A Câmara Municipal do Sabugal decidiu contrair um empréstimo bancário de curto prazo, no valor de um milhão de euros, para fazer frente a dificuldades de tesouraria, o que não mereceu a concordância de todos os vereadores.

A proposta apresentada na última reunião do executivo, acontecida a 2 de Fevereiro, enquadra-se na possibilidade legal dos Municípios recorrerem a empréstimos bancários com maturidade até um ano, para fazer face a dificuldades pontuais de tesouraria. Segundo os critérios legais aplicáveis o Município do Sabugal pode recorrer a esta via de financiamento, sendo o limite máximo de pouco mais que um milhão e 100 mil euros.
Os problemas de tesouraria que a Câmara está a sentir ditaram o recurso a este crédito bancário. O empréstimo tem que ser todavia amortizado no prazo de um ano após a sua contratação.
A proposta foi aprovada por maioria, com a votação favorável do presidente e vereadores do PSD e do MPT, votando contra os vereadores do PS, que fizeram a seguinte declaração de voto: «Votamos contra porque em nosso entender o empréstimo a curto prazo demonstra falta de gestão cuidada e prudente. A Câmara Municipal deve ser gerida com os dinheiros que recebe, por forma a evitar o recurso ao empréstimo».
Esta decisão marca apenas o início do procedimento, porquanto a decisão definitiva tem de ser tomada pela Assembleia Municipal, sendo ainda obrigatória a fiscalização prévia do Tribunal de Contas.
plb

Anúncios