Manuel Botelho ou Manuel Ferrador de Vila Franca das Naves é o destaque do mês de Maio da empresa municipal «Trancoso Eventos». A Brigada de Intervenção Militar do Centro, sedeada em Coimbra, está a realizar desde esta sexta-feira, 14 de Maio, e até ao dia 21, o exercício militar «Dragão 10» nas áreas dos concelhos de Trancoso, Celorico da Beira e Mêda. A associação Luzlinar, de Trancoso, convidou o gráfico Jorge dos Reis para criar «A República».

Manuel Ferrador - TrancosoManuel Botelho, aliás «Manuel Ferrador», é diplomado na arte de ferrar e fazer ferraduras há mais de 41 anos. Começou em Moçambique e mantém um mundo de memórias que se misturam com a arte de ferrador num espaço de garagem particular da sua residência em Vila Franca das Naves.
É agente da Policia de Segurança Pública (PSP) aposentado e a arte aprendeu-a em Moçambique, com o pai e, por exame efectuado na Faculdade de Veterinária de Lourenço Marques em 31 de Dezembro de 1969, obteve o diploma de Siderotécnico, sendo conhecedor dos animais, sobretudo dos equídeos.
Manuel Botelho considera que «esta é uma arte que se tornou paixão e até certo amor pelos animais mas com certa carga, também, de misticismo, pois que a ferradura, é talismã contra a má sorte e outros males». «Tem um poder protector ao colocar-se nos automóveis, afixada ou por baixo dos assentos para evitar acidentes ou atrás das portas das casas, sejam residências ou estabelecimentos mas… dos oito orifícios para os cravos que fixam a ferradura, um deles tem de ser tapado para ter o efeito protector desejado», acrescenta.
No «Museu» de Manuel Botelho, um pequeno mundo de coisas do passado e do presente que guarda com afecto e cujo historial sabe de cor a sua utilidade. Na «confusão e profusão» de objectos, há uma história de percurso de vida: fardamentos e uniformes policiais ou militares, motas, side-cars, fotos, alfaias agrícolas, arreios de animais, bonés militares e outros incluso de bombeiros, capas de pastor tradicionais, rádios, candeeiros a petróleo e candeias, tigelas, pratos desportivos, bonecas típicas, instrumentos musicais, tamancos e outro calçado, relógios, armadilhas para animais, máscaras, chaves… um sei lá de objectos.
Assume mesmo que o ferrador é uma profissão que têm funcionado ao longo de tempos «muitíssimo recuados, com conhecimentos que se aprendem no dia a dia e chegam mesmo a curar as maleitas dos animais».
Neste mundo de Manuel Botelho, o Ferrador, de Vila Franca das Naves, há nostalgia e espírito de dever cumprido, quer no serviço militar e policial quer hoje como um dos últimos ferradores.

«Dragão 10»
O exercício militar «Dragão 10» iniciado esta sexta-feira, visa treinar as tropas pertencentes à Brigada de Intervenção Militar do Centro, assim como avaliar o desempenho das tropas, tendo em vista a participação das mesmas em missões de Paz.
A Brigada de Intervenção, num contexto de proximidade com as populações, pretende consolidar a presença na sua área geográfica de influência, através da realização de actividades, quer de âmbito operacional quer cultural, no sentido de divulgar e procurar a adesão da sociedade às missões que lhe são superiormente confiadas.
A Avenida Central de Celorico da Beira recebe no dia 20 de Maio, uma parada militar com a participação de cerca de um milhar de militares e algumas centenas de viaturas.

Associação Luzlinar
A Associação Luzlinar, com sede na freguesia de Feital, concelho de Trancoso, convida anualmente, entre Abril e Julho, um artista a desenvolver um trabalho de média duração que será acompanhado, via internet, pelos alunos da Escola Básica dos 2.º e 3.º Ciclos de Vila Franca das Naves.
A iniciativa terminará com uma oficina e uma exposição do trabalho realizado na Biblioteca da Escola e na Biblioteca Eduardo Lourenço na Guarda.
Este ano o tema proposto é «A República» e o convidado é Jorge dos Reis, professor e artista tipográfico.
jcl (com Gabinete de Imprensa da C. M. Trancoso)