Uma selecção de bravos sabugalenses levou a capeia arraiana ao concelho de Tábua no distrito de Coimbra. No sábado à noite, 18 de Setembro, mais de 2500 pessoas assistiram embasbacadas no campo de futebol às investidas de dois toiros no forcão e ao jogo de pernas e de bem rabejar da malta de Alfaiates, Aldeia da Ponte e Soito.

Capeia Arraiana - Tábua

O campo de futebol do Tabuense transformou-se para receber a Capeia Arraiana. No centro do terreno, no enfiamento da linha divisória do meio-campo foi montado um redondel com grades onde encostaram alguns reboques de tractor e um camião com semi-trailer para a assistência. No entanto a maioria dos mais de 2500 espectadores «guardaram» lugar na bancada lateral (que acompanha toda a lateral do campo) desde a abertura da portas cerca das 19.30 horas até que, pelas nove e meia da noite, o locutor de serviço anunciou aos presentes que ia ter início um espectáculo inédito em Tábua: a Capeia Arraiana.
E o mote estava dado para que os cerca de 30 bravos raianos equipados com uma t-shirt branca do Tabuense saltassem a vedação do redondel e retirassem do centro da arena o forcão que tinha sido o centro das atenções das bancadas. Como aperitivo para os dois grandes momentos da noite saiu do interior do camião uma bezerra que permitiu algumas brincadeiras aos tabuenses mais afoitos.
E pelas 22 horas fez-se história em Tábua e escreveram-se mais umas linhas na história das capeias e do Sabugal. O «triângulo de madeira» voltou ao centro da arena e o grupo de pegadores de forcão do concelho do Sabugal esperou o toiro – virgem nestas andanças – que se mostrou bravíssimo e duro provocando algumas mazelas nos rapazes e muitos danos nas galhas. Momentos mágicos que calaram as bancadas, surpreendidas pelo invulgar espectáculo nunca visto em terras de Tábua. No final da actuação enquanto o forcão recolhia para ser encostado às grades do redondel a assistência explodiu numa enorme salva de palmas. À nossa volta as conversas surpreendiam-nos. «Viste como eles mexiam as pernas», «eu não tinha coragem para estar assim à frente do boi», «nunca tinha visto nada igual», «agora já percebo para que servem aqueles paus todos» ou «aquilo é um jogo de equipa» foram alguns dos comentários escutados numa assistência rendida à bravura dos «irredutíveis raianos pegadores de forcão».
Após a garraiada com mais uma bezerra e o arranjo do forcão muito danificado pelo primeiro toiro foi tempo de lidar o «segundo» da noite. Mais certinho a bater no forcão permitiu uma exibição com maior brilho à selecção raiana que incluia rapazes de Alfaiates, Aldeia da Ponte e Soito.
A terminar e numa altura em que se pretendia puxar o toiro com uma corda para dentro do camião um jovem tabuense mais atrevido (e menos previdente) foi colhido e teve que ser transportado ao hospital.
A iniciativa teve como base a recolha de fundos e um gesto de solidariedade para com o presidente do clube tabuense, Carlos Ferreira, que continua hospitalizado após um grave acidente de viação na África do Sul por alturas do Mundial de futebol.
A organização – a cargo do Grupo Desportivo Tabuense – agradeceu à Câmara Municipal e Junta de Freguesia de Tábua e à Câmara Municipal do Sabugal e Juntas de Freguesia de Alfaiates, Aldeia da Ponte e Soito pela disponibilidade e apoio na concretização do espectáculo taurino.
Os poderosos toiros (e os bezerros) pertenciam à Ganadaria Santos Silva de Isidro Ricardo de Montemor-o-Velho.
O Capeia Arraiana aproveitou estes momentos inéditos para trocar algumas palavras com Francisco Ivo Portela, presidente da Câmara Municipal de Tábua, com fortes ligações a Aldeia do Bispo, terra de onde a esposa é natural, e que se mostrou agradado pela presença raiana no seu município. «Estou muito satisfeito por termos assistido a uma capeia arraiana aqui em Tábua. Mas gostaria de destacar que a ideia é de António Vaz, director do departamento administrativo e financeiro da Câmara de Tábua, também natural do concelho do Sabugal. Depois, foi só contar com a pronta disponibilidade do presidente Robalo e a generosidade das gentes raianas e dos presidentes das juntas aqui presentes», esclareceu o presidente Portela que, visivelmente satisfeito, ainda nos deixou uma novidade: «Estou muito contente. Ofereceram-me este forcão. Vou guardá-lo e… no próximo ano… talvez seja novamente necessário.»
A Câmara Municipal do Sabugal esteve representada pela vice-presidente Delfina Leal e pelo chefe de gabinete do presidente, Vítor Proença, que teve uma tarde muito ocupada na preparação do forcão. Marcaram ainda presença os presidentes da Juntas de Freguesia de Alfaiates, Aldeia da Ponte e Soito.

Jornada memorável de divulgação do Sabugal e da tradição «Capeia Arraiana». Esta iniciativa prova que é tempo de pensar em constituir uma associação de pegadores de forcão do concelho do Sabugal que permita formar um plantel de 50 ou mais nomes disponíveis para pegar ao forcão sempre que solicitados. Mais coisa menos coisa poderá ter as características de um grupo de forcados amadores que possa actuar em todas as praças do país e estrangeiro cobrando o respectivo cachet. Com as dificuldades que estão a ser levantadas por alguns fundamentalistas aos espectáculos taurinos é tempo de sugerir aos organizadores das tradicionais touradas que incluam um toiro para forcão nos espectáculos. Assumo e defendo que a capeia arraiana pode e deve ir a todos os lugares do planeta desde que o forcão leve inscrita a palavra «Sabugal» e a equipa de pegadores seja maioritariamente constituída por naturais ou descendentes sabugalenses.
jcl

Anúncios