Realizou-se no pavilhão do Estádio Universitário de Coimbra, no fim-de-semana de 26 e 27 de Março, mais uma edição da Taça da Europa de Judo no escalão de juniores.

(Clique nas imagens para ampliar.)

No fim-de-semana de 26 e 27 de Março, realizou-se mais uma Taça da Europa do Escalão de juniores, no pavilhão n.º 3 do Estádio Universitário de Coimbra.
A Federação Portuguesa de Judo – para além das nove medalhas conquistadas pelos atletas portugueses, mais quatro de que no ano anterior – mostrou grande capacidade organizativa no que diz respeito a eventos internacionais de grande relevo e exigência.
A prova internacional disputada na cidade dos estudantes contou com a participação de cerca de 300 judocas com idades entre os 17 e os 19 anos de países europeus, da África do Sul, Canadá e Brasil num total de 17 países.
Portugal ficou em segundo lugar no referente à conquista de medalhas ficando apenas atrás do Brasil com 17 mas à frente da Grã-Bretanha e Itália.
No que diz respeito à participação das judocas do distrito da Guarda, Ana Rita Figueiredo do Sporting Clube do Sabugal (no escalão -48kg onde apenas estiveram duas portuguesas), ainda chegou a ser repescada após ter perdido com uma competidora brasileira, mas foi eliminada por uma atleta espanhola, na repescagem, conseguindo Portugal nesta categoria de peso uma medalha de bronze, obtida pela campeã nacional, Inês Ribeiro, do Algés.
Na categoria de -57 kg onde participaram duas atletas do distrito da Guarda, Inês Cunha do Clube de Judo da Guarda foi eliminada por uma inglesa que de seguida foi afastada, não permitindo assim à nossa judoca seguir em prova. Quanto à sabugalense Ana Sofia Figueiredo iniciou menos mal a prova e podia ter feito a diferença com uma judoca croata com a qual já tinha competido à cerca de dois anos e que acabaria por ser a finalista vencida desta categoria, derrotada por Doina Babcenco, atleta moldava formada no Sporting e naturalizada portuguesa na mesma semana do evento, perdendo Ana Sofia também nas repescagens com uma espanhola nitidamente mais forte.
A possibilidade de participação nestas provas é limitada e acaba sempre por ser um prémio para o judo distrital e seus praticantes, em que o esforço e grande vontade dos atletas não chegam quando defrontam judocas que se dedicam quase a tempo inteiro à modalidade. No entanto a atitude e postura das nossas meninas judocas não ficaram aquém do solicitado pelos treinadores, pois as vitórias desportivas não se devem sobrepor às vitórias que elas têm conseguido na conciliação com os estudos em que aí, têm atingido os objectivos.
David Carreira