You are currently browsing the daily archive for Quarta-feira, 31 Março, 2010.

A conceituada revista norte-americana, Wine Spectator, vai atribuir na edição de Maio 100 pontos ao Porto Dow’s Vintage 2007 do produtor Symington Family Estates.

Porto Dow's Vintage 2007 - Symington Family Estates - Wine SpectatorO vinho do Porto Dow’s Vintage 2007 vai receber a pontuação máxima, 100 pontos, na edição de Maio da Wine Spectator, uma das mais prestigiadas revistas de vinhos do Mundo. O vinho está incluido na secção «Coleccionáveis» da publicação, que o considera «o melhor Dow’s alguma vez produzido» e aconselha a sua reserva pelo menos até 2022.
A revista norte-americana vai ainda atribuir 96 pontos ao Graham’s Vintage 2007, também da Symington Family Estates.
Em declarações à agência Lusa, Charles Symington, enólogo-chefe da Symington mostra-se satisfeito com as pontuações atribuídas pela Wine Spectator. «Uma pessoa fica sem palavras quando se chega aos cem pontos. Sinto uma enorme satisfação, qualquer produtor procura que isto aconteça uma vez na vida», disse Charles Symington, co-autor dos vinhos premiados, que afirmou ainda serem muito raros os vinhos que recebem tal pontuação. «Em 2008 houve um vinho e em 2009 nenhum. São, também, muito poucos os que chegam aos noventa e seis pontos.»
Nenhum outro vinho português conseguiu tal feito, o que confirma a excelência e o prestígio mundial do vinho do Porto.
Nunca qualquer marca de champanhe, com toda a história, fama e glamour que carrega esta denominação, obteve a pontuação máxima. E do Velho Mundo vitícola apenas quatro vinhos da Borgonha e 24 de Bordéus conseguiram chegar aos 100 pontos.
Na nota de prova, conhecida ontem, James Suckling, o provador da Wine Spectator para Portugal, referiu-se ao Dow’s 2007 como o «melhor vintage» de sempre desta marca. O preço de venda ao público de cada garrafa é de 65 euros.
jcl

Anúncios

O confrade Luis Javier Del Valle Vega da Cofradia de Amigos de los Quesos do Principado de Asturias escreve sobre as cerimónias do XXI Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela que decorreram em Oliveira do Hospital no dia 20 de Março.

José Carlos Alexandrino, Javier del Vega e esposaEl pasado fin de semana – 19,20 y 21 de marzo – hemos tenido ocasión, una vez más, de poder disfrutar de la hospitalidad de nuestros amigos de la Cofradía del Queijo Serra da Estrela, con la cual estamos hermanados.
En esta ocasión y para conocer nuevas tierras portuguesas, el viaje se realizó entrando por la zamorana Puebla de Sanabria y la fronteriza ciudad de Bragança con su precioso castillo, el cual alberga desde 1983 un interesante Museo Militar. Continuamos por Mirandella, Murça –con su representativa Porca da Murça que nos recuerda su origen romano-, Vila Real, Viseu y Nelas, estas últimas zona de producción de uno de los vinos más afamados del país, el Däo.
Como en otras ocasiones los miembros de las diferentes Cofradías españolas y portuguesas nos fuimos reuniendo en el Hotel San Paulo en Oliveira do Hospital, dónde el siempre activo y amable Pedro Couceiro daba la bienvenida a unos y otros. De allí partimos hacía la vecina localidad de Touriz, que aunque pertenece al limítrofe municipio de Taudá también esta englobada en la Serra da Estrela, en dónde hemos podido disfrutar en el restaurante Visconde de una magnifica cena, en el que los quesos y el borrego da Serra (lechazo) fueron la gran estrella.
Magnifico recibimiento el que nos han realizado nuestros amigos cofrades, Pedro Couceiro y su señora Fatima, Antunes, su señora e hijos, Manuel Freire, su hija Guillermina y su esposo Antonio, Joao Mendes y su señora Carolina, Joao Mandelao, Magallanes, Francisco, Antonieta por citar alguno de los muchos cofrades con los que compartimos velada. Aunque hemos notado mucho la falta del difunto Fernando Matos, ex Director del Parque Nacional de la Serra da Estrela, fallecido el pasado mes de Noviembre, que nos había visitado en varias ocasiones, la última con motivo de nuestro XXV Gran Capítulo.
La meteorología ha jugado una buena faena el sábado a la organización y la continua lluvia ha deslucido e incluso suspendido alguno de los actos previstos, pero no ha podido con una feria del Queijo, Enchidos e Mel que en su XIX edición esta plenamente consolidada y cuenta con un reconocido prestigio, atrayendo a muchos visitantes de diferentes ciudades portuguesas. Obviamente el queso en sus diferentes tipos y presentaciones ha sido el gran protagonista en sus respectivas modalidades – requeçao, normal y el viejo – aunque se ha visto un incremento de puestos con dulces, aguardientes y otras elaboraciones culinarias.
La Cámara Municipal (Ayuntamiento) albergo la presentación de un programa alternativo para el Municipio, financiado por la Comunidad Económica Europea, en el que se combinan nuevas explotaciones y aprovechamientos agrícolas y forestales, con proyectos turísticos y mejoras de infraestructuras y comunicaciones. Por primera vez hubo una gran presencia de políticos nacionales – entre ellos el Ministro de Agricultura – junto a los locales Presidentes de la Cámara (Alcalde), de la Asamblea y otros cargos municipales. Oliveira cuenta por primera vez con un Alcalde del partido socialista y fue ampliamente arropado en esta su primera Feria.
Cofradia de Amigos de los Quesos - Principado de Asturias - EspanhaAl mediodía se curso la visita a las instalaciones de ANCOSE ( Asociación Nacional de criadores de ovinos de la Serra da Estrela) sitas en la cercana Quinta da Tapada guiados magníficamente por su Director Técnico y cofrade, el amigo Joao Mandelao. este explico el porque del nacimiento de la Asociación, los servicios que prestan a los más de 400 asociados, de los cuales unos 50 elaboran el conocido queijo, aunque solo 15 de ellos acogidos a la Denominación de Origen. En la quesería experimental hemos podido ver y conocer in situ no solo la elaboración del queso y el requexon, sino otros productos experimentales, como la crema de queso, la mantequilla y el yogur, todos ellos magníficos, aunque ninguno comercializado.
El almuerzo ha tenido lugar igualmente en dichas instalaciones, dónde hemos degustado los productos anteriormente mencionados complementados con otros platos regionales, en este caso una estupenda crema de legumbres y un sorprendente pulpo al horno, todo ello regado con unos sabrosos caldos con del. Dáo, elaborados en la Cooperativa de la vecina Nelas. Pero la gran sorpresa fue que el encargado del catering, Nuno Silva, ha sido jugador de las categorías inferiores del Real Oviedo en la década de los noventa, y con él hemos recordado mejores tiempos de nuestro querido equipo.
De vuelta a la Feria, he tenido el gusto (nunca mejor dicho) de participar como miembro del jurado del I Concurso «Doçarias com queijo Serra da Estrela» con la participación de doce elaboraciones dulces a cual más sorprendente. Además de las ya conocidas «Queijadinhas de Oliveira» participaban otras como «Semi-frio serrano com frutos silvestres», «Cascata do Alva», «Torta de requeijäo com canela», «Tarta sabores Serra da Estrela», «Telhas da Serra» o «Bolo de requijöa da Serra doce de abóbora e nozes». En fin mejor sobremesa imposible.
Posteriormente se realizó el ya clásico desfile de las casi treinta Cofradías que acudimos al XXI Gran Capítulo, aunque en esta ocasión no hemos sido precedidos por el rebaño de ovejas de la Serra que estaba previsto para los actos de la mañana, y que por la continua lluvia se suspendió. El colorido de los diferentes atuendos ha sido la nota predominante, así como la música de los gaiteros que abrían el desfile, que en esta ocasión no fueron tocando el Himno de Riego como en otros Capitulos.
Cabe destacar la presencia de nuevas Cofradía portuguesas, como la del Atum de Vila Real de San Antonio en el Algarbe que recientemente ha celebrado su I Gran Capítulo, la del Madroño del vecino municipio de Taudá o la del Bucho Raiano de Sabugal que el próximo 17 de abril celebrara su I Gran Capítulo así como de las españolas del Queso Manchego, Gastronómica de Extremadura – que acudía por primera vez – y la asturiana Doña Gontrodo.
Realizada la correspondiente foto de familia, y ya en las dependencias municipales el nuevo Alcalde de la localidad, D. José Carlos Aleixandro, dio la bienvenida a todos los presentes. El salón noble del Ayuntamiento albergo los actos del XXI Gran Capítulo, entre ellos la investidura de los cinco nuevos miembros de la Cofradía y las intervenciones del Cofrade Mayor (D. Manuel Leal Freire) del representante de la Federación de Cofradías Portuguesas, la mía como representante de la hermana Cofradía de Amigos de los Quesos del Principado de Asturias para acabar con la del Sr.Alcalde que puso colofón a los actos.
El Capítulo ha concluido con la cena de hermandad realizada en la ya conocida Pousada Convento do Desagravo, sita en la localidad oliveirense de Vila Pouca de Bera, en la que fuimos agasajados con estupendas viandas, en el que una vez más el queso y en esta ocasión el solomillo de ternera fueron los protagonistas, regados ¡como no! con unos estupendos vinos del Dáo.
Y el domingo de nuevo en carretera de vuelta a Oviedo, en esta ocasión por Chaves y Verín, dejando atrás la querida tierra de la Serra da Estrela, y a nuestros queridos amigos con quién renovamos nuestro hermanamiento celebrado en noviembre de 2006 en Oviedo y en marzo de 2007 en Oliveira. Serán recibidos en mayo en Oviedo como bien se merecen.
Luis Javier Del Valle Vega

Confrade Javier Del Valle. Desejamos-lhe uma boa viagem até ao Sabugal no próximo dia 17 de Abril. Cumprimentos raianos.
jcl

A divulgação do concelho de Penamacor junto da comunidade escolar está a ser desenvolvida no âmbito do projecto «A escola vai às Terras do Lince» do Gabinete de Turismo do município raiano.

Câmara Municipal PenamacorA Câmara Municipal de Penamacor, através do Gabinete de Turismo, desenvolveu um projecto denominado «A escola vai às Terras do Lince» com o objectivo da promoção e da divulgação turística do concelho raiano.
A iniciativa engloba as vertentes histórica, cultural e natural e é destinada aos alunos e professores da comunidade escolar.
As visitas propostas serão realizadas por guias especializados e são complementadas com actividades lúdico-desportivas organizadas pelo Gabinete de Desporto do município.
Cada aluno participante receber um dossiê com informações diversas que incluem os locais a visitar.
Os programas prevêm o estacionamento para autocarros e a possibilidade de almoçar nos restaurantes da vila.
Para informações adicionais ou marcações deve ser contactado o Gabinete de Turismo da Câmara Municipal de Penamacor pelo tel. 277394106.
jcl (com Gabinete de Turismo)

O luso-francês Michael d’Almeida, de 22 anos, nasceu em Évery (França) e é filho de sabugalenses. O jovem ciclista conquistou mais duas medalhas de prata com a camisola da selecção gaulesa de ciclismo. Os excelentes resultados foram alcançados no contra-relógio de um quilómetro e na prova de velocidade por equipas nos recentes Campeonatos do Mundo de Ciclismo em pista coberta disputados em Copenhaga na Dinamarca.

Vodpod videos no longer available.


Autoria: Patrick ChasséPosted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

João ValenteA história de Zé Lopes contratado de São Tomé.

Assinamo contrato
E apanhamo vapô
Di Cabo Vérde
Para Sum Tomé,
Mã, irmão, eu
E no alto di mar
– Eu com nove…
Irmão mais nove –
A febre tomou mã…
Mã se morreu
Eu não deu conta…
Barco parou
No alto di mar,
Noite di bréu,
Caixão cum ferro
Ao fundo
Di mar
E vapô apitou…
Três vezes vapô apitou.
Nós seguiu viage
– Eu com nove…
Irmão mais nove –
E quando desembarcámo
Todo bem vistido,
Ouviu prêto di tanga dizer:
– Olha portuga!
Mas num eramo portuga
E trabalhamo na roça,
Quatro ano siguido,
Irmão e eu,
Apanhando cacau,
Catando casca di canela
Debaixo di chicote,
E quem parava
Cavava sua cova
E morria,
Morria duas vezes,
Muita gente morreu,
Depois veio Governadô Gorgulho
Que matou muita gente
E voltámo a Sum Tomé
Irmão e eu,
E irmão disse:
– Vamo vivê junto di mar
E nós apanhou muito peixe…
Nós engordou…
Casou…
Teve filho,
Depois di uns ano
Voltou a Sum Tomé
E de avião a Portugal
E quando chegou
Capataz Carlos
Não quiz contratar eu
E dizer para amigo:
Eu ser piquinino
Não prestar!
E amigo responder:
– Ele ser piquinino
Mas rijo…
Contrata ele!

Ele contratou
E eu trabalhou
Uma semana sem parar
E ao fim capataz chamar:
– Vou aumentar você,
mas não diga a ninguém…

E quando recebeu féria
Preto grande reparou:
– Tu ganhar mais que eu…
E eu respondeu:
– Vai falar cum patrão
Ele se enganar…

Sorte minha!
E vida correr bem
Nós trabalhou muito
E mandou vir mulher
Di Cabo Vérde
Mais os filho,
Sete filho…
Todo di cara diferente…
Todo di vizinho
– que eu ter grandi chifre! –
Mas encheu casa
Cum aquela filharada
E foi muito feliz!
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

(Este texto poderia ser escrito por Medina Carreira – todos liam, mas depois ninguém levava a sério – acrescentando no entanto umas quantas baboseiras típicas de quem nunca fez nada, mas numa manjedoura farta, se acha no direito de emitir opinião.)

Agostinho da Silva - JarmeloMuito se tem dito sobre a vaca jarmelista, uns de forma mais assertiva outros de forma mais gratuita, lá se vai falando. E fazendo? O que é que realmente se faz?
Já fui considerado o «homem-vaca» ou até o pai da vaca jarmelista, mas isso não me confere nem mais nem menos direitos públicos que os demais. Conferiu-me, até por inerência de funções, a tarefa de tentar salvaguardar o que os nossos antepassados um dia para nós seleccionaram.
Nos mais de dez anos que levei nesta luta, muito cedo fiz o prognóstico deste momento que em paralelo com o momento que vivemos, nos poderá, para já levar ao chamado «calvário da vaca jarmelista».
Será que, de uma morte anunciada, poderemos ver a luz, como quem vislumbra uma espécie de ressurreição?
Fazendo um ligeiro apanhado do que foi um caminhar lado a lado, noto que no essencial, desde os finais dos anos 90 (em que me meti nisto) até agora ao final da primeira década do novo milénio, pouco ou nada se fez seriamente para evitar o desaparecimento da vaca jarmelista.
Não tivesse sido o apoio (culpa) dos Media e já tudo estava resolvido: tinha-se acabado com o maldito animal e já não se falava mais nisso! Por sorte, ou talvez não, conseguiu-se uma invulgar visibilidade, que quando transposta para a carga/capital de influência pública, torna o tema tão incómodo que os que estão fora querem entrar e os que estão dentro, não sabem como dele sair.
A questão da vaca jarmelista, só tem duas saídas, ambas de carácter político (isso sim é que me custa): deixar que o «problema» se resolva por si só, com o tempo impiedosamente a fazer estragos; ou também com o tempo, mas em «contra-relógio» (contra ciclo também) avançar de uma vez por todas para o que um dia ficou «sonhado», a implantação em «barrigas de aluguer», para se chegar ao tal efectivo próximo dos 400 animais.
Sinceramente, não vejo vontades políticas, e até das outras, para que a tal se consiga chegar. No já demasiado longínquo ano de 2003, pelo então director de serviços, Dr. Mário Costa, a Direcção Geral de Veterinária, fez-se representar, ainda hoje não tenho a certeza se oficialmente ou por simpatia, na Feira-concurso do Jarmelo. Tivemos uma longa conversa, da qual resultaram as bases do que até agora tem acontecido. Mas resultaram também muitas mais bases, que quer eu, quer o Dr. Mário Costa, achávamos fundamentais e condição sem a qual, tudo ruiria como um castelo de cartas.
O tal plano, quiçá «maquiavélico», de sustentar a existência de uma raça com nome Jarmelo associada; parecia o início de um sonho lindo, que afinal teima em se revelar pesadelo para quem nele entrar.
Com o Dr. Mário Costa, cedo concordámos (nunca nos tínhamos visto nem contactado), que a inseminação e implantação em barrigas de outras raças era a única saída possível. Ele, é um técnico superior, eu, era e sou um «estorvo» que de vacas nada sei (nem sabia), os «ilustrados» existem, andam por aí.
É inconcebível que a forma como é dado o apoio aos criadores (os tais 17, na maioria pequenos proprietários), tenha que funcionar como funciona. Aqui, terei que repor justiça na forma como a ACRIGUARDA se tem empenhado e esforçado, para manter o serviço que mantém.
E é inconcebível e incomportável, que para a Acriguarda, um dia venha a cair a «culpa» de não ter feito mais. Sem conhecer os constrangimentos, basta olhar ao mundo rural para saber que todos estão descapitalizados. Como se não bastasse a Acriguarda, com a jarmelista, tem ainda pendentes situações em tribunal.
Não duvido da imensa vontade da Acriguarda, mas já isso sim, duvido da vontade quer do Ministério da Agricultura, quer dos seus serviços desconcentrados (a última vez que afirmei isto, valeu-me 15 mil euros de apoios; espero que desta não implique algum amuo, ou similar, que resulte em cortes no que ainda não vem). Agora que já não pertenço nem á Junta nem á Feira, podem apoiar conforme é devido, pois algumas vezes fiz «pagar» o Jarmelo por pecados da vaidade pessoal (do que o Jarmelo ganhou não cabe aqui o momento).
O Ministério da Agricultura terá que de uma vez por todas tratar a «doença» com vontade de a resolver: ou assumir uma coisa (acabar com) ou outra (avançar para). Assim que se falou da possibilidade de implantação em «barrigas de aluguer», logo apareceram pessoas com vontade de colaborar e disponibilizar as suas vacas para tal.
Num processo destes, não pode haver lugar a invejas, muito menos providências cautelares; qual a moral de uma associação (pelo menos pela tomada de posição pública em programa de TV), quando a argumentação se baseia em questões económicas/subsídio de excepção? Então e todos os outros anos em que a suposta jarmelista nada recebeu? A jarmelista até ao reconhecimento oficial, recebia ZERO! E quanto recebiam as demais raças nacionais? Viram alguém reclamar apoios (solidariedade) para a jarmelista? Continuamos a olhar para a vaca como um ser que tem MAMAS!!
Num processo destes, qualquer coisa é melhor que nada, mas pode não ser o suficiente! Devem manifestar-se os criadores e eventuais parceiros a integrar, nomeadamente neste assunto das «barrigas de aluguer», e claramente compensar as eventuais perdas que venham a verificar-se face ás expectativas que se criem. Explico: não pode um produtor (num processo tão urgente como este) estar a correr «riscos» de que a sua vaca não tenha pelo menos uma cria por ano, daí que era urgente definir este género de situações par evitar (como foi o meu caso) que uma vaca em estábulo em três anos só tenha tido uma cria (não tem forçosamente que ver com as condições de acondicionamento ou manuseamento, mas em minha opinião, com a tal necessidade de munir a ACRIGUARDA (ou instituição superior) com meios financeiros e técnicos que possam suprir estas «falhas».
As vacas integradas numa vacada, manifestam o cio de forma mais visível, tendo macho serão «cobertas»; em estábulo e muitas vezes uma ou duas (acumulando no meu caso falta de saber sobre cio) dificulta muito mais. Sei que há formas de provocar o cio, sei que haverá outras maneiras de solucionar a situação… mas também sei que com esta inércia, não vamos lá
Diz-se no entanto por aí (e ninguém acredita que seja assim) que o Ministério da Agricultura (diversos serviços) além de supostamente…, também carrega de «papelada» as situações de tal forma que as pessoas comuns não podem ser «bafejadas» (termo do reino animal em época de prendas – menino Jesus, presépio).
A propósito: só no concelho de Lisboa (esse concelho extremamente rural), trabalham (ou trabalhavam até há pouco) quase 50% dos funcionários do ministério, que sendo boa parte chefias e afins, ajudarão a consumir o que em 2006 eram 260 milhões de euros do “funcionamento” do ministério. A agricultura tem que continuar a cheirar a Merda!! E não a eventuais «Channel», a agricultura deve voltar para o campo, lá para o sítio onde estão as gentes. O Portugal profundo precisa que o Portugal «ilustrado» se volte de novo para as raízes, e delas não tenha vergonha.
As raças de vacas autóctones, as 13 reconhecidas, mais as tais, eventuais, outras seis (sub-raças da mirandesa), poderão vir a ser o «furo» para um país que tem que ser aquilo que o mercado disser: pequenos nichos, com ofertas muito diversificadas, em que os gostos de cada região estejam ali ao alcance de quem os queira voltar a sentir ou provar pela primeira vez.
Sei que já se come por aí «vitela do Jarmelo» (só porque supostamente criada em pastos das terras daquele microclima, e espero que quem eventualmente «ganhe» com isso não tenha que ter engolido algum sapo – é que ás vezes há quem bata no «amoijo»/úbere em que mama). Porque não comer mesmo Vitela jarmelista, certificada?
Como também para os que me conhecem, pouco disto é novidade, a forma como me tenho expressado publicamente é realmente um tanto provocatória (palavra que na raiz pede palavra – resposta); tantas vezes lido/entendido das mais enviesadas formas, mas que pela persistência (e sempre com apoio dos MEDIA regionais e nacionais) lá se foi fazendo ouvir.
Das diversas tomadas de posição pública sobre este e outros temas, nunca foi meu objectivo prejudicar a «causa» da vaca jarmelista, mas tão só num mecanismo de visibilidade, evitar que o caso fosse esquecido, como é tão do (bom) gosto dos decisores políticos: matá-los pela exaustão – como a visibilidade pública me alimentava o EGO, fui continuando, e criei um capital de tal forma evidente, que ainda hoje, sempre que se fala do tema, as pessoas esperam que eu também fale ou apareça. Mesmo as minhas ausências, chegam a ser tão incómodas como as presenças, os meus silêncios perturbam por vezes mais que as palavras.
Tenho que reconhecer publicamente também, que «montei estratégias» com fins muito objectivos, sendo que por exemplo em relação à Feira (posso dizê-lo) era que de uma vez por todas a Câmara Municipal (a tal do interesse), agarrasse o tema com as mãos (e com as duas). Contrariamente a outras terras, o Jarmelo está escasso de gente com ânsia de protagonismo, daí que aquilo que poderia ser um lugar apetecível, é na verdade o contrário (dá trabalho, falta apoio concertado).
Para poder aguentar mais de dez anos num tema destes, tem que se ter pele de bombo, para aguentar toda a «porrada», inveja, maledicência e outros «usos». Sempre quis acreditar que este tema não seria/serviria para a luta política, mas também percebi que era mais um local para tal, há uma atracção fatal pelo abismo.
Agostinho da Silva (Jarmelo)

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.151.966 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios