António Dionísio foi eleito provedor da Santa Casa da Misericórdia do Sabugal, nas eleições que se realizaram no dia 6 de Janeiro, ao encabeçar a única lista que se apresentou a sufrágio.

Votaram 108 irmãos, que elegeram os novos órgãos sociais da Misericórdia, na sequência da demissão, há cerca de um ano, da Mesa Administrativa presidida por Romeu Bispo, que agora surge como vice-provedor. A presidir à Assembleia Geral foi eleito o médico Fernando Pinto e para presidir o Conselho Fiscal o professor António Bárbara Ramos.
Capeia Arraiana falou com o novo provedor, que afirmou ter como grande objectivo a preparação da instituição para a exigência dos desafios do futuro. «Tratando-se de uma instituição de carácter solidário, muito voltada para o apoio às crianças e aos idosos, o mais importante é intervir no sentido de a adaptar para as novas realidades que o futuro lhe trará», disse António Dionísio.
Esclareceu ainda tratar-se de uma lista que dá continuidade ao trabalho que já estava a ser feito: «o facto do anterior provedor não abandonar os corpos sociais, passando agora a ser o vice-provedor, significa claramente que estamos perante um projecto que pretende dar seguimento ao trabalho realizado para que evolua com tranquilidade. Queremos que a Santa Casa se volte cada vez mais para a população que serve, prestando-lhe serviços de qualidade.»
Sobre o facto da Misericórdia do Sabugal não ter vista satisfeita a sua pretensão de criar uma Unidade de Cuidados Continuados, António Dionísio, ainda não perdeu a esperança de tal vir a suceder: «A Misericórdia do Sabugal teve boas possibilidades de ver garantido o financiamento público para a criação de uma Unidade de Cuidados Continuados, porém o seu projecto não foi eleito. Mas estaremos atentos à oportunidade de apresentarmos uma nova candidatura, na medida em que isso é extremamente importante para a população idosa que servimos».
Instado a pronunciar-se acerca de algumas considerações que apontam para o facto de se ter candidatado para se manter «à tona da água» após ter suspendido as funções de vereador na sequência da sua candidatura à Câmara Municipal, António Dionísio, rejeita haver qualquer motivação política na sua eleição para provedor. «Para elaborar a lista convidei amigos que considerei capazes de me acompanharem nesta missão, por sinal de diferentes quadrantes políticos, o que por si só é revelador da isenção da candidatura. Essas considerações só podem vir de quem não me conhece ou de quem não quer perceber a razão pela qual uma quantas pessoas se uniram à volta de um projecto de extrema importância para a comunidade. Quem fala sabe o que quer dizer e a intenção com que o diz, mas eu não vou alimentar polémicas. O que lamento é que não tenham aparecido outros interessados em servir a instituição, o que por si também é revelador.»
Os novos corpos sociais da Santa Casa da Misericórdia do Sabugal vão tomar posse dentro de alguns dias.
plb

Anúncios