You are currently browsing the daily archive for Terça-feira, 9 Agosto, 2011.

A ESCOLHA DOS TOIROS

«Quando está no seu meio natural, rodeado pelos da sua espécie, o touro não demonstra o comportamento agressivo que apresenta na praça. É para recriar o ambiente de manada, em que o touro se sente mais tranquilo, que se usam cabrestos8 para o conduzir nos encerros e para o retirar da arena, depois da lide. Quando está isolado, é estimulado a investir, não só contra pessoas e animais, como contra qualquer objecto, ainda que movido pelo vento.»

Clique nas imagens para ampliar

Textos de António Cabanas e Fotos de Joaquim Tomé (Tutatux) retirados do livro «Forcão – Capeia Arraiana»
jcl

Anúncios

O conde do Sabugal esteve por largo tempo ligado ao cargo de meirinho-mor do reino e, mais tarde, o título foi acumulado com o de Conde de Óbidos. Enquanto meirinho-mor, ao conde do Sabugal cabia a administração da justiça, podendo prender, citar e cumprir quaisquer mandados judiciais, cumprindo especialmente as questões de justiça decididas por El-Rei, como prender pessoas de Estado e apresentá-las a juízo

O título de Conde começou por ser atribuído ao servidor do palácio real ou o conselheiro do monarca. Depois passou para comandante da guarda do palácio e para o alto funcionário da confiança do rei, que exercia funções locais temporárias e, por fim, passou a ser atribuído ao encarregado do governo, tanto civil como militar, de determinados territórios, denominados condados.
Em Portugal os primeiros condes surgiram no reinado de D. Sancho I e, a partir do século XIV, à concessão do título de conde correspondia um senhorio, cuja localização nem sempre era coincidente com o título. Desde fins do século XVIII o título de conde passou a ser meramente honorífico.
O título de Conde do Sabugal foi instituído por D. Filipe I, em 1582, logo após a perda da independência de Portugal e a consequente sujeição à coroa espanhola.
O 1º Conde do Sabugal foi Duarte de Castello Branco, que era Conselheiro de Estado de Filipe I, que o agraciou com o título em 20 de Fevereiro de 1582.
O nobre havia servido com zelo a coroa portuguesa, tendo sido pajem da companhia do rei D. João III, embaixador em Castela já por mandado do rei D. Sebastião, meirinho-mor do reino, vedor da fazenda e senhor do morgado de Montalvão. Combateu em Alcácer Quibir, ao lado de D. Sebastião, em Agosto de 1578, onde ficou cativo até ser resgatado a toco de dinheiro.
O 2º Conde do Sabugal foi D. Francisco Castello Branco, filho do primeiro, que foi igualmente meirinho-mor do reino, cargo que acumulou com o de alcaide-mor de Santarém.
O 3.º Conde foi D. João de Mascarenhas, que era casado com a filha do 2º conde do Sabugal, e era também comendador de Alpedrinha de Ares e de S. Miguel da Coxa. Serviu na Flandres como oficial de cavalaria e combateu na guerra da restauração, vindo a ser promovido a general e nomeado governador do Alentejo e conselheiro de guerra de D. Afonso VI. Ao obter o título de Conde do Sabugal passou a ser também meirinho-mor do reino.
Era figura de relevo na arte da guerra e também intelectual de prestígio, tendo traduzido o «Tratado do Manejo e Governo da Cavalaria». Deixou ainda escritas obras em verso e em prosa.
O 4.º Conde do Sabugal foi Fernão Martins Mascarenhas, que foi também 2º Conde de Óbidos, por casamento. Foi nomeado Alcaide-mor das praças-fortes do Sabugal e de Alfaiates, onde esteve por algum tempo. D. Pedro II nomeou-o meirinho-mor do reino, que institui que o cargo seria ocupado pelos seus descendentes (a partir daqui começaram a ser chamados «condes meirinhos-mores»). Seria ainda Conselheiro de Estado e da Guerra de D. João V.
O 5.º Conde do Sabugal foi Manuel Assis Mascarenhas Castello Branco da Costa Lencastre, nascido a 18 de Julho de 1778. Foi também conde de Óbidos, alcaide-mor de Óbidos e de Salir, Senhor de Palma, meirinho-mor e ainda par do reino em 1826. Foi capitão de cavalaria do exército português, tenente-coronel do exército napoleónico, agraciado com a Grã-Cruz da Ordem de Cristo e com a Legião de Honra do exército francês. Foi também embaixador de Portugal no Brasil.
Dos restantes condes do Sabugal pouco reza a história, cabendo no entanto aqui deixar os seus nomes:
6.ª Condessa: Eugénia Maria de Assis Mascarenhas, também condessa Óbidos.
7.º Conde: Manuel de Assis Mascarenhas de Sousa Coutinho, também conde de Óbidos.
8.º Conde: Luis António de Assis Mascarenhas Castelo-Branco de Sousa Coutinho, também conde de Óbidos.
9.º Conde: Pedro de Assis Mascarenhas, também conde de Palma.
10.º Conde: Miguel Pedro de Melo de Assis Mascarenhas, também conde de Óbidos.
11.º Conde: Pedro de Melo de Assis Mascarenhas.
12.º Conde: José Luís de Andrade Vasconcelos e Sousa, também marquês de Santa Iria.
13º Conde: José Luis de Melo de Vasconcelos e Sousa.
Os condes do Sabugal nunca nada tiveram a ver com o Sabugal, sendo apenas um título honorífico que ostentava o nome da nossa terra, como aliás aconteceu a muitas outras. De qualquer forma, a «Memória Paroquial do Sabugal», de 1758, refere que costumava haver na vila «um ouvidor que conhece dos apelos e agravos nesta vila e seu termo, posto pelos Condes dela, na forma de suas doações».

Bibliografia:
ALMEIDA, A. Duarte (e outros) – Liberais e Miguelistas.
BRANDÃO, Raul – El-Rei Junot.
PEREIRA, Esteves e RODRIGO, Guilherme – Dicionário Histórico, Coreográfico, Bibliográfico, Heráldico, Munismático e Artístico.
Paulo Leitão Batista

A minha vida, como a de qualquer outra pessoa, obriga-me muitas vezes a ter que lidar com «importantes», mas a companhia que mais prazer me dá e, com aquelas que mais aprendo, é a das pessoas simples.

António EmidioE um homem simples chegou ao pé de mim a oferecer-me um livro de poemas da sua autoria, esse homem é de Vale de Espinho e chama-se José Manuel Martins Luiz. Li o livro, durante a leitura algumas vezes me vieram as lágrimas aos olhos. Este homem, com toda a simplicidade, mostra-nos a sua vida de sofrimento, não vou falar sobre o livro, o seu título diz tudo – A VOZ DO SOFRIMENTO – se puderem, leiam-no.
O nosso Concelho não é só história e tradições, também é sofrimento, são poucos os que sofrem dirão alguns, são muitos, digo eu, só que não se manifestam como este homem. Quero dizer ao José Manuel Martins Luiz, que a maior parte da humanidade sofre, trabalha, é explorada e humilhada, para que uma minoria viva no luxo e na ostentação. Esses que sofrem, não têm exércitos de escribas a incensá-los, nem passam a vida a vitimizarem-se hipocritamente, os seus gritos de angústia e revolta são verdadeiros, mas infelizmente são muitas vezes motivo de chacota, vivem uma espécie de exílio interior e são desprezados. Os troféus não são para eles, são para os baixos e vulgares que vivem da corrupção e da ambição.
Sinto uma revolta muito grande quando vejo pessoas que têm talento, mas que o não põem ao serviço da justiça, usam-no para se glorificarem a elas próprias e a toda uma séria de sicofantas e parasitas, essas são chamadas as canetas mercenárias.
Vou terminar com umas estrofes de um poema de Pablo Neruda, não é um conforto moral, é um grito de esperança para os que sofrem injustiças:

El dia que esperamos a lo largo del Mundo
Tantos hombres, el dia final del sufrimiento.

Um dia de justicia conquistada en la lucha,
Y vosotros hermanos caídos en silencio
Estareis com nosotros en esse vasto dia
De la lucha final, en esse dia inmenso.

Não deixem de ler «A VOZ DO SOFRIMENTO», verão que a riqueza não está nos números, está também nas almas simples.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.140.396 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios