Aqui há uns anos, fiz uma viagem de estudo a Espanha com um grupo de alunos, rapazes e raparigas de 17 ou 18 anos. Fomos a Mérida, Trujillo, Madrid, Toledo, Escorial, Vale dos Caídos, etc.

Goya - Fuzilamento

Picasso - Guernica

Adérito Tavares - Na Raia da Memória O meu principal objectivo era mostrar a estes jovens viajantes caminhos que depois eles percorreriam sozinhos (ou não). Penso que o primeiro e grande mérito da viagem residiu exactamente aí – abriu-lhes horizontes, apresentou-os a Velásquez, a Goya, a El Greco, a Picasso; revelou-lhes a beleza inesquecível das cidades espanholas; fê-los olhar extasiados para o Teatro Romano de Mérida, para a catedral gótica de Toledo ou para o imponente Mosteiro do Escorial. Ensinou-os a ver e não apenas a olhar.
Se cada um destes viajantes, ou alguns pelo menos, levarem consigo outros, vejam a enorme cadeia que foi iniciada. É por isso que nunca me arrependo de fazer visitas e viagens de estudo com os meus alunos. Tenho feito dezenas delas, no país e no estrangeiro, apesar dos trabalhos e das responsabilidades. Era muito mais cómodo ficar na sala de aula, debitando monotonamente a matéria, do que conduzir rapazes e raparigas naturalmente irrequietos e barulhentos por essa Europa fora. A semente foi lançada. Nuns germinou, noutros morreu. O semeador, porém, fez o seu trabalho. Qual a recompensa?
Esta, por exemplo: na viagem a Espanha de que falo acima, depois de sairmos do Museu do Prado, perguntei a uma jovem aluna angolana de que quadro tinha gostado mais. Não hesitou: dos «Fuzilamentos de Maio», de Goya. Na verdade, ela foi sensível ao dramatismo e ao significado universalista daquela obra-prima do grande pintor espanhol. A extraordinária força daquela cena, onde a morte inexorável sai dos fuzis dos soldados napoleónicos para ceifar a vida de patriotas cujo único crime era defender a sua terra, impressionou vivamente uma jovem que sentiu na pele os horrores da guerra civil de Angola. Voltaria, tal como muitos dos seus colegas, a ficar «agarrada» por outra obra magistral: a Guernica, de Picasso. Só por isto já teria valido a pena ir a Madrid.
É óbvio que não devemos exagerar quando se servem estes «pratos» culturais a gente nova. Corre-se o risco de provocar uma «indigestão». Devemos saber dosear bem as coisas, deixando tempos livres para o convívio, para o divertimento, para as compras. E eles não deixaram de aproveitar: também visitaram o Hard Rock Café, as discotecas da moda, os Preciados, o Corte Inglês… Também tive oportunidade de lhes mostrar o Vale dos Caídos, onde se travou um dos mais sangrentos combates entre Republicanos e Nacionalistas. O monumento aí levantado pelo regime franquista nos anos cinquenta é de reduzido valor arquitectónico, valendo sobretudo como testemunho de uma época. Ali, à sombra da enorme cruz monumental, com a serra de Guadarrama lá ao fundo, eu e os meus jovens alunos pudemos reflectir um pouco sobre esse drama imenso que foi a guerra civil espanhola, lembrando os milhares de «Caídos». Dos dois lados.
«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares

ad.tavares@netcabo.pt

Anúncios