You are currently browsing the daily archive for Segunda-feira, 21 Março, 2011.

Militares do Comando Territorial da Guarda da GNR procederam à detenção de um indivíduo por posse de armas, em Cativelos, concelho de Gouveia, e de um outro por violência doméstica, em Covadoude, concelho da Guarda.

GNR-Guarda Nacional RepublicanaNa manhã do dia 15 de Março, foi detido um indivíduo, com 40 anos de idade, em cumprimento de um mandado de busca domiciliária, em Cativelos, Gouveia, no âmbito de investigações por crime de detenção e posse de armas proibidas.

O inquérito corre termos no destacamento da GNR de Gouveia, cujos investigadores identificaram ainda duas mulheres, com 41 e 69 anos. Os suspeitos tinham nas suas residências um revolver, uma espingarda de caça e duas espingardas de recreio de ar comprimido, todas ilegais e ainda treze cartuchos e munições, que lhes foram apreendidas.
Presentes ao Tribunal Judicial de Gouveia, foi-lhes aplicada a medida de coação de Termo de Identidade e Residência.
O Núcleo de Investigação e de Apoio a Vítimas Especificas da Guarda, deteve também, na tarde do dia 18 de Março, um indivíduo de 39 anos de idade, empregado fabril, residente em Cavadoude, Guarda, por crime de violência doméstica. A detenção aconteceu em cumprimento de um mandado judicial resultante de investigações num Inquérito que corre termos na GNR. Em cumprimento da decisão judicial imposta, foi apreendida ao suspeito uma arma de caça, como medida cautelar.
O detido foi presente ao Tribunal da Guarda que lhe aplicou a medida de coação de Termo de Identidade e Residência e a proibição de contactar com a vítima (esposa) por qualquer meio e de não permanecer na casa de morada de família.
plb

Anúncios

Neste fim-de-semana, 19 e 20 de Março, cerca de três centenas de pessoas passaram pelos Foios.

No domingo, foi um grupo quarenta de motares, de Portalegre e Nisa, que nos deram o prazer da sua presença.
Por volta das 11 horas subimos até à encantadora Serra das Mesas que tem uma altitude de 1260 metros. O dia estava bastante quente e até mesmo nas alturas o vento não se fazia sentir.
Todas as pessoas se deliciaram com as magníficas e deslumbrantes vistas panorâmicas. Avistam-se, com nitidez, a Serra da Estrela, A cidade da Guarda o planalto de Vilar Formoso, Monsanto, Sortelha e paisagens das províncias espanholas de Castilla e Leon e da Extremadura.
A pé percorremos cerca de três quilómetros tendo passado pela fonte do lameirão, casa dos contrabandistas e admiraram-se alguns aspectos graníticos que abundam na Serra das Mesas.
Visto que os motares já haviam tomado o pequeno-almoço em Foios deu para prolongar um pouco mais o passeio porque o almoço apenas estava previsto para as 13h30. Antes, porém, visitaram-se as instalações do Centro Cívico de Foios.
Por volta das 16 horas o grupo despediu-se de Foios e rolaram em direcção ao Sabugal para visitarem a Casa do Castelo onde a dinâmica Talinha os esperava.
Este grupo de pessoas foi, na verdade muito bem tratado e prometeram voltar no próximo ano. Algumas pessoas disseram que gostariam de poder voltar por altura das capeias.
Na qualidade de presidente de Junta de Foios acompanhei, com muito prazer e gosto, o grupo. Fiz, como sempre, o melhor que sei.
Desta vez ainda me apurei um pouco mais porque o grupo era comandado pelo Agostinho, filho do saudoso Prof. Fernandes e da Sr.ª Prof.ª Lucília.
O Agostinho contactou-me, via telefone, há cerca de dois meses e, no passado dia 6, deslocou-se pessoalmente a Foios para, em conjunto, podermos elaborar o programa para que tudo tivesse corrido bem, como efectivamente aconteceu.
Venham quando quiserem e serão sempre bem recebidos. Precisamos de gente. Turismo é futuro!
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia de Foios)
jmncampos@gmail.com

Foi à 18ª jornada do Campeonato Distrital de Juniores, a quatro jogos do fim que o Sporting Clube do Sabugal se consagrou campeão de juniores 2010-2011.

Para o jogo, em que o SCSabugal recebeu a formação do Ginásio Clube Figueirense, o treinador Frederico Gonçalves fez alinhar para a confirmação do título o seguinte onze: 1 – Fábio Almeida, 2 – Emanuel, 3 – Cláudio, 4 – Miguel Roque, 5 – Tigas, 6 – Motas ©, 19 – Tó Cardoso, 8 – Nani, 9 – Hélio, 10 – Kevin e 11 – Costa. No banco o técnico contava com as seguintes alternativas 12 – Patrick, 13 – Fábio, 14 – Balance, 15 – Nogueira, 16 – Luís Miguel, 17 – Coelho e 18 – Victor.
A equipa da casa mostrou-se desde logo com vontade de confirmar o campeonato começando a atacar a baliza figueirense, mas o primeiro golo surgiu de um lance de bola parada, no caso uma grande penalidade após falta sobre Hélio: Chamado a converter o capitão da equipa da casa abre o marcador aos 21 minutos da primeira parte.
Dois minutos mais tarde o guardião da equipa Figueirense é novamente batido desta vez por Costa, que de cabeça faz o segundo para a equipa da casa.
O resultado chegou assim ao intervalo: 2 para o SCSabugal, 0 para o GCFigueirense. Na segunda metade do desafio a equipa regressou ao relvado sem alterações e com vontade de aumentar a vantagem mas só aos 24 minutos da segunda parte na sequência de um canto batido por Motas, Cláudio aumenta novamente a vantagem para 3 bolas a 0, a conquista do título estava cada vez mais confirmada ainda assim houve tempo para mais um golo por Nani aos 26 minutos da segunda parte estava feito o resultado e o SCSabugal confirmou o título. No decorrer da segunda metade Fred mexeu na equipa esgotando as três substituições aos 73 minutos Coelho entra para o lugar de Hélio, aos 84’ Tó Cardoso dá lugar a Victor e por último aos 87 minutos Tigas dá lugar a Luís Miguel. Após os 90 minutos mais 4 cedidos pelo arbitro Paulo Dias ouviu-se o no Estádio Municipal do Sabugal o celebre tema dos Queen «We are the Campions» e a festa para os atletas, adeptos e direcção prolongou-se pela tarde fora, havendo também lugar ao convívio entre as três equipas intervenientes no jogo.
Parabéns SCSabugal!
Cláudia Janela

O gado asinino teve um papel fundamental na campanha de Portugal do exército napoleónico, pois servia de meio de transporte, nomeadamente no carrego dos feridos e do equipamento individual dos soldados. Quando a fome apertava e as provisões estavam gastas, os burros eram abatidos, servindo a sua carne para alimentação dos militares.

Para a galhardia de um exército como era o exército francês da altura, que se considerava o melhor do mundo, a presença de burros no seu dispositivo não era bem vista pelos comandantes. O burro era considerado um animal menor, sendo portanto desprezado e, na medida do possível, afastado das colunas dos soldados de linha, embora pudesse ter lugar entre o dispositivo de apoio logístico.
Porém na terceira invasão francesa, os asnos tiveram um papel fundamental. O jovem tenente Jean-Baptiste Barrés, que vinha integrado no segundo corpo de exército, comandando pelo general Reynier, dá disso devida nota nas suas memórias: «Estes animais úteis e pacientes, prestaram imensos serviços ao Exército de Portugal, que a miséria tornou muito ingrato em relação aos demais salvadores. Todos os regimentos tinham, pelo menos, entre 120 e 150 burros em fila, para transportar os doentes e os feridos, os sacos dos convalescentes e as provisões de víveres, quando se era suficientemente ditoso para os encontrar durante mais de um dia. Esta massa de quadrúpedes elevava os homens à sua condição, tornava bem mais pesada a marcha das colunas, mas salvou muitos infelizes
Já perante as Linhas de Torres, nos cinco longos meses aí passados pelos franceses, esperando reforços, os burros tiveram de novo um papel fundamental, mas desta feita para matar a fome dos infelizes soldados, que não encontravam meios de subsistência. Foi o mesmo oficial a deixar também esse testemunho: «Poucos dias depois da nossa chegada à frente das linhas inglesas, a miséria tornou-se tão pungente, tão generalizada, que todos esses seres inofensivos foram mortos e comidos com uma espécie de sensualidade. Aqueles que quiseram ou puderam conservá-los mantinham-nos bem escondidos, e vigiavam-nos, como se fossem cavalos de raça, porque eram roubados e mortos sem escrúpulos
O burro foi nesta campanha o melhor companheiro para o soldado. Era sobre ele que transportava a sua bagagem individual nas longas marchas. E muitas vezes a bagagem era pesada, porque ao equipamento pessoal do combatente juntava-se o produto do saque.
Aquando da retirada, de volta a Espanha, as colunas francesas seguiam lentamente pelos campos, o que preocupava Massena e os seus lugar-tenentes, que queriam antes que as colunas marchassem depressa, para evitarem os ataques do exército anglo-português que os perseguia. Porém os burros, carregadíssimos, andavam lentamente e congestionavam os caminhos de tal modo, que isso provocou um acesso de fúria no marechal Ney, cujo corpo, o sexto, seguia na retaguarda, com a missão de repelir as cargas do inimigo e proteger a marcha do restante exército. Em Miranda do Corvo, perante o problema do bloqueio da ponte sobre o rio Ceira, face ao imenso mar de burros e furgões carregados, o vigoroso marechal ordenou que se lançasse fogo a todos os equipamentos, a começar pelos seus, e sem poupar os de Massena. Depois, numa acção cruel, mandou estropiar os burros para que não seguissem com ele, nem tivessem préstimo para o exército aliado que o perseguia. Colocou soldados à entrada da ponte com a missão de cortar os jarretes a todos os burros, sem excepção, à medida em que fossem chegando. «Uma enorme quantidade desses úteis animais foi assim sacrificada e, no exército, esta execução tomou o nome de “massacre dos inocentes”», escreveu o também tenente francês Bauyn de Péreuse.
Mau grado o descontentamento provocado entre os soldados, com esta acção atroz, o marechal prestou o serviço de aliviar as colunas, que melhoraram a mobilidade e a rapidez na execução das manobras de retirada.
Paulo Leitão Batista

Vinte e um. É este o número mágico, inventado num qualquer gabinete, como se se tratasse da descoberta da pólvora. Será o número do «Joker» do Totoloto? Será o número da terminação da Lotaria? Será o número que corresponde à maioridade, como antigamente?

João Aristides Duarte - «Memória, Memórias...»Qual quê? Este é o número mínimo de alunos que as escolas do 1.º Ciclo podem ter para terem sucesso, segundo decidiram essas «cabeças pensantes» do Ministério da Educação, no ano passado.
Tudo o que for abaixo desse número só significa insucesso educativo e, portanto, encerramento compulsivo das escolas.
Toda a gente pergunta… Porquê 21 e não 18, 19, ou outro número qualquer? As «cabeças pensantes» que decidiram isso lá saberão porquê, mas não explicam nada.
Decidiram, está decidido e ai de quem se atreva a contestar esse número mágico que é logo colocado na galeria das velharias e considerado um «atrasadinho». A malta do PS (também se pergunta como é que gente tão socialista desistiu de fazer o socialismo!!!), completamente cega, sectária e seguidista em relação a este número, não tem qualquer argumento para esgrimir em sua defesa. Mas, defendem o número mágico com unhas e dentes…
Descobriram que, ao contrário do que qualquer pessoa de bom senso sabe, nas escolas onde há mais de 21 alunos se aprende mais, se trabalha melhor e as medidas relacionadas com o encerramento das escolas visam melhorar as condições que favoreçam a promoção do sucesso escolar e o combate ao abandono. O combate ao abandono, perguntarão? Sim, que os do PS não brincam em serviço e sabem bem (só eles) que nas escolas do 1.º Ciclo há abandono escolar. Usam estes argumentos para esconder o único argumento possível de utilizarem, que seria o de se tratar, unicamente, de mais uma das tais «medidas» economicistas. Mas Cavaco Silva também nunca se pronunciou contra o encerramento das escolas, o que leva a crer que ele concorda com essa “medida”.
Numa carta aberta que escrevi, no jornal «Nova Guarda», em Junho passado; ao Dr. Fernando Cabral, ex-deputado pelo círculo eleitoral da Guarda, até referi que o Prof. Carlos Ceia, docente na Faculdade de Ciências Sociais e Humanas da Universidade Nova de Lisboa, diz textualmente, num artigo do jornal «Público»: «Qualquer professor de qualquer país do mundo sabe que com um grupo de trabalho pequeno as hipóteses de sucesso são muito superiores e só quem está muito, muito distante da realidade da escola pode, com honestidade intelectual, defender o contrário.» Mesmo assim, não há quem tire o número mágico da cabeça do pessoal do PS. O tal ex-deputado teve o descaramento de, no número seguinte do «Nova Guarda» escrever que há que respeitar as opiniões diferentes, não contestando um único dos meus argumentos, nem sequer as palavras do Prof. Ceia. Como político mainstream que é até se deu ao luxo de me tratar por Dr. João Aristides Duarte, quando eu detesto esses títulos académicos.
Com estas políticas o Interior está condenado, mas os fanáticos do PS não se importam. É preciso é não contrariar o número mágico. E depois da descoberta de que com a implementação dessa «medida» também mágica que é a distribuição de frutas nas escolas, o sucesso educativo está aí, em grande, os fanáticos do PS ficaram ainda mais felizes. O que eles não sabem é que não é preciso mais «medidas» nenhumas porque 100% de sucesso (ou quase) anda aí a pairar em todo o lado (quem é professor sabe bem do que falo).
Que interessa que a Câmara do Sabugal gaste quase um milhão de euros em transportes escolares, por ano, e passe a gastar mais se mais escolas encerrarem? O que interessa é que as escolas tenham o tal número mágico de alunos.
Lembro aqui que, em Junho do ano passado, foram aprovadas duas moções na Assembleia Municipal, contra o encerramento das escolas. Uma foi aprovada por unanimidade (e resultou da junção de uma proposta da Câmara Municipal com uma proposta do PS) e a outra, da autoria dos membros eleitos pela CDU, continha esta passagem : «A Assembleia Municipal do Sabugal repudia, veementemente, tal pretensão inscrita na Resolução do Conselho de Ministros n.º 44/2010, de 1 de Junho, por ser altamente lesiva dos interesses dos munícipes do concelho e solicita ao executivo camarário que não dê o seu aval ao encerramento de escolas do 1.º Ciclo do concelho de Sabugal, com menos de 21 alunos, pelo menos até estarem garantidas as condições ideais, nomeadamente a inauguração dos Centros Educativos e o seu completo apetrechamento, em recursos humanos e materiais.» Foi aprovada com algumas abstenções de membros do PS e, até, votos contra, de membros da mesma bancada.
Ora, que eu saiba, ainda não estão construídos os Centros Educativos, logo, em consciência, não poderá o Executivo Camarário dar o seu aval às pretensões (e pressões) do Ministério da Educação para encerrar escolas do 1.º Ciclo no concelho do Sabugal.
De qualquer maneira eu não espero nada de melhor dos lados do futuro Governo PSD/FMI. Tudo sempre para pior, parece ser o lema actual…

:: ::
Post-scriptum (para não escrever PS): Como político que sou (e faço gala de o ser) gostei de ver a manifestação da Geração à Rasca (eu também estou à rasca, com instabilidade profissional, a trabalhar com 50 anos, a 120 km de casa). Para os mais velhos foi como que um regresso ao 25 de Abril e para os mais novos uma nova maneira de encarar o mundo. Gostei, também, de ver a festa e os Homens da Luta, Vitorino, Rui Veloso, Fernando Tordo e Blasted Mechanism a cantar numa carrinha, como não se via desde o PREC. Mas transcrevo aqui um poema de Ruben Maria Moreira Brandão que encontrei no livro «25 Anos de Abril», de 1999:

Uma revolta na rua
Não muda país nenhum
Se ela não continua
Por dentro de cada um

«Política, Políticas…», opinião de João Aristides Duarte
(Deputado da Assembleia Municipal do Sabugal)
akapunkrural@gmail.com

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.142.081 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios