You are currently browsing the daily archive for Quarta-feira, 13 Janeiro, 2010.

Naquele dia fazia um frio de gelar. Era inverno, a temperatura ao sol não subia alem de 0 graus. Os da cidade aproveitavam o fim de semana prolongado para conhecer uma das mais bonitas aldeias de Portugal, a medieval Sortelha.

Kim Tomé (Tutatux)Em busca de emoções novas chegavam pouco preparados para o frio intenso com as roupas típicas da cidade.
Debaixo de uma arcada, uma tábua com artesanato e licores, para onde os visitantes enviavam um olhar curioso.
Ao canto duas senhoras enregeladas tentam sorrir por debaixo dos agasalhos enquanto se encolhem no canto tentando abrigar-se.
Com frio, os visitantes correm apressados em busca de abrigo.
E ali num canto frio, as duas senhoras continuavam tentando vender algo que lhes garantisse o sustento para a família.
Foi assim durante mais de oito anos.
Em oito anos nunca as instituições foram capazes de apoiar estas pessoas, apesar de vários pedidos e da evidente falta de condições.
Agora finalmente as senhoras enregeladas têm um espaço digno.
Artesanato em SortelhaGraças à boa vontade da nova equipa da Junta de Freguesia de Sortelha, que ergueu uma «varinha de condão» e transformou o espaço há muitos anos devoluto, num espaço digno para mostrar e comerciar o artesanato local.
E foi como que, por magia que as pessoas se juntaram e deram uma ajuda a tornar o local mais agradável.
Agora, as Senhoras recebem os visitantes com um sorriso aberto já não escondido por detrás dos agasalhos, e os visitantes podem calma e acolhedoramente, conhecer o artesanato e as histórias sobre Sortelha, que estas senhoras contam com as faces rosadas e um sorriso aberto.
Esta «Varinha de Condão» que sem custos adicionais, apenas com Boa Vontade, Humanismo e colaboração se ergueu, bastou para acrescentar um enorme valor a Sortelha.
Em nome dos visitantes e das Senhoras que durante Oito Anos sofreram desnecessariamente as agruras dos Invernos, um grande Bem Haja a quem assim manobra a «Varinha de Condão».

p.s. Este post é óbvia, descarada e provocadoramente uma resposta ao meu amigo João Aristides pela positiva 🙂
É assim João… é assim… que se manobra a tal «Varinha de Condão». Simples, não achas? 😉

«O Bardo», opinião de Kim Tomé

kimtome@gmail.com

Anúncios

Os municípios de Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção e Melgaço pretendem criar a Confraria da Lampreia como veículo de promoção gastronómica e turística da região do Rio Minho.

Lampreia do MinhoOs cinco municípios banhados pelo Rio Minho – Caminha, Vila Nova de Cerveira, Valença, Monção e Melgaço – encetaram conversações com vista a criar durante o ano de 2010 a Confraria da Lampreia. Para os próximos meses está a ser organizadas acções conjuntas turísticas e gastronómicas para promoção do afamado ciclóstomo e que incluem um Festival de Lampreia à moda tradicional em, pelo menos, 80 restaurantes dos concelhos confrades.
O grupo de trabalho que está a preparar os estatutos da Confraria da Lampreia vai impor como regra número um que o prato de lampreia à moda do Minho deverá constar obrigatoriamente todos os fins-de-semana nas ementas dos restaurantes aderentes e seja confeccionado de acordo com a receita tradicional.
Em declarações à agência Lusa o responsável pelos serviços culturais da Câmara Municipal de Vila Nova de Cerveira, Nuno Correia, recordou que «há já largos anos que é o mês de Fevereiro é dedicado à promoção deste prato tradicional» acrescentando que «vai permitir classificar e certificar a lampreia do Minho como um produto de excelência da gastronomia portuguesa»
«A ideia partiu do município de Caminha e foi, depois, abraçada pelos restantes concelhos da margem portuguesa do Rio Minho. A Câmara de Paredes de Coura e a Adriminho (Associação de Desenvolvimento Rural Integrado do Vale do Minho) já mostraram, também, interesse em juntar-se às cinco câmaras confreiras», disse ainda o autarca minhoto.

Aproveitamos para sugerir ao executivo camarário sabugalense que quando forem mudadas as placas colocadas nas estradas que dão acesso à sede do concelho onde ainda se pode ler «Bem-vindos à vila do Sabugal» seja acrescentada a informação: «Capital do Bucho Raiano».
jcl

Há dias veio-me parar à mão a Lei da Passagem de Gado de 1564, uma interessante lei do tempo de D. Sebastião, sobre o contrabando de gado.

João ValenteA Lei da Passagem de Gado de 1564 era muito equilibrada para o tempo. Estabelecia, mecanismos eficazes de controle, fiscalização e penas dissuasoras, ao mesmo tempo que protegia o pequeno produtor e incentivava a grande criação de gado:
a) Todas as pessoas moradoras nas terras dentro de dez léguas da raia, deviam escrever, de Abril até ao dia de S. João Baptista, todo o gado, à excepção das ovelhas, num livro camarário;
b) No ano seguinte, e nas mesmas datas, descarregariam o que vendessem ou lhes morresse e acrescentariam o que adquirissem por compra, herança ou criação;
c) Os lavradores que levassem os gados a pastar dentro ou fora dessas dez léguas, tinham de se acompanhar de uma certidão ou carta-guia do seu gado. E retornando, se o vendessem sem licença seriam indiciados como passadores;
d) Os lavradores de fora destas dez léguas que viessem com o seu gado pastar nelas, deviam também escrever os seus gados na sua câmara e fazê-lo acompanhar de carta-guia sob pena de serem indiciados como passadores. Quando regressassem, deviam descarregá-lo no mesmo livro, sob pena de serem indiciados como passadores.
e) Em caso algum, era permitido vender gado dentro dessas dez léguas sem prévia licença e descarrego no livros de assentos camarários;
f) Todos os livros de assentos deviam estar disponíveis e em ordem para serem fiscalizados pelos juízes do rei ou juízes de fora, que tinham o poder de proceder contra qualquer irregularidade ou falta detectada;
g) Estavam apenas isentas destas regras de registo as pessoas que não tivessem mais de duas reses ou vinte cabeças de gado miúdo e até cinco porcos;
h) As penas eram o confisco de todo o gado e de todos os bens móveis;
i) No caso de pastores ou maiorais que colaborassem na passagem de gado ou não denunciassem os amos, eram desterrados por dois anos para África;
j) Quem denunciasse a situação recebia como recompensa 1/3 dos bens confiscados;
k) Quem pretendesse comprar gado fora do lugar onde fosse morador, tinha de levar declaração de quanto gado ia comprar e depois registá-lo no livro, sob pena de ser indiciado como passador;
l) Quem pretendesse fazer varas de porcos, devia declará-lo até ao dia 15 de Setembro de cada ano nos livros da câmara, sob pena de ser indiciado como passador;
m) A partir de Junho, não se podia trazer com as ovelhas, borregos ou carneiros, salvo sementais ou capados, sob pena de se perderem metade para o denunciante e outra metade para a câmara;
n) Quem de cem vacas tivesse por ano cinquenta crias; de mil ovelhas, duzentas e cinquenta crias; de mil cabras, quinhentas crias, beneficiava, demonstrando o facto pelo registo no livro, gozavam do privilégio de não serem presos em ferros ou cadeia pública, bem como dos mesmos privilégios dos cavaleiros e de não sofrerem penas de açoite.

Frontispício da Lei da Passagem de Gado de 1564De facto, o contrabando na fronteira terrestre era geral de Norte a Sul e praticado desde fidalgos da casa real, até ao mais humilde lavrador, a ponto de, sendo o país grande criador de gado, haver no século XVI muita falta de carne, por causa dele.
O contrabando na raia, já era antigo e as primeiras notícias remontam ao tempo de Sancho II e prosseguiu, como sabemos, até aos nossos dias, mas foi mais importante nos séculos XIV a XVI.
Era essencialmente o gado e a moeda que saíam para Castela e os panos que entravam em Portugal.
A vigilância económica sobre estes espaços de fronteira, fossem eles rios, ou pontos de passagem (portos), cabia a várias instâncias: Autoridades territoriais (Alcaides das «terras dos extremos», e fronteiros) e homens do fisco (siseiros, dizimeiros ou portageiros) ou aos homens das sacas (alcaide das sacas, escrivão das sacas, rendeiro das sacas).
Os impostos a solver pelas transacções inter-fronteiriças eram as sisas, dízimos e as portagens e este direito aduaneiro estava consagrado nos forais antigos, nas ordenações e nas decisões das cortes.
As formas de controlar este contrabando que se fazia nas terras de fronteira, designadamente de gado, foram as mais diversas: Assentamento num livro camarário do número de cabeças de gado de cada proprietário; guias de marcha emitidas pelas autoridades municipais quando o gado se deslocava, licenças de venda, penas de confisco do gado e de bens móveis e de raíz, desterro para os pastores (decisões das cortes de Lisboa, Santarém e Torres Novas).
As justiças, neste caso eram bastante rigorosas, havendo por vezes, excesso de zelo das autoridades, que muitas vezes, além de corruptas, por manobras espoliadoras, muitas vezes atropelavam as regras processuais e os direitos individuais.
Um tal Luis Gonçalves, da Reigada, quis ir comprar ovelhas de criação à Guarda, informando os juízes do lugar de que ia buscar gado, para depois lhe fazerem o assento no livro da câmara, conforme impunha a lei.
Na Guarda foi assaltado, não chegando a comprar qualquer cabeça e mesmo assim foi acusado de passar gado. Refugiando-se numa Igreja, os juízes foram buscá-lo e mantiveram-no em cativeiro um mês. Saíu porque os vigários da Guarda cominaram com as censuras eclesiásticas os juízes. Já em casa, o juiz prendeu-o e deixou-o a penar mais mês e meio no cárcere, onde gastou tudo o que tinha, até que fugiu.
Tais situações originavam sucessivas queixas ao rei, como a do povo da comarca da Beira a D. Afonso V, que acusava os oficiais das sacas de se «regerem por afeições» e não pelo cumprimento da Lei, o que levava o rei a conceder várias amnistias colectivas, como a que concedeu aos moradores de Castelo Rodrigo.
As medidas consagradas nesta célebre lei extravagante, que respondia ao fenómeno do contrabando de gado na raia, demonstra bem a dimensão que este atingiu no século XVI.
«Arroz com Todos», opinião de João Valente

joaovalenteadvogado@gmail.com

O repórter fotográfico Kim Tomé (Tutatux) está em Sortelha. Mais palavras para quê?…

GALERIA DE IMAGENS – SORTELHA – 10-10-2010
Fotos Joaquim Tomé – Todos os direitos reservados – Clique nas imagens para ampliar

A associação «Labirintos e Caminhos» do Carvalhal, freguesia de Badamalos, festejou em grande a sua primeira passagem de ano. A festa começou três dias antes (como seria de esperar no Carvalhal), alguns sócios acenderam o forno da aldeia e com toda a dedicação foram-no mantendo quente e limpo para o grande dia e como era previsível e claro, por necessidade, foram-no experimentando com os petiscos que alimentaram a dedicação do trabalho.

Mas a organização deste evento teve inicio um mês antes, quando se decidiu o que era preciso comprar e preparar para que nada faltasse. Como a associação por enquanto, e repito, por enquanto ainda não tem um espaço próprio, a grande festa teve lugar numa espaçosa e aquecida garagem que nos foi emprestada com muito prazer; assim sendo as instalações eram muito bem preparadas pois para além do espaço e do aquecimento pudemos ainda contar com uma casa-de-banho pública e móvel feita com empenho pelos sócios «para as mulheres» dizem eles.
O jantar teve início por volta das 20.30 horas e a festa e a comida prolongaram-se pela noite dentro. Toda a comida foi preparada pelos sócios no forno da aldeia e numa cozinha improvisada de onde saiu um delicioso caldo verde já depois das doze badaladas.
Depois do saboroso e prolongado jantar toda a gente se divertiu no baile, gente de todas as idades dançou e mostrou muita alegria. O ponto alto da noite foi sem dúvida a passagem de ano em si; embora as nossas doze badaladas tenham sido improvisadas toda a gente pôde pedir os seus desejos para o novo ano acompanhados com as tradicionais passas e um grande banho de champagne, seguidos de um colorido momento de fogo de artificio; com mais ou menos idade todos brindaram em grupo ao novo ano, foram momentos de muita alegria, abraços e sorrisos.
Sem nunca desaparecer o espírito festivo, a festa e a música continuaram, e toda a gente ao olhar em volta percebeu que entrou em 2010 da melhor maneira: rodeados de amigos e de verdadeira alegria a condizer com a decoração colorida do lugar.
O leitão, o frango, o bacalhau, as deliciosas sobremesas e outros apetitosos aperitivos estiveram disponíveis durante toda a festa, bem como a bebida que provocou muitas danças inesperadas. Quando o cansaço começou a tomar conta dos participantes, a festa foi acabando… acabando não… foi apenas uma pausa, pois como seria de esperar no Carvalhal a festa prolongou-se com o mesmo espírito para o almoço de Ano Novo; o forno, a cozinha improvisada, a música, o wc móvel e o pezinho de dança voltaram a entrar em acção.
Agradecemos a ajuda e participação de todos, a associação tão nova ainda sentiu-se muito acarinhada e apoiada. Sem os pequenos e grandes contributos dos participantes esta festa nunca teria sido possível. Toda a gente, de todas as idades ajudou, quer nos preparativos, quer no festejo e ainda na parte final de arrumação e limpeza; um muito obrigado a todos, com esta ajuda a associação terá sempre pernas e apoio para chegar mais longe.
Ficámos muito felizes e realizados quando ouvimos os parabéns da parte de todos os participantes. Fica a promessa de os próximos eventos da associação serem igualmente agradáveis e correspondestes às expectativas.
A «Labirintos e Caminhos» ainda agora começou o seu caminho e sente-se já com força e apoio pois a passagem de ano não podia ter corrido melhor! A todos um bom 2010!!!
Idalina Lopes
Sócia da Associação «Labirintos e Caminhos»

O Capeia Arraiana endereça à jovem Associação do Carvalhal votos de longa caminhada pelos labirintos do século XXI. E para o Artur, o Tony, o Alexandre e o Pedrinho aquele abraço com muita amizade.
jcl

JOAQUIM SAPINHO

DESTE LADO DA RESSURREIÇÃO
Em exibição nos cinemas UCI

Deste Lado da Ressurreição - Joaquim Sapinho - 2012 Clique para ampliar

Indique o seu endereço de email para subscrever este blog e receber notificações de novos posts por email.

Junte-se a 836 outros seguidores

PUBLICIDADE

CARACOL REAL
Produtos Alimentares


Caracol Real - Produtos Alimentares - Cerdeira - Sabugal - Portugal Clique para visitar a Caracol Real


PUBLICIDADE

DOISPONTOCINCO
Vinhos de Belmonte


doispontocinco - vinhos de belmonte Clique para visitar Vinhos de Belmonte


CAPEIA ARRAIANA

PRÉMIO LITERÁRIO 2011
Blogue Capeia Arraiana
Agrupamento Escolas Sabugal

Prémio Literário Capeia Arraiana / Agrupamento Escolas Sabugal - 2011 Clique para ampliar

BIG MAT SABUGAL

BigMat - Sabugal

ELECTROCÔA

Electrocôa - Sabugal

TALHO MINIPREÇO

Talho Minipreço - Sabugal



FACEBOOK – CAPEIA ARRAIANA

Blogue Capeia Arraiana no Facebook Clique para ver a página

Já estamos no Facebook


31 Maio 2011: 5000 Amigos.


ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ASSOCIAÇÃO FUTEBOL GUARDA

ESCOLHAS CAPEIA ARRAIANA

Livros em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Memórias do Rock Português - 2.º Volume - João Aristides Duarte

Autor: João Aristides Duarte
Edição: Autor
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)
e: akapunkrural@gmail.com
Apoio: Capeia Arraiana



Guia Turístico Aldeias Históricas de Portugal

Autor: Susana Falhas
Edição: Olho de Turista
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



Música em Destaque - Escolha Capeia Arraiana
Cicatrizando

Autor: Américo Rodrigues
Capa: Cicatrizando
Tema: Acção Poética e Sonora
Venda: Casa do Castelo (Sabugal)



SABUGAL – BARES

BRAVO'S BAR
Tó de Ruivós

Bravo's Bar - Sabugal - Tó de Ruivós

LA CABAÑA
Bino de Alfaiates

La Cabaña - Alfaiates - Sabugal


AGÊNCIA VIAGENS ON-LINE

CERCAL – MILFONTES



FPCG – ACTIVIDADES

FEDERAÇÃO PORTUGUESA
CONFRARIAS GASTRONÓMICAS


FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas - Destaques
FPCG-Federação Portuguesa Confrarias Gastronómicas Clique para visitar

SABUGAL

CONFRARIA DO BUCHO RAIANO
II Capítulo
e Cerimónia de Entronização
5 de Março de 2011


Confraria do Bucho Raiano  Sabugal Clique aqui
para ler os artigos relacionados

Contacto
confrariabuchoraiano@gmail.com


VILA NOVA DE POIARES

CONFRARIA DA CHANFANA

Confraria da Chanfana - Vila Nova de Poiares Clique para visitar



OLIVEIRA DO HOSPITAL

CONFRARIA DO QUEIJO
SERRA DA ESTRELA


Confraria do Queijo Serra da Estrela - Oliveira do Hospital - Coimbra Clique para visitar



CÃO RAÇA SERRA DA ESTRELA

APCSE
Associação Cão Serra da Estrela

Clique para visitar a página oficial


SORTELHA
Confraria Cão Serra da Estrela

Confraria do Cão da Serra da Estrela - Sortelha - Guarda Clique para ampliar



SABUGAL

CASA DO CASTELO
Largo do Castelo do Sabugal


Casa do Castelo


CALENDÁRIO

Arquivos

CATEGORIAS

VISITANTES ON-LINE

Hits - Estatísticas

  • 3.140.576 páginas lidas

PAGERANK – CAPEIA ARRAIANA

BLOGOSFERA

CALENDÁRIO CAPEIAS 2012

BLOGUES – BANDAS MÚSICA

SOC. FILARM. BENDADENSE
Bendada - Sabugal

BANDA FILARM. CASEGUENSE
Casegas - Covilhã


BLOGUES – DESPORTO

SPORTING CLUBE SABUGAL
Presidente: Carlos Janela

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Gomes

KARATE GUARDA
Rui Jerónimo

BLOGUES RECOMENDADOS

A DONA DE CASA PERFEITA
Mónica Duarte

31 DA ARMADA
Rodrigo Moita de Deus

A PÁGINA DO ZÉ DA GUARDA
Crespo de Carvalho

ALVEITE GRANDE
Luís Ferreira

ARRASTÃO
Daniel Oliveira

CAFÉ PORTUGAL
Rui Dias José

CICLISMO SERRA ESTRELA
Sérgio Paulo Gomes

FANFARRA SACABUXA
Castanheira (Guarda)

GENTES DE BELMONTE
Investigador J.P.

CAFÉ MONDEGO
Américo Rodrigues

CCSR BAIRRO DA LUZ
Alexandre Pires

CORREIO DA GUARDA
Hélder Sequeira

CRÓNICAS DO ROCHEDO
Carlos Barbosa de Oliveira

GUARDA NOCTURNA
António Godinho Gil

JOGO DE SOMBRAS
Rui Isidro

MARMELEIRO
Francisco Barbeira

NA ROTA DAS PEDRAS
Célio Rolinho

O EGITANIENSE
Manuel Ramos (vários)

PADRE CÉSAR CRUZ
Religião Raiana

PEDRO AFONSO
Fotografia

PENAMACOR... SEMPRE!
Júlio Romão Machado

POR TERRAS DE RIBACÔA
Paulo Damasceno

PORTUGAL E OS JUDEUS
Jorge Martins

PORTUGAL NOTÁVEL
Carlos Castela

REGIONALIZAÇÃO
António Felizes/Afonso Miguel

ROCK EM PORTUGAL
Aristides Duarte

SOBRE O RISCO
Manuel Poppe

TMG
Teatro Municipal da Guarda

TUTATUX
Joaquim Tomé (fotografia)

ROTA DO CONTRABANDO
Vale da Mula


ENCONTRO DE BLOGUES NA BEIRA

ALDEIA DA MINHA VIDA
Susana Falhas

ALDEIA DE CABEÇA - SEIA
José Pinto

CARVALHAL DO SAPO
Acácio Moreira

CORTECEGA
Eugénia Santa Cruz

DOUROFOTOS
Fernando Peneiras

O ESPAÇO DO PINHAS
Nuno Pinheiro

OCEANO DE PALAVRAS
Luís Silva

PASSADO DE PEDRA
Graça Ferreira



FACEBOOK – BLOGUES

Anúncios