Teresa Duarte Reis - O Cheiro das Palavras - Capeia ArraianaLa Ruta de los Castilhos, parou um pouco, para descansarem também as pedras e olharmos todos a Luz que vem do Céu. Sim, urge que a terra, o mar, todo o universo e todos os homens olhem essa luz, que urge voltar a brilhar em todos os corações, numa época em que já não vemos as pedras, nem nos deliciamos com o cheiro da natureza, por falta de tempo. Parece que chegou o tempo em que cada um de nós deve olhar à sua volta. Ao Capeia, a todos os colaboradores, leitores, sabugalenses ou não, deixo os meus votos de um Natal cheio de bênçãos do Menino, que não podemos esquecer, e que cada um olhe também o seu interior e pare para pensar como pode ajudar a salvar o planeta.

À ESPERA DO NATAL

As virgens descuidaram-se
Faltou o azeite nas candeias
E a noite voltou
Tremenda e fria…
O jovem rico
Procurou o Mestre
Porém a riqueza levou-o
De regresso aos seus bens.
… … … … … …

Mas estes não são só os de ontem…
É o egoísmo hodierno
O consumismo atual
O individualismo
Os (des) valores instalados
Que oprimem o homem
O ofuscam
E tiram o brilho às estrelas.

A sociedade
Cada vez mais maltrata
Esquece
Pisa
E multiplica
Os desfavorecidos…
É preciso que o choro lindo
Naquela pequena gruta
Ecoe, rompendo a noite gélida
Como se a última estrela
Deixasse surgir
A luminosidade da Aurora
O céu brilhasse
Pleno de luz
E a esperança voltasse
Ao coração dos gentios,
Dos esquecidos,
Dos abandonados.

Em cada Natal
Se dão as mãos
E os presentes, símbolo de partilha,
Enchem o Céu de Luz,
Mas urge neles imprimir
O espírito de Amor
Do pequenino Jesus.

(De acordo ou não com o acordo começamos a escrever com o acordo, para nos irmos habituando ao acordo.)
«O Cheiro das Palavras», poesia de Teresa Duarte Reis
netitas19@gmail.com