Sou amigo e admirador de Manuel Casimiro Amaral, o «Mudo», desde há muitos anos.

Ontem, sábado, dia 5 de Fevereiro, acompanhado pelo meu padrinho João Gandaio, veio aos Fóios concertar uns estores na minha casa.
Depois do trabalho, diga-se que muito bem executado, sentámo-nos à mesa para saborear uma chouriça assada seguida de um guisadinho de coelho bravo. Foi, sem dúvida, um almoço a condizer com o trabalho que o «Mudo» acabara de fazer.
Confesso que foi um dia bem passado e como há tão poucas pessoas a trabalhar nos estores não é fácil encontrar um artista que possa resolver os problemas que vão surgindo. É caso para dizer que com pagar ainda é favor.
Ele é, sem dúvida, uma figura típica do nosso Concelho. É um homem bem disposto, com muito humor e bastante perspicaz.
O «Mudo» tem hoje 66 anos e é casado com uma senhora que também não fala. Ela dedica-se à costura, mas hoje apenas trabalha para uma clientela bastante restrita.
O «Mudo» foi aluno na Casa Pia tendo, mais tarde, regressado ao Sabugal. Trabalhou na empresa do Sr. Fausto Baltazar e também na empresa da família Chapeira, na altura em que esta firma se dedicava à construção civil.
É um homem bastante prestável, estimado na cidade do Sabugal e, de uma maneira geral, em todo o nosso município.
É ferrenho pelo Benfica e sempre que tem a oportunidade de gozar com os sportinguistas ou com os portistas fá-lo, sorrateiramente, e com um ar de gozo que lhe fica muito bem.
O meu padrinho e amigo, João Gandaio, é um dos melhores amigos do «Mudo» e está de parabéns porque se esforça por o compreender.
Ontem fiquei imensamente satisfeito quando me apercebi do excelente relacionamento entre os dois. Conversam e entendem-se, através da mímica, tal como acontece com duas pessoas absolutamente normais.
Parabéns aos dois.
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia de Foios)
jmncampos@gmail.com

Anúncios