You are currently browsing the monthly archive for Março 2010.

A conceituada revista norte-americana, Wine Spectator, vai atribuir na edição de Maio 100 pontos ao Porto Dow’s Vintage 2007 do produtor Symington Family Estates.

Porto Dow's Vintage 2007 - Symington Family Estates - Wine SpectatorO vinho do Porto Dow’s Vintage 2007 vai receber a pontuação máxima, 100 pontos, na edição de Maio da Wine Spectator, uma das mais prestigiadas revistas de vinhos do Mundo. O vinho está incluido na secção «Coleccionáveis» da publicação, que o considera «o melhor Dow’s alguma vez produzido» e aconselha a sua reserva pelo menos até 2022.
A revista norte-americana vai ainda atribuir 96 pontos ao Graham’s Vintage 2007, também da Symington Family Estates.
Em declarações à agência Lusa, Charles Symington, enólogo-chefe da Symington mostra-se satisfeito com as pontuações atribuídas pela Wine Spectator. «Uma pessoa fica sem palavras quando se chega aos cem pontos. Sinto uma enorme satisfação, qualquer produtor procura que isto aconteça uma vez na vida», disse Charles Symington, co-autor dos vinhos premiados, que afirmou ainda serem muito raros os vinhos que recebem tal pontuação. «Em 2008 houve um vinho e em 2009 nenhum. São, também, muito poucos os que chegam aos noventa e seis pontos.»
Nenhum outro vinho português conseguiu tal feito, o que confirma a excelência e o prestígio mundial do vinho do Porto.
Nunca qualquer marca de champanhe, com toda a história, fama e glamour que carrega esta denominação, obteve a pontuação máxima. E do Velho Mundo vitícola apenas quatro vinhos da Borgonha e 24 de Bordéus conseguiram chegar aos 100 pontos.
Na nota de prova, conhecida ontem, James Suckling, o provador da Wine Spectator para Portugal, referiu-se ao Dow’s 2007 como o «melhor vintage» de sempre desta marca. O preço de venda ao público de cada garrafa é de 65 euros.
jcl

O confrade Luis Javier Del Valle Vega da Cofradia de Amigos de los Quesos do Principado de Asturias escreve sobre as cerimónias do XXI Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela que decorreram em Oliveira do Hospital no dia 20 de Março.

José Carlos Alexandrino, Javier del Vega e esposaEl pasado fin de semana – 19,20 y 21 de marzo – hemos tenido ocasión, una vez más, de poder disfrutar de la hospitalidad de nuestros amigos de la Cofradía del Queijo Serra da Estrela, con la cual estamos hermanados.
En esta ocasión y para conocer nuevas tierras portuguesas, el viaje se realizó entrando por la zamorana Puebla de Sanabria y la fronteriza ciudad de Bragança con su precioso castillo, el cual alberga desde 1983 un interesante Museo Militar. Continuamos por Mirandella, Murça –con su representativa Porca da Murça que nos recuerda su origen romano-, Vila Real, Viseu y Nelas, estas últimas zona de producción de uno de los vinos más afamados del país, el Däo.
Como en otras ocasiones los miembros de las diferentes Cofradías españolas y portuguesas nos fuimos reuniendo en el Hotel San Paulo en Oliveira do Hospital, dónde el siempre activo y amable Pedro Couceiro daba la bienvenida a unos y otros. De allí partimos hacía la vecina localidad de Touriz, que aunque pertenece al limítrofe municipio de Taudá también esta englobada en la Serra da Estrela, en dónde hemos podido disfrutar en el restaurante Visconde de una magnifica cena, en el que los quesos y el borrego da Serra (lechazo) fueron la gran estrella.
Magnifico recibimiento el que nos han realizado nuestros amigos cofrades, Pedro Couceiro y su señora Fatima, Antunes, su señora e hijos, Manuel Freire, su hija Guillermina y su esposo Antonio, Joao Mendes y su señora Carolina, Joao Mandelao, Magallanes, Francisco, Antonieta por citar alguno de los muchos cofrades con los que compartimos velada. Aunque hemos notado mucho la falta del difunto Fernando Matos, ex Director del Parque Nacional de la Serra da Estrela, fallecido el pasado mes de Noviembre, que nos había visitado en varias ocasiones, la última con motivo de nuestro XXV Gran Capítulo.
La meteorología ha jugado una buena faena el sábado a la organización y la continua lluvia ha deslucido e incluso suspendido alguno de los actos previstos, pero no ha podido con una feria del Queijo, Enchidos e Mel que en su XIX edición esta plenamente consolidada y cuenta con un reconocido prestigio, atrayendo a muchos visitantes de diferentes ciudades portuguesas. Obviamente el queso en sus diferentes tipos y presentaciones ha sido el gran protagonista en sus respectivas modalidades – requeçao, normal y el viejo – aunque se ha visto un incremento de puestos con dulces, aguardientes y otras elaboraciones culinarias.
La Cámara Municipal (Ayuntamiento) albergo la presentación de un programa alternativo para el Municipio, financiado por la Comunidad Económica Europea, en el que se combinan nuevas explotaciones y aprovechamientos agrícolas y forestales, con proyectos turísticos y mejoras de infraestructuras y comunicaciones. Por primera vez hubo una gran presencia de políticos nacionales – entre ellos el Ministro de Agricultura – junto a los locales Presidentes de la Cámara (Alcalde), de la Asamblea y otros cargos municipales. Oliveira cuenta por primera vez con un Alcalde del partido socialista y fue ampliamente arropado en esta su primera Feria.
Cofradia de Amigos de los Quesos - Principado de Asturias - EspanhaAl mediodía se curso la visita a las instalaciones de ANCOSE ( Asociación Nacional de criadores de ovinos de la Serra da Estrela) sitas en la cercana Quinta da Tapada guiados magníficamente por su Director Técnico y cofrade, el amigo Joao Mandelao. este explico el porque del nacimiento de la Asociación, los servicios que prestan a los más de 400 asociados, de los cuales unos 50 elaboran el conocido queijo, aunque solo 15 de ellos acogidos a la Denominación de Origen. En la quesería experimental hemos podido ver y conocer in situ no solo la elaboración del queso y el requexon, sino otros productos experimentales, como la crema de queso, la mantequilla y el yogur, todos ellos magníficos, aunque ninguno comercializado.
El almuerzo ha tenido lugar igualmente en dichas instalaciones, dónde hemos degustado los productos anteriormente mencionados complementados con otros platos regionales, en este caso una estupenda crema de legumbres y un sorprendente pulpo al horno, todo ello regado con unos sabrosos caldos con del. Dáo, elaborados en la Cooperativa de la vecina Nelas. Pero la gran sorpresa fue que el encargado del catering, Nuno Silva, ha sido jugador de las categorías inferiores del Real Oviedo en la década de los noventa, y con él hemos recordado mejores tiempos de nuestro querido equipo.
De vuelta a la Feria, he tenido el gusto (nunca mejor dicho) de participar como miembro del jurado del I Concurso «Doçarias com queijo Serra da Estrela» con la participación de doce elaboraciones dulces a cual más sorprendente. Además de las ya conocidas «Queijadinhas de Oliveira» participaban otras como «Semi-frio serrano com frutos silvestres», «Cascata do Alva», «Torta de requeijäo com canela», «Tarta sabores Serra da Estrela», «Telhas da Serra» o «Bolo de requijöa da Serra doce de abóbora e nozes». En fin mejor sobremesa imposible.
Posteriormente se realizó el ya clásico desfile de las casi treinta Cofradías que acudimos al XXI Gran Capítulo, aunque en esta ocasión no hemos sido precedidos por el rebaño de ovejas de la Serra que estaba previsto para los actos de la mañana, y que por la continua lluvia se suspendió. El colorido de los diferentes atuendos ha sido la nota predominante, así como la música de los gaiteros que abrían el desfile, que en esta ocasión no fueron tocando el Himno de Riego como en otros Capitulos.
Cabe destacar la presencia de nuevas Cofradía portuguesas, como la del Atum de Vila Real de San Antonio en el Algarbe que recientemente ha celebrado su I Gran Capítulo, la del Madroño del vecino municipio de Taudá o la del Bucho Raiano de Sabugal que el próximo 17 de abril celebrara su I Gran Capítulo así como de las españolas del Queso Manchego, Gastronómica de Extremadura – que acudía por primera vez – y la asturiana Doña Gontrodo.
Realizada la correspondiente foto de familia, y ya en las dependencias municipales el nuevo Alcalde de la localidad, D. José Carlos Aleixandro, dio la bienvenida a todos los presentes. El salón noble del Ayuntamiento albergo los actos del XXI Gran Capítulo, entre ellos la investidura de los cinco nuevos miembros de la Cofradía y las intervenciones del Cofrade Mayor (D. Manuel Leal Freire) del representante de la Federación de Cofradías Portuguesas, la mía como representante de la hermana Cofradía de Amigos de los Quesos del Principado de Asturias para acabar con la del Sr.Alcalde que puso colofón a los actos.
El Capítulo ha concluido con la cena de hermandad realizada en la ya conocida Pousada Convento do Desagravo, sita en la localidad oliveirense de Vila Pouca de Bera, en la que fuimos agasajados con estupendas viandas, en el que una vez más el queso y en esta ocasión el solomillo de ternera fueron los protagonistas, regados ¡como no! con unos estupendos vinos del Dáo.
Y el domingo de nuevo en carretera de vuelta a Oviedo, en esta ocasión por Chaves y Verín, dejando atrás la querida tierra de la Serra da Estrela, y a nuestros queridos amigos con quién renovamos nuestro hermanamiento celebrado en noviembre de 2006 en Oviedo y en marzo de 2007 en Oliveira. Serán recibidos en mayo en Oviedo como bien se merecen.
Luis Javier Del Valle Vega

Confrade Javier Del Valle. Desejamos-lhe uma boa viagem até ao Sabugal no próximo dia 17 de Abril. Cumprimentos raianos.
jcl

A divulgação do concelho de Penamacor junto da comunidade escolar está a ser desenvolvida no âmbito do projecto «A escola vai às Terras do Lince» do Gabinete de Turismo do município raiano.

Câmara Municipal PenamacorA Câmara Municipal de Penamacor, através do Gabinete de Turismo, desenvolveu um projecto denominado «A escola vai às Terras do Lince» com o objectivo da promoção e da divulgação turística do concelho raiano.
A iniciativa engloba as vertentes histórica, cultural e natural e é destinada aos alunos e professores da comunidade escolar.
As visitas propostas serão realizadas por guias especializados e são complementadas com actividades lúdico-desportivas organizadas pelo Gabinete de Desporto do município.
Cada aluno participante receber um dossiê com informações diversas que incluem os locais a visitar.
Os programas prevêm o estacionamento para autocarros e a possibilidade de almoçar nos restaurantes da vila.
Para informações adicionais ou marcações deve ser contactado o Gabinete de Turismo da Câmara Municipal de Penamacor pelo tel. 277394106.
jcl (com Gabinete de Turismo)

O luso-francês Michael d’Almeida, de 22 anos, nasceu em Évery (França) e é filho de sabugalenses. O jovem ciclista conquistou mais duas medalhas de prata com a camisola da selecção gaulesa de ciclismo. Os excelentes resultados foram alcançados no contra-relógio de um quilómetro e na prova de velocidade por equipas nos recentes Campeonatos do Mundo de Ciclismo em pista coberta disputados em Copenhaga na Dinamarca.

Vodpod videos no longer available.


Autoria: Patrick ChasséPosted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

João ValenteA história de Zé Lopes contratado de São Tomé.

Assinamo contrato
E apanhamo vapô
Di Cabo Vérde
Para Sum Tomé,
Mã, irmão, eu
E no alto di mar
– Eu com nove…
Irmão mais nove –
A febre tomou mã…
Mã se morreu
Eu não deu conta…
Barco parou
No alto di mar,
Noite di bréu,
Caixão cum ferro
Ao fundo
Di mar
E vapô apitou…
Três vezes vapô apitou.
Nós seguiu viage
– Eu com nove…
Irmão mais nove –
E quando desembarcámo
Todo bem vistido,
Ouviu prêto di tanga dizer:
– Olha portuga!
Mas num eramo portuga
E trabalhamo na roça,
Quatro ano siguido,
Irmão e eu,
Apanhando cacau,
Catando casca di canela
Debaixo di chicote,
E quem parava
Cavava sua cova
E morria,
Morria duas vezes,
Muita gente morreu,
Depois veio Governadô Gorgulho
Que matou muita gente
E voltámo a Sum Tomé
Irmão e eu,
E irmão disse:
– Vamo vivê junto di mar
E nós apanhou muito peixe…
Nós engordou…
Casou…
Teve filho,
Depois di uns ano
Voltou a Sum Tomé
E de avião a Portugal
E quando chegou
Capataz Carlos
Não quiz contratar eu
E dizer para amigo:
Eu ser piquinino
Não prestar!
E amigo responder:
– Ele ser piquinino
Mas rijo…
Contrata ele!

Ele contratou
E eu trabalhou
Uma semana sem parar
E ao fim capataz chamar:
– Vou aumentar você,
mas não diga a ninguém…

E quando recebeu féria
Preto grande reparou:
– Tu ganhar mais que eu…
E eu respondeu:
– Vai falar cum patrão
Ele se enganar…

Sorte minha!
E vida correr bem
Nós trabalhou muito
E mandou vir mulher
Di Cabo Vérde
Mais os filho,
Sete filho…
Todo di cara diferente…
Todo di vizinho
– que eu ter grandi chifre! –
Mas encheu casa
Cum aquela filharada
E foi muito feliz!
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

(Este texto poderia ser escrito por Medina Carreira – todos liam, mas depois ninguém levava a sério – acrescentando no entanto umas quantas baboseiras típicas de quem nunca fez nada, mas numa manjedoura farta, se acha no direito de emitir opinião.)

Agostinho da Silva - JarmeloMuito se tem dito sobre a vaca jarmelista, uns de forma mais assertiva outros de forma mais gratuita, lá se vai falando. E fazendo? O que é que realmente se faz?
Já fui considerado o «homem-vaca» ou até o pai da vaca jarmelista, mas isso não me confere nem mais nem menos direitos públicos que os demais. Conferiu-me, até por inerência de funções, a tarefa de tentar salvaguardar o que os nossos antepassados um dia para nós seleccionaram.
Nos mais de dez anos que levei nesta luta, muito cedo fiz o prognóstico deste momento que em paralelo com o momento que vivemos, nos poderá, para já levar ao chamado «calvário da vaca jarmelista».
Será que, de uma morte anunciada, poderemos ver a luz, como quem vislumbra uma espécie de ressurreição?
Fazendo um ligeiro apanhado do que foi um caminhar lado a lado, noto que no essencial, desde os finais dos anos 90 (em que me meti nisto) até agora ao final da primeira década do novo milénio, pouco ou nada se fez seriamente para evitar o desaparecimento da vaca jarmelista.
Não tivesse sido o apoio (culpa) dos Media e já tudo estava resolvido: tinha-se acabado com o maldito animal e já não se falava mais nisso! Por sorte, ou talvez não, conseguiu-se uma invulgar visibilidade, que quando transposta para a carga/capital de influência pública, torna o tema tão incómodo que os que estão fora querem entrar e os que estão dentro, não sabem como dele sair.
A questão da vaca jarmelista, só tem duas saídas, ambas de carácter político (isso sim é que me custa): deixar que o «problema» se resolva por si só, com o tempo impiedosamente a fazer estragos; ou também com o tempo, mas em «contra-relógio» (contra ciclo também) avançar de uma vez por todas para o que um dia ficou «sonhado», a implantação em «barrigas de aluguer», para se chegar ao tal efectivo próximo dos 400 animais.
Sinceramente, não vejo vontades políticas, e até das outras, para que a tal se consiga chegar. No já demasiado longínquo ano de 2003, pelo então director de serviços, Dr. Mário Costa, a Direcção Geral de Veterinária, fez-se representar, ainda hoje não tenho a certeza se oficialmente ou por simpatia, na Feira-concurso do Jarmelo. Tivemos uma longa conversa, da qual resultaram as bases do que até agora tem acontecido. Mas resultaram também muitas mais bases, que quer eu, quer o Dr. Mário Costa, achávamos fundamentais e condição sem a qual, tudo ruiria como um castelo de cartas.
O tal plano, quiçá «maquiavélico», de sustentar a existência de uma raça com nome Jarmelo associada; parecia o início de um sonho lindo, que afinal teima em se revelar pesadelo para quem nele entrar.
Com o Dr. Mário Costa, cedo concordámos (nunca nos tínhamos visto nem contactado), que a inseminação e implantação em barrigas de outras raças era a única saída possível. Ele, é um técnico superior, eu, era e sou um «estorvo» que de vacas nada sei (nem sabia), os «ilustrados» existem, andam por aí.
É inconcebível que a forma como é dado o apoio aos criadores (os tais 17, na maioria pequenos proprietários), tenha que funcionar como funciona. Aqui, terei que repor justiça na forma como a ACRIGUARDA se tem empenhado e esforçado, para manter o serviço que mantém.
E é inconcebível e incomportável, que para a Acriguarda, um dia venha a cair a «culpa» de não ter feito mais. Sem conhecer os constrangimentos, basta olhar ao mundo rural para saber que todos estão descapitalizados. Como se não bastasse a Acriguarda, com a jarmelista, tem ainda pendentes situações em tribunal.
Não duvido da imensa vontade da Acriguarda, mas já isso sim, duvido da vontade quer do Ministério da Agricultura, quer dos seus serviços desconcentrados (a última vez que afirmei isto, valeu-me 15 mil euros de apoios; espero que desta não implique algum amuo, ou similar, que resulte em cortes no que ainda não vem). Agora que já não pertenço nem á Junta nem á Feira, podem apoiar conforme é devido, pois algumas vezes fiz «pagar» o Jarmelo por pecados da vaidade pessoal (do que o Jarmelo ganhou não cabe aqui o momento).
O Ministério da Agricultura terá que de uma vez por todas tratar a «doença» com vontade de a resolver: ou assumir uma coisa (acabar com) ou outra (avançar para). Assim que se falou da possibilidade de implantação em «barrigas de aluguer», logo apareceram pessoas com vontade de colaborar e disponibilizar as suas vacas para tal.
Num processo destes, não pode haver lugar a invejas, muito menos providências cautelares; qual a moral de uma associação (pelo menos pela tomada de posição pública em programa de TV), quando a argumentação se baseia em questões económicas/subsídio de excepção? Então e todos os outros anos em que a suposta jarmelista nada recebeu? A jarmelista até ao reconhecimento oficial, recebia ZERO! E quanto recebiam as demais raças nacionais? Viram alguém reclamar apoios (solidariedade) para a jarmelista? Continuamos a olhar para a vaca como um ser que tem MAMAS!!
Num processo destes, qualquer coisa é melhor que nada, mas pode não ser o suficiente! Devem manifestar-se os criadores e eventuais parceiros a integrar, nomeadamente neste assunto das «barrigas de aluguer», e claramente compensar as eventuais perdas que venham a verificar-se face ás expectativas que se criem. Explico: não pode um produtor (num processo tão urgente como este) estar a correr «riscos» de que a sua vaca não tenha pelo menos uma cria por ano, daí que era urgente definir este género de situações par evitar (como foi o meu caso) que uma vaca em estábulo em três anos só tenha tido uma cria (não tem forçosamente que ver com as condições de acondicionamento ou manuseamento, mas em minha opinião, com a tal necessidade de munir a ACRIGUARDA (ou instituição superior) com meios financeiros e técnicos que possam suprir estas «falhas».
As vacas integradas numa vacada, manifestam o cio de forma mais visível, tendo macho serão «cobertas»; em estábulo e muitas vezes uma ou duas (acumulando no meu caso falta de saber sobre cio) dificulta muito mais. Sei que há formas de provocar o cio, sei que haverá outras maneiras de solucionar a situação… mas também sei que com esta inércia, não vamos lá
Diz-se no entanto por aí (e ninguém acredita que seja assim) que o Ministério da Agricultura (diversos serviços) além de supostamente…, também carrega de «papelada» as situações de tal forma que as pessoas comuns não podem ser «bafejadas» (termo do reino animal em época de prendas – menino Jesus, presépio).
A propósito: só no concelho de Lisboa (esse concelho extremamente rural), trabalham (ou trabalhavam até há pouco) quase 50% dos funcionários do ministério, que sendo boa parte chefias e afins, ajudarão a consumir o que em 2006 eram 260 milhões de euros do “funcionamento” do ministério. A agricultura tem que continuar a cheirar a Merda!! E não a eventuais «Channel», a agricultura deve voltar para o campo, lá para o sítio onde estão as gentes. O Portugal profundo precisa que o Portugal «ilustrado» se volte de novo para as raízes, e delas não tenha vergonha.
As raças de vacas autóctones, as 13 reconhecidas, mais as tais, eventuais, outras seis (sub-raças da mirandesa), poderão vir a ser o «furo» para um país que tem que ser aquilo que o mercado disser: pequenos nichos, com ofertas muito diversificadas, em que os gostos de cada região estejam ali ao alcance de quem os queira voltar a sentir ou provar pela primeira vez.
Sei que já se come por aí «vitela do Jarmelo» (só porque supostamente criada em pastos das terras daquele microclima, e espero que quem eventualmente «ganhe» com isso não tenha que ter engolido algum sapo – é que ás vezes há quem bata no «amoijo»/úbere em que mama). Porque não comer mesmo Vitela jarmelista, certificada?
Como também para os que me conhecem, pouco disto é novidade, a forma como me tenho expressado publicamente é realmente um tanto provocatória (palavra que na raiz pede palavra – resposta); tantas vezes lido/entendido das mais enviesadas formas, mas que pela persistência (e sempre com apoio dos MEDIA regionais e nacionais) lá se foi fazendo ouvir.
Das diversas tomadas de posição pública sobre este e outros temas, nunca foi meu objectivo prejudicar a «causa» da vaca jarmelista, mas tão só num mecanismo de visibilidade, evitar que o caso fosse esquecido, como é tão do (bom) gosto dos decisores políticos: matá-los pela exaustão – como a visibilidade pública me alimentava o EGO, fui continuando, e criei um capital de tal forma evidente, que ainda hoje, sempre que se fala do tema, as pessoas esperam que eu também fale ou apareça. Mesmo as minhas ausências, chegam a ser tão incómodas como as presenças, os meus silêncios perturbam por vezes mais que as palavras.
Tenho que reconhecer publicamente também, que «montei estratégias» com fins muito objectivos, sendo que por exemplo em relação à Feira (posso dizê-lo) era que de uma vez por todas a Câmara Municipal (a tal do interesse), agarrasse o tema com as mãos (e com as duas). Contrariamente a outras terras, o Jarmelo está escasso de gente com ânsia de protagonismo, daí que aquilo que poderia ser um lugar apetecível, é na verdade o contrário (dá trabalho, falta apoio concertado).
Para poder aguentar mais de dez anos num tema destes, tem que se ter pele de bombo, para aguentar toda a «porrada», inveja, maledicência e outros «usos». Sempre quis acreditar que este tema não seria/serviria para a luta política, mas também percebi que era mais um local para tal, há uma atracção fatal pelo abismo.
Agostinho da Silva (Jarmelo)

O comando territorial da GNR da Guarda vai realizar uma operação de controlo do tráfego de veículos pesados junto à fronteira de Vilar Formoso, atendendo à proibição de circulação em Espanha deste tipo de veículos na segunda-feira de Páscoa.

Brigada Trânsito GNRSegundo um comunicado divulgado pelo comandante da GNR da Guarda, o Governo de Espanha decretou a interdição à circulação de veículos pesados de mercadorias, com o peso bruto superior a 7,5 toneladas, e aos conjuntos de veículos de qualquer massa máxima autorizada, na auto-estrada A-62, entre Fuentes de Onõro e Burgos, no dia 5 de Abril de 2010, no período compreendido entre as 9 e as 21 horas (hora portuguesa).
Esta proibição é já habitual em Espanha neste período, dela ficando contudo isentos, os conjuntos de veículos de qualquer peso bruto autorizado, que transportem gado vivo ou leite, assim como aqueles que transportem produtos que favoreçam a manutenção das estradas, em período invernal.
Prevendo-se que inúmeros veículos pesados de mercadorias tenham planeada viagem em direcção à fronteira de Vilar Formoso, naquela data, e que tenham que ficar retidos junto à fronteira até à hora final da interdição (21h00), a GNR irá realizar uma operação de vigilância, controlo e regularização de trânsito para garantir a fluidez do tráfego e a segurança de pessoas e bens que fiuem imobilizados.
A insuficiência de lugares para estacionamento em Vilar Formoso, poderá levar a que muitos veículos pesados tenham que permanecer imobilizados noutros locais próximos da A25 e da A23 ou mesmo nas bermas da auto-estrada, o que constitui um motivo acrescido de preocupação para a GNR, que recomenda as empresas de mercadorias e os camionistas a planearem a sua viagem evitando paragens no percurso
plb

Procurava no meio da anarquia dos meus livros, jornais e revistas, algo que me interessava, não encontrei, mas veio-me algo ter ás mãos: tenho na minha frente um artigo que o doutor Mário Soares escreveu em 2008 para um jornal.

António Emidio«Os actuais políticos europeus, com algumas excepções, parece que ainda não compreenderam que na Europa também são precisas rupturas radicais, em consonância com as aspirações sociais e ambientais dos eleitores europeus e as Grandes Causas que hoje preocupam os jovens e os adultos, mulheres e homens. Quarenta anos depois do Maio de 68, está na hora de os jovens europeus voltarem a lutar por um mundo mais justo, solidário e melhor».
Avisadas palavras, doutor Mário Soares, vamos então pedir aos jovens portugueses, aos adultos, ás mulheres e aos homens que comecem a lutar, na rua, contra aqueles que os lançam no desemprego, no trabalho precário e no desespero. Sabe quem são esses que assim procedem? Os que presentemente nos governam, os do seu partido, aqueles cuja política governativa provoca efeitos socialmente desastrosos, aqueles que traíram e traem diariamente os ideais socialistas, aqueles que o senhor tanto apoia. O Partido Socialista foi a alma ideológica que serviu para os mais fracos, os mais humildes e os mais pobres da sociedade portuguesa, pós Abril de 1974, se lançarem num combate político que os levou à sua emancipação. Era um partido de trabalhadores, e agora o que é? Um partido de burgueses urbanos que o que sabem fazer, e os únicos ideais que têm é ler o Expresso e dizer mal do PSD.
Este tipo de «socialistas» já não luta pela erradicação da pobreza, pela justiça social e pelo pleno emprego, tornou-se indiferente à crueldade social de uma União Europeia neoliberal, que suprimiu postos de trabalho, cortou nos salários e pensões de quem trabalhou e trabalha, tudo para encher os mercados financeiros que já nadam em dinheiro. Obedecem cegamente a Bruxelas e ao Banco Central Europeu. E quem serve a dois senhores, algum tem de trair, e o mais fácil de trair é o povo…
Sabe porque é que não há revoltas? Porque vivemos no mito de um «governo socialista», um partido e um governo de «esquerda», assim as lutas sociais não fazem sentido. Tornou-se o Partido Socialista, um partido de contenção das lutas de quem trabalha, por isso, o grande poder económico tanto se serve dele para os seus fins, este é o pior conservadorismo, não permite que nada mude.
Que mais dizer doutor Mário Soares, que o Povo Português não saiba? Talvez não saiba que os partidos socialistas a nível europeu, e não só, se passaram com armas e bagagens para o campo dos seus antigos inimigos de classe. Essa traição deixou indefesos milhões de jovens, mulheres e homens que trabalham e que procuram emprego.
O doutor Mário Soares poderá dizer que as sociedades modernas, as sociedades da alta tecnologia, não podem ser governadas como as antigas. As sociedades modernas são de agora, as antigas de antigamente, mas a justiça é de sempre.
A história ainda não chegou ao fim doutor Mário Soares, há muita luta a travar.
Este post saiu-me assim. Podia ter sido pior! Fiz auto-censura, censurei catorze linhas…
Antes de terminar quero fazer justiça aqueles homens e mulheres do Partido Socialista que se mantêm íntegros nos seus ideais do Socialismo em Liberdade.
«Passeio pelo Côa», opinião de António Emídio

ant.emidio@gmail.com

Junta de Freguesia de Ruivós recupera «tronco», Largo de São Paulo e Fonte Romana.

GALERIA DE IMAGENS – RUIVÓS
Fotos Capeia Arraiana  –  Clique nas imagens para ampliar

Junto à capela de São Paulo o largo com o mesmo nome foi recuperado com supervisão paisagística qualificada. O descampado deu lugar a três «ilhas» ocupadas por barrocos e guardadas por tranquilas oliveiras. A Fonte Romana voltou a ficar à vista e os pilares do «tronco» onde eram ferrados ou curados os animais – à sombra da histórica amoreira – voltaram à sua posição original. O espaço público de Ruivós está a renascer com muito cuidado e bom-gosto.

Manuel Leitão - Presidente Junta Freguesia Ruivós

Em Ruivós a eleição dos membros da Junta é feita em plenário cumprindo a regra das freguesias com menos de 150 eleitores. Em Outubro do ano passado «apareceu a votos» uma única lista encabeçada pelo actual presidente Manuel Leitão que não perdeu tempo e tem vindo a fazer uma notável obra de recuperação e qualificação dos espaços e caminhos públicos.
Em Novembro a Junta apelou à participação de toda a população e durante todo o mês os fins-de-semana foram ocupados com a recuperação e limpeza dos caminhos rurais.
«Tinha como grande objectivo iniciar o meu mandato com a recuperação do espaço histórico do Largo de São Paulo», começou por nos dizer Manuel Leitão, presidente da Junta de Freguesia de Ruivós. «Pedimos a colaboração da Câmara Municipal do Sabugal e os trabalhos de recuperação e arranjos paisagísticos do largo foram acompanhados pela eng.ª Cláudia. Plantámos por toda a freguesia cerca de três dezenas de oliveiras que fomos buscar a Longroivo. As que estão plantadas no Largo de São Paulo foram oferecidas pelo senhor Manuel Joaquim Rito do Soito. Os barrocos estavam em terrenos onde, em criança, guardava as vacas dos meus pais», esclarece-nos o empreendedor autarca.
A cerca de 500 metros da actual povoação de Ruivós no Largo de São Paulo e encostada ao cemitério ergue-se a Capela de São Paulo catalogada com grande antiguidade e que pode ter sido inicialmente uma mesquita. Está situada no vale de Valdeiras também conhecido como vale da ribeira da Nave reconhecido como um dos caminhos de Santiago certificado pela concha decalcada na pedra da janela da igreja matriz.
Na capela de São Paulo uma estela de granito embutida na parede virada a Norte tem uma inscrição romana, em latim, descodificada pelo arqueólogo Marcos Osório da Silva e que diz: «(A ???c) a Alfídia Ama, filhos de Lúcio Ânio Cipiano. Aos seus filhos, o pai mandou fazer esta memória».
Ainda de acordo com o estudo de Marcos Osório «Ruivós – Antiguidade de uma Freguesia» durante o domínio romano toda a região em torno de Ruivós «dada a sua referida riqueza agrícola, voltou a ser densamente povoada e no lugar onde se situa a capela de São Paulo, ter-se-á implantado uma unidade habitacional/agrícola, denominada nos tempos romanos de villae. (…) A sul da capela, existe uma nascente chamada de fonte romana que poderá corresponder a um local de tradição no abastecimento de água ao local».
«A fonte romana há muito que estava escondida pelas silvas e pelas giestas», recorda Manuel Leitão quando chegamos à portaleira de um lameiro onde se notam as paredes em pedra recolocadas, recentemente, no lugar. Ao fundo uma espécie de anta protege uma pequena presa de água arrimada a um cristalino ribeiro de geladas águas que corre com imponência nestes chuvosos tempos de Março. «Aqui está ela! Limpámos o lameiro e a fonte romana e queremos fazer aqui um parque de merendas», diz-nos com orgulho o presidente.
A visita guiada terminou nas traseiras da igreja matriz de Ruivós junto ao antigo «tronco» com seis pedras graníticas verticais onde os animais eram ferrados ou curados quando tinham pernas partidas ou estortegadas. Ao lado do «tronco» mantém-se imponente a velhinha amoreira testemunha silenciosa da brincadeira de gerações de crianças e que em todas deixou a sua marca colorida. Nas mãos, no corpo, na roupa. As amoras são daquelas que crescem até ficar enormes e vermelhas e depois amadurecem para preto. É a amoreira do povo. É a velhinha amoreira que merecia ser podada, tratada, revitalizada e condecorada com a ordem de monumento da freguesia de Ruivós. Aqui fica o desafio ao dinâmico presidente Manuel Leitão.
jcl

O Sporting Clube do Sabugal derrotou por um invulgar 12-1 a equipa do Lageosa do Mondego, em jogo da 20.ª jornada do Campeonato da Primeira Divisão Distrital de Futebol, ocupando agora a segunda posição da tabela classificativa a cinco pontos do primeiro, que é o Aguiar da Beira. Entretanto as atenções estão já colocadas na final da Taça de Honra que o Sabugal disputará com o Gouveia no próximo sábado.

A equipa do Sabugal realizou uma curta deslocação à localidade da Lageosa do Mondego, de onde saiu com uma vitória por 12-1.
É um resultado anormal, e quando assim é não há muito a contar sobre o jogo, pois o mesmo foi de sentido único, à excepção do minuto 15, quando, após uma desatenção da defensiva forasteira, a equipa local reduziu para 1-2. A partir daí foi o aumentar do resultado, perante a impotência dos jogadores locais que nada podiam fazer perante o maior poderio do adversário, que era infinitamente superior.
O único motivo de interesse residia em saber quantos golos o avançado Manata conseguiria averbar nos noventa minutos do jogo. Foram seis, e poderiam ser mais, que, somados a mais dois de Faneca, dois de Vaz Alves, um de Ricardito e um de Pereira, fixaram o resultado final.
Nos outros escalões o Sporting Clube do Sabugal conseguiu os seguintes resultados:

Iniciados: N. D. S. Guarda, 1 – Sabugal, 0.

Infantis: Sabugal, 8 – Figueira, 1.

Futebol Feminino: Sabugal, 3 – Lageosa do Mondego, 0 (por falta de comparência da equipa visitante).

Escolinhas: Realizou-se em Gouveia o respectivo encontro, com a presença das duas equipas do Sabugal, Casal de Cinza, Gouveia e Seia. O Sabugal A venceu os três jogos sem ter sofrido qualquer golo e o Sabugal B conseguiu duas vitórias e sofreu uma derrota.

Relembramos que no próximo sábado, dia 3 de Abril, às 16 horas, disputa-se no Estádio Municipal da Guarda a final da Taça Prof. Madeira Grilo entre o S. C. Sabugal e o C. D. Gouveia.
Carlos Janela

A equipa do Soito não foi bafejada pela sorte nesta jornada, perdendo em casa com o Foz Côa, equipa que está em quarto do campeonato com os mesmos pontos que o Sabugal. Ainda assim o Soito manteve o 12.º posto na tabela classificativa.
plb

Rogério Mesquita, jovem futebolista nascido no Sabugal, tem brilhado ao serviço do Louletano, equipa que representa no escalão «Iniciados».

Vodpod videos no longer available.
Autoria: D.R.Posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

Aos 15 anos, Rogério Mesquita é um dos jogadores em evidência na equipa de iniciados do Louletano. Este fim-de-semana voltou a facturar ao marcar mais um golo no jogo do campeonato nacional de iniciados, contra o Imortal de Albufeira. A equipa de Loulé ficou assim apurada para a segunda fase.
O Rogério jogou desde as «escolinhas» no Sporting Clube do Sabugal. No ano passado acompanhou a família que se mudou para Loulé. O pai, Sérgio Mesquita, falou com os responsáveis do Louletano, e o jovem fez treinos de captação. Os técnicos da equipa consideraram-no um jogador de grande valia e entrou como titular para a equipa de iniciados.
Capeia Arraiana falou com o pai do craque: «O Sporting do Sabugal não pôs inconvenientes dado o motivo da retirada, apenas colocou uma cláusula: realizar uma deslocação com jogo de intercâmbio entre iniciados Louletano-Sporting do Sabugal. Isso acontecerá no final da época, em que a equipa do Louletano vai jogar ao Sabugal e vice-versa. Para além das questões desportivas, o objectivo é que os miúdos e os pais aproveitem para conhecer o concelho do Sabugal.»
Sérgio Mesquita enviou-nos o vídeo onde o filho marca o golo do Louletano no jogo deste fim-de-semana frente ao Imortal de Albufeira.
plb

As fotografias apresentadas nesta crónica referem-se à participação do Soito no Cortejo que teve lugar em 1969, no Sabugal, aquando da visita à sede do concelho do Presidente do Conselho, Marcello Caetano.

Clique nas imagens para ampliar

João Aristídes Duarte - «Memória, Memórias...»O Soito participou com um Rancho de raparigas que cantaram aquele que ficou conhecido como o «Hino do Soito» (música «Ay Portugal Porque Te Quiero Tanto» – também conhecida por «Estudantina Portuguesa» e letra de Judite Nunes Aristides).
Lembro-me bem desse desfile e da participação do Soito, quando eu tinha 9 anos de idade.
Efectivamente, foi uma das primeiras vezes que eu fui ao Sabugal. O meu professor queria, à viva força, que os alunos dele levassem batas brancas para receberem o senhor Presidente do Conselho. Só que nós não usávamos batas. Ainda hoje estou para saber, no entanto, como é que alguns (poucos) dos meus companheiros de escola conseguiram levar vestidas as batas brancas, com as quais nunca os tinha visto na escola.
Nesse dia havia tolerância total, decretada pelas autoridades da época, e as camionetas da Cristalina podiam transportar pessoas para o Sabugal. Foi numa dessas camionetas (que se vê na imagem) que eu fui para o Sabugal. A camioneta levava um ramo de castanheiro, ainda com ouriços, e, quando a fome apertou, as castanhas desapareceram todas.
A Cristalina participou, ainda, com outro carro alegórico, onde estava escrito «Rossio Rival do Paço, Paço Rival do Rossio, Cristalina Não Tem Rival». Julgo que isso se refere a uma rivalidade entre dois bairros, existentes em Canas de Senhorim, mas quem saberia disso, na época?
«Memória, Memórias…», opinião de João Aristides Duarte

akapunkrural@gmail.com

Foi divulgado o programa do habitual encontro de antigos alunos do Colégio do Sabugal, que se realiza no dia 1 de Maio.

Segundo o programa, o IV Encontro de Antigos Alunos Funcionários e Professores do Externato Secundário do Sabugal terá lugar às 17 horas no antigo edifício do Colégio.
Às 18 horas haverá uma missa pela alma do fundador e director do Colégio, Dr José Diamantino dos Santos, e demais antigos alunos, professores e funcionários já falecidos.
Depois os participantes dirigem-se ao restaurante D. Dinis, no RaiHotel, onde pelas 19 horas e 30 minutos se realizará o jantar de convívio, seguido de animação e outras surpresas que acontecerão pela noite dentro.
Este é o primeiro encontro após o falecimento do fundador do colégio, acontecida no início de 2009, pelo que se espera uma grande adesão, já que este será também um momento de homenagem ao Dr José Diamantino dos Santos.
Os interessados deverão contactar a comissão organizativa do encontro, assim constituída:
Maria de Lurdes Bogas (271752372 ou 969444024)
José Alberto Monteiro (271753157 ou (961369494)
António Lucas (218132543ou 917047042)
Fátima Dias (918176697).
As inscrições também podem ser efectuadas para o seguinte endereço electrónico: ess.4encontro@gmail.com.
A data limite para as inscrições é o dia 23 de Abril.
plb

Tal como estava previsto tiveram lugar as duas reuniões do AECT (Agrupación Europea de Cooperación Territorial Duero-Douro), na passada sexta-feira, dia 26, no Centro Cívico de Foios. A reunião que se realizou da parte da manhã foi do sector da saúde e acção social.

Clique nas imagens para ampliar

José Manuel Campos - Nascente do CôaVisto que o dia surgiu muito chuvoso, alguns elementos chegaram um pouco atrasados e outros acabaram por não comparecer.
O Director do AECT, José Luís Pascoal, abriu a sessão por volta das 11 horas. Informou os presentes que durante a semana já se haviam realizado reuniões de outros sectores e que, no fundo, aquilo que se pretende é a sensibilização dos elementos dos respectivos sectores visto que os técnicos do AECT deverão vir para o terreno fazer o levantamento das necessidades das localidades que integram o Agrupamento.
Às 15 horas e 30 minutos deu-se início a mais uma sessão, que teve lugar no auditório, e que contou com a presença de vários Presidentes de Junta de Freguesia ou seus representantes. Compareceram também alguns Alcaldes de algumas localidades vizinhas espanholas.
O Director do AECT fez uma explanação do trabalho realizado. Falou de várias acções inter-escolares que têm sido levadas a efeito entre alunos dos dois lados da fronteira. A maior parte destas acções tiveram lugar na zona do Douro mas já estão outras programadas com escolas do Sabugal.
O José Luís foi claro e objectivo dizendo, como já muitas vezes lhe ouvi, que todos temos que ter calma e paciência porque, como é óbvio, não se semeia hoje para se colher amanhã ou para a semana. A sementeira está a ser feita e certamente que os resultados surgirão.
Transmitiu a todos os presentes quanto tem sido difícil e duro dar a conhecer o AECT nos dois países. Houve, e ainda há, pessoas e instituições que não vêm o Agrupamento com bons olhos porque receiam que este possa ser concorrente com regiões ou províncias já existentes.
A Direcção do Agrupamento não se tem poupado a esforços para dar a conhecer o Agrupamento. Já foram recebidos por diversos governantes dos dois países e as águas começam a ficar menos turvas.
O José Luís explicou em pormenor, no que consistem os projectos dos rebanhos comunitários que foram apresentados ao programa «Life» e que parece estarem bem encaminhados.
Durante o mês de Junho deverá ser convocada uma assembleia-geral onde tudo será convenientemente explanado. Será também nessa reunião que será analisada a hipótese de poderem entrar no agrupamento mais trinta autarquias dos dois lados da fronteira.
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia dos Foios)

jmncampos@gmail.com

Manuel Leal Freire - Capeia ArraianaManuel Leal Freire nasceu na freguesia da Bismula, concelho do Sabugal. Viveu grande parte da adolescência nas Batocas (Raia sabugalense) onde o seu pai era guarda-fiscal. Actualmente reside em Gouveia onde tem um escritório de advogados. Aos 82 anos mantém, ainda, uma memória impressionante e surpreende quem não o conhece por fazer discursos sem papel e em verso como aconteceu, recentemente, como grão-mestre da Confraria do Queijo Serra da Estrela. Um vulto com lugar na história cultural e literária das terras raianas e do concelho do Sabugal.

POEMA AO BUCHO RAIANO

Sabores da mais rara qualidade
a que o tempo deu superno cunho
atingiram no Bucho a sumidade
de que a Confraria é testemunho
qualquer um de nós pelo seu punho
o atesta escrivão da puridade
perfeita assinatura é não rascunho
que para sempre obrigar-nos há-de.
Que outros cantem hinos, carmes, loas
gastem, horas de sexta, véspera e noas
rendidos aos seus sabores, é natural.
Mas nós de nossas coisas sempre ufanos
elegemos como ambrósia dos raianos
o Bucho que se serve em Sabugal.

De onde advirá todo este gosto
que corpo e alma tanto nos deleita
tão entranhado em nós que é pressuposto
de uma interacção quase perfeita.

Antiga, muito antiga é a receita,
perene, em seus segredos, o composto
o fumo, a carne, o dedo que a confeita
o alho e colorau, em contragosto.

Os deuses no Olimpo luminoso
criaram um sabor suprafamoso
que Homero eternizou, de nome ambrósia

Porém, se o nosso Bucho aos sete céus
chegara um dia, então diria Zeus
que tudo ali ao Bucho é simples sósia

Comamos, depois cantemos
um hino ao Bucho raiano
loas que repetiremos
em toda a roda do ano.

Viva, Viva, o Bucho e quem o fez
que sobre algum bocado não se aceita
a faca e o garfo alçados a viés
que o copo ocupa sempre a mão direita

Viva quem diga que viva
o Bucho rei dos sabores
todo o confrade é conviva
não se aceitam desertores

Viva o nosso, viva o nosso
Viva o nosso padre santo
comamos que carne ou osso
inda cá cabe outro tanto.
Manuel Leal Freire

Realizou-se no passado fim-de-semana de 27 e 28 de Março, em Coimbra, uma prova da Taça da Europa de Juniores em Judo. Portugal conquistou apenas cinco medalhas ficando as presenças no pódio aquém das expectativas.

Ana Rita Figueiredo - Judo - Sporting Clube SabugalA Taça da Europa de Juniores em Judo, realizada em Coimbra, no fim-de-semana de 27 e 28 de Março, teve a presença de oito países – Portugal, Alemanha, Brasil, República Checa, Espanha, Eslovénia, Suíça, Luxemburgo, Moldávia e Noruega – podendo cada um deles participar com um máximo de quatro atletas por categoria de peso, competindo assim mais de 250 Judocas distribuídos pelos dois dias.
A competição teve um nível muito elevado, conseguindo apenas cinco atletas da selecção de juniores alcançar o pódio, sendo a Alemanha o país com mais medalhas conquistadas, seguida do Brasil.
Ana Rita Figueiredo, do Sporting Clube do Sabugal, marcou presente na prova competindo nos -48kg tendo sido derrotada pela atleta suíça que viria a alcançar a prata permitiu-lhe ser ainda repescada e posteriormente eliminada por uma judoca espanhola.
A Judoca do Sabugal conseguiu entrar nas quotas de participação para esta Taça de Europa, devido à sua qualificação e participação no Campeonato Nacional de Juniores. Não fazendo parte a atleta da Selecção Nacional, a sua participação foi a expensas próprias, sendo a sua estadia em Coimbra suportada pelo clube sabugalense.
A participação neste tipo de prova é sempre positiva, pois permite aos nossos judocas competir com atletas estrangeiros, tirando assim as conclusões necessárias para o melhoramento competitivo.
No próximo mês de Maio será a vez de Sofia Figueiredo de tentar a sua sorte no Torneio Internacional de Portugal no escalão de «Esperanças» ao qual deverá ter acesso por ter alcançado o 5.º lugar no Campeonato Nacional de Esperanças (cadetes).
djmc

Imagens do XXI Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela e da XIX Festa do Queijo e dos Produtos de Qualidade de Oliveira do Hospital.

GALERIA DE IMAGENS – 20-3-2010
Fotos Capeia Arraiana  –  Clique nas imagens para ampliar

Imagens do XXI Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela e da XIX Festa do Queijo e dos Produtos de Qualidade de Oliveira do Hospital.

GALERIA DE IMAGENS – 20-3-2010
Fotos Capeia Arraiana  –  Clique nas imagens para ampliar

O XXI Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela teve lugar em Oliveira do Hospital no dia 20 de Março e integrou a XIX Festa do Queijo e outros produtos locais de qualidade. A chuva – sempre tão abençoada pelos pastores – fez questão de marcar presença com muita intensidade ao longo do dia inviabilizando algumas actividades previstas. O presidente do Município local, José Carlos Alexandrino, e o confrade Pedro Couceiro da Confraria do Queijo Serra da Estrela estiveram sempre presentes ao longo da jornada acompanhando de perto os convidados e os visitantes. A Confraria do Bucho Raiano fez-se representar com cinco confrades no Capítulo da sua confraria madrinha.

Oliveira do Hospital - XIX Festa do Queijo Serra da Estrela - XXI Capítulo Confraria Queijo Serra da EstrelaA XIX Festa do Queijo Serra da Estrela reuniu uma multidão que se refugiou do mau tempo no espaço do Mercado Municipal. Lá fora os rebanhos premiados ficaram retidos no curral improvisado no parque de estacionamento e as tosquias de ovelhas e a actuação dos diversos grupos musicais ira decorrendo «nos intervalos» da chuva. Aqui e além percebiam-se entre os visitantes os trajes dos muitos confrades que marcaram presença logo pela manhã.
A Feira contou com a visita do secretário de Estado das Florestas, Rui Barreiro, sempre acompanhado pelo presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital, José Carlos Alexandrino, e do líder nacional do CDS-PP, Paulo Portas.
Uma reunião, ao meio-dia, no Salão Nobre da Câmara Municipal serviu para apresentar a recém-criada Plataforma de Desenvolvimento da Região Centro Interior onde estão depositadas muitas esperanças para inverter a situação de crise nas terras da Beira Serra.
Entre as várias intervenções destacamos o empenho de José Carlos Alexandrino em reunir todos os municípios produtores de Queijo Serra da Estrela para a realização da «maior acção de marketing de sempre»: «Quero levar mil ovelhas até Lisboa e descer com elas a Avenida da Liberdade», desvendou o autarca que acrescentou ainda ser sua intenção criar um Museu do Queijo «vivo e onde as crianças e jovens vejam como se faz o queijo e como se ordenam as ovelhas». A ideia faz-nos lembrar a fórmula ganhadora do Museu do Pão em Seia.
O secretário de Estado, Rui Barreiro, deixou uma mensagem de coragem e a sugestão da criação de uma feira de dimensão nacional – em Lisboa ou no Porto – que reúna todos os municípios produtores e transforme o Queijo Serra da Estrela em marca internacionalmente reconhecida.
A Plataforma de Desenvolvimento da Região Centro Interior conta com o apoio do Ministério da Agricultura e propõe-se «alavancar a actividade económica, melhorar a qualidade de vida e promover o uso sustentável do espaço territorial incidindo em cinco grandes áreas – floresta e agricultura, energias renováveis, actividade empresarial, turismo e sociedade».
O almoço do XXI Capítulo da Confraria Queijo Serra da Estrela decorreu na sede da ANCOSE – Associação Nacional dos Criadores de Ovinos da Serra da Estrela com visita às instalações.
Às 18 horas aproveitando mais uma «aberta no tempo» teve lugar o desfile das confrarias do mercado até aos Paços do Concelho onde decorreu o XXI Capítulo da Confraria do Queijo Serra da Estrela presidido pelo grão-mestre Manuel Leal Freire. A cerimónia teve início com as intervenções do Presidente da Câmara Municipal de Oliveira do Hospital e do confrade-presidente da Confraria dos Amigos dos Queijos do Principado das Astúrias. O Capítulo incluiu a entronização de novos confrades, a apresentação do portal da Confraria, a entrega do diploma da medalha de ouro ao Queijo Serra da Estrela produzido na Quinta da Cobrançã conquistada nas VI Olímpiadas de Queijos de Montanha realizadas em Bellelay e Saignelégier na Suíça e a declamação de poesia do livro «Trovas de Escárnio e Vernáculo», de Manuel Leal Freire. A cerimónia terminou com a chamada de todas as confrarias presentes – incluindo a Confraria do Bucho Raiano – e a entrega de lembranças. O jantar teve lugar na Pousada Convento do Desagravo em Vila Pouca da Beira.
jcl

Decididamente a Igreja não sabe lidar com as questões do sexo. Sempre que as mesmas se colocam na sociedade, as estruturas religiosas raramente acertam o passo, assumindo habitualmente posições contrárias ao resto da sociedade.

Papa Bento XVI

António Cabanas - «Terras do Lince»São sobejamente conhecidos os engulhos eclesiásticos acerca da inadmissível discriminação das mulheres, que constituindo a maioria dos fiéis, são estranhamente impedidas de aceder aos cargos sacerdotais. A culpa, neste caso, também é delas, pela passividade e falta de contestação, incompreensível quando comparada com a força demonstrada na luta pelos seus direitos, pela sua emancipação e pela igualdade noutras áreas da sociedade. Pelo contrário, em matéria de religião, continuam, a aceitar a subalternização, como se Deus as tivesse abandonado. Mas não será de excluir que um dia destes as mulheres façam greve à religião, deixando as igrejas vazias!
Outro tema recorrente é o casamento dos padres que, segundo alguns, resolveria o problema da falta de vocações. O Vaticano, porém, nem quer ouvir falar do assunto, demonstrando que ao nível mais elevado da hierarquia da Igreja há assuntos que são autênticos tabus. João Paulo II, apesar de mais aberto à mudança que o actual Papa, também não aceitou discuti-los. No entanto, os incumprimentos ao celibato sacerdotal continuam nos dias de hoje a fazer estragos sociais e deixar sem pároco algumas das nossas freguesias. Ainda recentemente, assistimos a uma mediática história amorosa, entre um jovem pároco português e uma sua paroquiana.
Neste capítulo, a Igreja deu alguns passos atrás, já que no passado, muitos dos clérigos eram casados e tinham filhos. Não soube, por isso, tirar partido da realidade de então, para em definitivo instituir o casamento dos padres e dessa forma universalizar o acesso ao sacerdócio. Teria matando 2 coelhos de uma só vez!
Na mais recente visita a Angola, o Papa voltou a escorregar no ataque ao preservativo, considerando-o como uma espécie de atentado à vida. Numa região em que a sida é o mais sério problema de saúde e de mortalidade, ninguém entendeu a mensagem do sumo pontífice. Neste capítulo, bem pode dizer-se que a instituição religiosa parece ter receio da inovação e do moderno. O controle de natalidade sempre existiu no passado, com formas arcaicas e bastante cruéis, como o abafamento de bebés e outros métodos, bem conhecidos e tolerados pela Igreja. Ao criticar as formas modernas, cómodas e sensatas de controlo de natalidade e que tornam as relações sexuais mais seguras, a Igreja demonstrou mais uma vez a sua dificuldade em lidar com o sexo.
Os piores fantasmas, no entanto, são as notícias que em catadupa, tem vindo a lume nos últimos meses sobre os abusos de pedofilia, supostamente perpetrados por padres em vários países do globo. Estes casos estão a abalar seriamente a ética da instituição religiosa, que não soube no passado recente lidar com o assunto, não soube tomar medidas atempadamente e assobiou para o lado, como se de assunto alheio se tratasse.
Neste particular, o problema poderá tomar dimensões mediáticas catastróficas e está a deixar o próprio Bento XVI em maus lençóis.
«Terras do Lince», opinião de António Cabanas

kabanasa@sapo.pt

José Cardoso Pires nasceu em 1925, em São João do Peso, concelho de Vila de Rei e distrito de Castelo Branco, filho de um oficial. Já em Lisboa, faz os estudos secundários no Liceu Camões e frequenta o curso de Matemática da Faculdade de Ciências de Lisboa, sem todavia concluir o curso. Colabora na página literária do jornal «O Globo» e publica comentários de leitura na revista «Afinidades» do Instituto Francês de Lisboa.

A um tempo lançou-se na produção literária, onde esteve sempre ligado à ficção de implicação social, aliando as concepções neo-realistas às existencialistas. Notabilizou-se por usar um estilo escorrido e de grande rigor, reflexo da extrema sobriedade com que encarou as coisas da vida.
No livro «Jogos de Azar», compilou um conjunto de contos que havia escrito em épocas diferentes. A ligá-los há um denominador comum: são histórias de gente angustiada com o andamento da vida, de pessoas que atravessam dificuldades e reagem perante isso. Há uma posição firme do autor ao reunir esses textos: a sua preocupação com a miséria e a fome que atravessa o mundo e o olhar indiferente da sociedade. A própria literatura, nota-o José Cardoso Pires, afastou-se do tema. A fome pode ser resolvida pela economia, pelo bom planeamento e a óptima afectação dos meios de produção. A fome já não é uma preocupação social.
O conto «Amanhã, se Deus Quiser» é uma história de esperança num futuro melhor, face a um presente de extremas dificuldades. Tempos difíceis na vida de uma família citadina, onde o desespero marca o compasso dos dias. As mulheres, mãe e filha, costuram para angariar algum pecúlio, os homens, pai e filho, buscam em vão por emprego. A guerra assolava a Europa, inundada pela cruz suástica. A ditadura impedia a livre expressão e havia medo nas palavras, que podiam levar à prisão. A fome instalara-se nos lares, mas o medo da guerra dominava as preocupações: «se a fome é triste, a guerra ainda é pior.»
A dado ponto descreve-se mesmo uma refeição tomada em casa, em que cada qual comia a seu tempo, reflexos dos problemas que a família enfrentava:
«Bem podias esperar pelo pai…»
O gato saltou da floreira de cana para cima da mesa.
“Chta, gato.” A minha mãe afastou-o com um safanão. “Quando o pai vier, vou ter que ouvir… Sabes bem que ele não gosta que coma cada um por sua vez.”
Peguei num carapau, mastiguei-o com espinhas e tudo. Tinha pressa, comia e, sem perder tempo, enchia o púcaro de vinho.
“Tira dos do fundo”, continuava a minha mãe. “Desses maiores. Assim, confesso, nem a comida rende. Agora come o filho, agora come o pai… vida de ciganos, é o que isto me faz lembrar.”»
«Sabores Literários», crónica de Paulo Leitão Batista

leitaobatista@gmail.com

Teresa Duarte ReisDia 21 de Março, dia da Poesia. Poesia é uma forma de arte num embrulhar ou desembrulhar as palavras em recantos do coração, da memória, do pensamento, dando forma a sonhos ou desabafar desânimos, expondo o interior de nós, de mim… Em cada retalho de texto com que pretendo servir -me como desabafo ou como meio para levar a cada um dos que lêem, entendem ou pretendem entender, deixo um pedaço de frescura na calma e terna doçura da manhã, se em cada dia da vida lemos o acordar como a primeira manhã de tantos dias de uma vida a viver…

POESIA

Poesia é
Depositar no vento
O sonho.

É levar nas ondas
As palavras
Num baloiçar húmido
De branca espuma.

É lançar à terra
A lágrima
Que o tempo não poupa
À vida
Dum duro viver.

Poesia é
Um grito de alegria
Duma vida a nascer
No enriquecer de outras vidas
Vividas a valer.

É um sonho
Uma lágrima
Um grito
Um gemido
Um desabafo
Um viver mais que viver
É um querer mais que querer
É um pensar mais que saber.
É crescer!

Poema extraído do livro «Arco-Íris»

«O Cheiro das Palavras», crónica de Teresa Duarte Reis
netitas19@gmail.com

Vodpod videos no longer available.

Autoria: SIC posted with Galeria de Vídeos Capeia Arraiana

O Município de Fornos de Algodres e a Confraria da Urtiga assinalam em 16 a 18 de Abril o Dia Internacional dos Monumentos e Sítios/IGESPAR e as V Jornadas de Etnobotânica com um conjunto de actividades culturais que pretendem envolver a população em geral e sobretudo os jovens na área do património histórico, cultural e imaterial do concelho.

Confraria da Urtiga - Fornos de AlgodresSob o lema «Património Rural/ Paisagens Culturais» as actividades incluem a exposição «Arte Verde», no novo Centro Cultural, realizada por alunos do 2.º CEB do Agrupamento de Escolas de Fornos de Algodres e de uma oficina de leitura «Verde Esperança» com mostra de livros, leitura e dramatização de histórias com tonalidades verdes, dinamizada pela Biblioteca Municipal, Espaço Internet e Biblioteca do Agrupamento de Escolas.
O programa inclui um workshop Floraste por formandos do Agrupamento de Escolas local e um espectáculo de teatro por alunos do clube de teatro do referido agrupamento.
«Curtas e Verdes» é a designação de um conjunto de curtas-metragens sob a temática do ambiente, seguidas de debate e reflexão.
Entretanto, no Centro Cultural da APSCD de Fornos de Algodres fica patente ao público a primeira mostra de «Cestaria em Portugal» e o retrato sobre o último cesteiro de Fornos de Algodres sob o tema «Quem faz um cesto já não faz um centro».
O dia 17 de Abril é preenchido com actividades dedicadas à Urtiga e sua importância na gastronomia tendo em conta que Fornos de Algodres é sede da Confraria da Urtiga, cujos primeiros confrades foram entronizados há um ano.
Assim esta programada a realização de uma saída de campo para recolha e observação de plantas, um piquenique em Muxagata seguido de vários painéis designadamente o «Herbanário Erótico» orientado por Bernard Bertrand, da organização Les amies d’ortie-França, «Urtica Urens» dirigido pelo Homeopata Tony Conway, «Potencial Gastronómico da Urtiga», por Martin Alvarez, da Associação «Estugas» e Espanha.
Paralelamente realiza-se um concurso gastronómico tendo por base a Urtiga e à noite um sarau cultural que inclui leitura de Poesia por Graça Magalhães, Paulo Pires e Célia Ribeiro a exibição do grupo Clave de Sol-Grupo de Concertinas de Penaverde.
As celebrações encerram no domingo, dia 18, centradas na Confraria da Urtiga com recepção a confrarias convidadas, segunda Entronização de confrades, desfile das confrarias ao compasso do grupo Batuta da Alegria e um workshop sobre a Confecção da Urtiga, por Martin Alvarez.
O presidente do Município, José Miranda considera que «a realização destas jornadas se revestem de grande importância para o concelho tendo em conta a motivação das pessoas para os problemas da conservação dos sítios e monumentos, sejam eles simples ou mais vultuosos e sobretudo chamar também a atenção para o significado patrimonial que representam os recurso endógenos, como é o caso da Urtiga».
Neste sentido entende que a Confraria da Urtiga representa «uma mais valia para o aproveitamento de um vegetal a quem as pessoas não atribuem, em alguns casos, grande importância mas que tem grande valor nutritivo» sublinhando que «a urtiga tem mais vitamina C do que a laranja, é óptima na gastronomia, seja no queijo ou simples esparregado».
José Miranda é de opinião que nesta região «há potencialidades naturais, por vezes escondidas nos mais simples recantos paisagísticos e também património desde a Pré-História aos nossos dias que urge valorizar e divulgar».
aps (com Gabinete de Imprensa da C.M. de Fornos de Algodres)

Se fosse vivo Akira Kurosawa, um dos grandes mestres do cinema japonês e mundial, faria esta semana 100 anos. Ao longo de 50 anos e mais de 30 anos foi um nome bastante influente na Sétima Arte.

Pedro Miguel Fernandes - Série BNascido em Tóquio a 23 de Março de 1910 numa família com oito filhos, sendo ele o mais novo, Akira Kurosawa chega à idade adulta com a ideia de ser pintor, mas a falta de recursos financeiros acabar por afastá-lo deste campo. A influência de uma das irmãs, que era narradora de filmes mudos antes do cinema passar a sonoro, foi fundamental para levar o jovem Akira para o mundo do cinema.
Aos 26 anos um anúncio para assistente de realizador abriu-lhe as portas para a Sétima Arte. Foi em 1943 que se estreou finalmente na cadeira de realizador para filmar «Sugata Sanshiro». Nesta primeira fase da sua carreira, que durou até 1965, Kurosawa assinou 24 filmes, entre os quais os seus filmes mais conhecidos: «O Anjo Bêbedo» (1948), «Os Sete Samurais» (1954), «A Fortaleza Escondida» (1958) e «Yojimbo – O Guarda-Costas» (1961).
«Os Sete Samurais» talvez seja a obra mais popular deste período, muito em parte devido a um remake norte-americano «Os Sete Magníficos», assinado em 1960 por John Sturges que adapta a história da vingança de sete samurais que protegem uma aldeia tiranizada por um grupo de bandidos ao universo do western. Como prova esta obra-prima, o universo dos samurais é uma das suas imagens de marca.
Akira KurosawaDepois de uma primeira grande época, Kurosawa entra em declínio e em 1971 tenta o suicídio, sem sucesso. O período final da sua carreira começa em 1975 com mais uma grande obra, filmada com capitais da ex-União Soviética: «Dersu Uzala: A Águia das Estepes», filmado em grande parte na Sibéria e que relata a história de um explorador que trava amizade com o seu guia mongol. Cinco anos depois outro ponto alto da sua filmografia: «Kagemusha: A Sombra do Samurai», um filme que contou com produção de Francis Ford Coppola e George Lucas, dois dos grandes responsáveis pelo reconhecimento internacional do cineasta.
Em 1985 o mestre japonês realiza aquele que considerou ser o seu melhor filme: «Ran – Os Senhores da Guerra», uma excelente adaptação da peça de teatro «Rei Lear» de William Shakespeare ao Japão feudal. Depois desse ano Kurosawa assina mais três filmes: «Sonhos» (1990), «Rapsódia em Agosto» (1991) e «Ainda Não» (1993).
Akira Kurosawa faleceu a 6 de Setembro de 1998 na localidade de Setagaya, perto de Tóquio, vítima de um enfarte. Com 88 anos, deixou um dos mais importantes legados do cinema asiático e do mundo.
«Série B», opinião de Pedro Miguel Fernandes

pedrompfernandes@sapo.pt

Fernando Sardinha, velha glória do Sporting Clube do Sabugal, faleceu em França, onde residia, tendo ido a enterrar no dia 23 de Março em Brive, Bordéus.

José Manuel Carvalho PereiraContava 74 anos e o seu verdadeiro nome era Fernando Santos, mas todos o conheciam por «Sardinha». Na juventude foi um dos mais conhecidos jogadores de futebol do Sporting Clube do Sabugal. Os mais antigos recordam-no como o lendário defesa central dos anos de 1960, quando o clube vivia apenas da boa vontade e do altruísmo dos seus jogadores.
O Sardinha era um defesa que jogava com garra e era difícil de ultrapassar pelos adversários. Ao facto de ser bom jogador, juntava uma personalidade muito marcante. Era aberto e alegre, e a sua permanente boa disposição contagiava os que lidavam com ele.
Embora bom jogador de futebol o Sardinha trabalhava como modesto empregado da empresa de transportes Viúva Monteiro, no Sabugal, e a necessidade de sustentar melhor a família levou-o a emigrar para França. Fixou-se em Brive, perto de Bordéus, onde existe uma expressiva comunidade de sabugalenses, e por lá ficou até que a morte o surpreendeu.
Há uns anos havia tido a infelicidade de ver morrer um filho jovem, que era atleta de alta competição em França. Durante muitos anos andara algo deprimido, em consequência dessa fatalidade, mas aos poucos fora recuperando a sua personalidade viva e alegre. Ultimamente vinha todos os anos, no verão, ao Sabugal, onde gostava de passar a festa da Senhora da Graça entre os seus conterrâneos e amigos.
plb

No V Domingo da Quaresma, dia 21 de Março, centenas de cristãos provenientes das 37 paróquias do Arciprestado do Sabugal participaram na celebração arciprestal em Ano Sacerdotal presidida por D. Manuel Felício, Bispo da Diocese da Guarda. O Salão da Junta de Freguesia foi pequeno para acolher todos os que quiseram dar graças ao Senhor pelo dom do sacerdócio.

Clique nas imagens para ampliar

Desde a Solenidade do Coração de Jesus de 2009 até à mesma festa de 2010, que este ano ocorre a 11 de Junho, a Igreja Católica celebra o Ano Sacerdotal, pedido pelo Papa Bento XVI, para assinalar os 150 anos da morte de S. João Maria Vianney – o Cura d’Ares – padroeiro universal dos párocos.
Na Diocese da Guarda, por iniciativa do Sr. Bispo, cada Arciprestado é convidado a viver este Ano Sacerdotal através de algumas iniciativas, das quais se destacam: o levantamento do nome dos sacerdotes que paroquiaram as paróquias no último século; um encontro do Sr. Bispo com os párocos e os agentes pastorais que mais colaboram nas diversas paróquias; e uma celebração solene presidida por Dom Manuel Felício.
Desde Outubro até Junho, os quinze Arciprestados da Diocese da Guarda estão a mobilizar-se com o objectivo de melhor viver estas propostas. Dom Manuel convidou o Arciprestado do Sabugal a viver esta celebração neste V Domingo da Quaresma, dia 21 de Março. Ao longo das duas últimas semanas procurou dedicar algum tempo para o encontro com cada pároco e dezenas de agentes pastorais, convidando-os a viver intensamente este acontecimento e a repensar as formas de ser Igreja no nosso tempo.
Os párocos que pertencem ao Arciprestado entenderam que esta era uma oportunidade única de viver e manifestar a comunhão eclesial e por isso, em reunião realizada em Janeiro, decidiram não celebrar qualquer Eucaristia no Arciprestado neste dia, incentivando os fiéis a associarem-se a esta Celebração Arciprestal em Ano Sacerdotal.
Centenas de pessoas provenientes das 37 paróquias do Arciprestado responderam a este apelo e marcaram presença no Sabugal. O cortejo começou junto à Igreja Paroquial de S. João Baptista, seguiu rua abaixo até ao Largo da Fonte, subiu à rotunda do Bombeiro, virou em direcção ao Mercado Municipal, subiu a Rua do Cemitério e terminou no Salão da Junta. Cada paróquia trouxe uma bandeira. Muitas pessoas quiseram participar no cortejo, no qual participaram, também, uma representação dos Bombeiros do Sabugal, os Escuteiros do Agrupamento 727 do Sabugal, alguns acólitos de várias paróquias, vários sacerdotes e o Sr. Bispo.
O Salão foi pequeno para acolher todos os que quiseram participar na Celebração festiva. Nas paredes interiores estavam expostos 37 cartazes com os nomes dos sacerdotes que serviram as paróquias nos últimos 100 anos. Na ocasião cada paróquia entregou ao Sr. Bispo as ofertas que recolheram para as obras do Paço Episcopal e Câmara Eclesiástica.
Na homilia, D. Manuel dirigiu aos presentes palavras de afecto e agradecimento pelo acontecimento festivo que estava a decorrer, lembrou que estamos na recta final da Quaresma, tempo de preparação da maior festa cristã, a Páscoa da Ressurreição de Jesus Cristo, e leu também a quinta catequese quaresmal deste ano, que dirigiu a toda a Diocese a partir desta cidade raiana.
O povo cristão do Arciprestado do Sabugal manifestou uma vez mais a sua fé, que o levou em décadas passadas a ser «alfobre de vocações»; mostrou que apesar de envelhecido está vivo; provou que continua a ser generoso, não só no aspecto material mas também nas suas orações; e que é um povo acolhedor e simpático.

Homília de D. Manuel Felício. Aqui.
Pe. Hélder Lopes

REDE DE SERVIÇOS E EQUIPAMENTOS SOCIAISA publicação este mês do Relatório de 2008 caracterizador da rede de Serviços e Equipamentos Sociais permite analisar um conjunto de informação essencial para a caracterização da oferta social existente.

Ramiro Matos – «Sabugal Melhor»Porque a Carta Social de 2008 está construída numa base regional distrital, a análise será feita sempre referida ao Distrito da Guarda. Por outro lado, deve salientar-se que se trata de dados referentes à oferta privada existente, seja ela iniciativa de entidades lucrativas, seja de entidades não lucrativas.
Concluo hoje esta breve análise com os dados referentes aos idosos, cuja distribuição por Município e por valência se apresenta no Quadro seguinte.

Quadro 1

Da análise deste quadro ressalta de imediato uma muito significativa oferta de serviços e equipamentos para apoio aos idosos.
Uma análise mais centrada no Concelho do Sabugal, permite retirara os seguintes dados principais:
Centros de Dia – Existem Centros de Dia em Aldeia da Ponte, Aldeia de Santo António, Aldeia Velha, Alfaiates, Baraçal, Bendada, Bismula, Casteleiro, Cerdeira, Fóios, Malcata, Nave, Pousafoles do Bispo, Quadrazais, Rebolosa, Sabugal, Santo Estêvão, Sortelha, Souto, Vale de Espinho, Vila Boa, Vila do Touro e Vilar Maior.
A capacidade máxima destes Centros de Dia é de 404 utentes, estando somente ocupados 170.
Centros de Noite – Existem somente dois Centros de Noite, um na Nave e outro na Rapoula do Côa, com um capacidade máxima de 25 utentes, estando ocupados 24.
Lares – Existem Lares em Aldeia da Ponte, Aldeia de Santo António, Aldeia do Bispo, Aldeia Velha, Alfaiates, Bendada, Bismula, Casteleiro, Fóios, Lageosa Malcata, Pousafoles do Bispo, Quadrazais, Rebolosa, Sabugal, Santo Estêvão, Souto, Vale de Espinho e Vila do Touro.
A capacidade máxima dos Lares existentes é de 765, capacidade que está ultrapassada pois são declarados 777 utentes.
Serviço de Apoio Domiciliário – Existem Centros de Dia em Aldeia de Santo António, Alfaiates, Baraçal, Bendada, Bismula, Casteleiro, Cerdeira, Fóios, Lageosa, Malcata, Nave, Pousafoles do Bispo, Quadrazais, Rapoula do Côa, Rebolosa, Sabugal, Santo Estêvão, Sortelha, Souto, Vale de Espinho, Vila Boa, Vila do Touro e Vilar Maior.
A capacidade máxima de atendimento é de 495, sendo apiados apenas 258 idosos em domicílio.

Da análise deste quadro, ressaltam as seguintes conclusões principais:
1. A oferta em Serviços e Equipamentos Sociais centrados no apoio aos idosos é claramente favorável, à excepção da valência Centros de Noite, considerando-se que, face à realidade do Concelho, se deveria apostar mais neste tipo de oferta.
2. A mesma encontra-se um pouco dispersa por todo o Concelho e tem uma ocupação praticamente a 100% no que diz respeito aos Centros de Noite e ultrapassando a capacidade no que diz respeito aos Lares.
3. Significativamente é nas valência Centros de Dia e Apoio ao Domicílio que a oferta é excessiva.
«Sabugal Melhor», opinião de Ramiro Matos

rmlmatos@gmail.com

As Capeias Arraianas da Raia sabugalense e os toiros do Zé Nói em destaque no «Portugal em Directo» da RTP-1. Reportagem de Jorge Esteves e Ismael Marcos.

Capeia Arraiana no Portugal em Directo

jcl

1.º Capítulo da Confraria do Bucho Raiano - Sabugal

O programa «Jardineiros de Palmo e Meio» – Plantação de Áreas Ardidas da Câmara Municipal do Sabugal levou as crianças do Jardim de Infância e Escola EB1 de Aldeia de Santo António e de outros estabelecimento de ensino do concelho a participar numa acção de reflorestação nas áreas ardidas pelos incêndios do Verão do ano passado.

Clique nas imagens para ampliar

Decorreu na tarde de terça-feira, 23 de Março, na freguesia de Aldeia de Santo António o programa de reflorestação do município integrado na iniciativa «Jardineiros de Palmo e Meio».
Para esta iniciativa os responsáveis contaram com a participação de cerca de 40 crianças que frequentam as escolas da freguesia (Jardim de Infância e Escola EB1) e com mais 70 crianças que vieram de outros pontos do concelho.
Estiveram igualmente presentes técnicos da Câmara Municipal, jardineiros e uma equipa dos Bombeiros Voluntários do Sabugal, totalizando mais de 150 participantes.
Foram plantados cerca de 350 carvalhos, tendo o proprietário, para enorme satisfação dos organizadores, afirmado que iria completar a reflorestação daquela área ardida com cerca de um hectare, totalizando cerca de 1500 árvores.
Esperamos todos que esta iniciativa seja um pequeno impulso para a reflorestação das áreas consumidas pelos fogos no nosso concelho.
A Junta de Freguesia de Aldeia de Santo António agradece a colaboração de todos os participantes especialmente dos mais pequenos.
Nuno Mota
Presidente da Junta de Freguesia de Aldeia de Santo António

Realizou-se este fim-de-semana mais uma jornada do Campeonato Distrital da Guarda e a equipa do Sporting do Sabugal recebeu e venceu por 3-1 a congénere de Vila Nova de Tazem. A equipa sabugalense manteve o segundo lugar na classificação geral a cinco pontos do líder Aguiar da Beira.

Associação Futebol GuardaJogou-se este fim-de-semana a 19.ª jornada do Campeonato Distrital da 1.ª Divisão com a equipa do Sporting do Sabugal a receber e bater por 3-1 o onze de Vila Nova de Tazem.
O jogo da equipa sabugalense foi bastante incaracterístico pois os visitantes vieram determinados a discutir o resultado na cidade raiana.
Fruto do nervoso e de necessitar de vencer o desafio os jogadores sabugalenses não conseguiam materealizar em golos as oportunidades de golo criadas.
O 1-0 surgiu por Manata que correspondeu de cabeça da melhor forma à marcação de um livre quando iam decorridos 25 minutos da primeira parte, resultando com que se atingiu o intervalo.
Após o reinício da partida rapidamente a equipa visitante restabeleceu a igualdade devido a um lance infeliz do guarda-redes local. A partir daí mais se acentuou o domínio dos jogadores sabugalenses que viriam a alcançar o 2-1 na conversão de uma grande penalidade por Ricardito.
O resultado final foi conseguido por Pereira que tranquilizou a equipa ao marcar de cabeça o terceiro golo com que finalizou a partida.
Na tabela classificativa o Aguiar da Beira mantém a liderança com 40 pontos, seguido do Sporting do Sabugal, Trancoso, Vila Nova de Foz Côa e Gouveia, todos com 35 pontos.
Após esta jornada tudo permanece em aberto no que respeita à conquista do título pois, em teoria, a equipa do Aguiar da Beira é a que tem nas sete partidas que restam até final os jogos mais complicados.
Restantes resultados:
Infantis – Guarda 2000, 2-Sabugal, 1; Futebol Feminino – Seia, 1-Sabugal, 0.
Carlos Janela

Fernando Pessoa, talvez o nosso melhor poeta, a par de Camões, foi imbuído de um profundo exoterismo, que influenciou a sua obra. E o exoterismo de Pessoa vem-lhe do facto de ter sido maçon. Um facto público e um poema o comprovam…

João ValenteAquando da discussão da célebre lei 1901 na Assembleia Nacional, proibindo a maçonaria e o funcionalismo de pertencer a esta, Pessoa escreveu um célebre artigo no Diário de Notícias, defendendo e enaltecendo as virtudes da maçonaria.
Existe igualmente um poema de Pessoa, que tem passado despercebido em que ele aborda o segredo da maçonaria como um sopro de espírito na alma que o maçon recebe e é incomunicável. Este poema, pelos conhecimentos que revela demonstra que Pessoa foi maçon.
Por isso, muitas vezes, nem tudo o que parece; nem tudo o se diz, é!
Isto tudo vem a talhe de foice não para falar de Pessoa, mas de Shakespeare, o maior escritor da língua Inglesa, que pela tradição foi também maçon, o que justificaria porque além de católico, as suas obras estão imbuídas da filosofia platónica.
Tal doutrina, caracteriza-se pela preocupação com os temas da moral, com base no conhecimento das verdades essenciais/modelos que determinam a realidade, visando toda meditação filosófica o conhecimento do Bem (que no ideal platónico era o Sol/Luz de todas as outras ideias).
O conhecimento do Bem, a suprema ideia que ilumina todas as outras, torna possível a implantação da justiça entre os estados e entre os homens. Tais pressupostos foram absorvidos e são o alicerce do pensamento/filosofia ocidental, e também da simbologia maçónica.
Há uma íntima e harmónica ligação entre o plano do conhecimento e da acção (moral, política), e a ferramenta que possibilita essa articulação é a filosofia ao libertar o espírito dos cuidados do corpo, como afirma Descartes O filósofo assume, então, uma dupla missão especulativa e operativa.
Por essa razão o percurso maçónico tem duas vertentes: A especulativa, na busca do conhecimento e combate às trevas, numa tentativa de apropriação do real. Por outro lado a vertente operativa, pois ser possuidor de um saber, conduz a que esse saber deva ser aplicado na transformação do homem e do mundo, tal como Platão encarava na tarefa do «Filósofo-Rei».
Nesta dupla dimensão é de fundamental importância o «Filósofo-Rei», que venceu as paixões pela razão/sabedoria (Homem platonicamente Bom, Belo e Justo, virtudes correspondentes às colunas do templo maçónico), representando a luz do conhecimento para os seus concidadãos exercendo a essencial condução no destino do estado democrático.
O homem, tornado filósofo através da busca de si mesmo («Homo gnosce te ipsum, Visita Interiorem Terrae, Rectificandoque, Invenies Occultum Lapidem»).
Por isso os heróis das obras de Sakespeare lutam contra uma insurreição interior da alma, consequência do eterno conflito entre o Bem e o Mal, o Amor e o Ódio. O herói shakespeariano é inicialmente nobre, mas entretém uma fraqueza que o fará sucumbir à tentação. Assim é a ambição para Macbeth, o ciúme, para Otelo e o puritanismo, para Ângelo. O herói cai, mas levanta-se. Ele rejeita o amor para satisfazer sua paixão desregrada cometendo um assassinato. Vai ao interior do seu próprio ser, toma consciência do mal que existe nele, e supera-o conduzindo e alterando o destino superando-o com a própria morte. O herói shakespeariano é um idealista que se perde no niilismo por não encontrar resposta às suas questões. É um homem platónico, por antenomásia.
Paradigmática é a célebre obra de Hamelet em que o enredo decorre na Dinamarca. O rei é envenenado furtivamente por seu irmão Cláudio, que usurpa a coroa e desposa sua cunhada Gertrudes, mãe de Hamlet. O espectro do rei assassinado aparece a Hamlet, revelando-lhe as circunstâncias da morte e instigando-o à vingança. Hamlet denuncia a corrupção da corte (Há algo de podre no reino da Dinamarca. Também o há no de Portugal, mas isso é outra história) e ama a filha do lorde camareiro Polónio, Ofélia. Entretanto, ele sofre de melancolia e pensa até no suicídio. Renuncia ao amor de Ofélia, e o drama que se lhe coloca é combater o Mal ou fugir dele pela morte.
«Ser ou não ser, essa é que é a questão: Será mais nobre suportar na mente as flechadas da trágica fortuna ou tomar armas contra um mar de escolhos e, enfrentando-os, vencer? Morrer — Dormir: Nada mais; e dizer que pelo sono findam as dores, como os mil abalos inerentes à carne — é a conclusão que devemos buscar. Morrer — Dormir. Dormir! Talvez sonhar — eis o problema, pois os sonhos que vieram nesse sono de morte, uma vez livres deste invólucro mortal, fazem cismar. Esse é o motivo que prolonga a desdita desta vida. […] Quem carregara suando o fardo da pesada vida se o medo do que depois da morte — o país ignorado de onde nunca ninguém voltou — não nos turbasse a mente e nos fizesse arcar c’o mal que temos em vez de voar para esse, que ignoramos?»
O mundo das sombras, ou da Luz? É esta a questão que se colocou a Hamelet e que se coloca a nós também.
O problema é que a nós, ao contrário de Hamelet, nos turba a mente…
Obs: Esta crónica foi escrita de memória porque só tinha quinze minutos para a sua edição pelo que ficam desde já os leitores de sobreaviso para qualquer lapso de informação, do qual, desde já me penitencio.
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

O primeiro Capítulo de Entronização da Confraria do Bucho Raiano acontecerá no Sabugal, no dia 17 de Abril (sábado). Nessa data os confrades farão o juramento de honra e receberão as insígnias, numa iniciativa em que se espera juntar no Sabugal confrarias de todo o país, representando os mais variados sabores da nossa gastronomia tradicional.

1.º Capítulo da Confraria do Bucho Raiano - SabugalPara além da sessão solene do Capítulo, haverá prova de enchidos, homenagem a personalidades, desfile de confrarias e o indispensável almoço do Bucho.
Segundo o programa já delineado, o ponto de encontro é no jardim do Museu Municipal do Sabugal a partir das 9 horas da manhã, local onde os representantes das confrarias gastronómicas, os confrades do Bucho e demais convidados e aderentes farão a sua apresentação e acreditação perante a organização do evento.
A sessão solene de Entronização começará às 11 horas, com a actuação da Banda Filarmónica da Bendada. Com os confrades e convidados já reunidos no Auditório Municipal, o presidente da Câmara do Sabugal, António Robalo, proferirá uma mensagem de boas-vindas. Depois acontecerá a bênção das insígnias por parte do Bispo da Diocese da Guarda, D. Manuel Felício.
Seguir-se-á a lição de sapiência proferida pelo escritor Célio Rolinho Pires, que explicará em que consiste o bucho raiano e qual a sua importância na cultura popular.
Pelas 12 horas inicia-se a cerimónia de entronização, com a Confraria do Bucho a ser entronizada pelas duas confrarias madrinhas (a do Queijo Serra da Estrela e a da Chanfana), na pessoa do Grão-Mestre Capitular, Joaquim Leal. Caberá depois ao Grão-Mestre, já ajuramentado, entronizar todos os elementos da confraria, através do respectivo juramento e da aposição das insígnias.
Após a entronização serão conferidas distinções de honra a personalidades que têm contribuído para a divulgação do Bucho e para a valorização da confraria e do concelho do Sabugal.
Finda a cerimónia, os confrades do bucho e os representantes das demais confrarias presentes, farão um desfile pelas principais ruas do Sabugal seguindo do auditório para o Restaurante D. Dinis no Raihotel, onde será servido o almoço do Bucho pelas 14 horas. A Banda da Bendada abrirá o cortejo.
A iniciativa é organizada pela Confraria do Bucho Raiano, com a colaboração da Câmara Municipal do Sabugal. Apoiam o evento a Empresa Municipal Sabugal+, a Junta de Freguesia do Sabugal, o Raihotel e a Sociedade Filarmónica Bendadense. Os media partners serão o Capeia Arraiana, a Rádio Altitude e a Localvisão TV da Guarda.
Os confrades já possuidores do traje regulamentar devem inscrever-se quanto antes, podendo também registar a participação de acompanhantes, se assim o desejarem.

A recepção e a cerimónia de entronização no Auditório Municipal têm entrada livre.

GPS: «Auditório Municipal Sabugal»
Latitude = 40°21’8.94″ N, Longitude = 7° 5’34.85″ W

Confraria do Bucho Raiano

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.158.592 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES