Jorge MartinsConcluído que está o primeiro estudo estatístico a partir das fichas dos processos inquisitoriais dos réus naturais ou residentes no Sabugal, vamos agora entrar numa fase mais morosa, mas mais elucidativa da leitura do conteúdo dos processos.

Estamos convictos de que a leitura dos processos nos poderá ajudar, entre outras informações, a localizar a judiaria do Sabugal e confirmar a existência de uma Arca Sagrada – Aron Hakodesh ou Ekhal (designação ibérica) – na Casa do Castelo, corroborada por vários investigadores, designadamente por uma delegação israelita que a visitou recentemente.

Arca Sagrada - Aron Hakodesh - Casa do Castelo - Sabugal

De facto, seria da maior importância para a criação de um Roteiro dos Judeus do Sabugal – integrado num Roteiro dos Judeus das Beiras – a validação, pela via documental, da Arca Sagrada da Casa do Castelo. Desse modo, teríamos um importantíssimo ponto de apoio para o Roteiro dos Judeus do Sabugal e uma belíssima peça, conservada pela Casa do Castelo, como pólo de referência, caso se confirme também que aquela habitação era um local de culto, privado ou comunitário. Isto poderia querer significar que a Casa do Castelo faria parte da judiaria do Sabugal.
Convém ter em conta que, após a expulsão / baptismo forçado dos judeus (1496/1497), as comunidades judaicas portuguesas se extinguiram, dispersaram ou reorganizaram noutros locais mais próximos, agora na forma criptojudaica. Já sabemos que os réus sabugalenses da Inquisição se dispersaram pelas Beiras, praticamente por concelhos próximos do Sabugal. Em consequência, é possível que tenham mantido locais secretos de culto no próprio Sabugal.
A escolha dos processos inquisitoriais incidirá, pois, numa primeira fase, nos que se referem aos réus residentes na vila do Sabugal quando da sua prisão. Deste modo, pretendemos encontrar moradas e, a partir delas, conhecer os locais das práticas judaicas. Assim, deixamos para outra fase os processos referentes a réus residentes noutras localidades do concelho. De seguida, serão estudados os processos dos réus naturais do Sabugal, mas residentes noutros concelhos.
Dos 37 processos referentes a réus identificados como residentes na vila do Sabugal, vamos estudar 12, que estão digitalizados pela Torre do Tombo. Todos eles estão acusados de judaísmo.

Quadro

Como facilmente se depreende, esta fase irá demorar meses e implicará a interrupção desta primeira série de artigos no Capeia Arraiana. Regressaremos quando tivermos dados concludentes sobre os objectivos pretendidos e acima enunciados.
Até breve!
«Na Rota dos Judeus do Sabugal», opinião de Jorge Martins

martinscjorge@gmail.com

Anúncios