Nos dias 19 e 20 do corrente, a freguesia de Foios teve a honra e o privilégio de ser a anfitriã de uma iniciativa inédita, pelo menos nesta região: Governo Civil Aberto.

(Clique nas imagens para ampliar.)

O evento foi organizado pelo Governo Civil da Guarda, em colaboração com a Câmara Municipal do Sabugal e a Junta de freguesia de Foios e as principais actividades ocorreram no Centro Cívico de Foios, enriquecido por uma belíssima exposição de quadros da autoria do pintor Alcínio Vicente, natural de Aldeia do Bispo.
O tema central destas jornadas foi o desenvolvimento sustentável da zona raiana. Sob o título sugestivo: «RAIA DE OPORTUNIDADES». Poucas vezes houve oportunidade de assistir e participar em comunicações e debates tão esclarecedores e tão frutíferos, tal a excelência do programa e dos dois painéis de oradores nele incluídos, bem como do elevado número de distintas personalidades portuguesas e espanholas
Oficialmente, o dia 19 (quinta-feira) começou às 10 horas com a recepção a Sua Excelência o Governador Civil da Guarda, no Largo da Praça, a que se seguiu o Hastear das Bandeiras e a Guarda de Honra pelos Bombeiros Voluntários do Soito que foram acompanhados pela Sr.ª Presidente da Direcção, Comandante, Sr. Joaquim e ainda pelo Comandante Distrital Sr. António Fonseca.
Pelas 11 horas, o Sr. Governador Civil da Guarda, acompanhado do Sr. Presidente da Junta de Freguesia de Foios, do Sr. Presidente da Câmara Municipal do Sabugal, das personalidades presentes e alguns naturais da localidade, visitou a ETAR e a Praia Fluvial, a que se seguiu de imediato uma visita ao Lar S. Pedro, onde proferiu algumas breves mas significativas palavras de estímulo aos funcionários e dirigentes, de conforto e de esperança aos utentes, contou uma parábola sobre a velhice e ouviu, comovido, um poema lido por uma senhora internada no lar.
Pelas 12 horas procedeu-se à assinatura da Acta de Reconhecimento de Fronteira Portugal/Espanha. De destacar neste acto oficial, duas frases proferidas pelo Presidente da Câmara do Sabugal e pelo Secretário de Estado da Protecção Civil, respectivamente, antes a após a assinatura da Acta:
Este território de Fronteira deve ser, além de uma Raia de Oportunidades, uma Raia de Complementaridades.
Ao mesmo tempo que estamos a delimitar fronteiras, estamos a derrubá-las.
Ideia presente também em várias comunicações posteriores durante os dois dias do Governo Civil Aberto: Ao contrário do velho refrão, «de Espanha nem bom vento nem bom casamento», o desenvolvimento desta região tem de passar pela estreita colaboração entre os dois países.
Após o almoço, foram retomados os trabalhos com a recepção oficial aos Autarcas Portugueses e Espanhóis, participantes e convidados de que destacamos alguns: Dr. Vasco Franco, Secretário de Estado da Protecção civil; Professor Dr. Correia dos Santos, Deputado do Parlamento Europeu; D. Augusto Pimenta de Almeida, Cônsul de Portugal em Salamanca; D. Jesus Malaga Guerrero, Sub-delegado do Governo de Espanha; D. Antonio Luis Sánchez, Deputado do Parlamento de Castilla Leon; um representante de D. Isabel Jimenez, Presidente da Diputacion de Salamanca; D. Carlos Cortez Gonçalez, Director Gerente da Diputacion de Salamanca; Presidentes de Junta das freguesias de Aldeia do Bispo e Forcalhos e Alcaldes de Valverde del Fresno, Albergaria de Argañan, Casillas de Flores e Alamedilla.
Pelas 15 horas deu-se início ao Encontro Para o Desenvolvimento Sustentado da Zona Raiana. Como oradores, contou-se com dois grandes especialistas: O Dr. Pires Manso e a Drª. Cláudia Pinto. As comunicações foram objectivas, precisas e concisas e de um grande rigor científico. Os debates corresponderam às comunicações.
Na sessão de encerramento que ocorreu por volta das 18 horas, as conclusões foram unânimes: A preocupação pelo futuro desta região é uma constante. Urge tomar medidas para inverter o processo de desertificação e fomentar empreendedores. Compete ao Governo tomar algumas medidas. Compete a todos nós, raianos, lutar também para que o futuro se apresente mais promissor. O maior potencial da região são as pessoas.
No final da sessão chegou Sua Excelência Reverendíssima, o Sr. Bispo da Guarda.
Pelas 18,30 horas, no Largo da Praça, a Guarda Nacional Republicana apresentou um espectáculo com cães treinados que encantou toda a assistência. Entretanto chegou a banda filarmónica de Vale de Azares.
Pelas 19,30 houve da Missa celebrada pelo Sr. Bispo com a participação do Pároco da Freguesia, Sr. Padre Paulo, e do Sr. Padre Carlos, ambos naturais dos Foios. De registar a magnífica prestação da Banda Filarmónica.
Finalmente, houve um jantar-convívio aberto à população no Pavilhão Cultural, cedido para o efeito pela Comissão de Melhoramentos. O jantar foi abrilhantado pela Banda, o que muito alegrou a assistência.
Pelas dez horas deu-se por terminado o primeiro dia de trabalhos.
Os trabalhos recomeçaram no dia 20 (sexta-feira), às 10 horas, com a audiência conjunta com os Presidentes da Junta do concelho do Sabugal registando-se a presença da maior parte dos convidados para o efeito.
Pelas 11 horas e 30 minutos deu-se início à reunião com as IPSS.
Já por diversas vezes, em comunicações anteriores, tinha sido focado o papel importante destas instituições, quer como factor de desenvolvimento, quer pelo seu elevado contributo em prol da terceira idade. Daí o empenho do Sr. Governador Civil em dialogar com os seus dirigentes, como fez questão de frisar. Em representação de Entidade da Tutela, a Segurança Social, por impedimento do seu Director, Dr. Albano Rodrigues, esteve presente a Dr.ª Rita.
Entre os vários assuntos abordados, foi referida a necessidade de regulamentação específica que respeite e contemple a diversidade e especificidade geográfica da região, uma maior justiça social na distribuição de subsídios, não podendo este concelho ser penalizado em virtude de ser o que apresenta uma maior percentagem de Lares a nível nacional. A justificação de que se privilegiavam outros concelhos como incentivo à formação de unidades de apoio à terceira idade não pareceu justa à assistência pois que os Lares desta região nasceram da iniciativa popular sem qualquer incentivo que não o amor e o respeito a ter com as pessoas de idade e foram quase todos fundados com o esforço e o empenho dos naturais das freguesias onde estão instalados. Foram também focados os aspectos da reclassificação e sustentabilidade e os problemas que podem advir de uma Direcção menos empenhada.
Seguiu-se o almoço informal na Trutalcôa e os trabalhos recomeçaram às 15 horas com a palestra «O Orgulho de ser Raiano: História, Património e Tradições – Factores de Desenvolvimento». O painel era constituído pelos seguintes oradores: Professor Adriano Vasco Rodrigues, Dr.ª Antonieta Garcia, Dr. Francisco Manso e Engenheiro Paulo Ribeirinho.
Foram quase três horas de fascínio e emoção, de enriquecimento e despertar de vontades, tal a qualidade elevadíssima das suas comunicações.
Por fim, e já com ligeiro prolongamento, entrou-se na última parte – Conclusões e Encerramento. Todos os que participaram no evento, quer como assistentes, quer como intervenientes mais directos, foram unânimes em concluir do elevado balanço positivo deste primeiro Governo Civil Aberto. Pela primeira vez tivemos oportunidade de dialogar abertamente com o representante do Governo Central que a todos cativou pela sua forma de ser e de estar, pelo seu elevado conhecimento dos problemas da região e, sobretudo, pelo seu empenho em ajudar a resolvê-los no âmbito das suas funções e das possibilidades de resolução. Referiu a especificidade da Raia que não pode ser considerada Beira Interior. Apelou à criação de estratégias de captação de pessoas, designadamente, dos emigrantes não apenas em férias mas em regresso definitivo. E relembrou que não podemos esperar que os outros resolvam todos os nossos aspectos negativos e necessidades que todos conhecemos e foram elencados ao longo dos dois dias.
Como naturais da região, temos que ter a coragem de fomentar ideias, de dinamizar processos, de incentivar projectos tendentes e minimizar os problemas do presente para construirmos em conjunto um futuro melhor.
Os resultados foram francamente positivos.
Obrigada Sr. Governador Civil. O Povo merece e agradece.
Amélia Rei Dias