O Capeia Arraiana esteve à fala com Delfina Leal, vice-presidente da Câmara Municipal do Sabugal. O encontro deu-se em Lisboa ao final do dia de quarta-feira no pavilhão 2 da BTL no stand das Termas de Portugal. Destacava-se na alva paisagem termal a maqueta futurista da nave espacial do balneário das Termas do Cró. A autarca representou o município sabugalense na abertura da Feira de Turismo e marcou presença no Congresso Internacional de «Saúde e Bem-estar» que decorreu no auditório da FIL.

À fala com... Delfina Leal– O Sabugal, pela mão da Câmara Municipal, aparece este ano pela primeira vez em dois stands da BTL. Porquê só agora?
– Estamos muito empenhados em divulgar e promover o Sabugal. É uma aposta forte para colocar o nosso concelho no mapa. O património histórico, cultural, natural, gastronómico e tudo aquilo que nos possa promover. Estamos presentes no Turismo da Serra da Estrela e o peso e importância dessa marca onde estão representados quase todos os concelhos da Beira Interior é uma mais-valia para as nossas ofertas.
– No pavilhão da Serra da Estrela há uma aposta clara no turismo. No espaço das Termas de Portugal a estrela é o complexo termal do Cró…
– Sim. Como o balneário está prestes a ser concluído entendemos que era a altura de estar presente para dar a conhecer a nossa grande aposta no futuro próximo. É o primeiro ano que a BTL tem esta variante de saúde e bem-estar. Estive presente durante a manhã deste primeiro dia de feira no Congresso Internacional dedicado a esta temática da saúde e bem-estar. Assisti, num auditório repleto, a intervenções muito interessantes e recolhi informações muito úteis para preparar a abertura do parque termal do Cró.
– É objectivo da autarquia maximizar a promoção das Termas do Cró?
– Exacto. Está previsto que as obras estejam concluídas em Maio ou Junho e estamos a ultimar o lançamento do concurso público para a concessão a privados do espaço. Desejamos que o Parque termal tenha visibilidade a nível distrital, nacional e… dada a proximidade que temos a Espanha iremos fazer uma grande aposta de promoção no mercado ibérico. O balneário tem uma arquitectura lindíssima e oferece águas com características muito específicas e de grande qualidade com várias valências como o termalismo, saúde e bem-estar, spa e fisioterapia a nível médico. Queremos alargar a oferta e transformar as históricas «Termas do Cró» em «Parque Termal do Cró». Aliás o Presidente António Robalo até gosta mais de lhe chamar «Parque Termal» e eu também considero que é mais adequado à oferta diversificada que pretendemos oferecer ainda durante este ano de 2010.
– Essa oferta variada implica alojamento nas proximidades?
– Pretendemos lançar em breve um concurso para a construção de um hotel rural com capacidade entre 60 a 70 camas ligado ao complexo. Aliás nas aldeias próximas já há quem esteja interessado em investir em habitações de turismo rural. Hoje confirmei no congresso uma ideia pessoal que venho defendendo há muito tempo. Em termos de turismo mundial o conceito de «saúde e bem-estar» é um produto em franca expansão que faz viajar as pessoas.
– Considera então que o projecto é auto-suficiente?
– Não. As termas devem ser integradas em tudo aquilo que o concelho do Sabugal oferece. Devemos promover e estudar em parceria com a iniciativa privada os roteiros turísticos dos castelos, da gastronomia…
–… é um tema recorrente mas não posso deixar de lhe lembrar as dificuldades das ligações rodoviárias ao concelho. A aposta pode passar pelo comboio…
–…é uma hipótese. E confirmo que pretendemos «convencer» a Refer para que seja possível alterar o nome da estação ferroviária para «Cerdeira-Termas do Cró». É uma negociação muito burocrática mas que entendemos importante para a promoção e desenvolvimento do projecto termal.
– Representou a Câmara Municipal do Sabugal na abertura da BTL e participou no Congresso Internacional «Saúde e Bem-estar». Que «sensações» leva de volta?
– Gostei de ver a experiência do Hotel H2O que eu já conhecia mas que vale sempre a pena recordar ou das Termas de Monte Real que estiveram num processo de recuperação e que depois de renovadas se reposicionaram no mercado da «Saúde e Bem-estar». São experiências enriquecedoras que nos permitem alargar o leque de hipóteses para rentabilizar o investimento. O nosso concelho tem 29 lares de idosos de excelente qualidade que poderão receber no futuro idosos que não têm raízes no concelho do Sabugal mas que se vieram tratar nas Termas e por lá ficaram. São janelas de oportunidades que devemos manter abertas. Deixo aqui outro exemplo. O presidente da Região de Turismo da Serra da Estrela, Jorge Patrão, insistiu para que lhe trouxéssemos uns quadros sobre capeias mas depois não foi possível enquadrá-los no stand. Há pouco estivemos à conversa sobre as capeias e ele insistiu na necessidade de oferecermos as capeias no Sabugal. E eu defendi que temos de encontrar uma forma de «vender» a Capeia durante todo o ano aos que são de fora. A forma como a Capeia se realiza nas praças das nossas aldeias com lotação esgotadíssima não é compatível com a reserva de lugares para uma excursão. Acredito que vamos ser capazes de encontrar o melhor futuro para o nosso presente.

A Doutora Delfina Leal surpreende pelo fino trato e pela delicadeza com que transmite as suas convicções e pensamentos. A política (que por acaso até é um substantivo feminino) sabugalense está diferente.
jcl

Anúncios