Quando parece que o único tema da actualidade é a crise, há momentos para esquecer um pouco as dificuldades e pensar que há mais vida para além da crise ou do défice, como dizia um político há alguns anos.

E porque «a música é o remédio da alma triste» a Rebolosa, através da sua Associação Social, Cultural e Desportiva, com o apoio da Junta de Freguesia, convidou todos os que gostam de passar uma tarde diferente, promovendo uma actividade musical.
No passado dia 6 de Junho, pelo 8º ano consecutivo, assistimos ao Festival / Encontro de acordeonistas provenientes do nosso concelho, mas também de outras localidades do distrito. Numa primeira parte, tivemos quinze actuações individuais, em que destacamos a dos nossos jovens conterrâneos Micael Simões e Francisco Coelho, ambos a rondarem os 12 anos de idade, mostraram que a arte de tocar acordeão tem futuro. Efectivamente, assistimos a actuações de artistas de todas as idades, em que o saber e experiência de uns se juntou à vontade e persistência de outros.
Duas horas depois, foi a vez da actuação da «artista» Joana Reis, da região de Coimbra, que durante uma hora e meia tocou acordeão e pôs o público a dançar.
Foi uma tarde que alegrou alguma alma que pudesse estar mais triste e, com certeza, que a Rebolosa continuará a promover este tipo de eventos culturais, contribuindo, assim, para que a tradição se mantenha e este instrumento musical não caia no esquecimento das gerações futuras.
Manuel Rei E. Barros