You are currently browsing the daily archive for Domingo, 31 Janeiro, 2010.

«Encaro a política como um grande desafio», disse-nos a vereadora Sandra Fortuna, recentemente escolhida pelos seus pares para integrar o Conselho de Administração da empresa municipal Sabugal+. Eleita para a Câmara Municipal nas listas do Partido Socialista, Sandra Fortuna, natural do Casteleiro, que com 29 anos é a mais jovem dos vereadores que compõem o actual executivo, sente que as mulheres dão outro ar à política.

– Foi nomeada vogal do Conselho de Administração da Empresa Sabugal+, que será presidido pelo próprio presidente da Câmara Municipal, António Robalo. Como é que se chegou a essa solução, depois de tão longa indefinição quanto ao futuro da empresa?
– De facto, a situação arrastava-se desde há algum tempo mas há decisões que, antes de serem tomadas, devem ser muito bem ponderadas para não se cair em erros graves. Assim, na última reunião e depois de longa e saudável discussão, o executivo aprovou por unanimidade a proposta apresentada pelo presidente da Câmara para a constituição do Conselho de Administração, que será presidido por ele mesmo, sendo eu e a técnica da Câmara Teresa Marques os vogais.
– O que representa para si este novo desafio?
– É um enorme e aliciante desafio. A Sabugal+ pode vir a fazer um trabalho decisivo para o concelho, na medida em que a sua actividade abrange áreas de grande relevância, designadamente a cultura, o desporto e o turismo. São áreas transversais que devem ser encaradas como ferramentas fundamentais na construção de um Concelho que se diferencie pela riqueza da sua cultura, do seu património e nobreza das suas gentes. Há muito trabalho que se pode e deve fazer neste âmbito. Igualmente ao nível das parcerias que se podem estabelecer com outras entidades, para que todos se possam envolver no futuro do concelho. Não posso deixar de esclarecer que os objectivos e a actividade da empresa municipal é decidida pelo executivo da Câmara, a quem cabe igualmente decidir sobre as suas competências.
– Então está a querer dizer que a Sabugal+ deveria ter mais competências?
Considero que a Sabugal+ poderá ter uma influência maior em muitos sectores da estrutura organizacional do Município.
– Como se vai processar a gestão da Sabugal+? Vai ocupar as funções de vogal a tempo inteiro?
– A ideia é gerir a empresa com respeito pelos seus Estatutos, que estipulam a realização de uma reunião mensal, podendo porém o Conselho de Administração reunir extraordinariamente sempre que se justificar. Tenho a certeza que a empresa tem nos seus quadros técnicos competentes que serão uma mais-valia preciosa no funcionamento, no desenvolvimento e na concretização dos objectivos, como referi anteriormente, estipulados pelo executivo da Câmara.
– Considera que esta foi uma solução de recurso, face à impossibilidade de se chegar a um acordo para a nomeação de um técnico experiente para dirigir a empresa?
– Não foi uma solução de recurso. Foi uma solução política e consensual face à composição do actual executivo municipal.
– Considera então que Norberto Manso não merecia ser reconduzido, tal como propunha o presidente da Câmara?
– A questão não se pode colocar dessa forma. O Dr. Norberto Manso era um homem de confiança do anterior executivo e por isso foi nomeado no cargo de presidente da Sabugal+. Era, portanto, um cargo político de nomeação. Como é evidente, o Dr. Norberto não é o homem de confiança da maioria do actual executivo. Importa, no entanto, referir mais uma vez, que o Conselho de Administração cumpre as orientações da Câmara Municipal.
– Está a querer dizer que foi apenas a confiança política que relevou?
– Isso mesmo. Norberto Manso tinha a confiança política do anterior executivo, onde um partido era maioritário e dava as orientações. Actualmente há uma nova realidade, resultante das últimas eleições, e a solução encontrada reflecte a vontade política do executivo que está em funções.
– O Presidente António Robalo acabou por perder politicamente…
– É meu entendimento que ninguém ganhou ou perdeu. A democracia funcionou e formou-se a equipa que o executivo considerou ideal para administrar a empresa. Discutiu-se calma e serenamente e foi encontrada uma solução a contento de todos, realidade que se traduziu na aprovação da proposta por unanimidade.
– Houve momentos de grande tensão nalgumas reuniões em que o assunto foi discutido?
– Julgo que transpareceu para a opinião pública uma ideia errada sobre a forma como as reuniões aconteceram. Posso assegurar que as reuniões até agora realizadas ocorreram com serenidade e com um grande sentido de responsabilidade por parte de todos os intervenientes. Houve um ou outro momento de debate mais vivo, mas sem exaltações e sempre com o máximo respeito de uns pelos outros. A prova disso é que quase tudo o que foi analisado foi aprovado por unanimidade ou, nalguns casos, com a abstenção da oposição. No que se refere aos vereadores do Partido Socialista, sabemos que estamos no executivo como oposição, para que fomos mandatados pelo voto popular, mas fazemo-lo construtivamente e sempre a pensar no futuro do concelho.
– Consigo o PS voltou a ter uma vereadora na Câmara, depois do mandato que entre 2001 e 2005 desempenhou a malograda Lucinda Pires, também do Casteleiro. A Sandra Fortuna sente-se uma seguidora do trabalho político que a professora Lucinda fez no concelho?
– Sinto um enorme orgulho no trabalho da Lucinda Pires no concelho e sobretudo no Casteleiro. Para mim ela será sempre recordada como uma grande figura do concelho do Sabugal. Não sinto que esteja a seguir o seu percurso, porque eu quero seguir o meu próprio caminho. Mas ela é para mim uma referência e lembro-me muitas vezes do percurso que ela teve como presidente de Junta de Freguesia, vereadora, professora e dirigente associativa. O Casteleiro orgulha-se muito dela. Note que a Lucinda foi a única figura da freguesia a quem foi feita uma homenagem pública com a colocação de um busto no largo principal. Ela contribuiu decisivamente para o desenvolvimento da terra que a viu nascer. Nunca a esqueceremos!
– O Capeia Arraiana entrevistou recentemente Delfina Leal, vice-presidente da Câmara, e o José Carlos Lages, que fez a entrevista, disse no final que a política no Sabugal está diferente. Concorda que a presença feminina na vereação da Câmara deu um ar mais cuidado e simpático ao executivo?
– No que me diz respeito, considero que se não me achasse capaz de contribuir para uma melhoria do trabalho do executivo não teria ocupado o lugar de vereadora. Tenho-me empenhado nas funções que agora exerço e o meu desejo é fazer sempre mais e melhor, mas tentando também fazer diferente. As mulheres dão de facto outro ar à política.
– Mas concorda que a maior parte das mulheres estão na política devido à Lei da Paridade, mantendo-se a política como uma actividade dominada pelos homens?
– Efectivamente, os políticos são na sua maioria homens, mas o número de mulheres tem vindo a aumentar sendo esta uma tendência que acredito se virá a acentuar no futuro. Há de facto um percurso a fazer para que as mulheres participem mais activamente na actividade política. As mulheres têm muitas responsabilidades no seu dia a dia, mas articulando todas as tarefas, conseguimos obter um óptimo desempenho. É uma verdade que nada se consegue sem esforço, mas encaro a política como um grande desafio. Estou na política porque gosto e porque considero que posso ser útil nestas funções e por consequência no desenvolvimento do Concelho do Sabugal.
– Sente-se respeitada no seio de um executivo camarário, ainda assim dominado pelos homens?
– Absolutamente. Do pouco tempo que tenho como vereadora posso dizer que o respeito é imenso. Não recordo qualquer situação de desconsideração. Não existe qualquer tipo de desigualdade entre as propostas e os pontos de vista apresentados pelas mulheres ou pelos homens do executivo.
– Os três vereadores eleitos pelo Partido Socialista actuam de forma concertada, como um todo, ou cada um age por si assumindo a sua própria responsabilidade?
– Temos na Câmara pessoas de muito valor, e não falo por mim. O António Dionísio e o Luís Sanches estão ali para trabalhar em favor do Sabugal. Analisam a fundo todos os assuntos e discutem-nos seriamente. O Toni, embora nunca antes tivesse sido vereador, tem uma grande experiência, e é um homem muito coerente e muito rigoroso. Conversamos muitas vezes para acertarmos posições e tentamos agir concertadamente, sempre com uma certeza e um objectivo comum: que é possível construir um Sabugal com futuro!
– A oposição não tem, portanto, sido uma força de bloqueio nas decisões do executivo?
– De maneira nenhuma. Os vereadores eleitos do PS têm demonstrado uma grande responsabilidade, tanto nas votações efectuadas como na apresentação de propostas para a resolução dos assuntos discutidos nas reuniões. Temos a noção clara de que o mais importante é a construção de um concelho melhor para viver e trabalhar. No entanto, compete ao Sr Presidente da Câmara e aos seus colaboradores directos apresentarem os projectos, cabendo-lhe igualmente a responsabilidade se os resultados obtidos não forem os mais positivos.
plb

Anúncios

Os elementos da Junta de Freguesia de Foios, concelho do Sabugal, pediram ao Senhor Pároco da localidade que informasse na Missa Dominical que, durante uma semana, aceitavam dinheiro para as vítimas do Haiti. O resultado foi consubstanciado numa modesta, mas seguramente muito preciosa, ajuda para aquele povo que vive momentos de infelicidade.

José Manuel Campos - Nascente do CôaNo peditório realizado na Igreja foram recolhidos 355 euros e, durante a semana, as pessoas entregaram à Natividade Esteves, à professora Natália e aos elementos da Junta de Freguesia mais 248 euros, o que perfaz um total de 603 euros.
Os elementos da Junta de Freguesia agradecem a colaboração do Senhor Padre Paulo, das pessoas que fizeram o peditório e, sobretudo, às muitas pessoas que se dignaram contribuir.
Segunda-feira, dia 1 de Fevereiro, o Presidente da Junta de Freguesia vai à agência da Caixa Geral de Depósitos do Sabugal, fazer o depósito na conta correspondente. Pedirá uma declaração para comprovar que tudo foi feito legal e seriamente.
Esta pequena quantia é mais uma gota de água, mas são muitas pequenas gotas que, na verdade, formam os lagos, rios e oceanos.
Deus queira que nunca nós precisemos deste tipo de auxílio.
«Nascente do Côa», opinião de José Manuel Campos

(Presidente da Junta de Freguesia dos Foios)

jmncampos@gmail.com

Continuando por terras da Beira Baixa, em Belmonte e Vila de Rei temos vários empreendimentos habitacionais em espaço rural…

José Morgado Carvalho - «Terras entre Côa e Raia»Pousada de Belmonte – A pousada tem origem na recuperação das ruínas do antigo Convento de Nossa Senhora da Esperança, construído sobre uma ermida fundada no século XIII.
Ao entrar neste lugar vai sentir-se recuar no tempo. O espaço preserva o espólio histórico do mosteiro, classificado em 1986 como imóvel de interesse público. O resultado entre a preservação do passado e a ampliação e adaptação ao presente, resulta num conjunto harmonioso perfeitamente integrado na paisagem.
O bar situa-se na antiga sacristia e a sala de convívio no lugar da antiga capela do convento.
Mas não se pense que por ser um antigo mosteiro franciscano que o lugar é dotado à pobreza, pelo contrário. Aqui encontrar-se-á aconchegantes salas e salões repletos de pormenores de bom gosto com mobiliário antigo, esculturas de artistas locais e confortáveis poltronas de veludo. Os espaços são rasgados por amplas janelas com vista sobre a Cova da Beira e Serra da Estrela.
Os quartos construídos de raiz num acrescento do convento, não têm número e são identificados por nomes de frades e cada qual tem um nome e uma divertida pintura à entrada. São amplos, diferenciados na decoração e com varandas privadas com vistas fantásticas para a serra. A suite principal é um duplex que mais parece uma casa de campo. No piso de baixo tem uma sala privada e no superior o quarto.
O restaurante gourmet integrado na Pousada de Belmonte está aberto ao público em geral. A sala tem um espírito rústico com parede de pedra, lareira e tecto de madeira e as mesas têm um ar sofisticado, onde servem o famoso vinho Kosher, um néctar que respeita todos os requisitos da religião judaica e que é produzido na região.
Continuando por terras da Beira Baixa, em Vila de Rei temos ainda os seguintes empreendimentos habitacionais em espaço rural:
Casa do Capitão-Mor – Embora fique em pleno centro de Vila de Rei, não tendo portanto, características arquitectónicas fora do comum, ainda que construído no século XVII numa localização excepcional tem o seu interior muito interessante, com soalhos e tectos de madeira, grandes pés-direitos, portas interiores com bandeira, enfim, aquilo a que num certo imaginário se associa a uma casa de província com tudo o que isto significa em termos de conforto e ambiente familiar.
O edifício quase ocupa um quarteirão, pelo que o seu miolo tem o seu quê de labiríntico e é preciso descer e subir escadas, atravessar sucessivas salas e longos corredores. Nas traseiras tem um vasto pátio interior com sombra, trepadeiras e bancos de jardim.
Possui cinco quartos com casa de banho e uma suite.
Casa dos Azulejos – Situada também em pleno centro histórico de Vila de Rei, este edifício do século XIX ostenta azulejos da época e varandas em ferro forjado. No interior encontramos uma riquíssima colecção dos mais variados objectos de decoração, quase todos eles do fim do século XIX. Também o mobiliário, todo ele desta época leva-nos a uma agradável viagem no tempo.
«Terras entre Côa e Raia», opinião de José Morgado

morgadio46@gmail.com

«Lisboa, 18-10-1992. João XV, rei da Ibéria, acompanhado pelo primeiro-ministro Felipe Gonzalez, recebeu esta tarde Jacques Delors, presidente da Comissão Europeia, e os ministros dos Negócios Estrangeiros da CE. Amanhã, o monarca deslocar-se-á a Madrid, para aí inaugurar a Grande Exposição comemorativa do V Centenário do nascimento do príncipe Duarte, o primeiro rei da Ibéria unificada.»

Adérito Tavares - Na Raia da MemóriaEsta é uma notícia obviamente forjada, que relata acontecimentos que não ocorreram. Mas é também uma notícia que poderia perfeitamente ser verdadeira. Com aqueles ou outros nomes, aqueles ou outros factos. Se é verdade que a história é o que foi e não o que poderia ter sido, nem por isso deixa de ser interessante fazermos história conjectural, isto é, imaginarmos o presente em função de um desvio no rumo dos acontecimentos históricos.
A nossa existência individual é o que é devido a uma ininterrupta sequência de acasos. Existimos porque as circunstâncias juntaram os nossos avós ou os nossos pais. A própria humanidade existe porque, há setenta milhões de anos atrás, houve um meteorito que colidiu com a Terra, o que provocou a extinção dos dinossauros. O Acaso desempenha frequentemente um papel decisivo no devir histórico, chame-se-lhe isso ou outra coisa qualquer. Vejamos um exemplo daquilo a que podemos chamar o papel do Acaso na História.
D. João II, rei de Portugal entre 1481 e 1495, foi um monarca enérgico, activo e empreendedor, grande impulsionador da expansão marítima e construtor do moderno Estado absoluto, considerado por muitos historiadores como um dos melhores governantes que passaram pelas cadeiras do poder no nosso País. Em 1471 casou com a sua prima direita D. Leonor, de quem teve um filho único, o príncipe D. Afonso, nascido em 1475.
Entre 1483 e 1484, D. João II reprimiu com grande violência duas conspirações em que se encontravam envolvidos alguns dos mais poderosos senhores da aristocracia portuguesa, como o duque de Bragança e o duque de Viseu e Beja (primo e cunhado do monarca). Ambos foram executados, o mesmo sucedendo a muitos outros. Segundo parece, o objectivo dos conspiradores era a deposição do rei de Portugal e a unificação com a Espanha dos Reis Católicos.
Os planos de D. João II, todavia, embora similares, divergiam quanto à liderança do processo e aos métodos. Também ele aspirava à unificação ibérica, mas sob a égide de Portugal. Deste modo, em Novembro de 1490, realiza-se o casamento do infante D. Afonso, herdeiro do trono português, com D. Isabel de Castela, filha mais velha e herdeira dos Reis Católicos. Esta união seguia, aliás, o exemplo do próprio casamento dos monarcas espanhóis. Do matrimónio de Fernando, rei de Aragão, e de Isabel, rainha de Leão e Castela, resultou a unificação da Espanha (Navarra viria a ser anexada mais tarde e o reino muçulmano de Granada, último reduto árabe da Península, foi conquistado pelos Reis Católicos em 1492).
O plano era perfeito: os dois grandes Estados ibéricos, ambos empenhados nas descobertas e conquistas além-mar, só tinham a ganhar em se unirem, face aos poderosos vizinhos do Norte, a França e a Inglaterra. O filho de Afonso e Isabel seria monarca do mais poderoso reino da Europa do século XVI, senhor de um colossal império marítimo. O plano era perfeito, de facto. Mas o Acaso não o quis.
Oito meses após o casamento, na manhã de 12 de Julho de 1491, encontrando-se a Corte em Santarém, o príncipe D. Afonso disputava alegremente com D. João de Meneses uma corrida a cavalo, à beira do Tejo. O cavalo caíu, arrastando consigo o cavaleiro. D. Afonso, então apenas com 16 anos, entrou em coma e morreu na noite seguinte.
Esfumava-se assim o grandioso projecto de D. João II. O rei de Portugal nunca se recompôs do profundo desgosto que sofreu. Pouco tempo depois, em 1495, com 40 anos de idade, morreria aquele a quem chamaram Príncipe Perfeito, um rei «de seus povos mui querido e dos grandes mui temido», no dizer de Garcia de Resende. À melancolia que o dominava (hoje chamar-lhe-íamos depressão) juntaram-se perturbações gastrintestinais, que o levariam até às Caldas de Monchique. Exalou o último suspiro em Alvor, em 25 de Outubro de 1495, no meio de uma dramática agonia. A rainha D. Leonor e seu irmão, o futuro rei D. Manuel I, não estavam ao seu lado. Apenas lhe segurava a mão trémula e febril um filho bastardo, D. Jorge, que D. João II ainda planeou fazer seu herdeiro. Ao tempo correram rumores, referidos pelos cronistas, de que o rei teria sido envenenado. Foi também essa a opinião de Oliveira Martins e Braancamp Freire, entre outros historiadores.
O projecto da unificação ibérica, no entanto, não morreu com D. João II. A política de casamentos foi retomada por D. Manuel I que, em 1497, casou com a princesa viúva de D. Afonso, D. Isabel de Castela. No ano seguinte, a jovem rainha deu à luz o futuro rei de toda a Península: D. Miguel da Paz. Mais uma vez, todavia, os Fados se opunham à unificação: a rainha morreu de parto e o pequeno D. Miguel viria também a falecer em 1500. Tragédia sobre tragédia, o Acaso construía e destruía a sua teia, como Penélope.
O novo matrimónio de D. Manuel I ainda seguiu rumo semelhante casou com uma irmã da primeira esposa, D. Maria de Castela, que seria rainha de Portugal por muitos e bons anos e que lhe daria oito filhos. Mas D. Maria era a terceira filha dos Reis Católicos. A segunda, Joana (a Louca) já não estava livre: tinha casado com Filipe o Belo, filho de Maximiliano da Áustria (seriam os pais de Carlos V de Habsburgo, rei da Espanha e da Áustria).
Carlos V, por sua vez, veio a casar com a infanta D. Isabel de Portugal, filha de D. Manuel I. Deste casamento nasceria Filipe II, este sim unificador da Península Ibérica. Todavia, em 1580, a unificação já não era desejada com a mesma intensidade. Sessenta anos depois, em 1640, cada país seguiria o seu destino.
No entanto, se o cavalo de D. Afonso não tivesse caído; ou se o príncipe tombasse nas águas tranquilas do Tejo; ou se a infanta D. Isabel de Castela não tivesse morrido de parto; ou se o principezinho D. Miguel da Paz tivesse sobrevivido, qual teria sido o percurso de Portugal e da Espanha? Seria, muito provavelmente, um percurso histórico comum  tão comum como foi o de Leão, Castela, Aragão, Navarra, Galiza, Catalunha, Granada, etc. Mau grado os nacionalismos e os anseios autonomistas.
A notícia com que começámos esta crónica (ou outra semelhante) poderia perfeitamente ser autêntica. Se, se, se…

Nota: Este artigo pretende ser uma resposta a alguns dos comentários a outro dos meus artigos anteriores: «Ventos e casamentos.»
«Na Raia da Memória», opinião de Adérito Tavares

ad.tavares@netcabo.pt

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.144.789 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios