O ministro da Agricultura, António Serrano, participou nas jornadas de reflexão sobre o mundo rural e o sector agrícola organizadas pelo Governo Civil da Guarda que decorreram esta segunda-feira no Sabugal.

António Serrano«A agricultura é um sector estratégico para o desenvolvimento sustentado de Portugal,» afirmou António Serrano aos jornalistas, à margem da jornada de reflexão sobre «Agricultura e Desenvolvimento Rural no distrito da Guarda», organizada esta segunda-feira, 26 de Abril, pelo Governo Civil da Guarda no Sabugal.
«A agricultura tem também uma valência fundamental na criação de emprego e é ela própria uma oportunidade para combater a crise económica internacional e nacional em que vivemos», considerou o titular da pasta da Agricultura acrescentando ainda que «a agricultura não é fonte de problemas, a agricultura é parte da solução e eu acho que esta é a consciência cívica que a sociedade tem que assumir também, procurando testemunhar o contributo que todos os agricultores têm para toda a sociedade».
Questionado sobre o processo de pagamento de subsídios aos agricultores que tiveram prejuízos com os incêndios registados no Verão do ano passado o ministro António Serrano informou que«o processo está praticamente encerrado e que das 115 candidaturas apresentadas apenas faltam pagar três que correspondem a cerca de três mil euros que serão regularizados na próxima semana». O governante acentou ainda que «não é com as verbas dos apoios, num total de 265 mil euros, que os agricultores vão indireitar a sua vida mas o que se pretendeu com esta medida foi compensar e tentar ajudar a recuperar a perda de rendimento que as pessoas tiveram com esse flagelo».
O presidente da Câmara Municipal do Sabugal, António Robalo, em declarações à agência Lusa lembrou que os incêndios do ano passado causaram prejuízos avaliados em «10 milhões de euros e afectaram mais de 100 agricultores, destruiram cerca de 12 mil hectares correspondentes a um sétimo da área do concelho» acrescentando que «houve agricultores que ficaram sem uma vida de trabalho».
«Foram apresentadas candidaturas para ajudas do Estado no valor de 600 mil euros mas apenas foi atribuída a verba de 265 mil euros que consideramos insuficiente apesar que não queremos andar constantemente na situação da subsídio dependência», declarou ainda o autarca sabugalense.
Um agricultor de Sortelha aproveitou a ocasião para recordar que ficou sem alimento para o gado e que não ocasião quem lhe valeu foi «a ajuda preciosa da Câmara do Sabugal que lhe forneceu feno para o gado».
No final dos trabalhos que reuniram cerca de três centenas de agricultores no Sabugal, o ministro da Agricultura anunciou que foi elaborado um plano estratégico de desenvolvimento agrícola para o distrito da Guarda.
A finalizar adiantou que o governador civil local, Santinho Pacheco, ficou mandatado para coordenar o plano e criar um grupo de trabalho «que vai projectar o futuro desta região e o seu desenvolvimento económico e social».
jcl (com agência Lusa e jornal «i»)

Anúncios