Um dia destes, antes de me deslocar para o trabalho, folheei uma revista, revista essa muito lida e querida em Portugal. Nela estava uma página dedicada ao público, ou seja, onde qualquer leitor podia dar a sua opinião sobre o assunto que entendesse. Pobreza extrema de opiniões, opinavam sobre a selecção nacional de futebol e o «beautiful people».

António EmidioQuerido leitor(a), a opinião pública é a opinião dos grandes poderes mediáticos, políticos e económicos, são eles que fabricam e difundem as notícias, as opiniões e a ideologia que mais convêm aos seus interesses. Daí deriva o pensamento único, que é o pensamento do grande poder económico, incutido aos cidadãos pelos meios de comunicação de massas ao serviço desse mesmo capital.
No actual momento histórico que atravessa a humanidade e, devido à revolução tecnológica, novas tecnologias, os partidos políticos usam-nas para difundirem as suas mensagens, principalmente a televisão. Isto originou também uma mudança nas mensagens, na medida em que há poucas diferenças políticas e ideológicas entre candidatos, tornando por isso o público mais homogéneo porque exclui toda a possibilidade de discussão acerca dos programas dos partidos e, muito menos, das ideologias.
É uma política espectáculo que cada vez mais a televisão nos mostra. Aliás, um político brasileiro foi peremptório ao dizer que preferia cinco minutos de televisão, a dez comícios com dez mil pessoas cada. Com cinco minutos de televisão falava para 60 milhões de pessoas, com dez comícios só falava para 100 mil.
Há também um caso em Portugal, passado há uns tempos atrás e que nos mostra a força da televisão (telepolítica). Quem não se lembra da televisão, nos seus telejornais, principalmente os da noite, os de maior audiência, nos meter pelos olhos, a diário, acções espectaculares de actuação de uma polícia económica, a ASAE ? Neste caso, além do espectáculo, tinha por finalidade criar medo nas pessoas relacionadas com actividades económicas. Era a mensagem política do governo. Não tinha o mesmo impacto se por exemplo o primeiro-ministro viesse à televisão dizer que os critérios e comportamentos brandos em relação à segurança alimentar poderiam causar problemas ao País em matéria de turismo e de exportações de alimentos, num Mundo Globalizado. O que interessa presentemente ao sistema é mandar mensagens, não comunicar, explicar o porquê das coisas.
Não há comunicação? Há. Essa, vem a maior parte das vezes nos blogues, não na comunicação social de massas, por isso chamo aos blogues meios de comunicação alternativos. São tribunas que saem muitas vezes em defesa dos cidadãos e, mostram as arbitrariedades e abusos cometidos pelo poder.
Ainda as podemos considerar tribunas minoritárias e marginais que não chegam ao grande público? Pessoalmente creio que já começam a ser uma alternativa bastante viável aos efeitos da técnica de manipulação e desinformação praticadas pelos «mass media». Quem no Mundo se impõe ao Império e às suas agressões? Quem se opõe ao império mediático de Berlusconi? Quem está do lado do martirizado Povo Palestino? A Internet com os seus blogues. Enquanto estiverem sem censura e, penso que nunca conseguirão censurá-los, os blogues contribuem para ampliar as possibilidades de participação real no espaço público, sem o aval dos senhores da comunicação social privada.
Os blogues são espaços democráticos, alguns bastante contundentes com o sistema imperante. Serão eles, os blogues que irão contribuir para uma melhor e mais perfeita Democracia?
Repito, se não houver censura e não se deixarem invadir e manipular por oportunistas e gente do sistema, irão consegui-lo.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Anúncios