Os militantes do Partido Socialista do Sabugal, reunidos em plenário, repudiaram o Documento Verde para a Reforma da Administração Local, apresentado pelo Governo, no que respeita à proposta de diminuição do número de freguesias.

Na reunião, realizada na tarde do dia 30 de Outubro, na Junta de Freguesia do Sabugal, esteve presente o presidente da Federação Distrital da Guarda do PS, José Albano, que afirmou que o documento verde era «um atentado ao bom senso». «Nas nossas aldeias fecham escolas, postos médicos, postos dos correios, e agora o que faltava era fecharem também as juntas de freguesia», disse o dirigente distrital do PS, que considerou que se isso acontecer «a seguir virá o esquecimento total das aldeias do interior».
Os socialistas sabugalenses teceram fortes críticas ao projecto do governo, manifestando-se dispostos a lutar contra a sua efectivação, especialmente no que toca à agregação de freguesias. A estratégia acertada passa por relançar o debate, que o governo iniciou mas que seguidamente travou. Os autarcas do partido ponderam apresentar nas assembleias de freguesia, assembleia municipal e no executivo camarário moções de repúdio ao projecto de fundir ou agregar freguesias no concelho do Sabugal.
A excepção que os socialistas admitem resume-se a casos em que as próprias populações aceitem a agregação, nomeadamente em freguesias com pouca população, sendo porém isso muito difícil de se verificar no concelho do Sabugal.
Das vinte freguesias a agregar no concelho, nos termos do projecto governamental, apenas duas delas têm juntas presididas pelo PS (Águas Belas e Moita).
plb

Anúncios