Continuando por terras da Beira Baixa, em Belmonte e Vila de Rei temos vários empreendimentos habitacionais em espaço rural…

José Morgado Carvalho - «Terras entre Côa e Raia»Pousada de Belmonte – A pousada tem origem na recuperação das ruínas do antigo Convento de Nossa Senhora da Esperança, construído sobre uma ermida fundada no século XIII.
Ao entrar neste lugar vai sentir-se recuar no tempo. O espaço preserva o espólio histórico do mosteiro, classificado em 1986 como imóvel de interesse público. O resultado entre a preservação do passado e a ampliação e adaptação ao presente, resulta num conjunto harmonioso perfeitamente integrado na paisagem.
O bar situa-se na antiga sacristia e a sala de convívio no lugar da antiga capela do convento.
Mas não se pense que por ser um antigo mosteiro franciscano que o lugar é dotado à pobreza, pelo contrário. Aqui encontrar-se-á aconchegantes salas e salões repletos de pormenores de bom gosto com mobiliário antigo, esculturas de artistas locais e confortáveis poltronas de veludo. Os espaços são rasgados por amplas janelas com vista sobre a Cova da Beira e Serra da Estrela.
Os quartos construídos de raiz num acrescento do convento, não têm número e são identificados por nomes de frades e cada qual tem um nome e uma divertida pintura à entrada. São amplos, diferenciados na decoração e com varandas privadas com vistas fantásticas para a serra. A suite principal é um duplex que mais parece uma casa de campo. No piso de baixo tem uma sala privada e no superior o quarto.
O restaurante gourmet integrado na Pousada de Belmonte está aberto ao público em geral. A sala tem um espírito rústico com parede de pedra, lareira e tecto de madeira e as mesas têm um ar sofisticado, onde servem o famoso vinho Kosher, um néctar que respeita todos os requisitos da religião judaica e que é produzido na região.
Continuando por terras da Beira Baixa, em Vila de Rei temos ainda os seguintes empreendimentos habitacionais em espaço rural:
Casa do Capitão-Mor – Embora fique em pleno centro de Vila de Rei, não tendo portanto, características arquitectónicas fora do comum, ainda que construído no século XVII numa localização excepcional tem o seu interior muito interessante, com soalhos e tectos de madeira, grandes pés-direitos, portas interiores com bandeira, enfim, aquilo a que num certo imaginário se associa a uma casa de província com tudo o que isto significa em termos de conforto e ambiente familiar.
O edifício quase ocupa um quarteirão, pelo que o seu miolo tem o seu quê de labiríntico e é preciso descer e subir escadas, atravessar sucessivas salas e longos corredores. Nas traseiras tem um vasto pátio interior com sombra, trepadeiras e bancos de jardim.
Possui cinco quartos com casa de banho e uma suite.
Casa dos Azulejos – Situada também em pleno centro histórico de Vila de Rei, este edifício do século XIX ostenta azulejos da época e varandas em ferro forjado. No interior encontramos uma riquíssima colecção dos mais variados objectos de decoração, quase todos eles do fim do século XIX. Também o mobiliário, todo ele desta época leva-nos a uma agradável viagem no tempo.
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com