Este foi o ambiente onde nasci: Casteleiro, fim dos anos 40, na Beira Baixa. Agora sei que é assim mas que não é só assim…

Quando se é pequeno tem-se uma ideia difusa do tamanho do mundo. Quando se nasce no Casteleiro, está-se o ano inteiro no fundo de uma «caldeira», uma espécie de cova. Por isso, penso que ali começa objectivamente a Cova da Beira – independentemente do significado económico-turístico-marketeiro que hoje assume a expressão Cova da Beira.
Quando se é pequeno, sabe-se vagamente que há mais mundo para lá do Terreiro das Bruxas ou de Santo Estêvão, para um lado, indo talvez até ao Vale de Lobo (hoje, Vale da Senhora da Póvoa); e para lá de Santo Amaro, da Catraia ou de Caria, para o outro lado, quando muito até à Covilhã…
Claro que os olhos bem viam sempre, lá no alto, para um dos lados da aldeia, com os seus perto de 1000 metros, o Cabeço de São Cornelho.
Este nome é seguramente uma corruptela popular para São Cornélio, o orago de uma pequena elevação próxima, em Sortelha – e escusam alguns intelectuais apressados de vir pôr em causa esta ligação ao santo. O povo chama-lhe mesmo o que escrevi: cabeço do santo, São Cornélio. Acho mesmo que ali há uma capela dedicada a São Cornélio, não? – isso é que não afirmo sem fonte segura…
Para o lado contrário, duas outras elevações: uma, a Serra da Opa, para nós sempre a Serra d’Opa, com cerca de 860 metros, aproximadamente; a outra, o Cabeço Pelado, com uns 600 metros, julgo.
Há quem garanta que é ali, na Serra da Opa, que se define a fronteira natural entre a Beira Baixa – à qual então o Casteleiro pertence – e a Beira Alta.
A Beira Baixa começa ali. Aliás, quando era miúdo aprendi a escrever isso nas cartas: Beira Baixa / Casteleiro.
Este era o nosso «habitat» e assim se confinava o horizonte da pequenada, até que se começava a ter a dimensão das coisas e da região, depois, o País, a Europa… etc..

Vem isto a propósito de uma ideia fixa que não me abandona há mais de 40 anos – desde que me considero com instrumentos de análise suficientes para poder estudar e fundamentar uma opinião minha sobre seja lá o que for, desde que me interesse.
De facto, quem cresce rodeado de serranias, mesmo que não muito elevadas, fica marcado pela situação de afundamento.
Aquele meu (nosso) povo, para o bem e para o mal, viveu séculos ensimesmado, virado para si mesmo. Os terrenos, a agricultura, a lavoura, o tratar dos campos, o tratar do «vivo» (os animais), herdando e desenvolvendo os processos de cultivo que vêm de tempos imemoriais (dos romanos, dos árabes, dos judeus – esses menos dedicados à agricultura, como se sabe).

Cada um de nós, os que ali nascemos, tem a sua marca desta mentalidade e desta forma de estar na vida. Mesmo que, depois, contrabalançada com a riqueza das vivências de cada um através dos meios que frequentou ao longo da vida.

Válida para qualquer terra, esta tese assume força específica dentro de mim quando me auto-estudo…
O mesmo que acontece com qualquer de vocês, certamente.
«A Minha Aldeia», crónica de José Carlos Mendes

Anúncios