You are currently browsing the daily archive for Terça-feira, 26 Outubro, 2010.

Para passar os cursos de água a pé enxuto o povo construiu, por seu próprio engenho e com recurso ao que tinha à mão, um conjunto de obras que ainda hoje perduram, dentre as quais se contam as poldras e os pontões.

Pontão - SabugalNo início o homem foi nómada. Andava em constante movimento, à busca de sustento, descansando onde calhava. Vivia da caça, da pesca e da colheita de frutos e bagas silvestres. Só depois estacionou, passando a viver em comunidade fixa, cultivando a terra e dela colhendo a mantença. Mesmo assim, nunca por nunca a espécie humana negou a mobilidade. Embora sedentário, não estava preso à casa e à horta, calcorreava os montes na caça e na guerra e, quando não tinha arrimo garantido, procurava-o onde o houvesse, ainda que muito longe fosse. Daí a importância dos meios de comunicação, a começar pelas veredas e caminhos, necessários para se ir de jornada.
O maior problema das vias de comunicação terrestres era a ultrapassagem de obstáculos naturais, como serras, ravinas, rios e florestas muito densas. Não logrando uma forma de cruzar tais empecilhos, o caminhante tinha de percorrer longas distâncias para os contornar, o que em muito prolongava a viagem. Teve portanto de se meter ao trabalho, escavando passagens pelo topo das serras, descendo perigosíssimos desfiladeiros ou cortando matagais.
Um dos maiores estorvos era o dos cursos de água, rios ou ribeiros fossem, que na altura das chuvas corriam a bom correr, afigurando-se de dificultosa supressão. Onde fosse viável, a passagem era a vau, com pés ou rodas por dentro da água baixa. Mas nem sempre havia lugares desses e ao caminhante nada convinha molhar os pés.
Tiveram de buscar-se soluções práticas. Onde o leito era baixo, foi colocada uma fieira de pedras pesadas, para que a corrente inverniça as não movesse. Eram as poldras, devendo o labrego saltar de umas para outras até alcançar a outra margem. Um pé em falso ou a escorregadela numa pedra molhada era chambote certo. Mas o problema das poldras, que o povo também designa de alpondras e espoldras, estava no crescimento do nível das águas. Uma pingas de chuva bastavam para que as águas corressem esfalfadas dos montes para os vales, engrossando o leito das ribeiras e submergindo as poldras, que assim ficavam intransponíveis.
Noutros casos, onde o curso de água era mais farto, optou-se por construção mais aparatosa, que exigia intervenção de mestres. Com lajas grandes, talhadas a guilho, construíram-se pequenas e estreitas pontes, os chamados pontões. Aqui a obra exigia ciência, pois teria de ter solidez para resistir às épocas de intempérie. Procurava-se local onde o curso de água fosse estreito e pouco profundo, mas há pontões que têm mais de cem metros de comprido, resistindo erectos à força das águas e ao tempo.
Escolhido o local da construção iniciavam-se os trabalhos, que forçosamente teriam de ocorrer no estio, quando a ribeira estivesse seca ou fosse possível desviar o seu curso. Primeiramente eram enterrados os esteios, que consistiam em pedras com um metro de largo e mais de dois de comprido, colocadas de través, para que as águas as não derrubassem. Depois, encostadas a cada esteio eram colocadas outras pedras, igualmente compridas, mas mais estreitas, que serviriam de contrafortes e corta-águas. A derradeira fase consistia na colocação das lajas, com cerca de um metro de largura e dois e meio de comprido, que ficariam assentes nos esteios, com as juntas protegidas pelo topo dos contrafortes.
Era um trabalho comunal, com o povo interessado reunido em esforço. Tudo feito à força braçal ou com a ajuda das juntas de vacas que transportavam e arrastavam as pedras para o seu lugar.
A força impetuosa das águas e as lenhas arrastadas que embatiam fortemente na construção, derrubavam por vezes parcialmente os pontões. Mas o aldeão voltava a reunir-se em esforço colectivo para garantir a sua reparação.
Entretanto o mundo rural mudou. As poldras e os pontões ficaram apenas como memória, preservados num lugar ou outro porque as águas andam calmas ou porque alguém diligente trata de reparar os rombos que sofrem. Na verdade, estes testemunhos do viver de outras épocas perdem-se com o tempo. Nalguns lugares foram arrancados para dar lugar a novas pontes, mais largas e práticas. Noutros locais, foi o desleixo que acabou por deixar que a força das águas destruísse as velhas passagens a pé enxuto.
Ainda há pontões e poldras que resistem e que merecem cuidada intervenção tendo em vista a sua salvaguarda. A incúria pode levar ao completo desaparecimento deste importante património popular.
Paulo Leitão Batista

A «Pax Americana» que domina o Mundo, não passa de uma paz armada e violenta que provoca o ódio de povos como o Iraquiano e outros, cujos países foram e são invadidos. Uma coisa é certa, um dia pagarão isto tudo.

António EmidioA Europa Ocidental é um produto da «Pax Americana». Os Estados Unidos da América intervieram na Segunda Guerra Mundial em território europeu. O Plano Marshall, foi uma ideia dos Estados Unidos para a reconstrução da Europa que ficou arrasada depois da guerra, mas talvez a razão principal tenha sido conter o avanço do comunismo. A partir daí, a sua influência na política europeia foi e é preponderante, essa influência também é notória nos hábitos de vida e modos de conduta.
Até que a banca americana provocou as maiores crises financeira e económica de que há memória, nos países da Europa. Durante estas crises, ou depois delas, o que poderá surgir a nível ideológico? Possivelmente uma tentativa de implantação da Extrema-Direita, tanto nos Estados Unidos como na Europa.
O Tea Party, esse Lobby que quer endurecer a política do Partido Republicano e afastar Obama do poder, não é mais nem menos do que a Extrema-Direita pura e dura a entrar na política americana, há líderes dessa Extrema-Direita com responsabilidades governativas. O que querem? Supressão de direitos sociais, cortes de impostos para os ricos e poderosos, acabar com o salário mínimo, ou seja, fica ao critério do empregador, extinguir leis laborais, ficarão também ao critério do empregador, privatização total do ensino, privatização da saúde, deixando hospitais públicos para aqueles doentes que dão muita despesa às companhias de seguros e, também para os pobres. Criminalização do aborto e da homossexualidade, fanatismo religiosos, levando à frente como bandeira a teoria da criação, retirando do ensino a teoria da evolução, censura a revistas literárias, artísticas e cientificas, vigiar os livros de texto nas universidades, principalmente os de politica, economia e sociologia. Racismo e xenofobia, estigmatizar, negros, hispanos e árabes. Guerras e invasões de países roubando-lhes as matérias-primas e as riquezas para manter o nível de vida elevado dos poderosos e ricos. Supremacia dos Lobbys, militar – industrial, Wall Street e Judaico. Se algum presidente se opuser a um destes Lobbys será pura e simplesmente eliminado.
Reflexos na Europa: a extrema-direita espanhola está a copiar as ideias do Tea Party, uma mulher do Partido Popular é considerada já a Sara Palin (um dos lideres do Tea Party) de Espanha, está a tentar deslocar ainda mais o extremista Partido Popular de José Maria Aznar, para a direita. A Extrema-Direita está na Alemanha, está na Suécia! Está na Itália, está implantadíssima nos países de Leste e, esta crise vai fazê-la saltar para a ribalta politica.
E em Portugal? Está diluída nos partidos de direita, mas mesmo assim mostra a cara. Mostra-a em alguns jornais, num canal de televisão e, em grande plano na Internet. Não existe ainda um partido de Extrema-Direita estruturado, mas já se ouve falar na defesa dos valores nacionais, (os «valores» mais retrógrados), da moral cristã, de Portugal para os portugueses e, do privado em detrimento do público.
É a hora da Social-Democracia e do Socialismo em Liberdade, se voltarem a falhar, como infelizmente falharam, não terão outra oportunidade.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.158.475 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES