Para quem não conhece o Festival Sete Sóis Sete Luas (FSSSL), o mesmo nasceu de um grupo de jovens idealistas, residentes e naturais do norte de Itália,” apaixonados pelo diálogo de culturas entre cidades que falassem a linguagem universal a música.

Festival Sete Sóis Sete Luas - FSSSLPediram apoio ao Nobel da Literatura José Saramago, que gostou da ideia, apoio-os e até ao seu recente falecimento, foi presidente honorário, tendo Portugal aderido desde a primeira hora. O Festival cresceu junto de cidades/vilas mediterrâneas de países lusófonos.
A origem do nome tem a ver com algumas personagens do livro de José Saramago «Memorial do Convento» como Baltazar Mateus, o Sete Sóis e Blimunda, a Sete Luas.
Abrange uma rede cultural de trinta cidades/vilas de dez países mediterrâneos e do Atlântico (Brasil, Cabo Verde, Croácia, Espanha, França, Grécia, Israel, Itália, Marrocos e Portugal.
Desde 2000 que a reabilitada Fábrica da Pólvora na freguesia de Barcarena de Oeiras, acolhe nos seus palcos este Festival.
O programa deste ano, de 25 de Junho a 3 de Setembro, ás sextas-feiras, consta de onze concertos em estreia, a saber:
No dia 2 de Julho, Mercedes Peón (Galiza); 9 de Julho, Eugenio Bennato (Itália); 16 de Julho, Mário Lúcio (Cabo Verde); 23 de Julho, Massimo Laguardia (Sicília); 30 de Julho, Banda Del Pepo (Múrcia); 6 de Agosto, Orchestra Pololare Italiana (Itália); 13 de Agosto, Les Voix du 7Sóis (Mediterrâneo); 20 de Agosto, Maria Del Mar (Andaluzia-Cádiz); 27 de Agosto, Rocío Marquez (Andaluzia-Huelva); e no dia 3 de Setembro, Kristi Stassinopoulou (Grécia).
A entrada é livre, limitada aos lugares disponíveis.
José Morgado (Baseado no texto de Carla Rocha)

Anúncios