Quem ande pelos caminhos da Beira, notará que algumas áreas rurais se apresentam enxameadas de marcos de granito ostentando no topo a silhueta de uma cruz ou contendo um pequeno nicho escavado. São as alminhas, a que também chamam cruzes, e estão geralmente ao lado dos caminhos vicinais, sobretudo nas encruzilhadas.

De origem longínqua, as alminhas são um precioso testemunho das terras beiroas, de muita e forte crença religiosa. Erigidos pela mão do povo, estes simplórios monumentos apontam onde houve morte trágica ou lugares de especial devoção, rogando um Padre Nosso e uma Avé Maria ao caminhante.
As alminhas, assim chamadas por representarem as almas do Purgatório, inculcam a coesa fé popular, o temor ao Criador, mas também a superstição e o agouro de quem corria os caminhos, como seu necessário modo de vida. Noutros tempos, de maior fé e de forte superstição, o viandante quando avistava uma cruz ao redor do trilho que seguia, parava, benzia-se e palrava uma jaculatória. Só depois retomava a marcha, confiante em ter cumprido o dever e acreditando em que o Anjo da Guarda zelaria pela sua segurança. O pétreo testemunho, com seu forte simbolismo, impunha temor e respeito, sugerindo momentos de reflexão sobre o perigo que constituía cursar os caminhos, sobretudo quando desviados dos aglomerados populacionais e com reduzido movimento de pessoas.
As histórias fantásticas e horripilantes que se contavam outrora, inculcavam medo e apreensão. Falavam de ataques de lobos esfaimados, de roubos praticados por bandoleiros errantes, do aparecimento de almas penadas, bruxas e lobisomens nas noites de breu. O viajante, sobretudo o que percorria longas jornadas, indo por terrenos pouco batidos, enchia-se de cuidados, não fosse o diabo tecê-las. Temiam-se sobretudo as encruzilhadas, lugares que por si significam o encontro com o acaso, que bem poderia vir dos vários caminhos que ali se ligavam. Os cruzamentos eram o ponto de reunião das bruxas, segundo as tradição popular, onde faziam os seus conluios e onde era por demais perigoso cursar, sobretudo em noites fechadas.
O viajante que dava com uma alminha, ficava a saber que aquele era lugar de respeito, onde correu sangue humano por tragédia, ou onde conviesse rezar uma oração pelas almas do outro mundo. Mas o aventureiro também sabia que aquela tosca cruz de pedra protegia e esconjurava o perigo que rondasse.
Paulo Leitão Batista