Para concluir a sequência de crónicas de viagens que propus aos leitores do «Capeia Arraiana», vou desta vez falar de terras muito próximas da nossa Riba-Côa natal: uma visita ao Mosteiro de Guadalupe, um dos berços da religiosidade hispânica e matriz da hispanidad.

Fachada gótica do Real Mosteiro de Guadalupe
Portas de bronze da Basílica Claustro mudéjar Imagem da Virgem de Guadalupe

(Passe o cursor nas imagens para ver a legenda e clique para ampliar.)

Adérito Tavares - Na Raia da MemóriaPara os que vivem na raia sabugalense ou próximo dela, sugiro que passem primeiro por três belíssimas cidades próximas da fronteira: Coria, Plasencia e Trujillo. Trata-se de cidades monumentais, carregadas de história – «tierras de conquistadores” – como Francisco Pizarro, cuja estátua equestre domina a praça principal de Trujillo. A partir daqui, Guadalupe alcança-se em três quartos de hora. Antes porém de chegarmos a esse antiquíssimo e venerável local de culto, meditemos um pouco sobre estes estranhos tempos que vivemos.
Parece que passaram completamente de moda as ideologias e os idealismos, o associativismo está em crise, as religiões clássicas, moderadas e sensatas, cederam o lugar aos fundamentalismos irracionais ou às alienações histéricas e acéfalas. O lucro fácil, obtido sem olhar a meios para alcançar os fins, a vitória a todo o custo, o culto da lisonja e da mentira, a corrupção, o calculismo frio e maquiavélico, o sucesso económico e social, a ambição do poder, esses são os verdadeiros ídolos contemporâneos. O século XVIII colocou a razão no altar; o século XIX colocou a ciência; o século XX colocou o dinheiro; e o século XXI? – se bem nos apercebemos, parece ter lá colocado o caos. Todavia, não percamos a esperança, o último alento que permaneceu no fundo da caixa de Pandora. Como diz o poeta Carlos de Oliveira, «não há machado que corte / a raiz ao pensamento». Tal como sucede na Guernica de Picasso, no meio da dor, do sofrimento, da violência e da destruição, a luz conserva-se acesa. Tudo isto vem a propósito de Guadalupe? Sim.
O Mosteiro encontra-se numa região lindíssima, montanhosa, situada no coração da Extremadura espanhola, e é o centro de um dos cultos marianos mais antigos e prestigiados do mundo. O Real Mosteiro de Guadalupe, fundado no século XIV pelo rei Afonso XI, é constituído por um magnífico conjunto de edifícios gótico-mudéjar, aos quais foram acrescentadas, posteriormente, áreas renascentistas e barrocas. Entre as inúmeras preciosidades artísticas que possui, Guadalupe orgulha-se de alguns excelentes quadros de Zurbarán, de uma excepcional colecção de manuscritos iluminados e de um riquíssimo museu de paramentos.
A Virgem Morena de Guadalupe, uma singela imagem românica do século XII, foi, ao longo de oitocentos anos, venerada por sucessivas gerações. Símbolo da hispanidade, viu o seu culto estender-se a todo o mundo de língua castelhana, do México às Filipinas. Reis e cardeais, nobres e plebeus, conquistadores e conquistados, todos oraram à Virgem de Guadalupe, frequentemente pedindo coisas opostas. Nem faltam ofertas dos Reis Católicos, de Cristóvão Colombo e até do generalíssimo Francisco Franco «Caudillo de España por la Gracia de Dios». Os ricos e poderosos ofereceram-lhe tesouros de valor incalculável, tronos, coroas, ceptros, mantos bordados a ouro e cravejados de pérolas e de diamantes. Os pobres e humildes levaram-lhe comoventes e ingénuos ex-votos.
Conduzidos por um guia competente, num dia tranquilo, eu e minha mulher, de sala em sala, fomos ampliando o nosso espanto e o nosso fascínio. Em nome de Deus e da Virgem, os monges de S. Jerónimo, a quem o Mosteiro esteve entregue até ao século XVIII, foram ali acumulando inestimáveis testemunhos de uma fé duradoura. Hoje, o Real Mosteiro de Guadalupe continua habitado, agora por monges franciscanos. O espírito monástico está presente por todo o lado: pressente-se e ecoa na música gregoriana que se ouve na igreja e no rendilhado claustro mudéjar (existe um excelente Coro Gregoriano no Mosteiro); e transmite-se através das celebrações litúrgicas presididas pelos irmãos de S. Francisco, vestidos de burel e calçados com sandálias.
Quando chegámos ao lugar mais sagrado do Mosteiro, o Camarín (uma sala anexa ao altar da Virgem Morena, onde a imagem é preparada na altura das procissões), o guia laico cedeu o seu lugar a um monge. Foi então que aconteceu um momento mágico, muito raro: antes de nos mostrar a Senhora de Guadalupe, o irmão franciscano concentrou-se, recolheu-se, perfilado, olhos no chão, rosto sereno e calmo. Depois de uns breves momentos de profundo silêncio, falou-nos, com palavras brandas e tranquilas, sobre o culto da Virgem Morena e o seu significado. Há muitos, muitos anos que não me encontrava frente a frente com a FÉ. A fé autêntica, latente, translúcida. Aquele homem acreditava, de facto, no que dizia. E, suavemente, fez rodar o trono resplandescente, mostrando-nos uma singela figurinha de mulher, com o filho no regaço, de rosto quase negro, com uma surpreendente expressão de bondade no olhar penetrante. O monge franciscano orou, por um minuto ainda, em silêncio. E, naquele lugar de recolhimento, tão distante do mundo e dos seus imensos dramas, parecia pairar um espírito muito antigo: o do idealismo monástico de Francisco de Assis, o Poverello, o amigo dos lobos e dos cordeiros, o filho de burgueses que escolheu a pobreza evangélica e o cristianismo de Cristo.
Foi, de facto, um momento raro. Num mundo esmagadoramente sensorial e materialista, aquele lugar parecia uma ilha espiritualista, ideativa, uma ilha de fé.*

* Uma sugestão de carácter prático: se o leitor puder, não deixe de ficar uma noite na estalagem do próprio Mosteiro (Hospedería Real Monasterio). Poderá assim dormir numa das antigas celas monásticas e comer no antigo refeitório dos monges.
«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares

ad.tavares@netcabo.pt

Anúncios