A Escola Secundária do Sabugal conquistou o primeiro prémio com um trabalho sobre violência no namoro com o título «Namorar é bom quando o que bate é só o coração». O concurso «Pensar os afectos, viver em igualdade» foi promovido pela Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular.

Escola SecundáriaA Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) em colaboração com a Direcção-Geral de Inovação e Desenvolvimento Curricular (DGIDC) promoveram um concurso para promover a discussão em ambiente escolar de temas como as relações familiares, a violência escolar, o bullying, afectos e relações, violência sexual, abuso sexual e as relações violentas no namoro.
Os últimos estudos indicam que «as novas gerações começam a agredir-se cada vez mais cedo», sublinhou Sara Falcão Casaca, presidente da Comissão para a Cidadania e Igualdade de Género (CIG) durante a cerimónia de entrega dos prémios do concurso «Pensar os afectos, viver em Igualdade» no Auditório Cultural Casapiano, em Lisboa. O desafio apelava à criatividade e, segundo Sara Falcão, surgiram trabalhos «muito criativos», em formato de desenho e pequenas exposições, com recurso ao audiovisual.
A Escola Secundária do Sabugal conquistou o 1.º prémio com o trabalho «Namorar é bom quando o que bate é só o coração» e foi uma das seis escolas premiadas. Para cada nível de ensino há prémios e estão entre os vencedores escolas ou agrupamentos de Miratejo, Monte da Caparica, Bucelas, Aveiro e Porto e Sabugal.
A repressão da violência é a prioridade nas escolas e nove em cada 10 estabelecimentos de ensino escolheram o tema como área de intervenção primária para que os alunos estejam alerta para um problema que, de acordo com os especialistas, atinge os jovens cada vez mais cedo.
Vários professores e especialistas revelaram à agência Lusa que a dramática realidade da violência nas camadas mais jovens faz com que muitas escolas optem por dedicar especial atenção ao tema.
jcl (com agência Lusa)