«Quem sou eu para avaliar?!». Foi com estas palavras, que o senhor ministro da Educação e da Ciência, Doutor Nuno Crato, respondeu no final da entrevista que concedeu há duas semanas ao canal público RTP1, à questão colocada pelo jornalista: «como avalia o trabalho dos seus antecessores?».

O que me surpreendeu nesta resposta, depois de uma entrevista onde nada disse, ou quase nada, sobre os assuntos relacionados e relevantes para a Educação em Portugal: gestão das escolas, financiamento das escolas, mega-agrupamentos, colocação de professores, objectivos claros de aprendizagens e de saberes no final de cada ciclo de ensino, encerramento de escolas do 1º ciclo… é a palavra «avaliação».
Quis-me parecer que foi uma entrevista a pedido (do Sr. Ministro), para ostentar uma vitória sobre os sindicatos acerca do modelo de avaliação dos docentes!
Uma vitórinha de Pirro! Pois, praticamente, tudo fica igual. Os avaliadores são externos. Contudo, o Sr. Ministro não explicou de onde vêm, se deixam de dar as suas aulas para assistir às dos outros, quem paga as deslocações… enfim! As cotas continuam como uma espécie de rebuçados geridos pelos, agora, todos poderosos senhores directores das escolas (alguns nunca deram uma única aula na vida!.. mas era o único lugar na administração pública onde não havia lugar para boys…)! E, por fim, avaliação só conta nos concursos para… os contratados!!!
Foi um acordo absolutamente fantástico!… O Sr. Ministro dá uma entrevista na televisão. Os sindicatos calam-se. E a Educação lá vai cantando e rindo. Só não se sabe para onde…
Depois disto, retomo o início da crónica.
Toda uma exibição televisiva para dizer aos portugueses que tinha uma vitória sobre avaliação dos professores, diz, no final, quem é ele para avaliar!?!
Sr. Nuno Crato, o senhor é ministro, e ministro da Educação! O senhor é professor! E quem é o senhor para avaliar??!!
Já imaginou se todos os professores respondessem como o senhor? E com que autoridade (moral) vai exigir que os outros (também professores como o senhor) vão avaliar?
A Educação é um dos pilares centrais de um estado e de uma nação. Tal como a saúde e a defesa/segurança. A educação é o veículo dos saberes, dos princípios do regime democrático e das regras da convivência em sociedade. È pela educação que são transmitidos os valores que nos tornam portugueses, um povo único, com uma história universal e uma língua própria (bem, agora nem tanto! Pois o novo Acordo Ortográfico torna-nos abrasileirados…), que nos torna nação! Por isso, o estado não pode, nem deve, encarar a educação como um negócio. Isto é, como um produto que se pode transaccionar sem mais! Como parece ser a intenção, para as câmaras municipais!
O papel da educação é o de formar melhores cidadãos. Mais capazes e melhor preparados para uma cada vez mais justa sociedade.
O que peço ao Sr. Ministro (e a todos os outros) é que não confunda o gabinete com a realidade!

Post scriptum Parabéns aos organizadores da Feira Manuelina em Sortelha. Obrigado Sortelha.
«A Quinta Quina», crónica de Fernando Lopes

fernandolopus@gmail.com

Anúncios