You are currently browsing the daily archive for Quarta-feira, 18 Maio, 2011.

Depois de seis anos de obras, abriu ao público, no dia 16, o novo pólo termal de Longroiva (concelho de Mêda). Uma infra-estrutura que dá maior capacidade às termas para o desenvolvimento da sua actividade.

Balneário Termal Longroiva - Mêda

Trata-se de um investimento público que ultrapassou os 5 milhões de euros, e que se traduziu na construção de um novo edifício dotado com equipamentos de vanguarda na área do termalismo e bem-estar.
As termas de Longroiva, em funcionamento desde 2001, são recomendadas para o tratamento de doenças musculo-esqueléticas e das vias respiratórias superiores.
Neste novo espaço existem, para além do termalismo dito clássico, espaços destinados ao termalismo lúdico, como piscina, sauna e banho turco; à reabilitação e ao Fitness, permitindo atender mais de 300 pessoas por dia.
Os tratamentos de cura termal serão obrigatoriamente precedidos de consulta médica por um dos médicos hidrologistas e serão realizados por técnicos de balneoterapia devidamente formados, sempre sobre a supervisão de um enfermeiro.
Na área do bem-estar, poderá ser adquirido um dos pacotes disponíveis existindo a possibilidade de combinar diferentes experiências termais como talaxion ou duche Vichy.
O balneário estará aberto das 08:00h às 12:00h e das 16:00h às 20:00h de Segunda a Sábado e aos Domingos das 09:00h às 12:00h.
Com este novo equipamento, a vila termal de Longroiva ganha nova dinâmica posicionando-se num segmento de mercado, que apesar da conjuntura económica difícil poderá contribuir decisivamente para o fortalecimento da economia local.
Mais informações Aqui.
plb (com C.M. Mêda)

Anúncios

Dando continuidade à publicação da eloquente Lição de Sapiência pronunciada no Sabugal no dia 5 de Março de 2011, na cerimónia do II Capítulo da Confraria do Bucho Raiano, pelo confrade João Luís da Inês Vaz, aqui deixamos a terceira, e última, parte do texto. (parte 3 de 3.)

João Luís Vaz quando foi entronizado confrade do bucho, no 1º Capítulo

Quando os Árabes invadiram a Europa, faz este ano 1.300 anos, o consumo de carne torna-se numa questão de distinção cultural, pois quem é partidário de Maomé não come porco e o cristão come. De notar que o mesmo vai acontecer outra vez quando os Judeus começaram a ser perseguidos na Europa e o consumo de porco faz a distinção entre Cristãos e Judeus. Não esqueçamos que teria sido por isso que surgiu essa preciosidade da nossa gastronomia que se chama alheira.
Diz-se que as relíquias de S. Marcos, o de Veneza, onde tem a sua grandiosa basílica, teriam sido trazidas de Alexandria, então sob domínio árabe, escondidas debaixo de carne de porco… O porco torna a ser tão importante a nível religioso que é dos poucos animais que tem entrada nos altares, pois acompanha sempre santo Antão, sendo mesmo o ícone distintivo deste santo.
Nos forais régios ou nos documentos monásticos da Idade Média o porco aparece com frequência sob a forma de imposto que deve ser pago quando as pessoas matam e são obrigadas a dar ao senhor da terra um quadril ou quarto do porco, por exemplo em épocas certas do ano.
Na infância de todos nós, como todos aqueles que fomos criados na aldeia sabemos, o porco representava efectivamente um tesouro, como diz o aforisma e infelizmente nem todos podiam matar porco. No porco tudo se aproveitava, como diz o testamento do porco. A faceira, depois de separada dos ossos da cabeça serve para fazer deliciosos «chuchurrões», os ossos da cabeça salgam-se para cozer conjuntamente com os ossos da suã, a língua serve fazer um delicioso salpicão ou o «chouriço da língua», como se lhe chama na nossa zona. O resto do porco é desmanchado para fazer febras, consumidas fritas ou grelhadas logo no dia da desmancha, para cortar em febrinhas pequenas num talhador para encher as chouriças em tripas do próprio porco ou outras previamente preparadas. Além das febras, o toucinho metia-se na salgadeira para fritar ou derreter para banha ou até para cozer na sopa para lhe dar sabor e depois ser comido com pão. Na salgadeira metiam-se ainda outras partes do porco, nomeadamente os presuntos que só iriam ser consumidos muito mais lá para diante e duravam muitas vezes até à matança seguinte. E o lombo, lembram-se daquele lombo que era apenas «entalado» e depois metido na própria banha do porco e conservado em talhas de barro durante meses? Que sabor inexcedível quando era tirado e acabado de fritar em azeite na «pela» posta ao lume… As morcelas, as farinheiras, os chouriços, as chouriças de boches, tudo era posto a secar no fumeiro das casas que não tinham chaminé, e eram tantas… Diz o testamento do porco que a bexiga era deixada às crianças para brincarem à bola, mas já viram que nossa zona as bexigas sempre aproveitadas para encher como se fossem a tripa do porco? Talvez aqueles que a deitavam fora nunca se tenham apercebido que também podia ser cheia e poderia haver também algum repúdio por questões higiénicas, mas o que é certo é que depois de bem desinfectada e esfregada com sal e vinagre fica como as tripas pronta a ser cheia, embora não durasse muito tempo até ser comida pois poderia com facilidade criar «penilha».
E o bucho, razão pela qual estamos aqui hoje e nos levou a ser confrades que jurámos defender esta iguaria? O bucho deverá ser tão antigo como a elaboração do fumeiro, mas nada de certo podemos dizer. O que podemos dizer é que o nosso «butcho» é único quer na sua elaboração quer na sua apresentação. Em Trás-os-Montes, na zona de Valpaços e Vinhais faz-se aquilo a que se chama o «butelo» que difere substancialmente do nosso no seu recheio, pois leva demasiados ossos. Na zona do Pinhal Interior (Ferreira do Zêzere, nomeadamente) fazem-se os maranhos que nada têm a ver com nosso bucho, mas que muitos consideram como uma variante do bucho. O que é certo é que o recheio deste pode ser até o arroz, mas o mesmo nome utiliza-se em Proença-a-Nova para o estômago do cabrito recheado com arroz e pedacinhos de carne do próprio cabrito. O nosso bucho que sempre se fez nas nossas aldeias é feito do estômago do bicho que depois de bem lavado é recheado com as orelhas, o rabo, o focinho, as pontas finas das costelas e algumas costelas mais pequenas… Era o último grande enchido a ser comido e por isso se comia no domingo gordo ou na terça-feira gorda que eram respectivamente o domingo de carnaval e a terça-feira de carnaval. É que, daí para a frente, eram quarenta dias de jejum e abstinência e por isso tudo o que não se pudesse conservar tinha que ser comido. As chouriças ainda se podiam conservar em azeite numa talha de barro, tal como o lombo, o que estava salgado podia continuar na salgadeira, mas o enchido que estava fora como o «chouriço do cú», o da tripa grossa e o bucho tinham que ser consumidos antes da dieta higiénica dos quarenta dias da Quaresma. O consumo do bucho reunia à volta da mesa toda a família e, às vezes, até familiares mais afastados se aproximavam neste dia e era ocasião de festa porque a seguir ao almoço chamado até há alguns anos como «jantar» pois à noite comia-se a «ceia», era ocasião de pôr as máscaras e gozar o «Entrudo».
À mesa, o porco produto de uma sociedade camponesa ou urbano-rural, morto e consumido num ritual mágico-religioso e iniciático, provocou sempre prazeres colectivos com uma mistura de deleite individual. Não deixemos que o prazer que estes rituais colectivos nos proporcionam e o prazer que sentimos se varram da nossa memória e da nossa identidade arraiana.
(Fim.)
João Luís da Inês Vaz

Perante a fugaz passagem do tempo decorre, inevitavelmente, a Primavera e sobra-nos, a nós, a sensação de que o razoável não nos basta. Seria forçoso crer no impossível para que o presente pudesse ser promessa de um futuro melhor. E não se leia, nestas linhas, pessimismo porque eu direi que não, que o não é, que é tão só nua e crua realidade.

Fernando Capelo - «Terras do Jarmelo»Enquanto assim, falar de quê? Talvez falar de algo agradável na tentativa de temperar momentos, alguns momentos destes dias que nos gastam sem que nos ofereçam grande realização.
Então que, ao menos, o meu falar não enfade enquanto me refiro ao mítico ambiente histórico/lendário da zona jarmelista. De facto, por aqui, a história e a lenda amalgamam-se, fatalmente, revestindo-se, ambas, de ambiente austero e, paradoxalmente, suave.
Claro que é difícil ficar indiferente perante uma onda de austeridade granítica tonalizada de cinzento, quase feia, entremeada de verdura frutificante como que propondo um derradeiro e forte apelo à esperança. Repare-se, ainda, no formato terno e feminino do Monte terminado, lá no alto, por dois cimos sugerindo uns seios de mulher. Razões e contrastes capazes de marcar personalidades.
Coloquemos, então, sobre este Monte uma presença histórica de defesa estratégica que assistiu à sucessão dos séculos. Tal historicidade fica provada por dois forais, o primeiro de D. Afonso Henriques e o segundo Manuelino. Também o rei D. Pedro se afeiçoou a estes sítios onde desfrutou encontros amorosos, festas e caçadas. Mas, tais circunstâncias, não podem fazer olvidar o futuro perante a modernidade que lhe pisa os pés. A auto estrada que se lhe estende em frente perde-se numa infindável extensão, sonorizada por uivos ultra velozes de motores acelerados que ligam Portugal ao interior da Europa.
E, sim, é do contraditório que nasce a razão e é no contraste que se constrói o equilíbrio. Não será de esperar que, por aqui, a modernidade, apague a história nem que a história ofusque a modernidade.
No cimo da montanha subsistem vestígios de um castro lusitano e de um povoado medieval que ficarão eternamente ligados aos trágicos amores de Pedro e Inês provavelmente a mais célebre história de amor em Portugal.
De mãos dadas com a história emerge, assim, a lenda (tal como esta) de uma pedra, que o povo crê ter sido a pedra de montar de Dona Inês de Castro. Ao longo dos tempos os Jarmelistas impuseram a eles próprios, a conservação da dita pedra e, para tal, foi correndo a tradição de as noivas pagarem uma tença ao casarem. Ainda hoje é sobejamente conhecida a quadra «Adeus Vila do Jarmelo/ Adeus perda de montar/ Enquanto o Mundo for Mundo/ Dinheiro hás-de Ganhar».
«Terras do Jarmelo», crónica de Fernando Capelo

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.140.603 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios