ainda apreendidas 1,07 gramas de haxixe, quantidade suficiente para 22 doses individuais e elaborados 3 autos de contra-ordenação por infracções verificadas à legislação policial geral.
plb

O órgão da igreja do Casteleiro ainda hoje «farranfona» as músicas sagradas. Desafina muito? Não importa. A verdade é que traz um pouco de cor aos dias. Com base na música e na ligação religiosa entre as pessoas e não só, houve música, teatro e animação no Casteleiro. O Centro, hoje sede do CACC, era palco dessas manifestações interessantes de cultura popular.

Estava-se lá por 1950 e tal. Não era só no âmbito da igreja que se faziam coisas da área cultural ou próximo. Havia teatro e chegou a haver uma espécie de rancho folclórico por ocasião da inauguração da luz eléctrica, com a presença do Governador Civil. Não se pode deixar de referir essa manifestação, mesmo que esporádica: ainda hoje as pessoas da época se lembrarão desse momento.
Mas havia também algumas representações de peças de teatro – fosse no âmbito do grupo da igreja ou noutro quadro.
O Neca e o Ti Nàciso (Narciso, claro) eram os ensaiadores, tanto quanto me lembro. O palco era montado ou no Centro ou no Pátio arrendado pelo Ti Fermino (sic) Ferreiro – mesmo ali ao pé do Terreiro, hoje Largo de São Francisco. Havia teatro – isso é que importa. Mesmo que ao ar livre. Mesmo que com palco improvisado. O Ti Nàciso era o ponto, que ia lembrando o texto aos actores. Por vezes ouvia-se mais a voz dele do que a dos actores…
Foram muitas as peças que se viram neste quadro.
Ficaram na história.

Havia como que duas aldeias
Se calhar, acontecia o mesmo em todas as terras. Mas lembro-me bem de ainda muito pequeno notar que ali havia gato: por um lado, o Padre e as mulheres; por outro, os homens. Nós, miúdos, éramos uma espécie de terra de ninguém: connosco tudo estava sempre bem.
Víamos os mais velhos a ensaiar as peças com o Ti Nàciso, apoiado pelo intelectual de serviço, o Neca, compincha de farras do actual Procurador-Geral (Pinto Monteiro). E víamos as nossas amigas da mesma idade ou pouco mais e as nossas mães a ensaiar coisas na igreja ou no salão do Centro.
No fim, para nós, aquilo batia tudo certo, porque íamos ver as peças todas – ora ao Pátio ora ao Centro. As «da igreja», digamos assim, eram representadas ao fim-de-semana e às vezes o sucesso era tanto que repetiam no domingo seguinte, segundo me recordam. Nuns casos, a temática era a velhice, noutros as noivas ou as «criadas de servir».
Os «teatros» (assim falávamos) eram verdadeiramente os do Neca e do Ti Nàciso, pois eram de autores bem conhecidos (deles, mas sobre os quais os ouvíamos falar).

O som daquele órgão domina-me até hoje
Não foram coisas que deixassem muitos frutos para muitos anos, sinceramente. São mais do género de manifestações culturais soltas. Mas lá que eram muito vividas e muito sentidas, disso não tenho dúvidas. Como a vida de Cristo, de que ainda hoje se recordam cenas… Lembro-me bem da zanga dos ensaiadores com os pretensos actores porque nunca sabiam o papel, nem mesmo já em plena representação «oficial». Como não conseguiam fixar as deixas, isso deixava o «ponto» muito irritado. De tal modo que ele desatava a berrar lá de dentro do seu buraco:
– Diz-lhe agora que tem de ir à luta pela rapariga se quer casar com ela…
Ou coisa do género…
Mas nem só de «construções profanas» vivia a cultura aldeã nessa época.
A organização religiosa, que abrangia sobretudo jovens raparigas e mulheres, também deu em algumas manifestações culturais a registar.
Por exemplo, e no estrito quadro dos ritos sagrados: impossível ver e ouvir a diferença entre as missas, terços etc. com e sem órgão. Bem ou mal tocado (o que é que isso importava?), o som do instrumento, parecido com o da foto, alegrava os ritos, dava outra cor à vivência religiosa. O coro da igreja, formado e dirigido sempre pelas mulheres mais influentes do arco religioso, fazia um sucesso. O som daquele órgão domina até hoje uma parte do meu imaginário.
Como já disse, havia peças de teatro ensaiadas pelo Padre e depois representadas no Centro, onde até havia um verdadeiro palco, já nessa altura.

Até um rancho chegou a haver
O mesmo grupo organizava passeios de carácter religioso mas também cívico, com as normas da época, evidentemente. Por exemplo: ir a Fátima (turismo religioso) – ou ir a Lisboa saudar Salazar, mas pisgarem-se quase todas as participantes para verem Lisboa e nem quase saberem onde estava o Ditador…
Mas não só.
Chegou a haver um rancho folclórico (mais ou menos isso). Coisa esporádica. Foi por ocasião da «inauguração» da luz eléctrica. Era assim que se falava no Casteleiro. Creio que em 1955. Como vinha o Governador Civil, coisa que naquela altura era algo digno de nota (…), não fizeram a coisa por menos e ensaiaram umas danças populares e umas cantigas para o ilustre.
Pena foi que não tivesse continuidade. Mas são embriões que ficam nos genes dos Povos. E não acredito que a actual dinâmica do Casteleiro não radique nessas diversificadas e múltiplas experiências de antanho…

Bailes e Santos Populares
Impossível falar aqui de todas as manifestações culturais populares (muito simples, muito ingénuas, algumas delas).
Mas não quero deixar fora de registo duas das que mais me lembram sempre.
Os bailes, com a concertina, no Terreiro e as brincadeiras e tradições do dia de São João. Não sei porquê, mas lá «não queriam nada» com os outros santos populares (Santo António e São Pedro – este até era muito celebrado no Sabugal, como os mais velhos se lembrarão bem). O São João é que era. E lá se montava o mastro para arder no Terreiro, tudo com muito rosmaninho, para animar e dar mais cor às celebrações. E bailes, claro. Dançar muito e bem, sempre.
Já agora: não sei se sabem mas o mastro como o da foto e as fogueiras de São João a arder são tradições que vêm do fundo dos tempos: simbolizavam a entrada no solstício de verão. Alta cultura popular, portanto.

…Tempos do caneco – garanto.
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Janeiro 2012
S T Q Q S S D
« Dez   Fev »
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
3031  

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.140.316 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios