O Município de Fornos de Algodres e a Confraria da Urtiga assinalam em 16 a 18 de Abril o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios/IGESPAR e as V Jornadas de Etnobotânica com um conjunto de actividades culturais que pretendem envolver a população em geral e sobretudo os jovens na área do património histórico, cultural e imaterial do concelho.

Confraria da Urtiga - Fornos de AlgodresSob o lema «Património Rural/ Paisagens Culturais» as actividades incluem a exposição «Arte Verde», no novo Centro Cultural, realizada por alunos do 2.º CEB do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres e de uma oficina de leitura «Verde Esperança» com mostra de livros, leitura e dramatização de histórias com tonalidades verdes, dinamizada pela Biblioteca Municipal, Espaço Internet e Biblioteca do Agrupamento de Escolas.
O programa inclui um workshop Floraste por formandos do Agrupamento de Escolas local e um espectáculo de teatro por alunos do clube de teatro do referido agrupamento.
«Curtas e Verdes» é a designação de um conjunto de curtas-metragens sob a temática do ambiente, seguidas de debate e reflexão.
Entretanto, no Centro Cultural da APSCD de Fornos de Algodres fica patente ao público a primeira mostra de «Cestaria em Portugal» e o retrato sobre o último cesteiro de Fornos de Algodres sob o tema «Quem faz um cesto já não faz um centro».
O dia 17 de Abril é preenchido com actividades dedicadas à Urtiga e sua importância na gastronomia tendo em conta que Fornos de Algodres é sede da Confraria da Urtiga, cujos primeiros confrades foram entronizados há um ano.
Assim esta programada a realização de uma saída de campo para recolha e observação de plantas, um piquenique em Muxagata seguido de vários painéis designadamente o «Herbanário Erótico» orientado por Bernard Bertrand, da organização Les amies d’ortie-França, «Urtica Urens» dirigido pelo Homeopata Tony Conway, «Potencial Gastronómico da Urtiga», por Martin Alvarez, da Associação «Estugas» e Espanha.
Paralelamente realiza-se um concurso gastronómico tendo por base a Urtiga e à noite um sarau cultural que inclui leitura de Poesia por Graça Magalhães, Paulo Pires e Célia Ribeiro a exibição do grupo Clave de Sol-Grupo de Concertinas de Penaverde.
As celebrações encerram no domingo, dia 18, centradas na Confraria da Urtiga com recepção a confrarias convidadas, segunda Entronização de confrades, desfile das confrarias ao compasso do grupo Batuta da Alegria e um workshop sobre a Confecção da Urtiga, por Martin Alvarez.
O presidente do Município, José Miranda considera que «a realização destas jornadas se revestem de grande importância para o concelho tendo em conta a motivação das pessoas para os problemas da conservação dos sítios e monumentos, sejam eles simples ou mais vultuosos e sobretudo chamar também a atenção para o significado patrimonial que representam os recurso endógenos, como é o caso da Urtiga».
Neste sentido entende que a Confraria da Urtiga representa «uma mais valia para o aproveitamento de um vegetal a quem as pessoas não atribuem, em alguns casos, grande importância mas que tem grande valor nutritivo» sublinhando que «a urtiga tem mais vitamina C do que a laranja, é óptima na gastronomia, seja no queijo ou simples esparregado».
José Miranda é de opinião que nesta região «há potencialidades naturais, por vezes escondidas nos mais simples recantos paisagísticos e também património desde a Pré-História aos nossos dias que urge valorizar e divulgar».
aps (com Gabinete de Imprensa da C.M. de Fornos de Algodres)

Anúncios