Presentemente a política deixou de ser serviço à comunidade nacional, regional e local, não passa de uma luta de interesses entre grupos de pressão (lobbys) que abundam no Mundo e, como é lógico, também em Portugal.

António EmidioÉ degradante e humilhante a imagem que os governos europeus e, também o dos Estados Unidos dão quando se trata de negociar com as agências de qualificação e os senhores do capital mundial, essa imagem de impotência dada pelos governos leva o comum dos cidadão a pensar o seguinte: «Que interesse tem o meu voto e para que serve? Quem manda? Os homens e as mulheres que elegemos ou os mercados financeiros?». Isto é devastador para a Democracia. Há governantes ditos democratas, ditos de esquerda e eleitos pelos seus povos, que passam a vida a falar na necessidade de cortar nos gastos para a protecção social, nos salários, nas pensões, lançar no desemprego trabalhadores e funcionários, para ficarem bem vistos pela Moody`s e pela Standard & Poor, conseguindo assim créditos mais vantajosos.
Para que servem os políticos? Presentemente são lacaios das multinacionais e do grande capital, não representantes dos seus eleitores, estes estão indignados ao vê-los actuarem como actuam. Com isto tudo, a Democracia está sequestrada e manietada, só tem um fim espúrio: legitimar o Neoliberalismo, o mercado livre e a economia de mercado.
O político neste sistema é uma mercadoria a vender, quem os elege são as agências de publicidade que decidem o discurso, a maneira de vestir, e os slogan`s para os « consumidores ».
Os partidos políticos e as campanhas eleitorais cada vez exigem mais dinheiro, os bancos, as multinacionais, as grandes empresas e os lobbys, emprestam, só que depois as dívidas exigem grandes favores…Compram-se governantes!
Ainda existem homens e mulheres que estão na política com o nobre e sincero propósito de servir a comunidade e de não se servirem dela, mas infelizmente abundam os que se fazem políticos para se servirem a eles próprios, vê querido leitor(a) uma das principais razões do desprestigio da classe política e, da distância cada vez maior entre esta e o cidadão?

Não há nenhum oligarca nem nenhum lobby que financie eleições pelo amor à Democracia e ao sistema representativo. Dão dinheiro para receberem favores, contratos, privilégios, decisões administrativas favoráveis e legislação também favorável.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Anúncios